Vinicius Silgueiro, Instituto Centro de Vida

Há uma década, o lançamento do Global Forest Watch (GFW) inaugurou uma nova era de responsabilização e transparência em torno da monitorização e protecção das florestas mundiais. Para comemorar 10 anos de impacto, nosso Série Vozes da Global Forest Watch destacará os sucessos dos usuários, parceiros e membros da comunidade do GFW ao longo do ano. Convidamo-lo a ler, ver e partilhar as histórias de líderes excecionais na monitorização florestal que desempenharam um papel fundamental na proteção das florestas em todo o mundo.

“Floresta, para mim, é vida. Floresta é água, é terra, são pessoas.” – Vinicius Silgueiro, Territorial Intelligence Coordinator, Instituto Centro de Vida

A história de Vinicius Silgueiro começa com uma conexão profunda com a Amazônia brasileira, inspirando seus esforços para protegê-la por meio de seu trabalho no Instituto Centro de Vida (ICV), uma organização sem fins lucrativos que se concentra no uso sustentável da terra e na preservação dos recursos naturais no estado. do Mato Grosso no Brasil, que é conhecido por sua rica biodiversidade.

“Nasci e cresci em um ambiente com diversidade de vegetação entre os biomas Cerrado e Pantanal, e depois morei na Amazônia. Ter floresta é ter vida”, disse Vinicius, que trabalha no ICV desde que era estagiário, há 14 anos.

O ICV utiliza extensas imagens de satélite e capacidades de alerta de desmatamento da GFW em seu trabalho de proteção ambiental.

Como beneficiário do Small Grants Fund (SGF) de 2020 a 2022, o ICV ajudou a expandir o uso do GFW dentro do Ministério Público de Mato Grosso para responsabilizar os proprietários de terras por crimes ambientais. O ICV treinou os técnicos do Ministério Público sobre como usar as ferramentas e dados do GFW para combater o desmatamento ilegal e os incêndios, e ajudou a desenvolver uma metodologia e um processo para que os promotores e a equipe técnica identifiquem e ajam em caso de alertas de desmatamento ilegal.

Crédito: ICV

O ICV também desenvolveu uma série de vídeos tutoriais para ajudar promotores, técnicos, consultores, pesquisadores, acadêmicos e outros a monitorar mudanças na cobertura da terra causadas por incêndios e desmatamento usando o GFW.

“Percebemos um aumento nos esforços de fiscalização ambiental tanto do Ministério Público quanto da Secretaria de Estado do Meio Ambiente para realizar fiscalizações em campo e apurar danos e infrações ambientais”, disse Vinicius.

O trabalho do ICV abriu um precedente para a integração da tecnologia de sensoriamento remoto nos esforços de conservação ambiental em Mato Grosso. Vinicius acredita que envolver comunidades como os Povos Indígenas nesses esforços é crucial para a sustentabilidade.

“Uma parte essencial deste trabalho é o senso de capacidade das pessoas [to use forest monitoring tools]”, disse Vinicius, explicando como o ICV promoveu uma abordagem comunitária para o monitoramento ambiental, equipando os indivíduos com as ferramentas para coletar e relatar dados sobre crimes florestais. “Temos mais de 40 Povos Indígenas em [Mato Grosso] hoje que têm o potencial de usar ferramentas de monitoramento para monitorar seus territórios e protegê-los diretamente.”

Crédito: ICV

Estas atividades permitiram que promotores, técnicos e a Secretaria de Estado do Meio Ambiente reunissem evidências detalhadas, incluindo fotos georreferenciadas e coordenadas GPS de atividades ilegais, que são fundamentais para identificar e abordar pontos críticos de desmatamento. Os dados recolhidos melhoraram significativamente a aplicação da lei e os esforços de conservação.

Desde 2020, o ICV expandiu o uso de ferramentas GFW para além da Amazônia para monitorar outros biomas críticos. Artigo científico publicado recentemente aborda a experiência e os resultados com o uso do GFW pelo Ministério Público de Mato Grosso para monitorar e coibir o desmatamento no bioma Cerrado.

“Biomas como o Pantanal e o Cerrado nem sempre têm tanta visibilidade quanto a Amazônia, mas são muito importantes para o equilíbrio climático e hidrológico e abrigam uma enorme biodiversidade”, disse Vinicius, explicando que Mato Grosso inclui áreas de três dos principais territórios do Brasil. seis biomas. “Um estado com toda essa riqueza natural, com diversidade de Povos Indígenas e comunidades tradicionais, além de líder em produtividade agrícola e pecuária, apresenta-se como um excelente laboratório para encontrar as soluções de sustentabilidade que nosso planeta necessita.”

Learn more about Instituto Centro de Vida here.

Você também pode acompanhar o trabalho do Instituto Centro de Vida para proteger e restaurar paisagens florestais em Facebook, LinkedIn, Instagram e Twitter (X).


Vídeo filmado no Land & Carbon Lab Summit em junho de 2023.


Fonte: https://www.globalforestwatch.org/blog/users-in-action/gfw-voices-vinicius-silgueiro/

Relatório Especial para Profissionais de Saúde e Fitness [Free PDF]

Este relatório sem precedentes é uma análise cativante da indústria atual –quem é trabalhando nisso, como eles se sentem sobre seu trabalho, e o que diferencia os treinadores mais felizes e mais bem pagos.

Criamos este relatório para inspirar e capacitar você.
Porque o mundo precisa de mais treinadores de elite que amem o que fazem.

Fonte: www.precisionnutrition.com

Acabar com o desmatamento causado pelo cacau na África Ocidental

A procura global de chocolate teve um impacto significativo nas florestas da África Ocidental. Aproximadamente 70% do fornecimento global de cacau tem origem no Gana e na Costa do Marfim, onde os locais de produção substituíram milhões de hectares de floresta. Só entre 2001 e 2015, o cacau esteve associado à perda de um terço da área florestal do Gana e de um quarto da da Costa do Marfim.

A Cocoa & Forests Initiative (CFI), facilitada pela World Cocoa Foundation (WCF) e pela Sustainable Trade Initiative (IDH), foi criada em 2017 num esforço para acabar com a desflorestação provocada pelo cacau e restaurar áreas florestais. As empresas que aderiram ao CFI concordaram em mapear as suas cadeias de fornecimento, alinhar metodologias de avaliação de risco de desmatamento e contribuir para um monitoramento e relatórios transparentes. Para apoiar esses esforços, o World Resources Institute (WRI) fez parceria com o WCF e 19 grandes empresas de cacau e chocolate para criar dois novos recursos:*

  • O Conjunto de dados de cacau da África Ocidental (WAC), um banco de dados de limites mapeados de parcelas de cacau nas cadeias de abastecimento diretas das empresas participantes que fornece uma visão abrangente da produção mapeada de cacau na Costa do Marfim e em Gana. A versão pública do conjunto de dados está disponível no Global Forest Watch (GFW) como um mapa térmico da parcela de cacau que torna ainda mais anónimos os dados para proteger a privacidade dos agricultores e das empresas.
  • O Avaliação de Risco de Desmatamento de Cacau (DRA de Cacau), um mapa que fornece uma visão padronizada do risco de desmatamento causado pelo cacau em toda a região produtora de cacau destes dois países. A camada do mapa Cocoa DRA está disponível para download no GFW.

Esses recursos são o resultado de uma colaboração sem precedentes entre empresas para compartilhar dados altamente sensíveis das parcelas de cacau, e de uma extensa revisão ética e legal para garantir a proteção dos dados dos agricultores durante todo o processo. Pela primeira vez, as empresas e outras partes interessadas no sector do cacau têm uma visão partilhada das áreas prioritárias no Gana e na Costa do Marfim para esforços coordenados rumo a um sector do cacau livre de desflorestação.

Vagem de cacau. Crédito: Caroline Winchester, WRI.

O que é a África Ocidental Conjunto de dados de cacau?

O conjunto de dados de cacau da África Ocidental (WAC) agrega dados de 2021 sobre a localização de lotes de cacau (um lote de cacau é um subconjunto de uma fazenda de cacau e uma única fazenda pode ser representada por vários lotes) nas cadeias de fornecimento direto de 19 empresas de cacau e chocolate operando em Gana e Costa do Marfim. Os participantes do projeto desenvolveram e concordaram com um protocolo de coleta de dados e um acordo de compartilhamento de dados que delineava os requisitos de envio e o procedimento para limpeza e agregação de conjuntos de dados individuais da empresa. Para ser incluído no WAC, cada parcela deveria ser atual, cultivar cacau ativamente e ocupar uma única parcela de terra. O WRI então revisou, limpou e agregou os dados.

Embora os dados do polígono da parcela de cacau sejam considerados sensíveis e não estarão disponíveis publicamente (veja mais abaixo), visualizamos os dados como um mapa de calor, disponível no GFW, que evita a divulgação dos limites precisos das parcelas no WAC, ao mesmo tempo que dá aos usuários acesso informações sobre a localização aproximada das plantações de cacau. Além disso, distribuímos os dados da parcela para instituições de pesquisa imparciais para uso como dados de treinamento para criar produtos derivados; especificamente, mapas públicos da extensão da produção de cacau.

Estas estratégias disponibilizam publicamente os dados para apoiar as empresas e outros utilizadores num mapeamento e monitorização mais robustos do cacau, salvaguardando ao mesmo tempo a privacidade dos agricultores individuais.

O que é a Avaliação de Risco de Desmatamento do Cacau?

A Avaliação do Risco de Desmatamento do Cacau (Cocoa DRA) é um mapa que avalia o risco de desmatamento futuro devido à produção nova ou em expansão de cacau. O Cocoa DRA alinha vários métodos de avaliação de risco para fornecer uma visão padronizada que as empresas e outras partes interessadas podem usar para tomar decisões sobre a redução do desmatamento. Pode ser usado para identificar de forma proativa e eficiente o risco de desmatamento em uma cadeia de abastecimento que inclui dezenas de milhares de produtores geograficamente dispersos. Uma vez identificado o risco, os utilizadores do Cocoa DRA podem implementar intervenções para promover a produção sustentável, proteger a cobertura florestal remanescente e melhorar os meios de subsistência dos agricultores.

Para criar o mapa, analisámos variáveis ​​espaciais que influenciam a desflorestação ligada ao cacau, incluindo a perda florestal recente, a proximidade do cacau, a acessibilidade e a adequação para a produção de cacau. A extensão atual da floresta natural foi aproximada usando o conjunto de dados de cobertura de copa de árvores da Universidade de Maryland e removendo parcelas de cacau mapeadas no WAC, outros conjuntos de dados que mapeiam árvores plantadas e perda histórica de cobertura de árvores.

As florestas primárias e intactas na África Ocidental são limitadas, de modo a garantir que a DRA do Cacau avalie de forma abrangente onde é provável que ocorra a futura desflorestação ligada ao cacau todos florestas naturais, o seu âmbito inclui florestas naturais dentro e fora de áreas protegidas, bem como florestas em regeneração natural.

O Cocoa DRA traduz o risco em cinco classificações de prioridade com uma resolução de 1 km (prioridade alta, média-alta, média, média-baixa e baixa), indicando a probabilidade de desmatamento futuro associado à produção de cacau. Os usuários do Cocoa DRA podem avaliar o risco em diferentes escalas, incluindo grupos de fazendas, galpões de abastecimento ao redor dos pontos de coleta de grãos de cacau e outros tipos de paisagens.

Os usuários podem baixar a camada do mapa Cocoa DRA no GFW.

O que aprendemos com o WAC e o Cocoa DRA?

Em Gana e na Costa do Marfim, o WAC mapeia 840.000 parcelas de cacau únicas em 2021. Embora as parcelas de cacau tendam a ser pequenas (a maioria das parcelas tinha entre 1 a 2 hectares), as parcelas incluídas no WAC cobrem aproximadamente 1,5 milhão de hectares de cacau plantado. área.

Os dados das parcelas de cacau são mais abrangentes no oeste da Costa do Marfim, bem como perto da fronteira partilhada entre a Costa do Marfim e o Gana. As florestas nestas áreas foram particularmente afectadas pela produção de cacau. Descobrimos que a DRA do Cacau mostrou que estas mesmas regiões tinham uma quantidade significativa de áreas de alta prioridade (áreas com maior probabilidade de desmatamento futuro relacionado ao cacau). Isto é mais evidente na Costa do Marfim, perto da fronteira com a Libéria, enquanto no oeste do Gana a paisagem é mais mista.

Mapa de prioridades de avaliação do risco de desmatamento do cacau para 2023

Ao criar o Cocoa DRA, descobrimos que a proximidade com perdas recentes era um importante preditor do risco futuro de desmatamento. A influência desta variável é mais evidente em diversas áreas protegidas de alto interesse onde, presumivelmente devido a uma protecção legal eficaz, a perda florestal foi evitada nos seus limites. Como estas florestas sofreram menos perdas em comparação com a paisagem circundante, isto resultou numa classificação de baixa prioridade para as áreas.

Um bom exemplo disto é o Parque Nacional Taï, no oeste da Costa do Marfim, que contém a única floresta intacta remanescente na área de estudo. Isto é notável porque o parque está localizado numa região da Costa do Marfim onde as florestas foram significativamente afetadas pela produção de cacau. Um exemplo semelhante é o Parque Nacional de Bia, no oeste do Gana, que contém florestas primárias que registaram baixas taxas de perda florestal em comparação com a paisagem circundante.

Mapa de classificação de prioridades de avaliação de risco de desmatamento de cacau (2023) mostrando áreas protegidas

Dito isto, dados adicionais sobre o estatuto jurídico e o valor de conservação fornecem informações contextuais importantes e recomendamos que os utilizadores considerem estes dados ao utilizarem o Cocoa DRA para priorizar atividades de envolvimento e intervenções na cadeia de abastecimento.

Impulsionando a ação coletiva: como as empresas e outros podem usar o WAC e o Cocoa DRA

Usados ​​em conjunto, o WAC e o Cocoa DRA podem informar a tomada de decisões e ações coordenadas para reduzir o desmatamento causado pelo cacau. Estes recursos também têm utilidade para além do âmbito do CFI. Por exemplo, o mapa de calor público WAC das parcelas de cacau pode ser utilizado juntamente com alertas quase em tempo real para identificar a desflorestação em paisagens de produção de cacau, ou como um recurso para avaliar colectivamente o progresso da indústria no sentido de acabar com a desflorestação. A utilização do WAC como dados de formação para desenvolver mapas públicos da extensão do cacau também lançará luz sobre a produção em toda a África Ocidental. Esses dados acessíveis e holísticos são essenciais para as partes interessadas que se esforçam para combater a desflorestação provocada pelo cacau.

Para empresas e agricultores que procuram cumprir o EUDR, o WAC e o Cocoa DRA também podem ser ferramentas valiosas. O mapa de risco pode permitir que as empresas e outras partes interessadas identifiquem paisagens de alta prioridade e evitem o desmatamento antes que ele aconteça. Para conseguir isto, será necessário o envolvimento com os agricultores em áreas de alta prioridade, permitindo-lhes proteger as florestas remanescentes e, ao mesmo tempo, salvaguardar os seus meios de subsistência. O mapa de risco e o WAC também podem ajudar as empresas a determinar onde priorizar os esforços adicionais de coleta de dados das parcelas de cacau. As áreas de alta prioridade onde o WAC mostra uma falta de parcelas de cacau mapeadas são uma boa indicação de onde tais esforços são necessários para permitir o cumprimento do requisito de geolocalização do EUDR. Estes dados também serão fundamentais para permitir a inclusão dos pequenos agricultores no mercado da UE.

Como recursos públicos que proporcionam às partes interessadas uma compreensão partilhada de onde é mais urgente abordar a questão da desflorestação, respeitando ao mesmo tempo a privacidade dos agricultores, a WAC e a Cocoa DRA podem ajudar a concretizar um setor do cacau mais sustentável. Através deste conhecimento colectivo, as partes interessadas podem formar mais facilmente abordagens colaborativas para eliminar a desflorestação provocada pelo cacau. Além disso, através de actualizações contínuas baseadas nos melhores dados disponíveis, ambos os recursos podem continuar a ser um bem público e contribuir para uma monitorização transparente do sector do cacau.

* O desenvolvimento destes produtos também foi informado por pesquisas preliminares realizadas pela Climate Focus sobre outros métodos de avaliação do risco de desmatamento associado ao cacau.

Fonte: https://www.globalforestwatch.org/blog/data-and-tools/data-resources-ending-deforestation-cocoa-west-africa/

A importância de personalizar seu programa de condicionamento físico e nutrição

Revisado por Brian St. Pierre, MS, RD


Um programa personalizado de condicionamento físico e nutrição é o antídoto para conselhos genéricos e padronizados.

Se você está cansado de experimentar programas que simplesmente não se adaptam ao seu estilo de vida ou preferências, um programa personalizado pode ser o que você precisa para entrar – e permanecer – no caminho certo.

Exploraremos o que inclui um programa de coaching personalizado, bem como os muitos benefícios de saúde e bem-estar que você pode desfrutar ao segui-lo.

O que significa ter um programa de coaching personalizado?

Em um programa de coaching personalizado, você trabalha com um coach de saúde que adapta um plano para atender às suas necessidades específicas.

Eles avaliam seus objetivos individuais, estilo de vida e preferências para criar um programa projetado especialmente para você.

Os programas de coaching personalizados geralmente incluem planos personalizados de nutrição e exercícios, mas também levam em consideração fatores como suas habilidades atuais, histórico, cronograma, relacionamentos e fatores estressantes.

Quais são os benefícios do coaching individualizado?

Vamos dar uma olhada no que você pode esperar de um programa de coaching personalizado e em todas as maneiras pelas quais ele pode ajudá-lo a se sentir melhor a longo prazo.

Visa especificamente seus objetivos

Ao personalizar seu plano, um treinador de saúde dedicado ajuda você a trabalhar em direção a objetivos específicos, prestando muita atenção ao seu bem-estar geral.

Quer o seu objetivo seja o controle do peso, a redução do estresse ou a melhoria do sono, um programa personalizado garante que cada aspecto da sua rotina contribua para esses objetivos. Seu treinador adapta não apenas os treinos e as orientações dietéticas, mas também considera fatores mais amplos de estilo de vida para apoiar holisticamente seus objetivos de saúde.

Por exemplo, se o seu objetivo principal é o controle de peso, seu treinador não apenas prescreve uma rotina genérica de exercícios, mas também adapta exercícios que sejam eficazes e agradáveis ​​para você. Simultaneamente, as recomendações dietéticas são cuidadosamente personalizadas, tendo em conta as suas preferências e expectativas.

Um treinador de saúde considera todos os elementos da sua vida diária – sua agenda, tolerância ao estresse, condições de saúde – ao desenvolver seu programa personalizado. Quando um técnico de saúde adota essa abordagem, ele pode ajudar a moldar sua rotina diária para que fique alinhada com seus objetivos.

Fornece suporte e atenção pessoal

Com o coaching personalizado, você não está navegando sozinho em sua jornada de saúde. Seu coach está lá para fornecer suporte contínuo, ajudando você a superar desafios e comemorar vitórias.

À medida que vocês trabalham juntos, seu coach continuará ajustando seu plano para atender às suas necessidades com mais precisão.

Além disso, a responsabilidade adicional é uma grande vantagem do coaching nutricional personalizado. Check-ins regulares e sessões de feedback oferecem uma oportunidade para vocês dois abordarem preocupações, refinarem estratégias e comemorarem marcos.

O apoio e a atenção individualizados de um coach podem aumentar suas chances de alcançar – e sustentar – seus objetivos de saúde e bem-estar.

Aprendizagem e ensino personalizados

Em um programa de treinamento nutricional personalizado – ao contrário de aulas de exercícios genéricas ou programas de condicionamento físico produzidos em massa – a abordagem de ensino pode ser personalizada para se adequar ao seu estilo de aprendizagem único. Essa personalização ajuda a integrar as informações de maneira mais eficaz e, ao mesmo tempo, aproveitar o processo.

Talvez no passado você tenha experimentado a frustração de se sentir sobrecarregado ou perdido em uma aula de ginástica devido a uma incompatibilidade nos estilos de ensino. Com um personal health coach, você tem a oportunidade de encontrar alguém com quem se conectar melhor.

Essa dinâmica de confiança entre vocês dois ajuda vocês dois a se sentirem confiantes, confortáveis ​​e entusiasmados para trabalharem juntos. Você pode fazer perguntas, buscar esclarecimentos e participar de discussões significativas com seu coach. Eles, por sua vez, podem fazer perguntas e esclarecer suas necessidades conforme você avança.

Incorpora suas preferências e necessidades

Um bom treinador de saúde considerará suas experiências passadas, limitações e valores e objetivos atuais para garantir que cada aspecto do programa seja personalizado para você.

Quer se trate de escolhas alimentares, exercícios favoritos ou restrições de horário, o seu treinador adapta o plano para se adequar organicamente à sua vida. Isso ajuda a maximizar as chances de você seguir o plano.

Por exemplo, se você tiver restrições ou preferências alimentares, seu treinador poderá elaborar um plano nutricional pessoal que atenda a essas especificações. Da mesma forma, se você tiver limitações físicas ou aptidões em termos de exercício, eles podem adaptar um programa para incluir atividades que você goste e que se alinhem com suas habilidades.

Seu treinador também considerará seu bem-estar mental e emocional. Um bom treinador de saúde não será treinado apenas em nutrição e condicionamento físico, mas também em comportamento humano e psicologia, para que possa criar estratégias para ajudá-lo a lidar com o estresse, a motivação e a recuperação geral.

Facilmente ajustável

Uma grande vantagem de um programa de coaching personalizado é a flexibilidade que ele oferece, permitindo ajustar facilmente seu plano conforme necessário. Ao contrário das abordagens rígidas e de tamanho único, um treinador de saúde dedicado entende que a vida é dinâmica e o que funciona hoje pode precisar de ajustes amanhã.

Essa adaptabilidade é essencial para o sucesso a longo prazo. Seu treinador também irá ajudá-lo a progredir em um ritmo que funcione para você, para que você possa continuar a se sentir desafiado e motivado sem se esforçar muito. ou ficar aborrecido.

Se algo em seu plano não estiver funcionando conforme o esperado, seu coach estará lá para ajudar. A comunicação aberta com um coach em quem você confia permite que você tenha conversas francas sobre seu progresso, desafios e quaisquer modificações necessárias.

Por exemplo, se você achar um tipo específico de exercício desconfortável ou desagradável, seu treinador poderá fazer ajustes no programa ou no movimento para você. Da mesma forma, se uma recomendação dietética não for viável devido a restrições orçamentárias ou simplesmente ao seu paladar, seu treinador pode ajudá-lo a explorar opções alternativas que ainda apoiem seus objetivos de saúde.

Como escolher um treinador de saúde

Selecione vários treinadores de saúde que trabalham com pessoas que têm objetivos como os seus e, em seguida, converse individualmente com cada um para restringir suas opções.

Durante essas discussões, preste atenção em quão bem eles ouvem e entendem o que você procura. O coach que você escolher deve ter um portfólio de clientes satisfeitos ou próximo ao seu grupo demográfico específico. A experiência deles trabalhando com clientes que possuem habilidades ou limitações semelhantes às suas permite que você saiba que eles entendem suas necessidades específicas.

Estamos aqui para ajudá-lo a alcançar seus objetivos

Os treinadores certificados da Precision Nutrition são especialistas em suas áreas e podem ajudá-lo a fazer mudanças sustentáveis ​​no estilo de vida para alcançar seus objetivos. Você não apenas receberá planos personalizados de nutrição e exercícios, mas também aprenderá as habilidades necessárias para manter seu sucesso a longo prazo.

Nossos treinadores se aprofundarão em seus hábitos pessoais para que você possa entender por que faz as escolhas que faz – e adicionar mudanças positivas à sua vida. Saiba mais sobre nosso programa de coaching personalizado e baseado em ciência hoje e comece sua jornada para uma vida mais saudável e feliz.

Fonte: www.precisionnutrition.com

A gordura corporal é boa ou ruim para você?

Revisado por Eric Helms, PhD, CSCS


Há cerca de um ano, um professor de ioga de tamanho grande causou um pequeno escândalo.

Especificamente, a Gatorade publicou uma série de anúncios que apresentavam Jessamyn Stanley – uma instrutora de ioga estabelecida, autora e defensora da positividade corporal.

A reação foi brutal.

As pessoas invadiram as redes sociais, argumentando que alguém com tanta gordura corporal visível era uma má escolha para um “atleta”, muito menos para uma pessoa “saudável”.

Do outro lado do debate estavam pessoas que diziam que o tamanho do corpo de Stanley não tinha ligação com sua saúde geral. Algumas dessas pessoas sugeriram que acabássemos com categorias médicas como “excesso de peso” e “obesidade”, que, segundo elas, sustentam o preconceito e o estigma anti-gordura.

Quem está certo?

Como nosso infográfico revela…

Quando se trata de gordura corporal, a verdade sobre seus efeitos é altamente matizado – e altamente Individual.

Antes de você se aprofundar, gostaríamos de reconhecer algumas coisas.

Como a maioria dos tópicos de saúde, a ligação entre a gordura corporal e a saúde geral é complexa.

À medida que os níveis de gordura corporal aumentam, aumenta também o risco de desenvolver doenças metabólicas. Ao mesmo tempo, você pode ficar mais saudável sem perder peso ou gordura corporal – assim como você pode perder peso ou gordura corporal sem ficando mais saudável.

O estigma do peso existe.

E é galopante na indústria de fitness e nutrição. É provavelmente por causa desse preconceito anti-gordura que as discussões sobre gordura corporal se tornam tão acaloradas. Pessoas com corpos maiores são estereotipadas como preguiçosas, fracas, sem força de vontade e com pouca inteligência.

Isso é prejudicial e totalmente errado – e atrapalha a realização de debates reais e baseados em fatos.

O estigma não ajuda ninguém.

“A vergonha não é um motivador a nível individual ou social”, diz Eric Helms, PhD, pesquisador em fisiologia esportiva e nutrição na Universidade de Tecnologia de Auckland e cofundador da MASS Research Review.

Em vez de ajudar na perda de gordura, o estigma anti-gordura está associado à alimentação desordenada, à alimentação emocional, ao aumento da ingestão de calorias e à ciclagem de peso. 1, 2, 3

Todos são dignos de respeito.

Você tem permissão para amar a si mesmo – não importa o tamanho do seu corpo. Você também pode realizar atividades relacionadas à saúde (como melhor nutrição ou mais exercícios) sem querer mudar seu corpo.

Podemos e devemos falar sobre gordura corporal, assim como podemos e devemos falar sobre colesterol, pressão arterial e outros temas de saúde. Saber a verdade sobre a gordura corporal lhe dá a sabedoria necessária para tomar decisões importantes sobre saúde.

(Se você está curioso para estimar seu percentual de gordura corporal, nosso Calculadora de gordura corporal GRATUITA pode ajudar.)

Independentemente de seus sentimentos em relação à gordura corporal, encorajamos você a conferir este infográfico com a mente aberta.

(Como alternativa, baixe-o para imprimir ou salvar em seu dispositivo.)

Quer compartilhar isso com familiares, amigos e clientes? Clique aqui para baixar o infográfico e imprimi-lo ou salvá-lo em seu dispositivo.

Referências

Clique aqui para ver as fontes de informação mencionadas neste artigo.

Se você é treinador ou quer ser…

Você pode ajudar as pessoas a construir sustentável hábitos de nutrição e estilo de vida que melhorarão significativamente sua saúde física e mental – enquanto você ganha a vida fazendo o que ama. Nós lhe mostraremos como.

Se você quiser saber mais, considere o Certificação PN Nível 1 em Coaching Nutricional.

Fonte: www.precisionnutrition.com

Juiz Camillus Mensah, Hen Mpoano

Há uma década, o lançamento do Global Forest Watch (GFW) inaugurou uma nova era de responsabilização e transparência em torno da monitorização e protecção das florestas mundiais. Para comemorar 10 anos de impacto, nosso Vozes da Global Forest Watch Series destacará os sucessos dos usuários, parceiros e membros da comunidade do GFW ao longo do ano. Convidamo-lo a ler, ver e partilhar as histórias de líderes excecionais na monitorização florestal que desempenharam um papel fundamental na proteção das florestas em todo o mundo.

“Acreditamos na Hen Mpoano que a conservação sem meios de subsistência é uma mera conversa.”Juiz Camillus Mensah, Gerente de Projetos da Hen Mpoano.

Hen Mpoano, que recebeu duas vezes o Small Grants Fund (SGF) da GFW, é uma organização sem fins lucrativos com sede em Gana que trabalha para proteger e restaurar o Distrito Florestal de Takoradi, no sudoeste de Gana, que abriga duas reservas importantes: Reserva Florestal de Cape Three Points e Subri. Reserva Florestal Fluvial, que é a maior reserva florestal do país e é designada como Área Global de Biodiversidade Significativa.

“Minha paixão pelas florestas vem de crescer ao longo da costa e estar exposto à exploração de manguezais. Mas quando conheci a importância dos manguezais, decidi usar a tecnologia que adoro para proteger os manguezais e qualquer outro recurso costeiro, inclusive as florestas costeiras terrestres”, disse Justice. “Floresta é vida. Continuo dizendo às pessoas que, de fato, quando a última árvore morrer, o último homem também morrerá.”

Justice conseguiu canalizar a sua paixão para trabalhar com Hen Mpoano em 2013. Ao longo da última década, ele contribuiu imensamente para campanhas em curso para a conservação dos ecossistemas costeiros no Gana e noutros países africanos.

Durante os projetos do SGF de Hen Mpoano, eles trabalharam para fortalecer o cumprimento e a aplicação eficazes da legislação florestal, incluindo ações pró-conservação entre as comunidades periféricas da floresta — o que tem sido eficaz na redução do desmatamento.

De acordo com a Justiça, a aplicação da lei florestal no Gana é quase impossível sem o envolvimento da comunidade.

Crédito: Hen Beach

“Usamos uma abordagem comunitária para monitoramento e proteção florestal. Os membros das comunidades periféricas florestais receberam recursos através de formação prática sobre dados e ferramentas do Global Forest Watch, em combinação com outras ferramentas, para recolher dados regularmente”, disse Justice.

Com smartphones e dispositivos GPS, as equipes comunitárias de monitoramento florestal coletam evidências de crimes florestais, como coordenadas GPS e imagens georreferenciadas. Esses dados são então usados ​​para identificar focos de crimes florestais e para gerar mapas usando o MapBuilder e outros softwares. Esses mapas são compartilhados confidencialmente com a Divisão de Serviços Florestais para ajudar a desencadear ações de fiscalização e direcionar recursos limitados para pontos críticos.

Este trabalho também levou a um acordo para a Divisão de Vida Selvagem fornecer apoio de pessoal armado para a fiscalização nas duas reservas. Através deste esforço conjunto, mais de 70 culpados foram presos por diversas infrações, especialmente mineração ilegal.

Hen Mpoano agora aplica ferramentas e dados do GFW para monitorar manguezais e pântanos de água doce em um projeto financiado pelo Serviço Florestal dos EUA – uma paisagem que também está passando por restauração de manguezais através do TerraFund para AFR100. A abordagem de Hen Mpoano envolve não apenas restauração e plantação, mas também o fortalecimento dos esforços de conservação na área, envolvendo membros da comunidade para monitorar as mudanças na paisagem usando o GFW.

Hen Mpoano tem enfrentado desafios, especialmente com patrulhas florestais onde os culpados confrontaram equipas de monitorização comunitária, oficiais florestais e até mesmo funcionários da Hen Mpoano. No entanto, dados e tecnologias como o GFW ajudaram a equipar os monitores florestais com ferramentas para continuar o seu trabalho.

Membro da comunidade usando ferramentas GFW
Crédito: Hen Beach

“Na minha opinião, a GFW consolidou a abordagem de gestão colaborativa ao fornecer aos cidadãos as ferramentas e as competências para fazerem parte da proteção florestal. Os membros da comunidade se sentem muito empoderados”, disse Justice. “Se o estatuto do Gana como país líder na perda de florestas tropicais puder ser revertido, a minha equipa terá um grande papel a desempenhar nesse processo. Não cederemos até vermos mudanças positivas.”

Saiba mais sobre Hen Mpoano aqui.

Se você estiver interessado em apoiar Hen Mpoano para continuar a expandir seu trabalho para proteger e restaurar paisagens florestais, entre em contato com [email protected].


Vídeo filmado no Land & Carbon Lab Summit em junho de 2023.


Fonte: https://www.globalforestwatch.org/blog/users-in-action/gfw-voices-justice-camillus-mensah/

Colaboração nas Florestas Nacionais: Que elementos são críticos para o sucesso?

Categoria: Colaboração

por Sophie Daudon, bolsista do Conservation Connect

A colaboração está a tornar-se uma estratégia fundamental para superar os desafios enfrentados pelas florestas da América. Nas últimas décadas, tem havido um esforço concertado para unir diversos parceiros, encorajar discussões construtivas e criar soluções conjuntas, com o financiamento para tais iniciativas a aumentar significativamente através de programas como o Programa Colaborativo de Restauração da Paisagem Florestal. Ao longo dos anos, a National Forest Foundation (NFF) desempenhou um papel fundamental em muitos destes esforços colaborativos bem-sucedidos.

No entanto, o trabalho colaborativo, especialmente dentro das Florestas Nacionais, traz o seu próprio conjunto de desafios. Requer tempo e dedicação significativos para alinhar os prazos e manter o foco dos parceiros nos objectivos colectivos e não nos seus objectivos organizacionais de curto prazo. Alcançar consenso sobre dados e resultados científicos também exige paciência e tenacidade. O ritmo inerentemente lento da colaboração parece muitas vezes incompatível com a urgência com que precisamos de restaurar as florestas para combater as alterações climáticas e enfrentar anos de supressão de incêndios.

Portanto, dominar a liderança colaborativa eficaz é crucial para o futuro das nossas florestas. Assim, meu objetivo durante a Conservation Connect Fellowship foi obter estratégias práticas para orientar grupos no planejamento de projetos, no gerenciamento de divergências e no avanço eficiente do trabalho crítico nas Florestas Nacionais.

Durante minha bolsa, contribuí para vários esforços colaborativos em vários estágios, desde iniciativas locais até colaborações multiflorestais. Ajudei na elaboração dos documentos de governança da South Idaho Landscape Coalition, testemunhei a implementação inicial do Plano de Ação Florestal de Montana 2020, facilitei a comunicação do projeto de restauração Baldy transfronteiriça do Colorado às partes interessadas e auxiliei nas fases finais de Grand Mesa, Uncompahgre e Processo de revisão do plano florestal de Gunnison.

Participar nesses processos do início ao fim me proporcionou uma perspectiva abrangente sobre os sucessos e desafios dos esforços colaborativos. Aprendi que embora muitos fatores contribuam para uma colaboração bem-sucedida, os cinco elementos a seguir são essenciais:

Ter um coordenador dedicado é vital. A coordenação de diversos parceiros exige o gerenciamento de cronogramas conflitantes e diferentes níveis de comprometimento. É necessária uma pessoa responsável para definir as agendas das reuniões, acompanhar as tarefas e levar o grupo para as próximas etapas. Observei que o pessoal da NFF navega eficazmente nestas complexidades, garantindo o progresso do grupo com diplomacia e eficiência.

Estabelecer a identidade de um grupo é o primeiro passo. Alinhar um grupo em torno de objectivos partilhados, uma estrutura de governação e processos de tomada de decisão é um primeiro passo fundamental, muitas vezes desafiante, para uma colaboração bem-sucedida. Durante minha irmandade, vi vários grupos ficarem presos nessa tarefa aparentemente simples. No entanto, com a orientação e os recursos da NFF, conseguiram chegar a um acordo e ultrapassar esta fase.

Definir e celebrar o sucesso é fundamental. Colaborações são maratonas, não sprints. Reconhecer sucessos incrementais é fundamental para manter o moral e o ímpeto. Os esforços de acompanhamento, como os criados pelo Conservation Fellow Nate Bush para o Montana Forest Action Council, são cruciais para manter os participantes envolvidos e mostrar o impacto dos seus esforços.

Paciência e adaptabilidade são fundamentais. Colaborar com agências governamentais exige navegar por um labirinto de mudanças nas leis e regulamentos. Os meus supervisores do NFF lidaram habilmente com atrasos inesperados e adaptaram-se de forma criativa às mudanças nos prazos, ajudando magistralmente os parceiros a permanecerem envolvidos mesmo face a obstáculos significativos.

Priorize a inclusão. Garantir que parceiros com tempo ou recursos limitados possam estar envolvidos é essencial para produzir os melhores resultados. A NFF está a trabalhar no sentido de encontrar formas de envolver parceiros que historicamente podem não ter tido um lugar à mesa. Para ajudar nestes esforços, criei um Guia de Reuniões Inclusivas baseado em pesquisas, observações sobre o que funciona e conversas com funcionários experientes da NFF. Este é apenas um pequeno passo para uma melhor compreensão de como garantir que os parceiros historicamente excluídos sejam priorizados no trabalho de gestão florestal.

No final da minha bolsa, estou grato pela visão em primeira mão do processo colaborativo obtida através do meu trabalho com a NFF. Estou ansioso para aplicar essas lições na liderança dos esforços de gestão de recursos naturais após a pós-graduação.

Sophie Daudon é bolsista do Conservation Connect 2023, cursando dupla graduação em políticas públicas e ciências ambientais na Universidade de Michigan. Em seus estudos, Sophie concentrou-se em facilitação, política de conservação e ecologia florestal para iniciar uma carreira liderando esforços colaborativos no nexo de políticas locais, estaduais e federais que aumentam a resiliência rural e florestal no oeste americano.

Fundação Florestal Nacional

Fonte: https://www.nationalforests.org/blog/collaboration-on-national-forests-what-elements-are-critical-to-success

Siga os passos dos trabalhadores ferroviários sino-americanos em Donner Pass

Categoria: Sistema Florestal Nacional, História e Cultura

por Carolyn Bucknall

Em 1869, a conclusão da primeira ferrovia transcontinental revolucionou a vida americana. As ferrovias trouxeram bens manufaturados e colonos para o oeste, e ouro e produtos agrícolas para o leste.

Mas antes que a ferrovia revolucionasse a vida americana, a Central Pacific Railroad e seus trabalhadores tiveram que realizar um notável feito de engenharia – construindo uma ferrovia no coração das montanhas de Sierra Nevada. Para navegar por passagens montanhosas traiçoeiras, a ferrovia precisaria ser cortada manualmente nas sólidas encostas de granito.

Vista da face sólida de granito do Passo Donner, onde trabalhadores ferroviários chineses cavaram 11 túneis para completar a ferrovia transcontinental. Foto do Serviço Florestal dos EUA

A limpeza do granito era um trabalho difícil e perigoso e, em meados da década de 1860, o Pacífico Central precisava de mais mão-de-obra do que conseguia encontrar para ajudar no projeto. A empresa começou a recrutar trabalhadores que fugiam da pobreza no sul da China para preencher a lacuna de mão de obra e, quando a ferrovia foi concluída, os trabalhadores chineses representavam mais de 90% da força de trabalho do Pacífico Central.

As contribuições e sacrifícios dos trabalhadores ferroviários sino-americanos mudaram o curso da história americana. Hoje, você ainda pode explorar os locais históricos conectados à ferrovia na Floresta Nacional de Tahoe, em Donner Pass.

Sítios do Patrimônio da Floresta Nacional de Tahoe

Visualização dos túneis de envio nº 6, nº 7 e nº 8 acima do túnel de envio nº 6. Foto do Serviço Florestal dos EUA

Túnel do cume nº 6

Quando foi concluída, em 1869, a ferrovia transcontinental passava por 11 túneis escavados em granito sólido nas montanhas de Sierra Nevada. O Summit Tunnel #6 na Floresta Nacional de Tahoe é o mais longo desses túneis, com 1.687 pés – ou seja, mais de cinco campos de futebol!

Para construir o túnel, os trabalhadores chineses usaram marretas e cinzéis e criaram buracos na face da rocha onde poderiam colocar e lançar pólvora. Após a explosão, eles retiraram a pedra caída do túnel em carrinhos. O trabalho era difícil, perigoso e terrivelmente lento – progredindo apenas 35 centímetros por dia.

Os trens não circulam mais no trecho da histórica ferrovia transcontinental que atravessa Donner Pass, mas os túneis permanecem como um testemunho da perseverança e coragem dos homens que ali trabalharam.

Funcionário do Serviço Florestal dos EUA caminha pelo Túnel de envio nº 6. Foto do Serviço Florestal dos EUA

Eixo Central

Como os trabalhadores só podiam se mover 14 polegadas de cada lado do túnel por dia, a Central Pacific decidiu abrir um poço no topo do túnel para que os trabalhadores também pudessem cavar de dentro para fora. Os trabalhadores levaram três meses para cavar um poço de 75 pés de profundidade até o centro do Summit Tunnel, mas depois de concluído, o poço dobrou a velocidade de construção do túnel.

Hoje, o topo do poço está coberto, mas os visitantes ainda podem imaginar como foi descer a montanha.

Donner Pass coberto de neve. Foto do Serviço Florestal dos EUA

Enviar acampamento

Durante a construção da ferrovia transcontinental, os trabalhadores chineses viviam em acampamentos ao longo da linha férrea que continham armazéns temporários, ferrarias, estábulos e quartos para comer e dormir.

Submit Camp, localizado logo acima da entrada leste do Summit Tunnel # 6, foi um dos campos de trabalho mais antigos e abrigou homens que trabalharam no túnel de 1865 a 1869. As casas no acampamento foram construídas para resistir aos invernos nevados em Donner. Aprovado, mas os trabalhadores ainda tinham que suportar um frio intenso e muitas vezes viajavam de e para o acampamento em túneis escavados na neve.

Embora não existam edifícios no local hoje, os arqueólogos encontraram objetos históricos que os residentes do Summit Camp deixaram para trás, incluindo moedas chinesas e tigelas de arroz de porcelana.

Muralha da Baixa China. Foto do Serviço Florestal dos EUA

Muralha da China

China Wall é uma magnífica parede rochosa de 75 pés que atravessa uma ravina entre dois túneis ferroviários mais curtos, a leste do Summit Tunnel #6. Para construir o muro, os trabalhadores chineses colocaram cada pedra à mão, preenchendo gradualmente as fendas com pedras menores até que o muro ficasse estável o suficiente para suportar os trilhos da ferrovia.

O nome “Muralha da China” comemora o feito monumental dos trabalhadores chineses. A parede ainda pode ser vista hoje, mais de 150 anos após a sua construção.

Lagoa do bagre. Foto do Serviço Florestal dos EUA

Lagoa de bagre

Os bagres que vivem nas águas límpidas e verdes do topo de Donner Pass são um exemplo da história viva da ferrovia. Contido no ecossistema fechado de um lago, o primeiro bagre de Donner Pass chegou com os primeiros trabalhadores ferroviários chineses no final da década de 1860. Os trabalhadores chineses abasteceram os lagos próximos para se alimentarem. Sua dieta incluía peixe seco, vegetais secos e arroz.

150 anos depois, os descendentes destes peixes estocados ainda podem ser encontrados nestas águas – uma lembrança viva dos trabalhadores que tornaram possível a primeira ferrovia transcontinental.

Um grupo no Return to Gold Mountain Tour liderado pela Fundação 1882 em parceria com o Serviço Florestal dos EUA, visitando os locais históricos dos trabalhadores ferroviários chineses em Donner Pass. Foto do Serviço Florestal dos EUA

Um passeio autoguiado pelos locais dos trabalhadores ferroviários chineses, de Auburn a Donner Pass

Para obter instruções sobre cada local histórico e mais informações sobre cada local, confira o Tour autoguiado pelo patrimônio da Fundação de 1882 pelos locais dos trabalhadores ferroviários chineses, de Auburn a Donner Pass.

Fonte: Huang, Yuexian, editor. “Explorando o caminho dos trabalhadores ferroviários chineses.” ExploreAPAHeritage.Com, Fundação 1882, 2020.

Foto da capa do Serviço Florestal dos EUA.
——–
Todos os dias, a NFF trabalha para ajudar a tornar as nossas florestas – e as experiências que as pessoas têm sobre elas – relevantes para TODOS os americanos. Contamos histórias, destacamos as contribuições históricas de todos os povos, exploramos legados esquecidos e muito mais. Esta parte crescente da nossa missão requer apoio irrestrito de pessoas como você. Você se juntará a nós hoje? É fácil: basta clicar aqui e oferecer seu apoio. Nós agradecemos!

Fundação Florestal Nacional

Fonte: https://www.nationalforests.org/blog/walk-in-the-footsteps-of-the-chinese-american-railroad-workers-at-donner-pass

Como definir metas de condicionamento físico realistas

Revisado por Brian St.


Metas claras e realistas são essenciais para o sucesso.

Esses tipos de metas devem proporcionar uma sensação de poder e controle.

Em suma, eles devem fazer você se sentir bom.

No entanto, se você escolher o tipo errado de metas, elas podem fazer você se sentir envergonhado, desmotivado e sem foco.

Então, como você pode definir os tipos “certos” de metas – e ajudar seus clientes a fazerem o mesmo?

Vejamos o que realista como realmente são as metas de condicionamento físico, como defini-las e como permanecer motivado ao alcançá-las.

Por que é importante definir metas de condicionamento físico?

Definir metas construtivas de saúde é o primeiro passo no caminho para o progresso.

Isso porque o tipo certo de metas irá ajudá-lo a desenvolver o habilidades necessário para atingir os objetivos de saúde desejados.

Quando feitos corretamente, seus objetivos devem inspirar uma sensação de prontidão, determinação e capacidade. Isso ajuda você a se manter motivado, para que possa sustentar o progresso.

Diferentes tipos de metas para apoiar o progresso do seu condicionamento físico

Em vez de ficar obcecado e analisar demais o que você “deveria” ou “não deveria” fazer, esses tipos de metas o ajudarão a determinar o que ações levar – para que você possa começar a progredir agora.

Tipo de meta eficaz nº 1: metas de curto prazo

As metas de curto prazo são alcançáveis ​​em um prazo mais curto, seja no final do dia, da semana ou do mês. Apesar do seu curto prazo, eles são tão importantes quanto os objetivos de longo prazo – porque são eles que irão adicionar para esses objetivos de longo prazo.

Por exemplo, uma meta de curto prazo pode ser praticar 30 minutos de exercícios na maioria dos dias da semana ou incluir pelo menos uma porção de vegetais em cada uma das refeições de hoje.

À medida que você atinge metas de curto prazo, elas acumulam um progresso significativo a longo prazo.

Tipo de meta eficaz nº 2: metas de longo prazo

Metas de longo prazo são o destino final.

Eles são o ponto final que você imagina para si mesmo.

Estes objetivos abrangem mudanças positivas no estilo de vida, como ganhar massa muscular ou manter uma dieta mais nutritiva.

Metas de longo prazo não são as melhores para lhe dizer o que fazer hoje, mas devem influenciar seus objetivos de curto prazo. Afinal, um objetivo de longo prazo só é alcançado depois que uma série de objetivos de curto prazo são alcançados.

Tipo de meta eficaz nº 3: metas baseadas no domínio

A adoção de metas baseadas no domínio requer uma mudança de mentalidade, especialmente para aqueles que estão acostumados com objetivos baseados no desempenho.

▶ Metas de desempenho, assim como as metas de resultados, muitas vezes dependem de confirmação externa, como vencer uma competição ou ver um determinado número na balança. No entanto, eles podem ser prejudicados por fatores fora do seu controle. Por exemplo, você não pode controlar quem mais comparecerá ao seu triatlo ou quanto peso seu corpo pode perder com segurança (ou com que rapidez).

Embora as metas de desempenho possam oferecer motivação inicial, elas também podem ser desanimadoras quando as expectativas não são atendidas. A busca pela validação externa pode prejudicar seu progresso.

▶ Metas de domínio concentre-se na melhoria gradual das habilidades ao longo do tempo. Eles se concentram na alegria de aprender e na realização intrínseca obtida com o processo de mudança e desenvolvimento de habilidades. Independentemente de fatores ou resultados externos, a satisfação do crescimento pessoal permanece constante.

Indivíduos orientados para o domínio encontram motivação na busca diária de melhorias e veem os contratempos ou perdas como oportunidades valiosas de aprendizagem, em vez de indicações de fracasso.

Alguns exemplos de como transformar metas baseadas em desempenho em metas de domínio incluem:

  • Em vez de bater um recorde pessoal nos próximos 5 km, concentre-se em correr com elegância, eficiência e sem dor.
  • Em vez de reduzir a gordura corporal para 11%, concentre-se em desenvolver sua capacidade de preparar e desfrutar de refeições saudáveis ​​e balanceadas de forma consistente.

Tipo de meta eficaz nº 4: metas baseadas em comportamento

As metas baseadas no comportamento mudam o foco dos resultados desejados para etapas viáveis ​​que você pode controlar.

Ao contrário das metas de resultados, que descrevem o resultado desejado, as metas de comportamento centram-se nas ações e tarefas que você pode realizar de forma consistente e regular.

As metas comportamentais também fornecem um caminho tangível para o progresso. Eles transformam aspirações abstratas em ações concretas que você pode acompanhar e implementar todos os dias. Essa abordagem aumenta a probabilidade de sucesso sustentado.

Alguns exemplos de como transformar metas de resultados em metas baseadas em comportamento incluem:

  • Em vez de dizer que quer perder 4,5 quilos, concentre-se em comer até ficar satisfeito (em vez de empanturrado) em cada refeição.
  • Em vez de se concentrar em dormir 8 horas por noite, tente criar e seguir uma rotina calmante na hora de dormir.

Tipo de meta eficaz nº 5: “Abordagem” ou metas de inclusão

As metas de “abordagem” ou inclusão oferecem alternativas positivas e viáveis ​​para “evitar” metas, o que pode ser contraproducente.

▶ “Evitar” metas— como “Não faça X” ou “Pare Y” — muitas vezes levam à resistência e à rebelião. (Ninguém gosta de ser informado não para fazer algo.) Além disso, com metas “evitar”, mesmo o menor deslize pode parecer um grande revés. Isso cria uma sensação de fracasso, que pode ser desanimadora.

▶ Metas de “abordagem” enfatize quais ações você pode realizar para fazer mudanças positivas que contribuam para o seu bem-estar e crescimento. Esta mudança de mentalidade não só parece mais alcançável, mas também leva a uma perspectiva mais positiva e produtiva.

Ao se concentrar no que você pode fazer para melhorar, as metas de “abordagem” são mais proativas – e práticas. Eles também liberam espaço mental e emocional que, de outra forma, poderia ser consumido por pensamentos de restrição ou negação. Isso os torna uma abordagem mais sustentável – e agradável.

Alguns exemplos de como transformar metas de “evitar” em metas de abordagem incluem:

  • Vá de “não coma junk food” para “prepare frutas e vegetais cortados com antecedência para um lanche rápido”.
  • Vá de “parar de comer estressado” para “fazer uma lista de atividades para aliviar o estresse para tentar quando me sentir estressado”.

Dicas para definir metas de condicionamento físico

Essas dicas foram elaboradas para ajudá-lo a aprender como criar metas flexíveis, mensuráveis ​​​​e alinhadas com seus valores pessoais.

Dica de definição de metas nº 1: use a estrutura de metas SMART

As metas SMART são uma excelente maneira de atingir seus objetivos de condicionamento físico. Ele significa:

  • Específico: Defina claramente o que você deseja realizar. Em vez de um objetivo vago como “ficar em forma”, especifique “fazer exercícios quatro dias por semana”.
  • Mensurável: Estabeleça métricas concretas para acompanhar o progresso. Isso pode envolver o monitoramento de seus treinos, sua ingestão diária de alimentos ou sua quilometragem semanal de corrida.
  • Alcançável: Mantenha seu objetivo realista e alcançável. Definir uma meta excessivamente ambiciosa pode levar ao desânimo.
  • Relevante: Alinhe suas metas de condicionamento físico com seus objetivos gerais e estilo de vida. Considere como atingir esse objetivo contribui para o seu bem-estar a longo prazo.
  • Oportuno: Defina um cronograma claro para seu objetivo. Em vez de pretender “correr uma maratona algum dia”, especifique “completar uma meia maratona em seis meses”. Isso fornece um senso de urgência e ajuda você a permanecer no caminho certo.

Dica 2 para definição de metas: deixe espaço para flexibilidade e adaptação

Contratempos ou circunstâncias imprevistas são uma parte natural de qualquer jornada. Tente vê-los como oportunidades para recalibrar sua abordagem. Considere rotas alternativas para o seu objetivo e esteja aberto para modificar cronogramas ou ajustar expectativas.

Dica de definição de metas nº 3: escolha metas que sejam significativas e importantes para você

Quando seus objetivos estão alinhados com o que realmente importa para você, é mais provável que você invista tempo, esforço e dedicação necessários para alcançá-los.

Metas significativas também levam você além dos desejos superficiais. Eles servem como uma poderosa fonte de inspiração, alimentando sua determinação mesmo diante de desafios.

Que aspectos do condicionamento físico têm importância genuína para você? Seja melhorando sua saúde geral, ganhando força ou aumentando seu bem-estar mental, escolha aqueles que realmente ressoam.

Dica de definição de metas nº 4: explore o seu “porquê”

É para se sentir mais energizado, para ser um modelo para seus filhos ou para ganhar confiança em sua própria pele?

Seu “porquê” serve de combustível para seus objetivos.

Por exemplo, se o seu sonho é correr uma maratona, o seu “porquê” pode ser provar a si mesmo que você pode vencer qualquer desafio, por mais assustador que seja. Esse impulso interno será uma fonte constante de inspiração em sua jornada.

Reserve alguns minutos para escrever uma ou duas frases sobre o que o motiva. Lembre-se de que o seu “porquê” o orienta em direção às metas de condicionamento físico que realmente são importantes para você.

Como se manter motivado para alcançar seus objetivos

É fácil definir metas, mas pode ser um desafio cumpri-las.

Aqui estão cinco estratégias para manter o curso.

Estratégia de motivação nº 1: monitore sua atividade e acompanhe seu progresso

Monitorar regularmente suas atividades físicas e acompanhar seu progresso fornece evidências tangíveis de sua consistência, crescimento e realizações.

Tente registrar um diário todos os dias ou use um aplicativo de fitness para acompanhar. Este registro serve como um lembrete visual de sua dedicação e determinação – e mantém você honesto sobre como você está se apresentando.

Estratégia de motivação nº 2: vá com calma

Deslizes e dias de folga são uma parte natural de qualquer jornada de preparação física. Um erro não apaga todo o progresso que você fez.

Reserve um momento para revisitar o seu “porquê”, lembrando-se do propósito mais profundo por trás de seus objetivos. Essa mudança de perspectiva pode ajudá-lo a se livrar de deslizes menores (e normais), recuperar o foco no “quadro geral” e permitir que você avance com determinação renovada.

Estratégia de motivação nº 3: Divida os grandes objetivos em objetivos menores

Esta abordagem transforma resultados grandes e intimidadores em passos práticos e mais administráveis.

Por exemplo, em vez de se concentrar em perder 50 quilos, concentre-se em objetivos comportamentais estratégicos menores, como atingir metas nutricionais diárias ou comprometer-se com exercícios regulares. Esse método não apenas torna o processo menos cansativo, mas também aumenta sua confiança à medida que você realiza cada componente de seu objetivo de forma constante.

Estratégia de motivação nº 4: Trabalhe com um coach para mantê-lo responsável

Um coach fornece responsabilidade, mantendo você no caminho certo e motivado. Entre outras coisas, oferecem orientação e planos personalizados para suas necessidades específicas.

Esteja você tentando aprender como se alimentar de maneira mais saudável ou deseja correr sua primeira maratona, eles o ajudarão a definir metas de longo e curto prazo para chegar lá de maneira saudável, positiva e eficiente.

Exemplos de metas de condicionamento físico (ideias de lugares para começar)

Se você quer ficar mais saudável mas não sabe por onde começar, esses exemplos podem servir de inspiração.

Não que essas sejam metas que você precise seguir. Em vez disso, pense neles como um ponto de partida para descobrir seu destino de fitness pessoal e como você pode chegar lá. (Modifique conforme necessário!)

Exemplo de meta nº 1: treino X dias durante o mês

Uma meta específica de condicionamento físico pode ser o compromisso de treinar um determinado número de dias por mês. Por exemplo, definir uma meta de treinar 15 dias por mês.

Isso fornece uma meta clara e mensurável, com progresso feito a cada dia de exercício.

Exemplo de meta nº 2: experimentar um novo tipo de treino por semana/mês

Definir uma meta de experimentar um novo tipo de treino a cada semana ou mês traz diversidade – e uma sensação de diversão e aventura – à sua rotina de exercícios.

Também não exige uma mudança drástica em sua agenda ou recursos e é uma oportunidade para explorar diferentes atividades. Você pode até encontrar novos que tornem seu condicionamento físico mais agradável.

Exemplo de meta nº 3: média de X passos por dia durante um mês

Talvez seu objetivo seja calcular a média de um número específico de passos por dia durante um mês, adaptado ao seu nível de condicionamento físico atual.

(Vantagens: esse objetivo é superacessível. Pode ser feito em praticamente qualquer lugar, a qualquer hora e não requer nenhum equipamento especializado.)

Exemplo de meta nº 1: alongar por X minutos após cada treino

Reserve um período específico de tempo – digamos, 10 a 15 minutos – após cada treino para se concentrar no alongamento de vários grupos musculares. Isso aumentará a flexibilidade, ajudará na recuperação e reduzirá o risco de lesões.

Exemplo de meta nº 1: realizar X flexões consecutivas

Comece com um número que seja desafiador, mas alcançável com base no seu nível de condicionamento físico atual.

À medida que aumenta gradualmente sua força, você pode ajustar o número alvo de acordo até atingir o número desejado de flexões consecutivas.

Estamos aqui para ajudá-lo a alcançar seus objetivos

Você não precisa enfrentar sua jornada de preparação física sozinho.

Na Precision Nutrition, nossos treinadores de saúde de elite estão comprometidos em ajudá-lo a se sentir mais saudável e próspero. Eles têm experiência em ajudar os clientes a ter sucesso, por isso podem ajudá-lo a definir metas realistas e alcançá-las em um ritmo que funcione para você.

Explore nosso Programa de Coaching 1:1 hoje mesmo para começar!

Fonte: www.precisionnutrition.com

13 perguntas para fazer ao seu novo treinador de saúde

Revisado por Brian St.


Inscrever-se com um treinador de saúde é um investimento.

Tempo! Dinheiro! Fazendo coisas!

É também um investimento em você mesmo.

Com isso em mente, estamos aqui para ajudá-lo a descobrir como encontrar o melhor treinador de saúde para você, considerando seus objetivos de condicionamento físico, estilo de vida e personalidade.

Por que você deve entrevistar seu novo técnico de saúde em potencial

Conversar com possíveis treinadores de saúde é realmente a única maneira de descobrir se você “vibra” com eles.

Se você vai investir tempo, dinheiro e energia nesse relacionamento, deve ser com alguém com quem você se sinta confortável, e a maneira de descobrir isso é por meio de uma entrevista.

Entreviste de três a cinco candidatos em potencial antes de escolher a pessoa com quem trabalhará. O objetivo dessas entrevistas não é “confundir” um treinador com perguntas difíceis. Em vez disso, trata-se de ter uma conversa ao vivo para garantir que você clique.

Para aproveitar ao máximo esta reunião, prepare uma lista de perguntas e pontos de discussão. Isso o ajudará a avaliar o quão bem cada coach se alinha com seus objetivos e se a abordagem deles funciona para você.

Não existe treinador “perfeito”.

Em vez disso, procure alguém que seja “bom o suficiente” e que possa simplesmente ajudá-lo a progredir.

Se você está escolhendo entre alguém com todas as qualificações “certas” no papel ou alguém com quem você realmente se conecta, escolha aquele com quem você tem uma boa conexão.

Coaching é um serviço baseado em relacionamento. O relacionamento que você constrói com seu coach é fundamental para alcançar os resultados que você procura.

13 perguntas para fazer ao seu novo técnico de saúde

Depois de restringir sua lista de treinadores em potencial, use este guia para fazer as perguntas certas. Após essas conversas, você provavelmente se sentirá pronto para escolher “aquele”.

1. Que experiência você tem trabalhando com clientes como eu?

Quando você está selecionando um técnico de saúde, uma das perguntas mais importantes que você pode fazer é sobre a experiência dele.

Especificamente, pergunte sobre o histórico deles com clientes que têm objetivos semelhantes aos seus ou aqueles de um grupo demográfico/estágio de vida semelhante ao seu.

Esta pergunta serve como um filtro para garantir que você está escolhendo um coach que entende suas necessidades específicas. Além disso, se um coach puder atestar pessoalmente que alcançou o objetivo pelo qual você está se esforçando, isso será uma prova poderosa de sua eficácia.

2. Quais são as suas credenciais?

Esta questão é provavelmente essencial: pode proporcionar-lhe confiança adicional e garantir que o treinador tenha uma certa base de conhecimento.

Além disso, alguns treinadores podem ter certificações de “nicho” – como condicionamento físico pré e pós-natal ou alimentação intuitiva – que podem beneficiar você e suas necessidades específicas.

No entanto, não se trata de priorizar certificações ou diplomas em vez da conexão pessoal que você tem com seu coach. Principalmente, trata-se de garantir que você esteja em boas mãos.

3. Qual é a sua filosofia de coaching?

A filosofia de um coach abrange suas crenças sobre saúde, bem-estar e sua abordagem para o estabelecimento e cumprimento de metas.

Preste muita atenção em como um coach articula sua filosofia. Está alinhado com seus valores e crenças em relação à saúde e bem-estar? Se “encaixar”, estabelece a base para um relacionamento de coaching produtivo e harmonioso.

4. Como é o seu processo de coaching?

Conhecer o processo de um coach permite antecipar as estratégias que ele empregará para ajudá-lo a alcançar seus objetivos. Também ajuda a avaliar se a abordagem deles funciona de acordo com suas preferências e expectativas.

Se tudo o que você ouviu do seu treinador parece bom até agora, é hora de ir mais fundo. As perguntas a seguir podem ajudá-lo a entender mais alguns detalhes sobre como seria trabalhar com eles.

5. Se eu me inscrever, vocês criarão meus treinos? (Ou: Em que você vai me ajudar?)

Entenda os serviços exatos que um coach fornecerá, como nutrição, movimento ou gerenciamento de estresse.

E descubra o quão flexível é o plano deles. Por exemplo, se você já tem um programa de exercícios com o qual se sente confortável, tudo bem se você persistir nele?

Por outro lado, se você estiver começando do zero, eles adaptarão um treino para atender às suas necessidades? Alguns treinadores colocam grande ênfase no exercício, enquanto outros podem ter uma abordagem mais flexível que se concentra na nutrição e outros hábitos de vida.

6. Como manteremos contato e com que frequência?

Alguns treinadores preferem check-ins regulares por meio de videochamadas, enquanto outros podem usar plataformas de mensagens ou correspondência por e-mail. De qualquer forma, é bom saber. (E é bom avaliar se o estilo de comunicação deles combina com você!)

Pergunte com que frequência você terá check-ins, atualizações de progresso ou oportunidades para fazer perguntas. Estabelecer isso agora economizará seu tempo e melhorará a comunicação contínua.

7. Se começássemos a trabalhar juntos amanhã, por onde começaríamos?

Um coach experiente terá um modelo inicial claro e estruturado para novos clientes.

Eles devem ser capazes de articular uma sequência lógica de etapas que demonstre sua experiência no processo de mudança. Isso lhe dá a confiança de que eles conduziram os clientes com sucesso por jornadas semelhantes no passado.

8. Se trabalharmos juntos, que compromisso de tempo se espera de mim (o cliente)?

Antes de fazer esta pergunta, considere seu disponibilidade e quanto tempo e energia você pode dedicar de forma realista à nutrição e ao condicionamento físico.

O nível de tempo e envolvimento necessários pode variar significativamente de um coach para outro. Portanto, encontre um coach que possa trabalhar de acordo com sua programação e nível de comprometimento.

Alguns treinadores podem ter uma abordagem mais estruturada, exigindo check-ins frequentes e comunicação consistente. Isto pode beneficiar clientes que necessitam de um nível mais elevado de responsabilidade e orientação estruturada.

Por outro lado, outros coaches podem oferecer um estilo “mais flexível”, fornecendo recursos e apoio que os clientes podem aceder ao seu próprio ritmo.

9. Quais ferramentas, aplicativos, plataformas e equipamentos você espera que os clientes usem?

Alguns coaches podem ter aplicativos ou plataformas específicas que preferem que os clientes usem para monitorar o progresso, enquanto outros trabalham apenas com o que você já tem em mãos.

Se eles tiverem ferramentas específicas que gostam de usar, apenas certifique-se de que você se sente confortável e capaz de usá-las.

10. Como você mede o progresso?

Descubra como seu treinador avaliará seu progresso – seja por meio de monitoramento de comportamentos, medidas corporais ou outras métricas.

Isso garante que você tenha uma compreensão clara de como seu progresso será avaliado – e comemorado!

11. Como você lida com altos e baixos na motivação?

Os altos e baixos da motivação são natural.

A resposta que você receber deve ser tranquilizadora, pois é provável que seja um indicativo de como eles o apoiarão quando você se sentir menos entusiasmado – ou mesmo frustrado – com o progresso. (Nota: Os fluxos e refluxos em andamento são também natural.)

Se um coach puder lidar com essas flutuações com empatia, compreensão e estratégias práticas, você terá um bom apoio.

12. Você tem algum ex-cliente com quem possa conversar?

Depoimentos, imagens de transformação e relatos pessoais podem fornecer evidências poderosas da capacidade de um coach em facilitar mudanças positivas.

Um coach organizado e eficaz não deve ter problemas para fornecer referências ou conectar você com clientes anteriores.

13. Que perguntas você tem para mim?

Um bom coach entende que coaching é um esforço colaborativo.

Eles reconhecem a importância de conhecê-lo, e esta pergunta permite ao coach reunir as informações necessárias para traçar um plano de coaching individualizado.

Além disso, um coach que tem um conjunto de perguntas ponderadas e pertinentes demonstra seu comprometimento com o seu sucesso. Eles devem estar interessados ​​nas suas aspirações, desafios e preferências, a fim de fornecer a melhor orientação e apoio possível.

Estamos aqui para ajudá-lo a alcançar seus objetivos

Você não precisa enfrentar sua jornada de saúde sozinho.

Nossos treinadores da Precision Nutrition são os melhores do setor, e nosso programa de treinamento 1: 1 com base científica é personalizado para atender às suas necessidades, estilo de vida e objetivos exclusivos. As videochamadas quinzenais e as mensagens diárias ajudam você a se manter motivado enquanto você gradualmente adquire as habilidades e o conhecimento para ter sucesso no bem-estar a longo prazo.

Saiba mais hoje e comece conhecendo seu treinador.

Fonte: www.precisionnutrition.com