A história do monitoramento florestal por trás de uma xícara de café Gayo

O café Gayo, uma variedade de café arábica, é uma mercadoria emblemática para a província de Aceh. Ao lado de Sumatra do Norte, Aceh é o maior produtor de café arábica na Indonésia. De acordo com o Coffee Commodity Outlook 2022 do Ministério da Agricultura, Aceh produz em média cerca de 66.000 toneladas de café arábica todos os anos, com a produção chegando ao pico de 69.000 toneladas em 2022.

O aumento da produção de café arábica em Aceh, particularmente o café Gayo das terras altas de Gayo, é significativamente influenciado pelo ambiente natural da região. A cobertura florestal bem preservada em Bener Meriah Regency cria um clima frio, úmido e estável, que ajuda a regular a temperatura, a umidade e a precipitação. Essas florestas fornecem sombra, fertilizante orgânico e proteção do solo contra erosão e inundações, todos cruciais para o cultivo de café.

As florestas de pinheiros nas áreas montanhosas e encostas adicionam um sabor único ao café Gayo, distinguindo-o de outras variedades de Arábica. Estabelecendo uma estrutura legal sobre a gestão do café Gayo Arábica como um produto especial, o Governador de Aceh emitiu um regulamento em 2022 sobre as Diretrizes de Gestão para o Café Gayo Arábica como Café Especial.

Além do cultivo de café, Bener Meriah Regency tem um potencial de conservação significativo. De seus 193.000 hectares, 62 por cento fazem parte do Ecossistema Leuser, que ajuda a manter o equilíbrio ecológico. No entanto, a cobertura florestal nesta área está diminuindo. De acordo com a Global Forest Watch, Bener Meriah Regency perdeu cerca de 6.000 hectares de cobertura florestal, aproximadamente o dobro da área de Yogyakarta, nas últimas duas décadas, diminuindo de 110.000 hectares em 2001 para 104.000 hectares em 2023.

Os serviços ecossistêmicos vitais fornecidos pela floresta para a produção de café Gayo destacam a urgência dos esforços de proteção florestal em Bener Meriah. Para atender à demanda global por café Arábica, o ecossistema florestal deve ser preservado. Sistemas de monitoramento eficazes são essenciais para proteger os ecossistemas florestais e reduzir a perda de cobertura florestal, garantindo que as gerações futuras possam continuar a desfrutar do café Gayo.

Iniciativa de monitoramento de paisagens na regência de Bener Meriah

Desde 2022, o World Resources Institute (WRI) Indonesia apoia a conservação florestal em Bener Meriah Regency por meio da Landscape Monitoring Initiative. Como parte desses esforços, o WRI Indonesia introduziu o café Gayo Arabica para sinergizar o cultivo sustentável de café com a conservação ambiental.

Em colaboração com as Unidades de Gestão Florestal (KPH) Região II Aceh, KPH Região III Aceh, o Departamento de Agricultura e Alimentos e o Instituto de Gestão Florestal da Vila (LPHD) Bale Redelong, o WRI Indonésia iniciou um programa de monitoramento florestal colaborativo usando tecnologia avançada. Isso inclui o Radar para Detecção de Desmatamento (RADD) do satélite Sentinel-1, um sistema desenvolvido pela Universidade de Wageningen e o WRI em 2019, que é livremente acessível por meio das plataformas Global Forest Watch ou Forest Watcher.

O Ministério do Meio Ambiente e Florestas designou cerca de 62 por cento da área da Regência de Bener Meriah, aproximadamente 120.000 hectares, como áreas florestais. A Região II da KPH e a Região III da KPH Aceh gerenciam e monitoram essas áreas florestais, enquanto a LPHD Bale Redelong, como detentora de licenças de silvicultura social em áreas florestais protegidas, gerencia e monitora a cobertura florestal dentro de sua área de licença. Os 37 por cento restantes, cobrindo 72.000 hectares, são designados como Outras Áreas de Uso (APL), com cerca de 5.000 hectares de cobertura florestal.

O WRI Indonesia colabora com o Departamento de Agricultura e Alimentos da Regência de Bener Meriah para monitorar a cobertura florestal no APL. O uso de florestas no APL apoia várias atividades sustentáveis ​​de uso da terra não florestal, incluindo agricultura, plantações, áreas residenciais e desenvolvimento de infraestrutura, em linha com as políticas do governo local. Esta colaboração visa integrar a conservação ambiental com o desenvolvimento econômico local e promover o uso sustentável da terra.

Dos dados à ação real

Um verdadeiro desafio para a sustentabilidade florestal na Vila Negeri Antara, Distrito de Pintu Rime Gayo, Regência de Bener Meriah, surgiu em agosto-setembro de 2022. O sistema RADD detectou indícios de cerca de 1,97 hectares de desmatamento na área florestal de produção administrada pela KPH Região II Aceh.

Imagem de satélite de alta resolução mostrou que atividades de extração de madeira ou exploração madeireira foram a causa. Em novembro de 2022, a KPH Region II Aceh conduziu verificação de campo confirmando a limpeza da terra. Os resultados confirmaram atividades de extração de madeira ou exploração madeireira, com a área desmatada estimada atingindo cerca de 15 hectares.

A KPH Region II Aceh integrou os resultados da verificação de campo com esforços para socializar políticas sobre utilização de áreas florestais para a comunidade local. Eles se comunicaram com o chefe da vila (Reje) para enfatizar que as atividades de extração de madeira em florestas de produção violam a Lei Número 41 de 1999 sobre Silvicultura, que exige uma licença para qualquer utilização de área florestal. Além disso, a comunidade foi informada de que o local é identificado como uma área de roaming para elefantes de Sumatra. Essa socialização visa aumentar a conscientização da comunidade sobre a conformidade com as políticas e seu papel no equilíbrio entre utilização da floresta e conservação, incluindo a proteção de habitats vitais para animais selvagens ameaçados, como o elefante de Sumatra.

Pegadas de elefante encontradas em Bener Meriah. Crédito da foto: Mirzha Hanifah/WRI Indonésia

Em setembro de 2023, dez meses após a verificação inicial, a KPH Region II Aceh revisitou o local prioritário para monitorar atividades de limpeza de terras em sua área gerenciada. A investigação de acompanhamento produziu três descobertas principais:

  1. O local estava abandonado desde a limpeza inicial. O Reje local confirmou que a área não foi acessada desde a primeira verificação pela KPH Region II Aceh. Monitoramento contínuo é necessário para evitar mais desmatamento e promover a recuperação ecológica da área.
  2. A aldeia de Pantan Lah iniciou um pedido de Silvicultura Social (PS), mas este foi interrompido antes da submissão oficial devido a mudanças na liderança do governo regional. Retomar o processo de aplicação é crucial para otimizar a conservação e o potencial econômico por meio do manejo florestal sustentável, apoiando a conservação do elefante de Sumatra e preservando seu habitat.
  3. Houve uma discrepância nas informações sobre limites administrativos. A análise inicial indicou que a limpeza de terras foi na Vila Negeri Antara, mas os moradores locais declararam que a área na verdade pertencia à Vila Pantan Lah. Essa discrepância dificultou a coleta de mais informações sobre a propriedade das terras pelas autoridades locais.
Visita ao local da floresta em Bener Meriah. Crédito da foto: Mirzha Hanifah/WRI Indonesia

Este caso demonstra a eficácia de dados quase em tempo real apoiados pela resposta rápida da KPH Region II Aceh, incluindo visitas diretas, na interrupção da invasão florestal. O incidente destaca a importância de um sistema de monitoramento eficaz, resposta das partes interessadas e ações de acompanhamento para aprimorar os esforços de proteção florestal.

As principais lições desta experiência incluem:

  1. O desmatamento geralmente só é detectado quando ocorre em massa. Dados de detecção de alertas de desmatamento precoce podem acelerar o fluxo de informações para as partes interessadas, permitindo respostas mais rápidas para evitar mais desmatamento ou danos florestais.
  2. É necessária uma cooperação reforçada entre agências governamentais, organizações não governamentais e grupos comunitários para melhorar a governança da gestão florestal e fundiária e abordar questões locais.
  3. As licenças de Silvicultura Social permitem uma gestão florestal sustentável, reduzir potenciais conflitos entre comunidades e o governo e aumentar a capacidade e o conhecimento da comunidade sobre o manejo sustentável de florestas e terras.

Desde 2018, a LPHD Bale Redelong implementa estratégias de silvicultura social para preservar a biodiversidade, o patrimônio cultural e a sustentabilidade da produção de café Gayo. Além da conservação florestal, eles se esforçam para melhorar o bem-estar da comunidade por meio do cultivo de mel e café. Uma equipe de segurança florestal monitora proativamente as ameaças, incluindo o desmatamento ilegal de terras, em colaboração com as Unidades de Gestão Florestal (KPH). Esforços de reflorestamento são realizados para garantir a função ecológica de 823 hectares de floresta, mantendo a produção de mel e café e apoiando o ecoturismo vital da Cachoeira Peteri Pintu para a Vila Bale Redelong.

Fonte: https://wri-indonesia.org/en/insights/forest-monitoring-story-behind-cup-gayo-coffee

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *