Conheça o Pistache e confira seus benefícios para a saúde

Pistache, ou pistáchio, é um membro da família da castanha de caju, uma pequena árvore nativa da Ásia Central e do Oriente Médio. A árvore produz sementes que são amplamente consumidas como alimento.

A Pistacia vera é muitas vezes confundida com outras espécies do gênero Pistacia, também conhecidas como pistaches. Estas outras espécies distinguem-se pela sua distribuição geográfica (na natureza) e pelas suas sementes, que são muito menores e apresentam uma pele macia. Em 2017, o Irã respondeu por mais da metade da produção mundial de pistaches.

O pistache tem sido descrito de várias formas como sendo originário da Ásia Central (incluindo o Afeganistão), Irão e Ásia Ocidental. A arqueologia mostra que as sementes de pistache eram um alimento comum já em 6750 AC. Plínio, o Ancião, escreve em sua história natural que o pistache, “conhecido por nós”, era uma das árvores únicas da Síria, e que a semente foi introduzida na Itália pelo Procônsul Romano na Síria, Lucius Vitellius, o Ancião (em 35 AD) e na Hispânia ao mesmo tempo por Flaccus Pompeu. Manuscrito de Anthimus O ciborum observatório, um manuscrito do início do século VI, implica que os pistaches permaneceram conhecidos na Europa na antiguidade tardia. Arqueólogos encontraram evidências de escavações em Jarmo, no nordeste do Iraque, para o consumo de pistaches do Atlântico. Nos jardins suspensos da Babilônia, durante o reinado do rei Merodach-Baladan, por volta de 700 a.C., diz-se que as árvores de pistaches estavam de pé.

Foto: Reprodução

A P. vera pistachio moderna foi cultivada pela primeira vez na Idade do Bronze na Ásia Central, onde o exemplo mais antigo vem do Djarkutan, no Uzbequistão moderno. Pode ser encontrado em Dioscurides sob o nome de pistache πιστάκια, reconhecível como P. vera devido à sua comparação com pinhões.

Mais recentemente, os pistaches foram cultivados comercialmente em partes do mundo de língua inglesa, como Austrália, Novo México e Califórnia nos Estados Unidos, onde foram introduzidos como árvores de jardim em 1854. David Fairchild, do Departamento de Agricultura dos EUA, introduziu cultivares mais resistentes na Califórnia em 1904 e 1905 que foram colhidas na China, mas só em 1929 é que foi introduzida como uma cultura de rendimento. Os pistaches de Walter T. Swingle, originários da Síria, já tinham florescido em Niles, Califórnia, em 1917.

A árvore de pistache é uma planta do deserto e muito resistente a solos salinos. Cresceria bem quando é irrigado com água que contém de 3.000 a 4.000 ppm de sais solúveis. Os pistaches são razoavelmente resistentes sob boas condições e podem sobreviver a temperaturas que variam de -10°C (14°F) no inverno a 48°C (118°F) no verão. Precisam de um local ensolarado e de solo bem drenado. Os pistaches não se desenvolvem com alta umidade e são suscetíveis ao apodrecimento das raízes no inverno, quando recebem muita água e o solo não é suficientemente drenado. Verões longos e quentes são necessários para uma boa maturação dos frutos.

Foto: Reprodução

A árvore do pistache pode atingir uma altura de 10 m (33 pés). Tem folhas pennatas decíduas de 10 a 20 centímetros de comprimento. As plantas são dióicas, com árvores masculinas e femininas separadas. As flores são aptais e unissexuais e são usadas nas panículas.

O fruto é uma drupa, que contém uma semente alongada, que é a parte comestível. A semente, que é geralmente considerada uma noz, é uma nota culinária e não uma nota botânica. O fruto tem uma casca exterior dura e de cor creme. A semente tem uma pele púrpura e uma polpa verde clara, com um sabor característico. À medida que o fruto amadurece, a casca muda de verde para amarelo/vermelho no outono e se abre abruptamente. Cada pistache produz, em média, cerca de 50 quilos de sementes, ou cerca de 50.000, a cada dois anos.

A casca do pistache é naturalmente da cor bege, mas às vezes é tingida de vermelho ou verde nos pistaches comerciais. Originalmente, os importadores usavam corantes para esconder as manchas nas cascas causadas pela coleta manual de sementes. A maior parte dos pistaches são agora colhidos mecanicamente e as conchas não estão manchadas, pelo que o tingimento só é necessário para satisfazer as expectativas profundamente enraizadas dos consumidores.

Foto: Reprodução

A árvore de pistache tem uma vida longa, possivelmente até 300 anos. As árvores são plantadas em pomares e leva cerca de sete a dez anos para atingir uma produção significativa. A produção é alternativa ou bienal, o que significa que a colheita é maior em anos alternados. O pico de produção é de cerca de 20 anos. As árvores são geralmente cortadas à medida para facilitar a colheita. Uma árvore macho produz pólen suficiente para oito a doze ibex. Nos Estados Unidos e na Grécia, é frequentemente colhida com equipamento para sacudir os frutos de caroço da árvore. Após descasque e secagem, os pistaches são separados em cascas abertas e fechadas, depois torrados ou transformados em miolo de pistache por meio de máquinas especiais.

Na Califórnia, quase todas as fêmeas de pistaches são da espécie “Kerman”. Um rebento de uma fêmea adulta “Kerman” é enxertado num solo anual.

Os pistaches são suscetíveis a numerosas doenças e infecções causadas por insetos como Leptoglossus clypealis. Estes incluem o fungo Botryosphaeria, que causa a podridão do germe e do rebento (os sintomas são a morte de flores e rebentos jovens) e pode danificar plantações inteiras de pistaches. Em 2004, o rápido crescimento da indústria de pistaches na Califórnia foi ameaçado pela primeira pluma e pelo apodrecimento das ervas descoberto em 1984. Em 2011, o fungo da antracose causou uma perda repentina de 50% do cultivo de pistaches da Austrália. Uma série de anos de seca severa no Irã, de 2008 a 2015, levou a perdas significativas de produção.

Foto: Reprodução

As sementes são frequentemente consumidas inteiras, frescas ou assadas e salgadas, e também são usadas em sorvetes de pistache, kulfi, spumoni, manteiga de pistache, creme de pistache, pasta de pistache e doces como baklava, sorvete de pistache e chocolate compistache. Os americanos fazem salada de pistache que contém pistaches frescos ou pudins de pistache, chantilly e frutas enlatadas.

Os pistaches são um alimento rico em nutrientes. Em uma porção de 100 gramas, os pistaches fornecem 562 calorias e são uma fonte rica (20% ou mais do valor diário ou DV) de proteína, fibra, vários minerais e vitaminas B, tiamina e especialmente vitamina B6 a 131% DV (tabela). Os pistaches são uma boa fonte (10-19% DV) de cálcio, riboflavina, vitamina B5, ácido fólico, vitamina E e vitamina K (tabela).

O perfil de gordura dos pistaches crus é constituído por gorduras saturadas, gorduras monoinsaturadas e gorduras polinsaturadas. Os ácidos gordos saturados incluem ácido palmítico (10% do total) e ácido esteárico (2%). O ácido oleico é o ácido gordo monoinsaturado mais comum (51% do teor total de gordura) e o ácido linoleico, um ácido gordo poli-insaturado, é 31% do teor total de gordura. Em comparação com outras nozes, os pistaches têm um teor mais baixo de gordura e calorias, mas um teor mais elevado de potássio, vitamina K, γ-tocoferol e certos fitoquímicos, como carotenóides e fitoesteróis.

Foto: Reprodução

Tal como acontece com outras sementes de árvores, a aflatoxina é encontrada em pistaches mal colhidos ou processados. As aflatoxinas são substâncias químicas cancerígenas poderosas produzidas por fungos como Aspergillus flavus e Aspergillus parasiticus. A contaminação por fungos pode ser causada pelo solo, armazenamento deficiente e disseminação por pragas. Um elevado grau de infestação fúngica ocorre tipicamente como um crescimento em forma de fio cinzento a preto. Não é seguro comer pistaches infectados por fungos contaminados com aflatoxina. A contaminação por aflatoxina é um risco comum, especialmente em ambientes mais quentes e úmidos. Foi demonstrado que os alimentos contaminados com aflatoxinas são a causa de frequentes surtos de doenças agudas em algumas partes do mundo. Em alguns casos, como o do Quénia, isto levou a múltiplas mortes.

As cascas de pistache são geralmente divididas naturalmente antes da colheita, com um casco que cobre as sementes intactas. A casca protege o núcleo do ataque de fungos e insetos, mas esta protecção do casco pode ser danificada no pomar por má gestão, por aves ou após a colheita, tornando muito mais fácil a exposição dos pistaches à poluição. Alguns pistaches passam pela chamada “junção precoce”, onde tanto a fuselagem como a fuselagem são divididas. Danos ou divisão prematura podem levar à contaminação por aflatoxinas. Em alguns casos, uma colheita pode ser tratada para manter a contaminação abaixo dos limites estritos de segurança alimentar; noutros casos, um lote completo de pistaches deve ser destruído em resultado da contaminação por aflatoxinas.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios do pistache?

O pistache contém ácidos gordos e fibras que ajudam a regular os intestinos e a reduzir o mau colesterol (LDL). Além disso, contém minerais como potássio, magnésio, cobre, cálcio e fósforo, bem como vitaminas e proteínas do complexo B. Pistache também tem gordura monoinsaturada, que amplia os vasos sanguíneos, abre as artérias e aumenta o nível de colesterol “bom” (HDL), reduzindo assim o risco de doença cardiovascular;

O pistache ainda é rico em antioxidantes, caroteno e vitamina E, que protegem o organismo contra os efeitos nocivos dos radicais livres. Este alimento é uma fonte de vitamina B6, que ajuda a formar aminoácidos e age como um neurotransmissor. A mielina é também sintetizada pela vitamina B6 e forma um isolamento em torno das fibras nervosas que permite o transporte suficiente de sinais nervosos. Por esta razão, o pistache trabalha para proteger o sistema nervoso.

Foto: Reprodução

Os carotenóides do pistache, como a luteína e a zeaxantina, ajudam a proteger a saúde dos olhos. Por ser rico em fibras, comer pistache ajuda na digestão e melhora o trato intestinal. O alimento pode ser útil para a diabetes porque reduz a quantidade de glicose no corpo quando consumido após uma refeição.

Apesar das muitas vantagens que o pistache oferece à saúde, ele deve ser consumido com moderação. Este alimento, como as nozes e castanhas, é rico em gordura e calorias, o que pode levar ao aumento de peso.

Foto: Reprodução

Cada 100 gramas de pistache contém 571 Kcal e é ideal para comer até 30 gramas para não exceder o consumo de gorduras e calorias. Além disso, a indústria alimentícia geralmente adiciona sal a esses produtos, que é vendido como uma entrada. É importante ler atentamente os rótulos e escolher as versões menos salgadas para evitar problemas de saúde.

É aconselhável comer o pistache antes das refeições, porque leva mais tempo para o corpo digerir as gorduras, o que prolonga a sensação de saciedade, facilitando o emagrecimento.

O Manjericão e seus benefícios para a saúde

O manjericão é uma erva culinária da família Lamiaceae (doces de hortelã). Esta planta é originária dos trópicos da África Central ao Sudeste Asiático e trata-se de um vegetal tenro, utilizado na cozinha em todo o mundo. Dependendo da espécie e do cultivo, as folhas de manjericão podem lembrar o anis, com um cheiro forte, pungente e muitas vezes doce.

Existem muitos tipos de manjericão, bem como várias espécies ou híbridos relacionados, também chamados de manjericão. O tipo normalmente utilizado como tempero é geralmente chamado de manjericão doce (ou manjericão genovês), ao contrário do manjericão tailandês (O. manjericão var. thyrsiflora), manjericão limão (O. × citriodorum) e manjericão sagrado (Ocimum tenuiflorum). Enquanto a maioria das espécies de manjericão são tratadas como espécies anuais de manjericão, algumas são residuais em climas quentes e tropicais, incluindo o manjericão sagrado e uma cultivar conhecida como “manjericão azul africano”.

O manjericão é uma erva anual, ou às vezes uma planta perene, que é usada para as folhas. Dependendo da variedade, as plantas podem atingir entre 30 cm (0,98 ft.) e 150 cm (4,9 ft.). As folhas são verdes e ovais, mas também estão disponíveis em uma grande variedade de tamanhos e formas, dependendo da cultivar. O tamanho das folhas varia de 3 cm (1.2 in.) a 11 cm (4.3 in.) de comprimento e de 1 cm (0.39 in.) a 6 cm (2.4 in.) de largura. O manjericão cresce numa raiz axial grossa e central. As flores são pequenas e brancas e crescem a partir de uma inflorescência central que provém do caule central no topo da planta.

Foto: Reprodução

O manjericão tem sabores tão diferentes porque a erva tem uma série de diferentes óleos essenciais em diferentes proporções para diferentes cultivares. O óleo essencial de manjericão europeu contém elevadas concentrações de linalol e metilchavicol (estragol), numa proporção de cerca de 3:1. O óleo essencial de manjericão europeu contém altas concentrações de linalol e metilchavicol (estragol). Outros componentes incluem: O perfil aromático do manjericão contém 1,8-cineole e metileugenol. A fragrância do cravo de manjericão doce é derivada do eugenol. O perfil aromático do manjericão inclui 1,8-cineole e metileugenol.

A maioria dos manjericões culinários e ornamentais são cultivares da espécie Ocimum basil, mas outras espécies também são cultivadas e existem muitos híbridos entre espécies. Tradicionalmente uma planta verde, algumas espécies como a ‘Purple Delight’ têm folhas que parecem roxas. Manjericão tem 30-130 cm de altura, com folhas opostas, verde claro, sedoso, 3-11 cm de comprimento e 1-6 cm de largura. As flores são pequenas, de cor branca e estão num ouvido finito. Os quatro estames e pistilo não são empurrados sob o lábio superior da corola, mas repousam sobre o lábio inferior, o que é incomum para Lamiaceae. Após a polinização entomofílica, a corola cai e quatro nozes redondas se desenvolvem no bilabiaatkel.

O manjericão é sensível ao frio, com melhor crescimento em condições quentes e secas. Ele se comporta como um anual quando há risco de geada. No entanto, devido à sua popularidade, o manjericão é cultivado em muitos países ao redor do mundo. As áreas de produção incluem países mediterrânicos, países em zonas temperadas e outros países com clima subtropical.

Foto: Reprodução

Embora o manjericão seja melhor cultivado ao ar livre, pode ser cultivado dentro de casa em vasos e, como a maioria das ervas, é melhor cultivado num parapeito de janela ensolarado. Ele deve ser mantido longe de correntes de ar extremamente frio e cresce melhor sob forte luz solar; portanto, uma cobertura de estufa ou linha é ideal, se disponível. No entanto, ele também pode ser cultivado em uma adega sob lâmpadas fluorescentes.

Se as folhas murcharam devido à falta de água, a folha recuperará se for bem regada e colocada num local ensolarado. As folhas amarelas no fundo da planta indicam que a planta está estressada, o que geralmente significa que a planta precisa de menos água ou menos ou mais fertilizante.

Em um clima mais ensolarado, como no Brasil e na América do Sul, sul da Europa, os estados do sul dos Estados Unidos, a Ilha Norte da Nova Zelândia e a Austrália, o manjericão prospera bem quando é plantado ao ar livre. Ele também prospera no meio e no norte dos Estados Unidos no verão, mas morre quando as temperaturas atingem o ponto de congelamento. Voltará a crescer no ano seguinte se for permitido semear. Precisará de rega regular, mas não tanta atenção como em outros climas.

Foto: Reprodução

O manjericão também pode ser propagado de forma fiável a partir de estacas cujas estacas curtas permanecem na água durante cerca de duas semanas até que as raízes se desenvolvam.

Assim que um caule produz flores, a produção de folhas pára nesse caule, o caule torna-se lenhoso e a produção de óleo essencial diminui. O caule já não é adequado para a produção de óleo essencial. Para evitar isto, um produtor de manjericão pode espremer os caules das flores antes de estarem completamente maduras. Como apenas o caule floral é afectado, alguns caules podem ser beliscados para a produção de folhas, enquanto outros continuam a florescer para decoração ou semente.

Depois da planta ter florescido, podem ser produzidas vagens com pequenas sementes pretas, que podem ser armazenadas e plantadas no ano seguinte. A colheita das folhas da planta ajuda a promover o crescimento, especialmente quando a planta responde convertendo pares de folhas em novos caules junto às folhas mais altas.

O manjericão é popularmente recomendado como acompanhamento de tomates. Afirma-se frequentemente que o manjericão pode deter pragas ou melhorar o sabor do tomate. Em testes de sabor duplo-cego, no entanto, o manjericão não teve um efeito significativo no sabor dos tomates plantados ao lado dele.

Foto: Reprodução

O manjericão é mais comumente usado fresco em receitas. Em geral, ele é adicionado no último minuto, porque cozinhar rapidamente destrói o sabor. A relva fresca pode ser guardada durante um curto período de tempo em sacos de plástico no frigorífico ou mais tempo no congelador, depois de ter sido rapidamente branqueada em água a ferver. A grama seca também perde a maior parte de seu sabor, e a pequena quantidade de sabor que permanece tem um sabor muito diferente, com um baixo sabor de cumarina, como o feno.

O manjericão é um dos principais ingredientes do pesto, um molho verde italiano feito com azeite e especiarias. As suas folhas não são a única parte do manjericão utilizado na cozinha, os botões têm um sabor mais subtil e são comestíveis.

Quando embebidas em água, as sementes de muitas espécies de manjericão tornam-se gelatinosas e são usadas em bebidas e sobremesas asiáticas, tais como faluda, sharbat-e-rihan, ou hột é.

A pesquisa em óleos essenciais mostrou que eles têm propriedades antifúngicas e repelentes de insetos, incluindo a toxicidade potencial para mosquitos.

Foto: Reprodução

Há muitos rituais e crenças associados ao manjericão. Os franceses às vezes chamam o manjericão de “erva real”, enquanto o folclore judeu sugere que ele dá força ao jejuar. Em Portugal, o manjericão anão é tradicionalmente apresentado a um amante numa panela, acompanhado de um poema e de um cravo de papel, durante as férias religiosas de São João e Santo António. Basílio, no entanto, representava ódio na Grécia antiga, e as tradições europeias por vezes afirmam que o basílico é um símbolo de Satanás. O manjericão sagrado, também conhecido como tulsi, é altamente reverenciado no hinduísmo.

A Igreja Ortodoxa da Bulgária, a Igreja Ortodoxa da Sérvia, a Igreja Ortodoxa da Macedónia e a Igreja Ortodoxa da Roménia usam basílico (búlgaro e macedónio: босилек ; romeno: busuioc, sérvio: босиљак) para preparar água benta e os vasos de manjericão são frequentemente colocados debaixo dos altares das igrejas.

Na Europa, o manjericão é colocado nas mãos dos mortos para garantir uma viagem segura. Na Índia, foi colocado na boca dos moribundos para garantir que chegassem a Deus. Os antigos egípcios e gregos acreditavam que ele abriria as portas do céu para um transeunte.

Foto: Reprodução

Na medicina tradicional, o manjericão é usado como planta medicinal. As suas folhas e flores são utilizadas na preparação do chá devido às suas propriedades tónicas e digestivas, que também são indicadas para problemas respiratórios e reumáticos.

O óleo essencial de manjericão (menos de 1%) tem uma composição complexa e variável dependendo do clima, solo, época de colheita, etc. A composição do óleo de manjericão é muito diferente. Os principais componentes aromáticos são o cineol, o linalol, o citral, o tarragol, o eugenol e a canela metilo, embora não necessariamente por esta ordem. Outros monoterpenos (Ocimene, Geraniol, Cânfora), sesquiterpenos (Bisaboleno, Caryophyllen) e fenilpropanoides (Methyleugenol) podem estar presentes em diferentes concentrações com forte influência no aroma.

As vitaminas A e C são algumas das vitaminas mais comuns nas folhas de manjericão. Outra característica das folhas de manjericão é o suporte de boa circulação sanguínea e dor reumática, que também é bom para tosse e resfriado. O manjericão também promove a digestão e reduz a fadiga. Outra vantagem do manjericão é a sua utilização em pomadas antibacterianas.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios do manjericão para a saúde?

Tratamento natural para resfriado

Uma das vantagens do manjericão é a melhoria do sistema imunitário. As folhas são usadas para tratar constipações. É recomendado mastigá-los para aliviar resfriados e gripe. As fortes propriedades dos basilicumantibióticos protegem o corpo das bactérias e infecções causadas por eles. Outra especiaria bem conhecida e bem conhecida é o gengibre, que tem vários benefícios semelhantes.

Ajuda no alívio da tosse

O manjericão é um componente de xaropes e substâncias viscosas. Uma dor de garganta também pode ser aliviada com um gargarejo de água fervida com folhas de plantas. A erva também é eficaz contra outros problemas respiratórios como asma e bronquite.

Foto: Reprodução

Promove a melhora do sistema imunitário

A melhoria do sistema imunitário é também uma das vantagens do manjericão. Estudos mostram que vários componentes químicos da planta aumentam a produção de anticorpos em 20%. Fortalecendo o sistema imunológico, a planta protege contra asma, alergias, artrite, câncer, gripe e resfriados. Para melhores resultados, recomenda-se que a folha seja fresca e não seca. Há também outras plantas que fazem muito para melhorar o sistema imunitário.

É um anti-stress natural

As folhas de manjericão também são enfatizadas para reduzir o estresse. Especialistas recomendam mastigar 10-12 folhas de manjericão duas vezes por dia para prevenir o stress e os problemas causados por esta doença.

Foto: Reprodução

Melhora a saúde da visão

A vitamina A no manjericão tem propriedades antioxidantes que são muito benéficas para a saúde dos olhos. Apenas 100 g de manjericão fresco corresponde à ingestão diária recomendada de vitamina A no organismo.

Contribui para a saúde da pele

Outros benefícios do manjericão incluem a prevenção da acne e a aceleração do processo de cicatrização de feridas na pele. O extrato ajuda a eliminar as bactérias presentes na derme, levando ao entupimento dos poros, principal causa da acne.

As propriedades do manjericão reduzem a inflamação da pele e são utilizadas no tratamento de outros problemas, tais como micose, psoríase e picadas de insectos. A erva é considerada excelente na prevenção e tratamento do câncer de pele.

Foto: Reprodução

Melhora a saúde oral

Estudos mostram que as propriedades do manjericão também são eficazes no combate ao mau hálito e à doença periodontal.

Remove pedras nos rins

O manjericão tem um forte efeito na função renal. Para otimizar o órgão, recomenda-se beber 6 folhas frescas com água e rapidamente. Para aqueles que sofrem de pedras nos rins é bom misturar o suco de manjericão com mel e tomar a mistura diariamente por cerca de 6 meses. O procedimento facilita a remoção de cálculos renais por meio da urina. A planta ainda é benéfica para o tratamento de vários problemas do trato urinário. Você também pode ver algumas dicas para evitar cálculos renais que podem ser muito úteis na sua vida.

Foto: Reprodução

Trata os problemas de estômago

O consumo de manjericão também é bom para a digestão. O sumo extraído das folhas pode aliviar a dor de estômago ou cólicas. O seu chá também é usado para tratar outros problemas de estômago comuns como obstipação, indigestão, pilhas e ácido. As suas propriedades medicinais também ajudam a curar as úlceras do estômago e do estômago e melhoram a função hepática.

Alivia as dores de cabeça

Outra vantagem do manjericão é a sua função como relaxante muscular. A planta pode ser mastigada, tomada como chá ou mesmo aplicada diretamente no corpo como óleo para aliviar a tensão muscular e dores de cabeça.

Foto: Reprodução

Auxilia o sistema cardiovascular

Os poderosos componentes antioxidantes da erva ajudam a baixar os níveis de colesterol e a reduzir o risco de desenvolver doenças coronárias. Propriedades do manjericão como o magnésio ajudam a relaxar os músculos e melhorar o fluxo sanguíneo para o corpo.

Contribui para o melhor funcionamento dos órgãos respiratórios

A planta também melhora a saúde do trato respiratório, melhorando o desempenho pulmonar. Os óleos essenciais de manjericão são bons para curar a bronquite e a conipção pulmonar. A planta também é muito útil no tratamento da tuberculose.

É um aliado do sistema nervoso

A melhoria da função cerebral é outra vantagem do manjericão porque ele normaliza o nível do neurotransmissor no cérebro. O extrato atua como um tónico cerebral e ajuda a aguçar a memória.

Foto: Reprodução

Os tipos de Banana e seus benefícios

A banana é um fruto comestível – botanicamente uma baga – produzido por várias espécies de grandes plantas herbáceas do gênero Musa. A banana é variável em tamanho, cor e firmeza, mas geralmente é alongada e arqueada, com carne macia e amilácea coberta por uma crosta que pode ser verde, amarela, vermelha, roxa ou marrom quando madura. Os frutos crescem em grupos pendurados no topo da planta. Quase todas as bananas parthenocarpus comestíveis modernas vêm de duas espécies selvagens – Musa acuminata e Musa balbisiana. Os nomes científicos das bananas mais comummente cultivadas são Musa acuminata, Musa balbisiana e Musa × paradisiaca para o híbrido Musa acuminata × M. balbisiana, dependendo da sua composição genómica. O nome científico antigo para este híbrido, Musa sapientum, já não é usado.

As espécies de Musa são originárias do Indomalaia tropical e da Austrália e foram provavelmente domesticadas pela primeira vez na Papua Nova Guiné. São cultivadas em 135 países, principalmente devido aos seus frutos e, em menor medida, para a produção de fibras, vinho de banana e cerveja e como plantas ornamentais. Os maiores produtores de banana do mundo em 2017 foram a Índia e a China, que juntas representaram cerca de 38% da produção total.

O termo “banana” é igualmente utilizado como designação geral das plantas que produzem os frutos. Isto pode se estender a outros membros do gênero Musa, como a banana escarlate (Musa coccinea), a banana rosa (Musa velutina) e as bananas Fe’i. Pode também referir-se a membros da família Ensete, como a banana da neve (Ensete glaucum) e a banana falsa economicamente importante (Ensete ventricosum). Ambos os sexos pertencem à família das bananas, as Musaceae.

Foto: Reprodução

A bananeira é a maior planta herbácea de floração. Todas as partes acima do solo de uma planta de bananeira crescem a partir de uma estrutura que é geralmente chamada de “rizoma”. As plantas são geralmente altas e bastante robustas e são muitas vezes confundidas com árvores, mas o que parece ser um tronco é na verdade um “tronco falso” ou pseudocaule. As bananas crescem em solos diferentes, desde que o solo tenha pelo menos 60 cm de profundidade, bem drenado e sem compactação. As folhas das bananeiras são constituídas por um “caule” e uma folha. A base do pecíolo expande-se para uma bainha; a bainha firmemente compactada forma o pseudocaule que suporta a planta. Os bordos do peixe-espada encontram-se durante a produção inicial e têm, por conseguinte, uma forma tubular. Ao crescer novamente no meio do pseudocaule, as bordas são comprimidas entre si. O tamanho das bananeiras cultivadas varia em função da variedade e das condições de cultivo. As folhas são dispostas em espiral e podem crescer 2,7 metros (8,9 pés) de comprimento e 60 cm (2,0 pés) de largura.

Existem dezenas de bananas, mas algumas são mais populares no Brasil: a banana nanica, que é bastante doce; a banana prata, que tem mais vitamina C e, portanto, um sabor ligeiramente ácido; a banana da terra, que tem a digestão mais difícil ao consumir matérias-primas, mas é amplamente utilizada cozida, assada ou em outros preparados e o maior teor de vitaminas como A e C; e a banana maçã, que é rica em fibras solúveis, o que aumenta o efeito saciante. A banana ouro, por outro lado, é a menor, mas uma das mais ricas em calorias.

Foto: Reprodução

Banana-prata

Para aqueles que gostam de preparar doces, é importante saber que banana de prata é a melhor escolha, porque a sua polpa é bastante doce e suculenta. Essa banana também é ideal para ser consumida fresca ou com vitaminas. Cada unidade de banana prata tem cerca de 70 g, com cerca de 68,6 kcal. Esta variedade é a mais durável de todas as opções e pode ser consumida até quatro dias após a maturação, pelo fato de sua polpa ser mais firme.

Entre as bananas, esta é a mais rica em vitamina C (21,6 mg a 100 g, o que não é muito se compararmos com a acerola, que contém 623 mg de vitamina C a 100 g). Também tem um bom teor de potássio e só perde nanica. Como todas as bananas, é rica em hidratos de carbono e fibras. A banana prata uma boa opção para um lanche ou um suplemento alimentar porque proporciona à energia uma taxa de absorção mais baixa.

Foto: Reprodução

Banana nanica

Cada unidade de banana nanica tem aproximadamente 86 g, e cerca de 79 kcal. Apesar do seu nome, esta não é a menor banana do mercado. É mais rico em potássio e tem um bom teor de magnésio. O potássio está diretamente relacionado ao balanço hidroeletrolítico. Por esta razão, pode ser uma boa opção para pessoas que usam diuréticos para promover a perda deste mineral em sua urina ou que se exercitam muito e perdem este mineral através da transpiração.

Foto: Reprodução

Banana ouro

A banana ouro é a menor das espécies produzidas no Brasil e tem cerca de 10 centímetros de comprimento. Cada unidade tem aproximadamente 40g, com 44,8kcal. A banana ouro é excelente para consumo fresco porque tem uma polpa doce e perfumada. Trata-se de uma boa fonte de magnésio, um mineral relacionado à boa saúde óssea e artéria.

Foto: Reprodução

Banana maçã

A banana maçã é a que tem o menor teor calórico: cada unidade tem cerca de 55 g, com 47,8 kcal. Esta variedade não é muito adequada para a preparação de doces ou para o consumo em saladas de frutas, porque leva algum tempo antes de ficar marrom. Ela é a campeã das proteínas e fibras comparada com os outros. A proteína é um componente de todos os tecidos do corpo e é muito importante para todos, especialmente para crianças em crescimento e pessoas mais velhas que começam a perder tecido muscular ao longo dos anos. É também o tipo de banana que contém os mais altos níveis de manganês e fósforo, ambos nutrientes essenciais para ossos e dentes fortes.

Foto: Reprodução

Banana da terra

A banana da terra é a maior espécie do Brasil, apresentando frutos que podem chegar até 26 centímetros de comprimento e até meio quilo de peso. Uma unidade de banana da terra tem aproximadamente 150g e 192kcal. Dentre as bananas, esta é a que tem o maior teor de hidratos de carbono e também o maior poder calorífico. Também contém tiamina, também conhecida como vitamina B1. Tem dois benefícios energéticos: Ela fornece energia e também uma das vitaminas envolvidas nas reações do ciclo de produção de energia do nosso corpo.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios da banana para a saúde?

É boa para a saúde do coração

As bananas servem para melhorar a saúde do coração porque são ricas em potássio, um mineral condutor de eletricidade necessária para a estabilidade dos batimentos cardíacos. A alta concentração de potássio e o baixo teor de sódio na banana também ajuda a proteger o sistema cardiovascular da hipertensão, ataques cardíacos e derrames.

Contribui para a saúde dos olhos

As bananas contêm vitamina A. O termo “vitamina A” refere-se a uma variedade de compostos, incluindo beta-caroteno e alfa-caroteno, vitaminas lipossolúveis que são essenciais para a proteção da qualidade dos olhos e da face. Estes compostos preservam as membranas que rodeiam os olhos e são uma das proteínas que ajudam a processar a luz através da córnea. Um suprimento adequado de vitamina A também reduz o risco de cegueira noturna.

Foto: Reprodução

Aumenta a energia do corpo após as atividades físicas

As bananas são um delicioso lanche e servem para ser comido antes e imediatamente após o treino. Eles fornecem carboidratos e nutrientes suficientes para fornecer energia para o treino, bem como açúcares que podem atingir o tecido muscular gasto e restaurar seus níveis de glicose para ajudar a reparar fibras musculares danificadas. Em vez de depender de guloseimas ou bebidas isotônicas durante o treino da fadiga, coma uma banana. Com apenas 100 calorias, a banana é ótima antes ou depois do treino, também porque é uma dieta completa e não contém quaisquer ingredientes processados ou artificiais como os oferecidos em academias.

Ajuda na perda de peso

Emagrecer não é um dos benefícios da banana que normalmente vem à mente quando pensamos na fruta. Mas, na verdade, comer bananas é uma opção interessante para aqueles que precisam perder peso. São naturalmente doces e podem ajudar a reduzir a necessidade de açúcar no corpo. Uma banana média tem cerca de um quarto das calorias que você comeria se optasse por uma barra de chocolate. Além disso, cerca de metade do conteúdo em fibras da banana é solúvel, o que significa que, quando chega ao trato digestivo, a banana absorve água e atrasa a digestão. Os alimentos ficam mais tempo no estômago e fazem com que se sinta feliz por mais tempo. Se comer uma banana antes de comer, é menos provável que coma demais quando a comida chegar à mesa. Basta prestar atenção à quantidade de bananas, porque são ricas em hidratos de carbono.

Foto: Reprodução

Melhora a saúde digestiva

Cada banana contém cerca de três gramas de fibra, cerca de 10% do total de fibra que uma pessoa deve consumir diariamente. A fibra alimentar ajuda a prevenir a obstipação, flatulência e outros problemas digestivos indesejáveis. A fibra alimentar também ajuda a regular a função intestinal, ligando-se a depósitos e toxinas no trato digestivo e removendo-os do corpo.

Além disso, as bananas são facilmente digeríveis e podem ajudar a prevenir a diarreia, porque o potássio que contêm ajuda a equilibrar e armazenar água nos intestinos e previne a desidratação.

Ajuda a combater a depressão

Devido aos seus altos níveis de triptofano, as bananas podem ajudar a superar a depressão. O triptofano é um aminoácido que o corpo converte em serotonina quando tomado. É um neurotransmissor no cérebro que regula o humor e promove o bem-estar. Além disso, a vitamina B6 na banana pode melhorar a qualidade do sono, enquanto o magnésio relaxa os músculos.

A banana também tem antioxidantes que regulam a libertação de dopamina no cérebro, outro potenciador para manter o humor.

Foto: Reprodução

Evita cãibras

As bananas são uma importante fonte de potássio e são altamente valorizadas pelos atletas pela sua capacidade de prevenir cãibras musculares. Pesquisas mostraram que baixos níveis de potássio no corpo podem contribuir para o risco de cãibras. Um estudo recente cita que o consumo de uma ou duas bananas uma hora antes do treino pode manter os níveis de potássio no sangue mais elevados mesmo depois do treino.

Ajuda a prevenir o câncer nos rins

Como uma boa fonte de vitamina C, as bananas podem ajudar a combater a formação de radicais livres que podem causar câncer.

Pesquisadores suíços desenvolveram um estudo no qual descobriram que os altos níveis de antioxidantes nas bananas podem ser úteis na prevenção do câncer de rim em mulheres. De acordo com este estudo, as mulheres que comem de quatro a seis bananas por semana reduzem pela metade o risco de câncer de rim.

Uma alta ingestão de fibras de frutas e vegetais, como bananas, também está associada a um risco reduzido de câncer colorretal.

Foto: Reprodução

Melhora a saúde do cérebro, ossos e pele

As bananas podem ser boas para o seu cérebro, pele e ossos porque contêm manganês e vitamina C. Também são boas para a saúde do cérebro, pele e ossos. Eles também podem ser usados para ajudar o seu corpo a melhorar a saúde. Uma banana contém 16 por cento da quantidade de manganês que seu corpo precisa diariamente, e cerca de 14 por cento da vitamina C que seu corpo precisa. A vitamina C ajuda a produzir colágeno, um importante componente estrutural que mantém a aparência e a elasticidade da pele para a manter saudável.

O manganês também contribui para a produção de colágeno, um importante componente estrutural que mantém o aspecto e a elasticidade da pele. Atua também como anti-inflamatório e antioxidante, duas importantes propriedades que retardam o envelhecimento natural, reduzindo a oxidação das células pelos radicais livres.

Estudos mostraram que o manganês também pode ajudar a melhorar o funcionamento geral do cérebro e prevenir doenças como a epilepsia e a doença de Parkinson. Alguns estudos com animais mostraram que baixos níveis de manganês no corpo contribuem para a fraqueza óssea, o que pode levar a doenças como a osteoporose.

É acessível, fácil de transportar e baixa em teor calórico

Uma banana média contém cerca de 100 calorias e está cheia de nutrientes e fibras, por isso pode ser um ótimo lanche, especialmente para quem faz exercício ou faz dieta para perder peso. Por ser rica em fibras e água, uma das vantagens das bananas é que elas ajudam a sentir-se saciado e a manter-se afastado de alimentos com elevado teor calórico entre as refeições.

A banana é fácil de ser transportada e não precisa de ser refrigerada. Para retardar a liberação de açúcar na corrente sanguínea, combine a banana com uma fonte de proteína saudável, como nozes, manteiga de amendoim ou manteiga de amêndoa, ou pó de proteína. Desta forma, o lanche se torna mais satisfatório e você evita picos de glicose durante todo o dia.

A Acerola e sua Saúde

A acerola é uma fruta originária das ilhas da América Central, América do Sul e Caribe, também conhecida como cerejeira antilhana. É conhecida pelo seu elevado teor de ácido ascórbico, ou seja, vitamina, com apenas dois frutos, a necessidade diária de vitamina C está coberta. É importante ressaltar que quanto mais verde for o fruto, mais vitamina C ele tem e, dependendo da época da colheita, também pode sofrer uma alteração na sua quantidade. Quanto mais vitamina C a fruta contém, mais vitamina C pode absorver. A Acerola também contém vitaminas A, B1, B2, B3, cálcio, fósforo e ferro.

A acerola varia em cor, tamanho e forma porque tem vários tipos. É extremamente sensível e permanece no pé apenas dois dias após a maturação. Em termos de sabor, a acerola pode ser doce, azeda e super azeda, e a sua utilização é maior na produção de sumos, que não se limita a outros fins. Em média, uma acerola pesa entre 20 e 40 gramas.

A fruta da acerola é frequentemente utilizada por pessoas com gripe, doença pulmonar, doença hepática, doença do nariz e gengiva. Nasce de uma árvore, a aceroleira, que cresce em áreas tropicais e subtropicais. Pode ser propagada por sementeira, por técnicas de enxertia e/ou por varas. A árvore aceroleira tem uma altura média de cerca de três metros com as características de um arbusto. Na irrigação constante, a árvore produz frutos durante todo o ano e até quatro vezes por ano em áreas menos irrigadas. Neste caso, a acerola floresce e dá frutos principalmente na primavera e no verão.

Foto: Reprodução

A árvore de acerola normalmente concentra a formação de frutos na primavera e no verão. Como decorrem apenas 21 dias entre a floração e a colheita, a árvore de acerola produz várias colheitas por ano e as variações climáticas têm um grande impacto nos meses em que a colheita é concentrada. O clima de crescimento ideal caracteriza-se por uma temperatura média de cerca de 26 °C e 1 200 a 1 600 mm de precipitação.

Dependendo da fertilidade do solo e dos métodos de cultivo, a distância indicada varia entre 5,0 x 5,0 m e 6,0 x 6,0 x 6,0 x 6,0 x 6,0 m. Dependendo do terreno e das condições culturais, uma distância menor de 4,0 x 4,0 m é possível. Com esta distância e esta irrigação é possível obter uma melhor produtividade, com 625 plantas por hectare e uma produção máxima de 100 kg de fruta por planta e por ano.

Em termos de doenças e pragas, a árvore da acerola causa poucos problemas, mas é comum que escamas e afídeos ataquem galhos e folhas. A mosca da fruta deve ser mantida sob controlo para evitar a sua perda. As doenças mais comuns são bainhas ou manchas foliares, medula espinhal e antracose.

Foto: Reprodução

As abelhas da família Apidae, especialmente os gêneros Centris e Epicharis, são consideradas as principais polinizadoras da acerola. Estes insectos têm uma vida solitária e constroem os seus ninhos, geralmente em cavidades terrestres. As abelhas Irapuá (Trigona spp.) também são observadas com certa frequência quando visitam as flores de acerola, mas sua eficácia na polinização não foi demonstrada. As abelhas melíferas (Apis mellifera) não são eficientes na polinização da acerola devido à baixa atratividade das flores, possivelmente devido à ausência ou baixa concentração de néctar.

A colheita dos frutos de acerola destinados ao consumo em natureza ou à transformação de sumo deve ser efectuada com muito cuidado. Os colhedores devem ser bem treinados para a colheita. As Acerolas destinadas a mercados distantes devem ser colhidas “de uma vez por todas”. Os frutos não devem ser colhidos, seleccionados ou embalados, pois isso acelerará a deterioração.

O acondicionamento dos frutos, nomeadamente dos frutos maduros, que devem ser colocados em várias camadas nos recipientes de recolha, deve ser efetuado com cuidado, pois o peso das camadas superiores pode provocar a ruptura da epiderme dos frutos das camadas inferiores.

Foto: Reprodução

A produção de polpa e sucos de acerola é também a principal finalidade da fruta, pois é perecível e ácida. O fruto da aceroleira tem um rendimento de suco de 49% a 75% do seu peso com alta acidez (pH 3,3). O teor médio de água da fruta é de 90%. A acerola é consumida naturalmente, como sumos, gelados, compotas, geleias e marmeladas. Pode ser misturado com outros sucos de frutas como mamão, manga e laranja.

A árvore aceroleira é um arbusto de porte médio que cresce bem em climas tropicais e subtropicais e até mesmo em áreas semi-áridas, desde que haja um abastecimento regular de água. Também não é muito exigente no solo. A colheita começa entre 2 e 3 anos após o plantio, o que pode ocorrer 4 a 7 vezes por ano em grandes quantidades.

Esta “cereja tropical”, nascida nas Antilhas, floresceu durante muito tempo nos países americanos sem atrair mais atenção. Não tinha nem a opulência das castanhas de caju nem a variedade de Araticuns. No entanto, o interesse pela acerola e estudos de seu potencial econômico só foi despertado na década de 1940, quando cientistas porto-riquenhos encontraram altos níveis de ácido ascórbico, vitamina C, na parte comestível da fruta.

Foto: Reprodução

Foi constatado que a acerola se concentra na mesma quantidade de polpa contendo até 100 vezes mais vitamina C que a laranja e o limão, 20 vezes mais que a goiaba e 10 vezes mais que a castanha de caju e amoras. Por exemplo, quatro unidades de fruta por dia seriam suficientes para cobrir todas as necessidades de vitamina C de um adulto saudável.

Sabe-se agora que a acerola, devido à concentração de ácido ascórbico, não é apenas uma indicação para manter a saúde, mas também para reduzir a fraqueza, irritabilidade, fadiga, perda de apetite e a ocorrência de doenças infecciosas, dores musculares e articulares. Também pode ser usado para combater a gripe e doenças pulmonares, para combater hemorragias nasais e problemas gengivais e para ajudar a tratar doenças hepáticas.

E por tudo isso, a acerola é indicada nas dietas de lactantes, crianças e adolescentes, mulheres grávidas e lactantes, e organismos mais velhos, desnutridos ou enfraquecidos. Existem mais de 40 tipos de acerola que são cultivados no Brasil e os principais são Apodi, Cabocla, Cereja, Okinawa, Rubra e Sertaneja.

Foto: Reprodução

A acerola é uma planta rústica que se desenvolve bem em climas tropicais e subtropicais e pode suportar temperaturas de quase zero graus Celsius. A temperatura média anual de cerca de 25 graus Celsius é ideal para o cultivo. Uma precipitação anual bem distribuída garante uma produção de frutos mais elevada e de boa qualidade. Os solos mais adequados para a acerola são solos com textura franco-arenosa, arenosa, profunda e bem drenada.

O preparo do solo consiste na remoção da vegetação existente, marcação e, se necessário, correção do solo. A plantação deve ocorrer preferencialmente durante a estação chuvosa e, para controlar a ocorrência de ervas daninhas, deve ser efetuada a poda manual e mecânica e o controle dos herbicidas químicos deve ser feito sob supervisão. A árvore de acerola produz três ou mais colheitas ao longo do ano, concentradas principalmente nos meses de setembro a março.

A colheita pode ser manual, todos os dias ou em dias diferentes, quando os frutos são rosados. A produtividade pode variar em função da variedade, das condições ambientais e da gestão utilizada. Em geral, a partir do terceiro ano após o plantio, uma planta adulta pode produzir mais de 40 kg de frutos por ano, o que corresponde a uma produtividade média de 16 toneladas por hectare. As principais pragas que infectam a planta da acerola são os afídeos, que infectam flores e frutos jovens; os bicos, que causam deformações e moscas da fruta.

Foto: Reprodução

Finalmente, pode haver ataques de escamas e línguas anãs. As doenças mais comuns na cultura da acerola são a antracnose, cujo sintoma é o aparecimento de manchas castanhas redondas nas folhas e frutos; o abraço que torna as folhas amarelas e as faz cair, e a verruga que ataca ramos, folhas e frutos e provoca deformações. Frutos pequenos, geralmente de 2 a 3 cm de diâmetro, a acerola tem carne carnuda, suculenta e laranja. A cor exterior varia de laranja a vermelho intenso quando maduro.

A acerola não só contém grandes quantidades de vitaminas A, B1 e B2, como também é uma excelente fonte de vitamina C. É também uma excelente fonte de vitamina C. É rica em cálcio, fósforo e ferro. Ele pode ser consumido naturalmente na forma de sucos, refrigerantes, sorvetes, doces, geleias e marmeladas.

Devido ao seu incrível teor de vitamina C – até 80 vezes mais vitamina C pode ser encontrada em 100 g da parte comestível da fruta do que na mesma quantidade de limão ou laranja – a acerola é recomendada para combater a gripe, resfriados, tuberculose pulmonar, diabetes, doenças hepáticas, cicatrizes difíceis e disenteria.

Foto: Reprodução

Ela pode ser propagada por meio de sementes, mas a propagação deve ser feita preferencialmente por meio de postes e Alporchia para alcançar uma fertilidade mais rápida. É importante assegurar que as plântulas sejam protegidas contra a perda de umidade, isto é, não as deixar secar durante as primeiras três semanas para obter um rendimento mais elevado. As plântulas devem estar bem enraizadas e plantadas a uma distância de 3 metros. A aeração da coroa deve ser realizada após o crescimento. O solo deve ser rico em fertilizantes orgânicos e água diariamente, especialmente quando há pouca precipitação.

Manter o solo sob a folhagem coberto com bagana ou outro material orgânico curtido. Os primeiros frutos são produzidos 6 meses após o plantio. A vitamina C, principal componente da acerola, desempenha um papel importante na proteção do organismo contra infecções. Aumenta a resistência, alivia os efeitos do stress. É também, para além desta vitamina, um excepcional anti-carboneto.

Pesquisas no campo da cosmetologia sugerem que o ácido ascórbico está incluído nos produtos anti-idade graças ao seu efeito antioxidante e aos radicais livres que contém. Os sais minerais dão-lhe o efeito remineralizante na pele cansada e estressada. O muco e as proteínas são responsáveis pela hidratação e condicionamento dos cabelos.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios da acerola para a saúde?

é considerado um dos campeões em vitamina C do reino vegetal e fornece cerca de 1.790 miligramas de vitamina por 100 gramas de celulose.

Também conhecida como ácido ascórbico, a vitamina C melhora o sistema imunitário, a pele, o humor, evita problemas oculares e derrames, tem um poderoso efeito antioxidante que combate os radicais livres responsáveis pelo envelhecimento precoce.

A acerola perde apenas o suficiente de vitamina C para uma fruta amazônica pouco conhecida chamada camu-camu, que fornece 2.880 miligramas de vitamina C por 100 gramas de carne. Para ilustrar o quanto isto seria, é suficiente saber que 100 gramas de puré de laranja contém apenas 40 mg. Segundo a Organização Mundial de Saúde, a necessidade diária ideal recomendada é de 90 mg para homens e 75 mg para mulheres, o que equivale a tomar apenas uma laranja e um morango por dia ou quatro unidades de acerola.

Foto: Reprodução

Esta fruta contém até 100 vezes mais vitamina C do que laranja e limão, 20 vezes mais do que goiaba e 10 vezes mais do que castanha de caju e amoras na mesma quantidade de carne. E os benefícios da acerola estão longe de estar esgotados. Além da vitamina C, a acerola é rica em vitamina A, ácido fólico, riboflavina B2, niacina, fósforo, manganês, magnésio, cálcio, ferro, potássio e cobre. As fibras dietéticas contribuem para o bom funcionamento do sistema digestivo e ajudam a eliminar o que não é bom para o organismo. O seu consumo também ajuda a controlar os níveis de açúcar no sangue e a combater alguns cancros, como o cancro do pulmão.

O Brasil é o maior produtor, consumidor e exportador mundial de acerola, onde é usado principalmente para fazer sucos, sorvetes, doces, cápsulas de vitamina C pura, néctar e enlatados. Com poucas calorias (100 gramas do produto trazem apenas 60 calorias) e os principais benefícios da acerola são melhor desempenho físico, cicatrização após cirurgia mais rápida, prevenção à irritabilidade, combate às constipações, infecções e redução aos ataques cardíacos, cicatrização mais rápida após a cirurgia, combate à fadiga e à perda do apetite, redução da dor muscular e articular, e ajuda à saúde dos olhos.


Agrião: Conheça seus benefícios para a saúde

O agrião é um pequeno vegetal verde escuro com um sabor ligeiramente picante. Cresce espontaneamente em solos úmidos perto de riachos. Na cozinha, o agrião é usado principalmente em saladas, mas também pode ser usado em pratos quentes, como sopas e purê de batata.

O agrião é considerado uma das mais importantes fontes de vitamina A, essencial para os olhos e a pele. Também tem um potencial muito elevado para sais minerais como iodo, enxofre, cálcio, fósforo e especialmente ferro. Porque o agrião contém poucas calorias e praticamente nenhuma gordura, é uma excelente dieta para pessoas com perda de peso. Portanto, é aconselhável servi-lo como um primeiro prato na forma de uma salada, especialmente em dias quentes, porque também tem propriedades refrescantes.

Se for de boa qualidade, o agrião deve ter folhas verdes muito escuras, brilhantes, firmes e tenras, sem manchas nem vestígios de insectos. As folhas amareladas e secas indicam que o agrião já é velho, por isso o seu consumo não é recomendado. Limpe cuidadosamente em água corrente para armazenamento. Retire as folhas amarelas e guarde-as na gaveta do frigorífico.

Foto: Reprodução

Os benefícios do agrião para a saúde incluem a prevenção do cancro da mama, o fornecimento de um rico suprimento de vitamina C necessária para restaurar o tecido cerebral, aumentar a imunidade, diminuir a pressão arterial, melhorar a função da tiroide e prevenir a deficiência de ferro. Outros benefícios incluem prevenir ressacas, promover a perda de peso, limpar o sangue, preservar ossos saudáveis, tratar diabetes, melhorar a visão, reduzir danos por estresse oxidativo, controlar a função da vesícula biliar, apoiar a saúde do cabelo, fortalecer os dentes, prevenir resfriados regulares e melhorar a saúde do cérebro.

O agrião é uma origem mineral escura, densa, verde, verde, da Ásia e da Europa e cresce na água de nascente natural e em riachos lentos e sinuosos. Tem um sabor ligeiramente picante e um equilíbrio interessante de caules comestíveis, crocantes e folhas macias.

Este vegetal tem sido conhecido como uma erva maravilhosamente nutritiva e uma solução natural para muitas doenças – e você provavelmente está mais familiarizado com seu uso em sanduíches, saladas e como um prato parcialmente vaporizado. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças classificam o agrião como uma “casa de força” dos vegetais.

Foto: Reprodução

O teor de vitamina C do agrião é superior ao de uma laranja! Também contém mais ferro do que espinafre, mais cálcio do que leite e mais ácido fólico do que bananas. A planta também possui altos níveis de vitamina A, vitamina B6, vitamina B12, cálcio, fósforo, ferro e magnésio, que são essenciais para um corpo saudável.

O Agrião-de-água é um vegetal com incríveis benefícios para a saúde devido ao seu elevado teor de fitoquímicos chamados isotiocianatos. Os mesmos componentes para o controle de doenças também podem ser encontrados em brócolos e repolhos. O agrião é também uma das plantas mais ricas em nutrientes conhecidas pela humanidade.

O agrião apresenta folhas alternadas, constituídas por 3 a 11 folhas alongadas e flores brancas amarelas nuas, dispostas em variedades curtas, terminais ou auxiliares; solo silicioso subcilíndrico de 5 cm de comprimento, com sementes acastanhadas, adequadas, rugosas, pequenas. Contém iodo, cobre, ferro, ferro, ferro, enxofre, fosfato e óleo essencial com enxofre azotado amargo e volátil.

Foto: Reprodução

O agrião foi recomendado para tuberculose pulmonar. É excelente para distúrbios digestivos caracterizados por fraqueza. Também é utilizado com sucesso em dispepsia associada a flatulência e amargura.

Para aqueles que não têm água corrente, é melhor plantar agrião em solo seco. A germinação dura 6 dias e pode ser plantada durante todo o ano. Semear a uma distância de 10 cm em ambas as direções numa cama bem fertilizada com matéria orgânica.

O sabor do agrião seco é exatamente o mesmo que o do agrião. Após 90 dias é possível colher agrião em solo seco, distinguindo-se apenas pelo tamanho das folhas menores.

Como a maioria dos vegetais folhosos, o agrião é um vegetal de baixas calorias. Fornece 22 calorias por 100 gramas.

Foto: Reprodução

É considerada uma das fontes mais importantes de vitamina A, essencial para uma boa visão e para a manutenção de uma pele saudável. Contém também vitaminas do complexo B (responsáveis pelo crescimento) e uma grande quantidade de vitamina C.

Tem um alto potencial para sais minerais como iodo, enxofre, fósforo e ferro. Eles são importantes para a função da tireóide, ajudam na formação de ossos e dentes, previnem a fadiga mental e estão associados à produção de glóbulos vermelhos.

O agrião combate o ácido úrico, a tuberculose, o raquitismo, as pedras nos rins, a cistite e os efeitos tóxicos da nicotina. Como um dos produtos mais ricos da natureza, o agrião é digestivo, bom para o fígado, diurético e bom para diabéticos.

O suco de agrião confere excelentes resultados para o tratamento do câncer de mama, catarro e reumatismo. Além disso, o vegetal também é eficaz contra a bronquite quando misturado com mel.

Foto: Reprodução

Devido às suas propriedades reafirmantes e estimulantes, o agrião tem a capacidade de estimular o apetite. Por isso, deve ser sempre servido como aperitivo em forma de salada, especialmente nos dias quentes em que é muito refrescante.

No momento da compra, escolha a embalagem com folhas verdes e brilhantes, firmes, limpas e sem manchas de insetos. Sob estas condições, ele pode ser mantido na geladeira por 3 a 4 dias.

O agrião é colhido entre os meses de janeiro e fevereiro e entre agosto e setembro. O agrião é um componente das saladas com propriedades saudáveis excepcionais. O agrião também estimula a formação de glóbulos vermelhos.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios do agrião?

Previne o câncer de mama

O agrião tem um nutriente anti-câncer muito eficaz. Estudos mostram que é tão eficaz que com uma única salada já é possível notar o aumento de moléculas na corrente sanguínea do corpo que podem prevenir e deter o cancro da mama. De acordo com pesquisas, aqueles que comem pelo menos 80 gramas de agrião por dia já podem ver resultados positivos.

Melhora a pressão arterial

Para além dos nutrientes do agrião, contém também uma série de metabolitos secundários que ajudam a reduzir o risco de várias doenças crónicas. Plantas cruciferas como o agrião têm um efeito positivo nos níveis de colesterol LDL, o que ajuda a reduzir o risco de doenças cardiovasculares como a arteriosclerose e outras doenças cardíacas crónicas.

Foto: Reprodução

Reduz o risco de osteoporose

Estudos mostram que alimentos ricos em cálcio, como o agrião, reduzem o risco de osteoporose. O cálcio ajuda a reparar e construir ossos e aumenta a produção de osteoblastos, as células responsáveis por esta actividade. Este desempenho é ainda melhor para os idosos, mas também excelente para jovens com um estilo de vida sedentário.

Funciona como um antidepressivo

Estudos mostram que baixos níveis de folato podem ser responsáveis por um aumento do risco de depressão. O ácido fólico trabalha com neurotransmissores, vias do sistema nervoso central que influenciam a produção de neuroquímicos como a serotonina; na depressão, que afeta uma proporção significativa da população mundial, a adição de alimentos ricos em folato, como o agrião, torna-se um suplemento dietético importante porque reduz o risco desta doença crônica.

Foto: Reprodução

Contribui para a saúde da gravidez

O ácido fólico é muito importante para o desenvolvimento de um embrião saudável. Além disso, as mulheres grávidas devem tomar pelo menos 400 mcg de ácido fólico diariamente para reduzir a incidência da doença. O agrião, com o seu elevado teor de folato, pode ajudar a reduzir o risco de complicações durante a gravidez.

É rico em Vitamina C

A vitamina C pode ter benefícios importantes na prevenção de doenças e no tratamento de outras complicações. É importante manter um alto nível de vitamina C no corpo para que o sistema imunológico funcione melhor.

Foto: Reprodução

Reduz o risco de catarata

Um estudo europeu demonstrou que a vitamina C pode reduzir eficazmente o risco de formação de cataratas. A ingestão de agrião com uma boa quantidade de vitamina C pode ajudar a proteger contra cataratas.

Melhora a asma pediátrica nas crianças

Um estudo com crianças asmáticas mostrou resultados de melhora significativa no quadro ao tomar 0,2 g de vitamina C diariamente. A ingestão de alimentos, como o agrião, pode ajudar a aliviar a asma infantil.

Agora faça um orçamento para papel de semente, em tamanhos diferentes, com sementes de agrião.

Foto: Reprodução

Contribui para a perda de peso

Como o agrião é um vegetal de baixa caloria, cerca de 28 por dose, é um alimento que ajuda as pessoas que querem perder peso. Além disso, contém uma boa quantidade de fibras dietéticas solúveis e insolúveis, o que aumenta a saciedade e também melhora o esvaziamento intestinal.

Outro fator que torna o agrião magro é que ele tem um alto teor de potássio, o que segundo pesquisas é um incentivo para a perda de peso.

Protege a saúde dos pulmões

As vantagens do agrião para os pulmões são que contribui para a lubrificação do órgão, o que ajuda a prevenir a tosse, inflamação das vias respiratórias e dores de garganta.

Além disso, o agrião protege contra os efeitos das toxinas, especialmente quando fumado ou fumado, pela presença de uma forte substância fitoquímica chamada fenethyl-isothiocyanate, que promove a limpeza e recuperação dos pulmões.

Foto: Reprodução

Melhora a digestão

Esta planta contém enzimas que estão em clorofila e contribuem para a melhoria da digestão. Estas enzimas permitem a absorção de nutrientes durante o processo de digestão. Para beneficiar do agrião, é necessário consumir as folhas cruas, pois estas enzimas são destruídas durante a cozedura.

Colabora para a saúde óssea e oral

O Agrião-de-água é um alimento com um teor muito elevado de cálcio na sua composição. Por esta razão, é um forte aliado para a saúde dos ossos e dentes, tornando-os mais fortes e saudáveis.

Foto: Reprodução

Dá mais vontade de fazer exercícios físicos

O uso regular de agrião restaura o nível de energia do corpo, dando às pessoas fisicamente ativas um melhor humor. Isto torna possível realizar os exercícios durante um longo período de tempo sem comprometer o desempenho, enquanto a recuperação após os exercícios é ainda mais rápida.

Auxilia no tratamento de doenças respiratórias

O elevado teor de vitamina C nesta planta é essencial para fortalecer o sistema imunitário. Desta forma, ajuda a prevenir a gripe e as constipações e a tratar problemas respiratórios como bronquite, asma, sinusite, rinite, etc.

Isto também se deve às suas propriedades descongestionantes e expectorantes, que ajudam a eliminar o muco causado por estas doenças. O suco de agrião com leite e mel ajuda com bronquite, reumatismo e catarro. Misturado com mel, torna-se uma boa solução para combater a bronquite.

Conheça a Toranja e seus benefícios para a saúde

A toranja (Citrus × paradisi), ou grapefruit, é um citrino subtropical conhecido pelos seus frutos moderadamente doces e azedos, relativamente grandes e ligeiramente amargos. A toranja é um híbrido cítrico de Barbados, resultado de um cruzamento acidental entre duas variedades introduzidas – laranja doce (C. sinensis) e pomelo (ou shaddock) (C. maxima) – ambas introduzidas na Ásia no século XVII. Quando foi encontrado, foi apelidado de “fruta proibida”. Muitas vezes é erroneamente identificada como a espécie mãe muito semelhante, o pomelo.

A parte da uva do nome (grape) refere-se a cachos de frutas na árvore que muitas vezes se parecem com cachos de uvas. A polpa interior da toranja é segmentada e de cor variável entre branco e amarelo, vermelho e rosa.

As toranjas perenes atingem geralmente uma altura de cerca de 5-6 metros (16-20 pés), embora possam atingir até 13-15 metros (43-49 pés). As folhas são brilhantes, verde escuro, longas (até 15 polegadas) e finas. Produz flores brancas com quatro pétalas de 5 cm de diâmetro. O fruto apresenta casca amarelo-alaranjada, geralmente achatada, de forma esférica e diâmetro variável de 10-15 cm (3,9-5,9 polegadas). A polpa é segmentada e ácida, de cores diferentes consoante as cultivares, incluindo a polpa branca, rosada e vermelha com diferentes graus de doçura (geralmente as variedades mais doces são as mais doces). A American Ruby Red (variedade Redblush) de 1929 tem a primeira patente de toranja.

Foto: Reprodução

O nome “grapefruit” parece derivar do fato de que, ao contrário dos cítricos normais, os frutos desta árvore crescem em “cachos”, que são vagamente reminiscentes de cachos de uvas.

A origem genética da toranja é uma mistura híbrida. Um dos antepassados da toranja foi a laranja doce jamaicana (Citrus sinensis), um antigo híbrido de origem asiática; o outro foi o pomelo indonésio (C. maxima). Uma história sobre a origem do fruto é que um certo “Capitão Shaddock” trouxe sementes de pomelo para a Jamaica e criou o primeiro fruto, mas é provavelmente um híbrido natural entre as duas plantas algum tempo depois da sua introdução.

A toranja, então chamada de “fruto proibido”, foi documentada pela primeira vez em 1750 por um galês, o Padre Griffith Hughes, que descreveu espécimes de Barbados na História Natural de Barbados. Hoje em dia, a toranja é considerada uma das “Sete Maravilhas de Barbados”.

Conde Odet Philippe trouxe grapefruit para a Flórida em 1823 no que agora é conhecido como o Porto de Segurança. Outras cruzes produziram o tangelo (1905), o tangelo de Minneola (1931) e o oroblanco (1984).

Foto: Reprodução

A toranja era conhecida como shaddock ou shattuck até ao século XIX. O nome atual se refere aos cachos de frutas na árvore, que muitas vezes se assemelham aos da uva. Botanicamente, não foi até a década de 1830 que se distinguiu do pomelo, sob o nome de Citrus paradisi. Só nos anos quarenta do século passado foi estabelecida a sua verdadeira origem. O nome oficial foi, pois, alterado para Citrus × paradisi, com o “×” a indicar a origem híbrida do produto.

Um dos primeiros pioneiros da indústria americana de citrinos foi Kimball Atwood, um empresário rico que fundou a Atwood Grapefruit Company no final do século XIX. Atwood Grove tornou-se a maior plantação de toranjas do mundo, com uma produção anual de 80.000 caixas de frutas. É lá que a toranja rosa foi descoberta pela primeira vez em 1906.

A patente Ruby Red de 1929 foi associada a um verdadeiro sucesso comercial, na sequência da descoberta de uma toranja vermelha cultivada numa variedade rosada. Ao usar a radiação para desencadear mutações, novas variedades foram desenvolvidas para preservar os tons vermelhos, que geralmente ficam rosa. O tipo Rio Red é a atual toranja texana (2007) com as marcas registradas Rio Star e Ruby-Sweet, também promovida como “Reddest” e “Texas Choice”. Rio Red é uma estirpe de mutação desenvolvida através do tratamento de topsticks com nêutrons térmicos. As características melhoradas da variedade mutante são a cor do fruto e do sumo, uma cor vermelha mais escura e uma adaptação mais ampla.

Foto: Reprodução

O rubi estrela é a mais escura das castas tintas. Desenvolvida a partir de uma toranja Hudson irradiada, tem tido um sucesso comercial limitado porque é mais difícil de cultivar do que outras variedades.

A toranja está disponível em diferentes variedades. Uma forma de distinguir as variedades é pela cor da polpa dos frutos que produzem. As variedades mais populares atualmente cultivadas são o vermelho, o branco e o rosa, referindo-se à cor interna da polpa. A família dos sabores varia de muito azedo e ligeiramente azedo, a doce e azedo. O mercaptan de toranja, uma substância terpénica sulfurosa, é uma das substâncias que tem uma forte influência no sabor e cheiro da toranja em comparação com outros citrinos.

Toranja e sumo de toranja interagem com muitos medicamentos e, em muitos casos, causam efeitos secundários diretos ou secundários (se a dosagem não for cuidadosamente ajustada).

Foto: Reprodução

Isto acontece de duas formas muito diferentes. No primeiro caso, o efeito vem da bergamotina, um documentário furano natural de carne e toranja que inibe a enzima CYP3A4 (entre outras da família das enzimas P450 responsáveis pelo metabolismo de 90% das drogas). A ação da própria enzima CYP3A4 é metabolizar muitas drogas. Se a eliminação do medicamento for reduzida, a concentração de sangue do medicamento pode tornar-se demasiado elevada ou permanecer no sangue demasiado tempo, o que pode levar a efeitos secundários. Por outro lado, algumas drogas têm de ser decompostas para se tornarem ativas e a inibição do CYP3A4 pode reduzir os efeitos da droga.

O outro efeito é que a toranja pode bloquear a absorção de drogas no intestino. Se a droga não é absorvida, não há suficiente no sangue para ter um efeito terapêutico. Cada droga afetada tem um aumento específico no efeito ou uma diminuição.

Uma toranja inteira ou um copo de 200 ml de sumo de toranja (6.8 fl. oz. US) pode causar uma overdose de toxicidade. Geralmente, os medicamentos que não são compatíveis com a toranja são rotulados na embalagem ou no anexo informativo. As pessoas que tomam medicamentos devem perguntar ao seu profissional de saúde ou farmacêutico sobre a interação entre toranja e medicamentos.

Foto: Reprodução

A toranja é uma rica fonte de vitamina C (>20% do seu valor diário, DV numa porção de 100 gramas), contém pectina, e os tons rosa e vermelho contêm o licopeno antioxidante benéfico. Estudos mostraram que a toranja ajuda a baixar os níveis de colesterol, e foi provado que as sementes têm propriedades antioxidantes. Toranja é o coração da “dieta de toranja”, onde a teoria é que o baixo índice glicêmico da fruta é capaz de ajudar o metabolismo do corpo queimar gordura.

Embora o extrato de semente de toranja (GSE) seja apresentado por alguns fabricantes de produtos naturais de cuidados pessoais como conservante herbal, estudos têm demonstrado que a atividade antimicrobiana aparente associada às preparações de GSE é simplesmente devido à contaminação com conservantes sintéticos como os parabenos.

Os citrinos são altamente deteriorados e contêm muito pouca espermidina. O sumo de toranja contém cerca de metade do ácido cítrico ou sumo de lima (que contém cerca de 47 g/l) e cerca de duas vezes e meia a quantidade de ácido cítrico no sumo de laranja.

Foto: Reprodução

É inegável que a laranja e a toranja têm propriedades comuns, a maior das quais é a sua grande quantidade de vitamina C. Também conhecido como ácido ascórbico, é um poderoso antioxidante. Mas o que significa isto? Simplesmente ajuda a combater o excesso de radicais livres nos nossos corpos e evita a oxidação das células que, na pior das hipóteses, podem causar cancro. E ao prevenir a deterioração, a vitamina C previne o envelhecimento prematuro.

Além disso, fortalece o sistema imunitário e reduz o risco de uma doença, porque pode combater as substâncias invasoras de forma mais precisa. Mas os benefícios vão ainda mais longe. Ajuda o corpo a absorver ferro, o que não só previne a anemia, mas também acelera o metabolismo do corpo. Portanto, seu uso também é recomendado para aqueles que fazem exercícios, pois dá mais energia ao corpo.

É bom que o sabor seja diferente, mas você pode tentar substituir a laranja pela toranja como parte de algumas receitas. Por exemplo, já pensaste em fazer bolos de toranja? Ou qualquer outro doce que use esta fruta como um dos seus ingredientes principais? Se a resposta for não, é hora de mudar a imagem! A toranja também é frequentemente utilizada na preparação de chá, sumos e compotas. Em suma, nas mesmas coisas que as pessoas usam laranja.

Foto: Reprodução

Depois de tudo isso, há dúvida: há diferença entre esses dois frutos? Em primeiro lugar, o seu sabor e aparência são diferentes, por isso não faz sentido fazer um sumo de toranja e pensar que o seu sabor será o mesmo que o da laranja. Por último, o limão é também um citrino e não é comparável aos citrinos. A laranja também tem variedades diferentes, cada uma das quais é especificada para uma finalidade diferente, enquanto não há falta de toranja, pois há apenas uma variedade.

Ao mesmo tempo, alguns estudos sugerem que a toranja não deve ser consumida por pessoas que tomam determinados medicamentos porque pode bloquear uma enzima que é responsável pela decomposição das substâncias nestes medicamentos. Portanto, se você está passando por algum tipo de tratamento, pode ser melhor consultar um médico ou nutricionista antes de adicionar toranja à sua dieta diária.

Quais são os benefícios da toranja para a saúde?

Perda de peso

A toranja é uma fruta enzimática que suporta o metabolismo das gorduras, tem um elevado teor de água e um baixo teor de sódio. A combinação destes três ingredientes faz da toranja a fruta ideal para suportar a perda de peso. Adicione esta fruta à sua dieta diária e verá que alguns quilos desaparecem.

Foto: Reprodução

Prevenção da artrite

Toranja contém ácido salicílico, que ajuda a quebrar o cálcio inorgânico que se acumula na cartilagem articular e causa artrite. Se você sofre de artrite, tome metade de um copo de suco de toranja com vinagre de maçã diariamente e você vai notar uma diminuição na inflamação articular.

Prevenção do câncer

A toranja é rica em caroteno, que é um agente eficaz contra o cancro porque combate os radicais livres. O licopeno é enriquecido pela presença de vitaminas A e C, que também se encontram nas toranjas. Outro componente, a naringenina, ajuda a reparar o ADN celular em doentes com cancro da próstata e impede a multiplicação das células cancerígenas.

Redução do colesterol

Os antioxidantes contidos na toranja são muito eficazes na redução dos níveis de colesterol. Mas se você está tomando qualquer tipo de medicação para baixar o colesterol, não comer toranja ou tomar suco de frutas. A toranja reage negativamente quando associada a medicamentos usados para tratar colesterol alto, depressão, alergias, hipertensão, epilepsia, impotência, palpitações e até mesmo HIV. Consulte sempre o seu médico antes de adicionar este fruto ou o seu sumo à sua dieta se estiver a tomar um medicamento.

Foto: Reprodução

Como Criar Nome Para ONG (Ideias e Dicas)

Você está interessado em criar uma ONG de proteção da Amazônia e precisa de um nome criativo para que ela saia do papel e comece sua jornada em prol do meio ambiente?
Vamos dar algumas dicas aqui para que você alcance este objetivo:

Dica 1: Pense nos objetivos e metas da sua ONG, escrava-os em um papel.

Dica 2: Qual seria o objeto, animal, característica e adjetivos que melhor representariam a sua ONG?

Dica 3: Qual é o público que você desejaria atingir com suas ideias?

Dica 4: O que ou quem você estará ajudando quando a ONG estiver em atividade?

Depois de ter estas informações em mãos, comece a escrever nomes aos quais você acha interessante em um papel.
Misture as palavras, adicione prefixos e sufixos nelas, brinque com elas.

Como exemplos de prefixos e sufixos, podemos citar:

  • Eco
  • Bio
  • Care

Pergunte aos familiares e amigos se eles tem alguma ideia de nome e tente mixar estas ideias com as ideias de nomes da sua lista.

Se não conseguiu chegar em um nome ainda, utilize um gerados de nomes como este.

Você pode conferir aqui nomes de animais da amazônia, pode ser inspirador ver esta lista e criar um nome ou dar a sua ONG o nome de um dos animais que vivem na floresta.

Para que seu nome seja forte e marcante, procure criá-lo curto, com uma boa fonia e poder de memorização.
Um nome profissional precisa ter a aprovação de muitas pessoas, por isso pergunte aos seus amigos e familiares o que acham do nome. Se achar necessário, realize uma pesquisa pública.

Outra boa ideia é utilizar as redes sociais para saber se algum dos amigos possui uma ideia interessante de nome para a ONG.

O Encontro de duas culturas no processo de colonização e aculturação do Indígena no Brasil: Uma breve análise

Índio Brasil

Resumo: O processo de colonização e aculturação do indígena. Objetivo deste Artigo é conhecer em síntese, como se desenvolveu o processo de colonização, tendo como base, a relação com os povos indígena no Brasil. Adotamos como metodologia, uma consulta bibliográfica nos textos dos Antropólogos: Darcy Ribeiro (1993), Os índios e a civilização: A integração das populações indígenas no Brasil moderno, Júlio Cesar Melatti (1994), Índio do Brasil e Manuela Carneiro da Cunha (2012), Índios no Brasil: história, direitos e cidadania. Com base nesta bibliografia, esta análise, busca questionar a tese de que os índios foram “um obstáculo ao desenvolvimento, das frentes de expansões”, como era defendida nos discursos oficiais do governo. Analisamos ainda, o processo de aculturação das comunidades indígenas e a influência das instituições religiosas, católica, protestante, bem como os movimentos messiânicos, na Amazônia. Por que o indígena, era visto como um potencial inimigo e hostilizado como um obstáculo, aos projetos de desenvolvimento do poder econômico? As condições de penúria estão relacionadas às escolhas dos indígenas? Pensamento mítico, sobre o momento de escolha que teve o indígena, quando do encontro das duas culturas. A mídia eletrônica e em geral a imprensa escrita e falada, noticiam frequentemente, o conflito entre os povos indígenas e o poder econômico chancelado pelo Governo Federal. As construções de usinas hidrelétricas na Amazônia refletem, o quanto são indígenas são ignorados nesses processos.

Quando se dá o encontro entre duas sociedades cujas culturas são distintas é possível imaginar, que algumas dificuldades aconteçam nessa relação; uma vez que tudo é novo e estranho a ambas as partes. A primeira, dentre as tantas dificuldades, parece ser inicialmente a comunicação, uma vez que a língua falada por determinada sociedade civilizada, não é de conhecimento da outra sociedade não civilizada. A comunicação como tal é quem poderá determinar o êxito ou o fracasso entre tais processos socioculturais e ambientais, envolvendo uma relação entre duas sociedades.

Com o intuito de obter o mínimo de compreensão, da relação envolvendo duas sociedades distintas, com culturas e interesse distintos é que proponho analisar como se estabeleceu a relação, envolvendo o europeu colonizador, no caso brasileiro os Portugueses, com as sociedades tradicionais, convencionalmente denominados – povos indígenas. A metodologia adotada neste trabalho se constitui de uma consulta bibliográfica nos textos dos Antropólogos: Darcy Ribeiro (1993), Os índios e a civilização: A integração das populações indígenas no Brasil moderno, Júlio Cesar Melatti (1994), Índio do Brasil e Manuela Carneiro da Cunha (2012), Índios no Brasil: história, direitos e cidadania.

O trabalho está estruturado em quatro fases: A primeira é uma leitura do que propõe o texto de Júlio Cesar Melatti, em relação a origem do homem. A segunda, uma síntese do texto de Darcy Ribeiro, o qual revela as consequências das ações colonizadoras. A terceira, uma reflexão no texto de Manuela Carneiro da Cunha, a qual discute a história, o direito e cidadania. A quarta é as considerações finais. É oportuno lembrar que os autores analisaram as relações sociais entre o colonizador e o colonizado sob os diferentes aspectos e épocas, o que não os desqualificam, mas sim reitera que as ações do colonizador imposta ao colonizado, promoveu os mais variados tipos de comportamentos sociais, dentes as quais se estabeleceu a dúvida, de onde vieram os índios? Este é o título do capítulo I, quando Melatti busca uma explicação, visando sanar ou pelo menos apontar hipótese socialmente aceitável.

PRIMEIRA FASE

O autor apresenta inicialmente duas hipóteses, as quais ele denomina de: “As hipóteses ultrapassadas e as hipóteses mais recentes”. Nas “hipóteses ultrapassadas”, os índios derivam de etnias diversas. “Diferentes povos do Velho Mundo receberam delas a qualidade de ancestrais dos índios: os judeus, os fenícios, os cários, os tártaros ou mongóis e outros” (Melatti, 1994, p.6). “As hipóteses mais recentes”, o autor enfatiza ao afirmar: “o problema da origem do homem americano faz parte das preocupações dos Antropólogos físicos, dos arqueólogos, dos etnólogos, cada profissional enfrentando a questão com os elementos de sua especificidade” (Idem, p7).

A complexidade da investigação, reque o tralho interdisciplinar, surge então, o Antropólogo físico. O que difere o Antropólogo físico, dos demais Antropólogos? “O Antropólogo físico estuda os esqueletos dos índios antigos, sua distribuição geográfica e em níveis estratigráficos, bem como suas formas, para o que recorre ao auxilio do paleontólogo” (Idem). As hipóteses apresentadas pelo autor, por si só não são satisfatórias, uma vez que apresentam uma “diversidade das características biológicas das populações ameríndias” (p.8). O que essa “diversidade das características biológicas” pode influenciar no resultado da pesquisa? Em relação as “diversidades das características biológicas”, afirma o autor:

Algumas são consideradas como resultantes do fato dos indígenas americanos serem descendentes de populações extra-americana pertencente a grupos raciais diversos; outros são atribuídas à adaptação dos povoados do Novo Continente às condições ambientais de suas diversas regiões (Melatti, 1994, p.8).

Esta citação ainda não sugere e nem tampouco advoga favorável ou contrário as teorias em analise. Contudo, vigoram cinco teses atualmente, que transcrevo a seguir na íntegra. Segundo o autor “há um pequeno número de resultados sobre os quais a maioria está de acordo”:

  1. O homem não surgiu na América, veio de fora, sendo muito mais recente no Novo do que no Velho Mundo;
  2. A migração mais importante para o povoamento da América, mas não provavelmente a única, foi a de elementos asiáticos que vieram em levas sucessivas de Estreito de Bering;
  3. Os primeiros contingentes humanos chegaram à América na última idade glacial, denominada Wisconsin num período que se pode situar a quarenta mil anos passados;
  4. Os primeiros migrantes estavam no nível cultural de caçadores, não dispondo, então, de conhecimentos e técnicas de agricultura, já que, quando o homem chegou à América, o Velho Mundo não tinha passado do paleolítico Superior;
  5. Os últimos grupos migratórios formam os esquimós, que se radicaram na região mais setentrional do continente americano.

As teorias apresentadas linhas acima, não são elucidativas, apenas levantam hipóteses. Se para o homem civilizado mantém-se a incerteza quanto a origem dos índios. E quanto aos índios, existe dúvida, em relação a origem do homem civilizado? Nessa relação às dúvidas são recíprocas, segundo o autor. Se os homens brancos têm dúvida, quanto a origem dos índios, esses por sua vez desejam saber a origem dos brancos, “qual a origem dos civilizados brancos, os invasores de suas terras”. A resposta para tal pergunta não é uniforme “cada sociedade indígena tem uma resposta diferente” (p.15). Em relação a dúvidas a cerca do “homem branco civilizado”, os indígenas têm como explicação os “seus mitos” com os quais justificam “por que os indígenas se acham numa situação de subordinação, de povos dominados, perante os brancos” (P.16).

Para os índios, o homem branco são a “transformação” de índio em brancos e segundo o autor está relacionado a posição social que ocupa, “a posição da tribo perante o homem branco, que aparece como possuidor de coisas que os índios gostariam de ter, pois são coisas que fazem mais fácil a vidas do branco e que também lhe permite dominar os índios” (p.17). Sob a perspectiva indígena a dominação foi condicionada pelas escolhas que fizeram os índios.

SEGUNDA FASE

Nesta secção, iniciaremos apresentando a tradução de duas palavras, as quais foram inseridas, não ao acaso. São elas: Mediatizar e Impingir. As formas verbais, que Darcy Ribeiro, empregou em seu texto, tem sua devida importância; designar, os modos de agir do colonizador português, sobre os indígenas.  “Mediatizar”: Comunicação. Divulgar através dos meios de comunicação; disseminar ou divulgar; midiatizar (https://www.dicio.com.br/mediatizar).  “Impingir”: 1) Dar ou aplicar violentamente, 2) levar a acreditar, iludido, 3) obrigar a aceitar; empurrar. 4) fazer passar uma coisa por outra (Ferreira, 2000). De modo sutil, as formas verbais, demonstram o quanto intenso foi a maneira de o colonizador impor sua cultura. Essa imposição, o autor denominou de “processo de transfiguração étnica” (Ribeiro, 1993, p.373).

Nesse “processo” é segundo o autor, “como interagem as culturas tribais e a nacional, enquanto representações conceituais do e enquanto corpos de crenas e de valores que motivam a conduta”. É licito pensar que tanto o português, quanto o indígena têm conceitualmente sua conduta, modos de agir, crê e pensar, o qual se forma “corpos de crenças e de valores”. Mesmo sendo “relações essencialmente simbólicas”, o que se pode esperar como resultado envolvendo duas distintas culturas? “Jamais uma cultura indígena e a nacional se confrontaram – com suas qualidades culturais intrínsecas – como elementos livremente comparáveis”, se tais culturas não foram “confrontadas”, como afirma o autor. As relações passam a ser de formas unilaterais e verticais, uma vez que “os índios, compelidos a redefinir suas crenças”, sob o discurso ideológico (idem). E por ser uma relação unilateral, reforçam-se as teorias sob as quais, o colonizador impõe sua condição. É o que se evidencia, na tese das representações que o autor, afirma:

Essas diversas representações não se oferecem ao índio como alternativas racionais dentre as quais ele deve ou possa optar, mediante a crítica de suas concepções anteriores e a adoção da que lhe pareça mais acertada ou mais adequada (Ribeiro, 1993, p.374).

Como se desenvolveu essa relação envolvendo os corpos ideológicos, entre o colonizador e o indígena, no caso brasileiro? Os “corpos ideológicos” sob esta perspectiva são intrínsecos a cada individuo. E em relação ao indígena “é a cristalização de uma mentalidade, de uma consciência que se desenvolveu e se alterou condicionada por certas circunstancias peculiares e que só dentro desse contexto alcança significação”. Em que se beneficia o indígena nessa relação em que não dispõe de alternativas? Segundo o autor nessa relação, ela pode ser “autêntica ou espúria”. Diz ele: “será autêntica se atender a própria experiência grupal e se motivar o individuo de seus interesses”. E será “espúria, se for induzida de fora, pela interiorização de elementos da consciência do outro e, portanto, se operar não para servir ao grupo, mas para justificar a sua dependência”. Nessa relação o que se evidencia é uma imposição, cujo objetivo é reduzir o outro, no caso em analise, o indígena brasileiro. E que é reiterada pelo autor, quando denomina de “transição de uma mentalidade para outra”, ao afirmar que esta “mutação é intencionada pelos agentes da civilização para impor e perpetuar seu domínio sobre os índios”. Ao perceber essa transição e não havendo outra possibilidade, o indígena se permite a tal condição.

Para o autor, o índio que passa por tal “condição genérica de índio civilizado, a antiga consciência começa a ruir e a se decompor para dar lugar a uma nova forma que permanece sendo étnica, mas já corresponde, como mentalidade, à sua nova condição” (idem). Condição essa em que esta impregnada de “novos valores” e que o índio assimila, mas em sua essência não abandona sua indianidade. É o que sugere o autor, em sua afirmação, quando diz:

Colocado na sociedade nacional como um estamento dela diferenciado, o índio constrói a consciência desse estamento com os cimentos e tijolos da velha herança tribal e com os novos elementos apreendidos no convívio ou criados para exprimir a especificidade de sua experiência existencial. Essa consciência será crescentemente alienada, porque mesmo os conteúdos auto afirmativos já não a definem como uma etnia, mas já a figuram também como um estamento da sociedade nacional (idem, p374-375).

O processo de aculturação do indígena envolve a “apreensão de novos valores”. Mas não é apenas isso, há algo a mais, em que o autor convencionou de “crescente alienação”. Essa alienação produz no indígena uma mudança interior, que mesmo de diante dos conteúdos “autoafirmativos”, já não o define “como uma etnia, mas como sociedade nacional”. Essa é uma relação, em que reside o conflito, uma vez que o indígena se encontra diante de um conjunto de novos valores. E como afirma autor: “Nessas circunstancias, cada um dos corpos ideológicos apresentados ao índio é uma consciência do outro que minar a consciência do índio em suas bases de sustentação”. (P.375).

E nesse processo de aculturação do indígena, reside ainda, um forte “oposição” a certos conceitos. O autor aponta que o termo “caboclo” é aplicado “ao índio civilizado”. E até este o transfere “ao indígena tribal preso à sua cultura original e ainda não engajado no sistema econômico da região” (idem). Evidencia-se, portanto, segundo o autor “o transito da condição de indianidade à brasilidade” (p.386). Além das condições, apresentadas linhas outros fatores contribuem de forma decisiva para que aconteça esse “transito”, os quais são os “movimentos messiânicos”. Tais movimentos impõe ao indígena uma fé no sobrenatural, que “mobiliza grupos inteiros na esperança de construir misticamente seu mundo cultural”. E a razão dessa mobilização, segundo o autor se deu devido, as ações religiosas, aliada:

As condições de penúria e desorganização impostas pelo impacto da civilização e a expressão, através da conduta, de prescrições culturais próprias ou adotadas, geralmente insertas nas tradições mítico-religiosas que anunciavam a vinda de salvadores ou admitiam formas mística de acesso a um mundo melhor (idem).

Em busca do paraíso e procurando fugir de um mundo maligno, o autor sugere que desde o “Século XVI, grupos inteiros da tribo, levados ao desengano pelo impacto da civilização, se deslocam rumo ao mar, guiados por lideres religiosos que prometem conduzi-los vivos a terra sem males” (idem). O colonizador soube aproveitar da sua condição enquanto tal e percebendo o credito que adquiriam em tais comunidades, promovem uma mescla. O que segundo o autor, “uma vez mescladas, elas se confirmam e se revigoram”. E quando se revigoram, diz ele: “dão lugar a movimentos de caráter ambíguo, orientados tanto para a contra aculturação como para a integração”. A religião por vez consegue atingir o objetivo do colonizador, ao fazer sentir-se inseridos e “coparticipantes com os brancos”. Enquanto tal reproduzem as ações do colonizador, assim como sugere o autor, “já é como profetas de uma religião coparticipada com os brancos que esses messias indígenas aliciam crentes e os conduzem a ações desesperadas”. Apesar da aparente conversão, como agirão em momento de crise espiritual, como brancos ou como indígenas? Afirma o autor: “é como indígenas que reagem, movidos pelos conflitos gerados no processo de aculturação” (p.389). Sob esta perspectiva, o processo de aculturação promove uma mudança, apenas no aspecto social, jamais haverá mudança nos valores culturais e étnicos, por que essencialmente, a pessoa não muda. Embora as missões religiosas tenham atuado em um duplo plano – material e espiritual, como foi o caso específico dos salesiano, que o autor ao citar Herbert Baldus, 1962, 31//32, diz: “os salesianos procuram influenciar tanto na cultura material como na espiritual” (p.392).

O êxito ou fracasso dos movimentos messiânicos, em relação à aculturação dos povos indígenas, depende de como o indígena se vê inserido em tal e qual processo. E ainda, as estratégias de defesa elaboradas, não são as mesmas, cada comunidade tem sua percepção de luta por reconhecimento, afirma o autor que: “os índios reiteram esforços sempre baldados por se integrarem no mundo dos brancos e por serem reconhecidos como seus iguais”. Assim estabelece o conflito. Conflito esse, gestado na relação de convivência com o branco, quando “em seus esforços por viver a tradição religiosa da tribo, conciliando-a com o catolicismo e o protestantismo” (p.402).

Se por um lado, algumas comunidades indígenas lutam reiteradamente por serem inseridas no mundo dos brancos, por outro, demonstram o caso dos Xokleng, que ao se perceberem, como sugere o autor, que sofreram uma “desagregação cultural, os quais mediante tal percepção de que “já não são índio senão no sentido genérico, porque despojados de todo o seu patrimônio cultural primitivo tentam ser não índios”. Contudo, o mesmo não acontece coma comunidade Bororo, os quais resistem ao processo de aculturação, em preferencia ao “retorno às tradições tribais, ainda viável, por seu relativo isolamento” (p.406).

  O processo de aculturação a qual os indígenas estão condicionados, em si é conflitante; uma vez cada comunidade se percebe com possibilidade de inserção ou de exclusão, na relação ao colonizador versus “colonizando”, faço uso desse termo, por entender que o processo está em construção. Na sugestão do autor, “os dois grupos em confronto se comunicam e se isolam através do estabelecimento de um modus vivendi que, evitando o conflito aberto, permite a coexistência, mas também as distancias sociais e frustra a fusão de ambos” (p.428). Esse processo de aculturação, não confere ao indígena uma real possibilidade de inserção na sociedade nacional, na interpretação do autor, “ao termino de sua história aculturativa e apesar de todas as suas transfigurações étnicas, se vê diante de uma barreira construída dentro e fora dele que o condena a permanecer indígena”. Com razão, advoga o auto em prol de “uma mudança revolucionária na estrutura social”, que de certa forma possa minimizar os conflitos sociais estabelecidos, “erradicando desse modo as bases sociais da descriminação e do preconceito, possa transfigurar tanto aos brasileiros quanto aos índios” (p.429). Logo, pode-se inferir que, “descriminação e preconceitos”, segundo o autor estão alicerçados nas “bases sociais” da cultura brasileira.

TERCEIRA FASE

Ao iniciar o seu texto Manuela Carneiro da Cunha (2012), retomar o tema da origem do homem, em paralelo ao tema de Júlio Cesar Melatti (1994). Sem, contudo, contrapor a teoria Melatiana. A autora se debruça em sua analise em abordar sobre as origens, presença da história indígena, mortandade e cristandade, a América invadida, política indigenista, política indígena e os índios como agentes de sua história. Em breve considerações, a autora lembra que os navegadores não possuíam o exato conhecimento sobre as terras recém-descobertas. Diz ela, “ao chegarem às costas brasileiras, os navegadores pensaram que haviam atingido o paraíso terreal”. Destaca ainda, que aqueles navegadores exerceram uma função em que só Adão exercera que dar nomes aos lugares. A descoberta, a princípio já trazia consigo um problema a ser resolvido, “como enquadrar, por exemplo, essa parcela da humanidade, deixada por tanto tempo à margem da Boa Nova, na história geral do gênero humano”? (Cunha, 2012, p.8-9).

Em relação a origem do homem afirma que as teorias datam “aproximadamente 35 mil 12, 19 e 15 mil anos”, em variados momentos. Contudo, a migração, segundo a autora “é tradicionalmente aceita a hipótese de uma migração terrestre vinda do nordeste da Ásia e se espraiando de norte a sul pelo continente americano, entre 14 e 12 mil anos”. O que sugere na interpretação da autora “a hipótese de uma migração única de população siberiana pelo interior da Beríngia”. Contudo, “A possibilidade de outras fontes populacionais e de rotas alternativas se somando à do interior da Beríngia não está, portanto, descartada” (idem, p. 10-11).

Quando e onde teve origem a presença humana, as teorias não são elucidativas, apenas fornece hipóteses, as quais possibilitam as mais variadas interpretações, tanto sobre o processo migratório, quanto as datas apontadas. “Há considerável controvérsia sobre as datas dessa migração e sobre ser ela ou não a única fonte de povoamento das Américas” (idem, p.10). O discurso ideológico vigente propõe uma interpretação equivocada da história das populações indígenas, como se houvesse um “congelamento” temporal. A autora citando Varnhargen, afirma: “somos tentados a pensar as sociedades indígenas de agora são a imagem do que foi o Brasil pré-cabralino”. Contudo, a autora recomenda o mínimo de prudência, quando diz: “A idéia de isolamento deve ser usada com cautela em qualquer hipótese, pois há contato mediatizado por objetos, machados, miçangas, capazes de percorrer imensa extensões mediante comercio e guerra e de gerarem uma dependência à distância” (p.12).

O isolamento enquanto tal e qual, nas condições acima apresentadas, não dispõem de embasamento teórico cientifico que fundamente alguma afirmação atualmente. Contudo, há uma percepção, em que o processo de aculturação tem promovido nas sociedades indígenas, que é “o fracionamento étnico”. Nesse fracionamento étnico propõe uma “homogeneização cultural”, que a autora considera como sendo uma “perda de diversidade cultural e acentuação das microdiferenças que definem a identidade étnica” (p. 13).

A homogeneização como resultado de um processo de aculturação das comunidades indígenas, produz algum benefício e se produz quem o beneficiado? As teorias dão conta de que em se tratando das comunidades indígenas, foram vitimadas no decorrer desse processo de aculturação, ou como sugere a autora, houve um “desaparecimento dos povos indígena” quando do “encontro de sociedades do Antigo e do Novo Mundo”. Nesse “encontro” aconteceu o que foi denominado de “morticínio”, em um “processo complexo cujos, agentes foram homens e micro-organismos e os motores últimos poderiam ser reduzidos a dois: ganancia e ambição”.

Não afirmar, mas minhas poucas leituras me autorizam expor que até o momento, não tinha encontrado, em outro autor, a expressão “ganância e ambição”, para afirmar que essas são as, “formas culturais da expansão do que se convencionou chamar o capitalismo mercantil” (p.14). Ao reforçar a tese acima, a autora cita Jennings (1975), quando afirma: “a América não foi descoberta, foi invadida” (p.18). Descoberta ou invadida, o que fica evidente nesse processo de aculturação é como afirmou a autora em linhas acima, quando fala de um “morticínio nunca visto” (p.14). E apesar de tanta desventura e sofrimento, dos quais as comunidades indígenas foram vítimas, no caso brasileiro, esses inicialmente, não retribuíram com a mesma moeda. A autora, ao citar (Marchant, 1980), “os índios foram, sobretudo parceiros comerciais dos europeus, trocando por foice, machados e facas o pau-brasil, para tintura de tecido e curiosidades exóticas, como papagaio e macacos, em feitorias costeiras” (p.18).

Como o índio foi inicialmente visto e interpretado? É oportuno não esquecer que a nossa história foi produzida e contada, sob o interesse da metrópole. E sob essa lógica imperial e colonialista, afirma a autora: “os índios foram apenas vítimas do sistema mundial, vítima de uma política e de práticas que lhes eram externas e que os destruíam”. O que significa dizer que, “essa visão, além de seu fundamento moral, tinha outro, teórico”: diz ela, “é que a história, movida pela metrópole, pelo capital, só teria nexo em seu epicentro”. E tudo se resume em: “A periferia do capital era também o lixo da história” (p.22).

Seja como for, o processo de aculturação das comunidades indígenas, apresentou múltipla facetas, dependendo da metodologia e abordagem, alguns autores tendem “romantizar ou demonizar” os indígenas. Como chegar a um ponto de equilíbrio, ao analisar tal processo? Ao tentar esclarecer essa aparente divergência, a autora propõe que a tese de serem os índios vítimas, pode ser facilmente contestada, ao afirmar: “A percepção de uma política e de uma consciência histórica em que os índios são sujeitos e não vítimas só é nova eventualmente para nós. Para os índios, ela parece costumeira” (p.24).

Significa, portanto, que sob esta tese, os índios não são vítimas, como defendem alguns, mas sim sujeito e atores de sua história (Dal poz, 1991), citado pela autora, afirma que “as sociedades indígenas pensaram o que lhes acontecia em seus próprios termos, reconstruíram uma história do mundo em que elas pesavam e em que suas escolhas tinham consequências”. E com essa consciência os índios elaboraram seus mitos, (Rose, 1988), citada pela autora, afirma: “os homens são criados do barro pelo inca, que os molda e assa. Os brancos são assados de menos, os negros assados demais e finalmente são feitos os índios, assados a contento” (p.25).

CONSIDERAÇÕES FINAIS

As teorias analisadas neste trabalho, em relação ao surgimento dos homens na América, apenas são hipotéticas, de que o homem não é originário da América. Em relação ao processo de aculturação das comunidades indígenas, em que pese o desagrado, as influências das instituições religiosas, católica e protestante, as quais atuaram tanto no plano material, quanto espiritual, tiveram consequências nefastas para as populações indígenas.

A não adaptação do indígena ao que Darcy Ribeiro (1993) denominou de “frente de expansão” transformou o indígena em um potencial inimigo, que “desde então o índio é hostilizado como um obstáculo” aos projetos de desenvolvimento do poder econômico. Se as condições de “penúria” estão relacionadas às escolhas dos indígenas, como foram apontadas por Cunha (2012), permanece a dúvida, em que momento “do encontro” das duas culturas, os indígenas realmente tiveram possibilidades de escolhas? Contudo, é notório que os indígenas, sempre foram resistentes aos chamados “projetos de desenvolvimento”, do poder econômico.

Os meios de comunicação, como a mídia eletrônica e em geral a imprensa escrita e falada, noticiam com frequência, o conflito entre os povos indígenas e o poder econômico chancelado pelo Governo Federal. Os casos mais recentes, dizem respeito de construções de usinas hidrelétrico na Amazônia. Sobre esta questão Valmir Parintintin, em um site declarou: “O governo até agora não chegou com nós comunicando o que vai acontecer com a hidrelétrica. O mercado, o supermercado do indígena é o rio” (http://www.survivalinternational.org). A declaração do Parintintin reitera, que os conflitos entre o “índio e o branco”, ainda não foram superados. E que o poder econômico legitimado e autorizado pelas políticas desenvolvimentistas e nefastas do Estado brasileiro sufoca e aniquilam as populações indígenas na Amazônia.

Apesar de Cunha (2012), defender que os indígenas são sujeitos de sua história pelo fato de terem escolhido ficar com o arco, ao invés da espingarda. Contudo, vale ressalvar que se trata de um mito criado pelos indígenas, para retratar, que o processo de dominação, se relaciona com ao processo de desenvolvimento do capitalismo industrial. Não encontramos nesta bibliografia, argumentos, que sustente tal condição. Existem fortes indícios de que nem sempre foi concedido aos indígenas, o direito de voz, quando o Estado brasileiro, seja no período colonial, imperial ou republicano quis impor as suas políticas e seus nefastos projetos.

Então é cabível indagar, quais e quando as comunidades indígenas foram consultadas ou convidadas para poder opinar sobre as consequências ecológicas e ambientais, quando o poder político e econômico impõe os seus desejos? Esta analise, nos permite pensar que, as classes socialmente excluídas, sejam: negras, camponeses, seringueiros e trabalhadores urbanos, foram e continua sendo tão vítima do processo de colonização e exploração, quanto aos povos indígenas em geral.

O que, quando e como devemos fazer para minimizar tais consequências e restituir – se isso possível, o mínimo de dignidade humana, a tais sociedades?

Autores:

ANTÔNIO CARDOSO DA SILVA

DANIELE SEVERO DA SILVA

 

REFERÊNCIA

CUNHA, Manuela Carneiro da. Índios no Brasil. História, Direitos e Cidadania, São Paulo, 2012, disponível em: http://www.companhiadasletras.com.br/trechos/35025.pdf – claroenigma, acesso em 11/10/2016.

Disponível: http://www.survivalinternational.org/informacao/barragens-rio-madeira, acesso em 11/12/2016.

Disponível: https://www.dicio.com.br/mediatizar/acesso, em 10/12/2016.

FERREIRA, A.B.H. O minidicionário da língua portuguesa, 4ª edição revista e ampliada, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2000.

http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/livros_eletronicos/carta.pdf, acesso em 30/08/2016.

MELATTI, J.C. Índio do Brasil (1938), 7ª edição, São Paulo, HUCITEC 1994, p.5-18.

RIBEIRO, Darcy. Os índios e a civilização: A integração das populações indígenas no Brasil moderno, 6ª edição, Editora Petrópolis, RJ, Vozes, 1993, p. 373-429.

Jogos de Índios Online Grátis

Existem diversos jogos de índios na internet para as crianças se divertirem aprendendo sobre a cultura indígena brasileira!
Selecionamos diversos jogos online de índios:

 

Save Chieftain

Jogo para 2 players

Save Chieftain

Ajude o casal da tribo a resgatarem o seu líder que está preso numa jaula. Eles precisam coletar as chaves que para desbloquear a jaula. O rapaz pode pegar as chaves azuis e a moça as vermelhas. Assim que tiverem todas as chaves, interajam com a jaula para completar o estágio. O caminho não vai ser fácil. Há plataformas que mudam de cor e que caem. Salve o chefe da tribo! CLIQUE AQUI PARA JOGAR

 

Pontaria com Tainá

Pontaria com Tainá

A indiazinha Tainá precisa mostrar para todos da tribo que ela é uma excelente arqueira e é sim capaz de se tornar a nova líder defensora da natureza. Ajude no treino de Tainá, acertando as frutas antes de caírem e tomando cuidado para não acertar as frutas estragadas. CLIQUE AQUI PARA JOGAR

 

Tainá a Origem

Tainá a Origem

A Tainá desafiou você para uma grande brincadeira. Ela vai imitar sons de animais e você terá que descobrir qual animal está sendo imitado. CLIQUE AQUI PARA JOGAR

 

O Último Vilarejo

O Último vilarejo

Os índios estão sendo ameaçados por donos de madeireiras que querem destruir a floresta e também a aldeia deles. Neste jogo de índios online o objetivo é organizar barreiras e estruturas para não deixar que os inimigos avancem. Excelente game para quem gosta de jogos de estratégia. CLIQUE AQUI PARA JOGAR

 

Jogo da Memória Índios Brasileiros

Jogo de Memória

 

Jogo de memória com índios brasileiros. PARA JOGAR CLIQUE AQUI

Jogo de Cenário Índios Brasileiros

Jogo cenário índios brasileiros

Monte o seu cenário indígena! CLIQUE AQUI PARA JOGAR

Jogo Trívia Índio

jogo-trivia

Jogo de perguntas sobre a cultura indígena brasileira. CLIQUE AQUI PARA JOGAR

Deixe o seu comentário dizendo o que você achou dos jogos de índios e quais deles você mais gostou!