A rúcula é uma planta anual comestível da família das Brassicaceae, utilizada como legume de folha devido ao seu sabor fresco, picante, amargo e picante. A Eruca sativa, que é amplamente utilizada como vegetal de percussão, é uma espécie nativa de Erucas no Mediterrâneo, estendendo-se desde Marrocos e Portugal a oeste até à Síria, Líbano e Turquia a leste. É uma planta anual que cresce até uma altura de 20-100 cm. As folhas são profundamente compostas com quatro a dez lobos laterais pequenos e um lobo final grande. As flores têm 2-4 cm de diâmetro, dispostas em um corimbo, com a típica estrutura floral de Brassicaceae; as pétalas são branco-creme com veios roxos e os estames amarelos; as sépalas são persistentes após a abertura da flor. O fruto é uma sílica de 12-25 mm de comprimento (vagens) com um bico apical com várias sementes.

A rúcula é um vegetal folhoso verde pungente, reminiscente de uma salada de folhas longas e abertas, rica em vitamina C e potássio. Para além das folhas, as flores, as vagens de sementes jovens e as sementes maduras também são comestíveis.

A rúcula é originária do Mediterrâneo e foi introduzida no Brasil com a chegada de imigrantes italianos. O vegetal foi cultivado para conter folhas comestíveis com um característico sabor picante e muito apreciado pelas suas propriedades nutritivas e saborosas. Estas folhas alongadas são encontradas em tons que vão do verde claro ao verde escuro, e são consumidas cruas em saladas em diferentes partes do mundo, mas também assadas, cozidas e utilizadas como ingrediente em diferentes receitas.

Foto: Reprodução

As folhas de rúcula têm um perfil nutricional muito atraente. Elas são ricos em vitaminas A, C, fibras, proteínas e minerais como potássio, ferro e enxofre. Uma vez que a rúcula contém muito poucas calorias (um copo contém cerca de 10 kcal), ela é uma excelente aliada para a perda de peso. Além disso, as folhas são antianêmicas, antiasmáticas, purificantes, digestivas, diuréticas e aperitivas. No entanto, não devem ser consumidas excessivamente, pois as folhas neste caso causam náuseas e vômitos.

É importante que os pés de rúcula sejam cultivados no jardim ou comprados no supermercado antes de serem consumidos e devidamente lavados para remover toda a sujidade e parasitas que estão impregnados e podem causar sérios danos à saúde. Quando arrefecida, a rúcula pode ser armazenada durante até quatro dias e é aconselhável guardar a rúcula em sacos de plástico com buracos. Sob condições ambientais, o vegetal deve ser consumido por até um dia se a parte inferior do vegetal for imersa em água.

Esta planta é fácil de cultivar e adaptada a um clima ameno, com temperaturas entre 15 e 20 graus Celsius, as rúculas desenvolvem-se bem durante todo o ano. No entanto, precisam de solos bem drenados, ricos em matéria orgânica, férteis e pouco ácidos. A produção de mísseis no Brasil está concentrada principalmente no sul e sudeste do país e a espécie mais cultivada é a Eruca sativa Miller.

Foto: Reprodução

Como qualquer outra planta, a rúcula é exposta a ataques de vários organismos nocivos da agricultura. Uma das pragas mais comuns que afetam a rúcula são a lagarta, a lagarta rosa, a lagarta palmeira de tamanho médio, a mariposa e os afídeos.

A rúcula contém uma grande quantidade de vitaminas A e C, potássio, enxofre e ferro. Tem uma função especial na função do intestino e tem um efeito anti-inflamatório na colite. É usado em saladas cruas.

O sumo da rúcula, combinado com o do agrião, proporciona uma verdadeira limpeza e desintoxicação do corpo. Mas como o sabor é muito forte, é aconselhável misturá-lo com laranja ou cenoura.

Também é indicado no tratamento da gengivite; é suficiente tomar algumas folhas frescas com os caules de manhã e mastigar bem depois da higiene oral e dos cuidados dentários.

Foto: Reprodução

Produz melhor no outono e no inverno, quando o clima é mais ameno. Durante a estação quente, produz flores amarelas ou brancas, o crescimento abranda e a qualidade das folhas é afetada. Em áreas com um Verão ameno, pode ser semeado durante todo o ano. Nas regiões mais quentes, os melhores meses são de março a agosto.

Em sítios as rúculas são cultivadas durante todo o ano. Isto foi possível porque crescemos em estufas, o que as protege do calor e da chuva de verão. Nos últimos anos, as folhas foram muito perfuradas e a produção diminuiu acentuadamente. As folhas mais jovens têm um sabor mais leve, quanto maior a folha, mais picante ela se torna.

A rúcula pode ser usada em saladas, sozinhas ou misturadas com várias saladas. Também é usada em risotos, massas, bolos e sanduíches, especialmente em combinação com tomates, tomates secos e mussarela de búfala.

Foto: Reprodução

A rúcula pode ser cultivada ao ar livre, em ambiente protegido (estufas) ou em hidroponia. Hidroponia é um sistema que utiliza não o solo como substrato, mas a água, onde são colocados todos os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento. Neste caso, a colheita começa mais cedo do que em condições de campo. É importante notar que a hidroponia e a produção orgânica são dois sistemas de produção muito diferentes.

A rúcula é um vegetal importante e generalizado, especialmente no sul da Europa, Egito e Sudão. Nas regiões sul e sudeste do Brasil é um vegetal bem conhecido e comido. A produtividade normal está entre 1.700 e 2.000 pacotes por hectare. Cada pé é constituído por um molho de folhas e caules de cerca de meio quilo a um quilo. Os estados do sul e sudeste do Brasil são os maiores produtores desses vegetais.

Quais são os benefícios da rúcula para a saúde?

Ajuda na prevenção do câncer

A rúcula é um vegetal crucífero, tornando-a um alimento que ajuda a reduzir o risco de câncer. Estudos mostraram que a presença de flavonoides na rúcula ajuda a prevenir o câncer do pulmão, da pele e da boca. Tem uma elevada quantidade de antioxidantes que neutralizam a atividade dos radicais livres no organismo, substâncias que contribuem para uma série de doenças, incluindo o cancro.

Outro componente encontrado nesta planta são os fotoquímicos, como no caso do sulforafano, que ajuda a combater os carcinógenos. O sulforafano inibe a enzima que contribui para a propagação das células cancerígenas.

Foto: Reprodução

Contribui para a saúde óssea

Como um vegetal com um baixo teor de oxalatos e uma grande variedade de vitaminas e minerais, a rúcula é importante para manter os ossos saudáveis. A ingestão diária de vitamina K (abundante na rúcula) reduz significativamente o risco de fraturas ósseas, de acordo com pesquisas. É também uma fonte de cálcio, potássio e manganês, que também são importantes para manter a saúde óssea. Melhora o fornecimento de oxigênio aos músculos

A rúcula é um dos vegetais com maior teor de nitratos. Esta substância melhora o fornecimento de oxigênio aos músculos durante os exercícios físicos. Isto aumenta a resistência durante o exercício e fornece mais energia para o exercício a longo prazo. O aumento da oxigenação também melhora a qualidade de vida das pessoas que sofrem de doenças respiratórias, cardiovasculares ou metabólicas.

Protege a pele

As vantagens da rúcula devido aos seus fotoquímicos ajudam a manter a pele mais bonita e saudável porque protegem contra os efeitos dos raios ultravioletas. Também possui carotenoides que retardam o processo degenerativo das células da pele e lhe dão um aspecto mais jovem e saudável.

Foto: Reprodução

Melhora a absorção de minerais

O consumo de rúcula ajuda o corpo a absorver melhor os minerais. Porque, ao contrário de alguns vegetais de folhas verdes, tem um baixo teor de ácido oxálico, um composto que é difícil para o corpo a absorver de certos tipos de minerais. Por esta razão, comer a rúcula em grandes quantidades não representa um risco para o desenvolvimento de cálculos renais.

Contribui para a digestão

As folhas de rúcula têm um sabor ligeiramente amargo devido à presença de enxofre. Este composto ajuda a digestão, especialmente em pessoas com alta acidez no estômago.

Neste caso, é aconselhável tomar a planta cerca de 15 minutos antes de cada refeição para estimular a produção de bílis e, assim, melhorar a digestão dos alimentos.

Foto: Reprodução

Previne a osteoporose

A rúcula fornece 100% da quantidade de vitamina K indicada para consumo diário. Por esta razão, o seu consumo evita o desgaste e os ossos partidos. A vitamina K aumenta a absorção de cálcio e evita que se perca na urina.

Ajuda no tratamento do diabetes

Agentes oxidantes em folhas verdes, tais como a rúcula, abaixam os níveis de açúcar no sangue. Isso aumenta a ingestão de insulina em pacientes com diabetes.

Outro fator é a quantidade de fibras nos vegetais e o baixo consumo calórico, o que contribui para uma melhor gestão do peso e reduz o risco de desenvolver diabetes tipo 2.

Foto: Reprodução

Protege a saúde dos recém-nascidos

É importante que as mulheres comam rúcula antes e durante a gravidez. A razão para isso é que esta planta é rica em ácido fólico, o que evita que a criança deforme o tubo neural.

Tem um efeito afrodisíaco

A rúcula tem sido usado desde os tempos romanos para melhorar a vida sexual, quando se descobriu que tem um efeito afrodisíaco. Eles notaram que ao comerem rúculas, as pessoas geralmente começaram a experimentar um aumento no desejo sexual.

A razão mais provável para isto é o efeito energético, que estimula o corpo, causado pelas vitaminas que estimulam o sistema vascular.

Deixe uma resposta