Os pés de mirtilo são pequenos arbustos nativos da Eurásia, bem como de sub-bosques das florestas temperadas da Europa. Há também o mirtilo americano, uma espécie nativa da América do Norte. O mirtilo é uma baga que adquire a coloração azul arroxeada, de tamanho pequeno, de sabor doce-ácido. Esta planta adapta-se bem ao clima temperado.

Existem laboratórios em todo o mundo que estudam e investigam os benefícios dos mirtilos para a nossa saúde. Já foi descoberto que os mirtilos são ricos em vitaminas, sais minerais, açúcares e ácidos. Essas bagas também têm propriedades anti-sépticas, antidiarreicas e anti-hemorrágicas.

A fibra alimentar é um constituinte muito rico destes frutos, o seu consumo habitual nos meses em que estão abundantemente presentes pode levar a uma cura para constipações e perdas intestinais. O mirtilo têm um sabor ligeiramente doce, ácido e amargo, são nutritivos e contêm poucas calorias.

Foto: Reprodução

Os mirtilos são frutos de uma família de urzes (Ericaceae), enquanto outros membros da família das urzes (Ericaceae) são arandos e mirtilos, bem como azáleas, loureiros e rododendros.

Os mirtilos crescem em grupos e variam em tamanho, desde o equivalente a uma pequena ervilha até um mármore. Eles têm uma cor intensa variando de azul, marrom e preto-púrpura, e contêm flores macias cinza-branco que cobrem a superfície das bagas e servem como uma camada protetora. A pele envolve um todo semi-transparente com sementes pequenas.

Os mirtilos cultivados são tipicamente doces, enquanto as bagas silvestres têm um sabor mais ácido e amargo. Os mirtilos são frutos silvestres disponíveis numa variedade de variedades, descendentes de espécies e subespécies da família Ericaceae e do gênero Vaccinium.

Na costa leste dos Estados Unidos, as plantas são muito baixas, quase baixas, e essas variedades são muito exigentes no frio intenso por vários meses, enquanto as variedades cultivadas nas regiões mais frias do Brasil são maiores e menos exigentes no frio. No entanto, com as variedades hoje disponíveis no Brasil, é possível que não seja esse o caso em regiões com menos de 300 horas de frio abaixo de 7,2ºC no inverno.

Foto: Reprodução

As variedades ou híbridos cultivados no Brasil incluem: Aliceblue, Bluebelle, Powderblue, Woodard, Bluecrop, Coville, Darrow e Neal. Com o passar dos anos, provavelmente haverá uma nova seleção de plantas mais adaptadas às condições brasileiras.

A produção tem lugar a partir do terceiro ano após a plantação das plântulas no campo. A produção brasileira de mirtilos é muito baixa e a fruta é pouco conhecida em nosso país, embora tenha ampliado sua gama nos últimos anos. Oferece boas perspectivas tanto para o consumo interno quanto para as exportações, já que o Brasil pode produzir no hemisfério norte, onde estão localizados os Estados Unidos, Canadá e todos os países europeus. A produtividade chega a 6 a 10 toneladas de frutas por ano e, nas condições brasileiras, a colheita vai de novembro a abril. Os preços atuais pagos aos produtores são compensatórios e, por exigirem muito trabalho, são de particular interesse para os produtores familiares.

Os frutos podem ser consumidos naturalmente sob a forma de sumos, geleias, bolos, iogurtes e compotas. Nos Estados Unidos, os produtores comemoram a época da colheita com festas para comer, principalmente na forma de geléias e tortas. É uma das frutas que mais cresce no mundo devido às suas propriedades funcionais de saúde.

Foto: Reprodução

Os mirtilos são uma espécie que necessita de um solo de acidez média (pH entre 4,5 e 5,2), rico em matéria orgânica e que normalmente deve ser irrigado. Os frutos devem ser colhidos maduros e podem ser mantidos frescos a 0ºC durante 21 dias sem perda de qualidade ou perda significativa.

As informações estatísticas sobre mirtilos no Brasil ainda são escassas. No entanto, se considerarmos áreas com plantações de três anos ou mais (plantas em produção), a área atualmente cultivada no Brasil é estimada em 27 hectares, dos quais cerca de 48% para Hochbusch e 52% para Rabitteye.

Desta área, 75% está localizada no Rio Grande do Sul, principalmente na região de Vacaria. O Brasil ainda é um pequeno produtor, o Chile tem uma área de cerca de 2.500 ha, a Argentina 1.500 ha e o Uruguai 220 ha. No hemisfério sul, os outros países produtores são a Nova Zelândia com 430 hectares e a África do Sul. A produtividade varia consoante a espécie e a região, mas pode variar entre 6 e 10 toneladas por hectare. A colheita ocorre normalmente entre os meses de novembro e abril.

Foto: Reprodução

As principais variedades existentes e melhor adaptadas no Brasil são Aliceblue, Bluebelle, Bluegen, BriteBlue, Climax, Delite, PowderBlue e Woodard, bem como Bluecrop, Coville e Darrow (“highhbush”). Os mirtilos Southern Highbush foram recentemente introduzidos, que são menos exigentes a frio do que as variedades convencionais de Highbush, mas podem proporcionar uma excelente qualidade de fruta. Exemplos deste grupo são as variedades Misty e O’Neal.

O Brasil está atualmente consolidando seu sistema de produção e expandindo suas áreas de crescimento. A maioria das novas áreas está localizada na metade sul do Rio Grande do Sul, na região da Serra Gaúcha, no centro sul de Santa Catarina e no sudeste do Paraná. Com base no fornecimento de mudas pelas crianças do viveiro de mudas, há um grande desenvolvimento da cultura no Brasil. Considerando as plantações de até dois anos e as novas áreas a serem utilizadas nos próximos três anos, estima-se que haja uma área de cerca de 170 hectares, dos quais cerca de 50% em Santa Catarina, 40% no Rio Grande do Sul e o restante dividido entre os estados PR, SP, MG e ES.

O Brasil é um país com grande potencial para o cultivo de mirtilos. A espécie oferece uma série de vantagens comparativas que podem proporcionar vantagens expressivas para o produtor. Essas vantagens incluem a adaptação da colheita a pequenas áreas, especialmente por causa das altas necessidades de mão-de-obra para manuseio e colheita, a grande importância do mercado consumidor, tanto do grande mercado interno quanto dos serviços prestados entre as colheitas do mercado externo, as características funcionais que servem de base para as estratégias de comercialização, os poucos problemas fitossanitários atuais (devido à pequena área cultivada), o alto valor agregado da fruta (os preços pagos ao produtor variam de R$ 8,00 a R$ 20,00 por quilo, também devido à baixa oferta de frutas no mercado) e a ampla possibilidade de industrialização na forma de geleia, sucos, frutas congeladas, polpa e destilados.

Foto: Reprodução

Além disso, existem outros factores favoráveis: a disponibilidade de terras agrícolas, a variabilidade do clima e do microclima, a preferência pela oferta de fruta em diferentes épocas, possivelmente entre Outubro e Maio, e a possibilidade de produção biológica.

No entanto, devem ser tidos em conta os condicionalismos que entravam a expansão do cultivo no Brasil. Entre outras coisas, notamos a falta de conhecimento da cultura pelos técnicos, o que requer a capacitação desses técnicos e do produtor para a competitividade das áreas de produção, bem como as demais limitações tecnológicas que representam uma função de cultura relativamente nova no Brasil.

Os mirtilos foram introduzidos no Brasil em 1983. A espécie trazida para o Brasil foi o Vaccinium ashei, também conhecido como olho de coelho (olho de coelho devido à cor vermelha das frutas verdes), que é menos exigente no frio.

Existem muitos tipos de mirtilos, e aqueles com expressão comercial são divididos em três grupos, dependendo do genótipo, do tipo de crescimento, do tipo de fruto produzido e de outras características.

Foto: Reprodução

Os grupos são:

“Highbush”: É originário da costa oeste da América do Norte. A produção é entre outras coisas a melhor qualidade, tanto no tamanho como no sabor das frutas. A principal espécie deste grupo é o Vaccinium corymbosum.

“Olho de Coelho”: Originalmente do sul da América do Norte. O representante é a espécie Vaccinium ashei Reade. Em comparação com o grupo anterior, produz frutos de menor tamanho e menor qualidade. Tem uma maior produção por planta e os frutos têm uma vida útil mais longa após a colheita. Em regiões com menor disponibilidade de frio é economicamente mais importante devido à sua tolerância a temperaturas mais elevadas e à escassez de água.

“Lowbush”: É habitual crescer pouco e produzir pequenos frutos adequados para processamento.

Foto: Reprodução

Desde o século XVI os mirtilos são utilizados na nutrição humana e na medicina devido às suas propriedades antioxidantes e antibacterianas. Essas frutas atuam principalmente nos vasos sanguíneos periféricos, e esta propriedade resultaria em muitos dos efeitos de cura desta planta – particularmente em termos de recuperação da visão, vascularização dos pés em diabéticos, varizes e hemorroidas. Mas também os mirtilos são reconhecidos como tal em todo o mundo:

Antioxidante
Combater os radicais livres
Antibacteriana
Antidiarreico
Pirexia
Anti-infectante
Anticancerígeno
Vasodilatador

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios do mirtilo para a saúde?

Diabetes

O consumo de mirtilos reduz a taxa de aumento da saúde, diabetes e distúrbios diabéticos.

A falta de uma visão noturna

Uma das virtudes mais conhecidas dos mirtilos é, sem dúvida, a sua capacidade de ajudar os idosos no seu trabalho, o que é particularmente bom para a famosa visão.

Problemas de pressão arterial

Um estudo recente concluiu que uma pessoa que sofra de dificuldades, no valor de 200 gramas de morbilidade por dia, poderia ter normalizado a sua pressão arterial ao longo do outro dia.

Foto: Reprodução

Antidepressivo natural

Pesquisadores da Universidade Louisiana também destacaram as propriedades desta fruta para lidar com o que é conhecido como o Transporte do Território Palestino, ou seja, traumas que são persistentes e só podem ser superados com antidepressivos e algumas sessões de psoríase.

Infecção urinária

O risco hídrico é uma causa de diarreia e, graças a todos os ingredientes ativos que o mirtilo contém, é também um motivo de preocupação com os citrinos e outras infecções do trato urinário.

Níveis elevados de colesterol

Algumas espécies de peixes também sublinham a capacidade do micélio para reduzir a concentração de colesterol elevado (LDL).

Foto: Reprodução

Circulação sanguínea

Os mirtilos são frequentemente recomendados para aqueles que sofrem de problemas venenosos: vasos sanguíneos, hemorroidas e outros problemas circulatórios que se intensificam particularmente na fase de repouso.

Preventivo e cicatrizante contra a acne

Para pessoas com pele propensa a acne, mirtilos podem ajudar a evitar o problema. Os mirtilos têm uma elevada concentração de salicilatos, que é caracterizada pelo sal do ácido salicílico. O ácido salicílico é frequentemente usado em produtos tópicos para tratar a acne. A capacidade de remover a pele morta, abrir os poros entupidos e combater as bactérias faz com que seja um tratamento muito eficaz para a acne.

Ajuda a combater os sinais de envelhecimento

Os radicais livres na pele podem causar sérios danos à pele, e podem levar a sinais precoces de envelhecimento, como rugas, pele seca e manchas de idade. O aparecimento de varizes e veias inchadas e muitas vezes dolorosas são outros sinais de envelhecimento. As veias varicosas e as veias inchadas e doloridas são vasos sanguíneos dilatados que estão suficientemente próximos da pele para serem visíveis. A pele pode parecer borrada devido às paredes dos vasos enfraquecidas. O consumo de mirtilos ajuda a reverter os sinais de envelhecimento. Um super alimento rico em antioxidantes.
Uma xícara de mirtilo contém até 13.427 antioxidantes, incluindo vitaminas C e A, e flavonoides. Os fitoquímicos e antioxidantes da fruta ajudam a neutralizar os radicais livres, evitando danos adicionais. Eles também são úteis no fortalecimento dos vasos sanguíneos e na cura de fraturas capilares.

Foto: Reprodução

É uma excelente fonte de fibra

O mirtilo é rico em fibras e não só mantém o sistema digestivo saudável, como também ajuda a ter uma pele mais saudável. A fibra ajuda a remover leveduras e fungos do corpo sob a forma de fezes. Isso evita que ele seja excretado através da pele, o que pode levar a erupções cutâneas e acne.

Reduz o risco de câncer

O câncer foi associado ao dano causado pela oxidação. Os radicais livres resultantes da oxidação podem causar danos ao DNA e produzir células malignas. Mirtilos são uma rica fonte de antioxidantes e inibem os danos de oxidação.

Deixe uma resposta