Frutas: Conheça suas variedades e benefícios

A fruta é o ovário carnoso ou seco amadurecido de uma planta florida, envolvendo a semente ou sementes. Assim, damascos, bananas e uvas, assim como vagens de feijão, grãos de milho, tomates, pepinos e (em suas cascas) bolotas e amêndoas, são, tecnicamente, todos frutos. Popularmente, porém, o termo é restrito aos ovários maduros, que são doces e suculentos ou polpudos. Para o tratamento do cultivo de frutas, ver fruticultura. Para tratamento da composição nutritiva e processamento de frutas, ver fruticultura.

Botanicamente, uma fruta é um ovário maduro e suas partes associadas. Normalmente contém sementes, que se desenvolveram a partir do óvulo fechado após a fertilização, embora o desenvolvimento sem fertilização, chamado partenocarpia, seja conhecido, por exemplo, em bananas. A fertilização induz várias alterações em uma flor: as anteras e o estigma murcham, as pétalas caem e as sépalas podem ser derramadas ou sofrer modificações; o ovário se amplia, e os óvulos se desenvolvem em sementes, cada uma contendo uma planta embrionária. O principal objetivo do fruto é a proteção e disseminação da semente.

Os frutos são importantes fontes de fibras alimentares, vitaminas (especialmente a vitamina C) e antioxidantes. Embora os frutos frescos estejam sujeitos a deterioração, sua vida útil pode ser prolongada por refrigeração ou pela remoção de oxigênio de seus recipientes de armazenamento ou embalagem. As frutas podem ser processadas em sucos, geleias e conservadas por desidratação, enlatamento, fermentação e decapagem. Ceras, como as de bagas (murtas de cera), e marfim vegetal das frutas duras de uma espécie de palmeira sul-americana (Phytelephas macrocarpa) são importantes produtos derivados de frutas. Vários medicamentos provêm de frutas, como a morfina do fruto da papoila opiácea.

Foto: Reprodução

Quais são os tipos de frutas?

O conceito de “fruta” é baseado em uma mistura tão estranha de considerações práticas e teóricas que acomoda casos em que uma flor dá origem a vários frutos (larkspur), bem como casos em que várias flores cooperam na produção de um fruto (amora). As plantas de ervilha e feijão, exemplificando a situação mais simples, mostram em cada flor um único pistilo (estrutura feminina), tradicionalmente pensado como uma megasporofila ou carpel. Acredita-se que o carpelo seja o produto evolutivo de um órgão originalmente semelhante a uma folha, portando óvulos ao longo de sua margem. Este órgão foi de alguma forma dobrado ao longo da linha mediana, com um encontro e coalescência das margens de cada metade, sendo o resultado uma miniatura de cápsula fechada mas oca com uma fileira de óvulos ao longo da sutura. Em muitos membros das famílias das rosas e ranúnculos, cada flor contém um número de pistilos unicelulares semelhantes, separados e distintos, que juntos representam o que é conhecido como um gynoecium apocarpous. Em outros casos, dois a vários carpelos (ainda pensados como megasporófitos, embora talvez nem sempre justificadamente) são assumidos como fundidos para produzir um único composto gynoecium (pistil), cuja parte basal, ou ovário, pode ser uniloculada (com uma cavidade) ou pluriloculada (com vários compartimentos), dependendo do método de fusão do carpel.

A maioria das frutas se desenvolve a partir de um único pistilo. Um fruto resultante do gynoecium apocarpous (vários pistilos) de uma única flor pode ser referido como um fruto agregado. Um fruto múltiplo representa a gineceu de várias flores. Quando partes adicionais da flor, como o eixo do caule ou tubo floral, são retidas ou participam da formação do fruto, como na maçã ou no morango, resulta um fruto acessório.

Certas plantas, em sua maioria cultivadas, produzem espontaneamente frutos na ausência de polinização e fertilização; tal partenocarpia natural leva a frutos sem sementes, como bananas, laranjas, uvas e pepinos. Desde 1934, frutos sem sementes de tomate, pepino, pimentão, azevinho e outros têm sido obtidos para uso comercial através da administração de substâncias de crescimento vegetal, como ácido indoleacético, ácido indolebutírico, ácido acético naftaleno e ácido naftoxiacético β, aos ovários em flores (partenocarpia induzida).

Os sistemas de classificação de frutos maduros levam em conta o número de carpelos que constituem o ovário original, deiscência (abertura) versus indeiscência, e secura versus polpa. As propriedades da parede do ovário maduro, ou pericarpo, que pode se desenvolver total ou parcialmente em tecido carnoso, fibroso ou pedregoso, são importantes. Muitas vezes três camadas distintas de pericarpo podem ser identificadas: a externa (exocarpo), a média (mesocarpo), e a interna (endocarpo). Todos os sistemas puramente morfológicos (ou seja, esquemas de classificação baseados em características estruturais) são artificiais. Eles ignoram o fato de que os frutos só podem ser compreendidos funcional e dinamicamente.

Foto: Reprodução

Existem duas grandes categorias de frutas: frutas carnudas, nas quais o pericarpo e partes acessórias se desenvolvem em tecidos suculentos, como em berinjelas, laranjas e morangos; e frutas secas, nas quais todo o pericarpo se torna seco na maturidade. As frutas carnudas incluem (1) as bagas, como tomates, mirtilos e cerejas, nas quais todo o pericarpo e as partes acessórias são tecido suculento, (2) frutas agregadas, como amoras e morangos, que se formam a partir de uma única flor com muitos pistilos, cada um dos quais se desenvolve em fruteiras, e (3) frutas múltiplas, como abacaxis e amoras, que se desenvolvem a partir dos ovários maduros de toda uma inflorescência. Os frutos secos incluem as leguminosas, grãos de cereais, frutas capsuladas e nozes.

Como exemplificado de forma impressionante pela palavra noz, termos populares muitas vezes não descrevem adequadamente a natureza botânica de certas frutas. Uma castanha-do-pará, por exemplo, é uma semente de parede espessa encerrada em uma cápsula de parede igualmente espessa, juntamente com várias sementes irmãs. Um coco é uma drupa (um fruto de semente de pedra) com uma parte externa fibrosa. Uma noz é uma drupa na qual o pericarpo se diferenciou em uma casca externa carnuda e uma “casca” interna dura; a “carne” representa a semente-dois grandes cotilédones enrolados, um minuto epicótilo e hipocótilo. Um amendoim é um fruto de leguminosa indeiscente. Uma amêndoa é um “caroço” de drupa, ou seja, o endocarpo endurecido geralmente contém uma única semente. Botanicamente falando, as amoras e framboesas não são bagas verdadeiras, mas agregados de minúsculas drupas. Uma “baga” de zimbro não é um fruto, mas o cone de um gimnospermas. Uma amoreira é uma fruta múltipla feita de pequenas nozes rodeadas por sépalas carnudas. E o morango representa um receptáculo de muita lã (a ponta do talo da flor que contém as partes da flor), contendo em sua superfície convexa uma agregação de pequenas dores marrons (pequenos frutos de uma única semente).

Os frutos têm um papel importante na dispersão de sementes de muitas espécies vegetais. Em frutos deiscentes, como as cápsulas de papoula, as sementes são geralmente dispersas diretamente dos frutos, que podem permanecer sobre a planta. Em frutos carnudos ou indeiscentes, as sementes e os frutos são comumente afastados juntos da planta matriz. Em muitas plantas, como gramíneas e alface, o tegumento externo e a parede do ovário são completamente fundidos, de modo que sementes e frutos formam uma entidade; tais sementes e frutos podem logicamente ser descritos juntos como “unidades de dispersão”, ou diasporos. Para mais discussões sobre dispersão de sementes, ver semente: agentes de dispersão.

Uma grande variedade de animais auxilia na dispersão de sementes, frutos e diásporos. Muitas aves e mamíferos, desde ratos e ratos canguru até elefantes, atuam como dispersores quando comem frutos e diásporos. Nos trópicos, a quiropterocultura (dispersão por grandes morcegos como raposas voadoras, Pteropus) é particularmente importante. Os frutos adaptados a estes animais são relativamente grandes, com sementes grandes e um odor marcante (muitas vezes de ranking). Tais frutos são acessíveis aos morcegos devido à estrutura semelhante à pagode da copa da árvore, colocação dos frutos no tronco principal, ou suspensão de longos talos que ficam livres da folhagem. Exemplos incluem mangas, goiabas, fruta-pão, alfarroba e várias espécies de figueira. Na África do Sul um melão do deserto (Cucumis humifructus) participa de uma relação simbiótica com os aardvarks – os animais comem os frutos por seu conteúdo de água e enterram seu próprio esterco, que contém as sementes, perto de suas tocas.

Foto: Reprodução

As aves, por serem animais preguiçosos, raramente carregam no corpo diasporos parecidos com as queimaduras. Elas transportam, no entanto, os frutos muito pegajosos (viscosos) da Pisonia, uma árvore tropical da família das quatro horas, para ilhas distantes do Pacífico, desta forma. Pequenas diásporas, como as de sedimentos e certas gramíneas, também podem ser transportadas na lama aderida a aves aquáticas e terrestres.

O sinzoóforo, o transporte deliberado de diasporos por animais, é praticado quando as aves carregam diasporos em seus bicos. O Turdus viscivorus (Turdus viscivorus) deposita as sementes viscidais do visco (Viscum album) nas plantas hospedeiras potenciais quando, após uma refeição das bagas, ele aguça seu bico nos galhos ou simplesmente regurgita as sementes. O azevinho norte-americano (Phoradendron) e australiano (Amyema) são dispersos por várias aves, e as espécies tropicais comparáveis da família das plantas Loranthaceae por picadores de flores (da família das aves Dicaeidae), que possuem uma moela altamente especializada que permite a passagem das sementes, mas retém os insetos. As plantas também podem lucrar com o esquecimento e hábitos descuidados de certas aves comedoras de nozes que escondem parte de seu alimento, mas negligenciam a recuperação de tudo ou que deixam cair unidades a caminho de um esconderijo. Mais conhecidos neste aspecto são os quebra-nozes (Nucifraga), que se alimentam em grande parte das “nozes” de faia, carvalho, noz, castanha e avelã; os gaiolas (Garrulus), que escondem a avelãs e bolotas; os chacais de nozes; e o pica-pau da Califórnia (Melanerpes formicivorus), que pode incorporar literalmente milhares de bolotas, amêndoas e nozes pecan em fissuras de casca de árvore ou buracos de árvores. Os roedores podem ajudar na dispersão, roubando os diasporos embutidos e enterrando-os. Na Alemanha, um gaio médio pode transportar cerca de 4.600 bolotas por estação, ao longo de distâncias de até 4 km.

A maioria dos ornitóforos (plantas com sementes dispersas por pássaros) tem diasporos notáveis e atraentes para aves comedoras de frutas como tordos, pombos, barbatanas (membros da família das aves Capitonidae), tucanos (família Ramphastidae) e chifres (família Bucerotidae), todos eles excretando ou regurgitando a parte dura sem danos. Tais diásporos têm uma parte comestível carnosa, doce ou oleosa; cor marcante (muitas vezes vermelha ou alaranjada); nenhum odor pronunciado; proteção contra o consumo prematuro, na forma de ácidos e taninos presentes apenas no fruto verde; proteção da semente contra a digestão, proporcionada pelo amargor, dureza ou presença de compostos venenosos; fixação permanente; e, finalmente, ausência de cobertura externa dura. Ao contrário das diásporas dispersas pelos morcegos, elas não ocupam posição especial na planta. Exemplos são as ameixas, amora, groselha, frutos de noz-moscada, figos, entre outros. A ocorrência natural e abundante do Euonymus, que é um gênero amplamente tropical, na Europa temperada e na Ásia, só pode ser entendida em conexão com as atividades das aves. As aves também contribuíram substancialmente para o repovoamento com plantas do grupo da ilha de Krakatoa na Indonésia após a catastrófica erupção vulcânica ali ocorrida em 1883. As aves fizeram da Lantana (originalmente americana) uma praga na Indonésia e Austrália; o mesmo se aplica às cerejas pretas (Prunus serotina) em partes da Europa, às espécies de Rubus no Brasil e Nova Zelândia, e às azeitonas (Olea europaea) na Austrália.

Muitos frutos e sementes intactos podem servir como isca de peixe – os de Sonneratia, por exemplo, para o peixe-gato Arius maculatus. Certos peixes do Rio Amazonas reagem positivamente às “explosões” audíveis dos frutos maduros da Eperua rubiginosa. As maiores áreas úmidas de água doce do mundo, encontradas no Pantanal brasileiro, tornam-se inundadas por enchentes sazonais, numa época em que muitas plantas estão liberando seus frutos. Os peixes pacu (Metynnis) se alimentam de frutos submersos e flutuantes e dispersam as sementes quando defecam. Pensa-se que pelo menos uma espécie de planta (Bactris glaucescens) depende exclusivamente do pacu para a dispersão das sementes.

Foto: Reprodução

As evidências fósseis indicam que a saurochory, dispersão por répteis, é muito antiga. A tartaruga gigante Galápagos é importante para a dispersão dos cactos e tomates locais, e as iguanas são conhecidas por comer e dispersar uma série de frutos menores, incluindo a iguana hackberry (Celtis iguanaea). Os frutos alados são mais comuns em árvores e arbustos, como ácer, freixo, olmo, bétula, amieiro e dipterocarpos (uma família de cerca de 600 espécies de árvores tropicais do Velho Mundo). O tipo de hélice com uma asa, como encontrada no ácer, é chamado de samara. Quando os frutos têm várias asas nas laterais, pode ocorrer rotação, como no ruibarbo e nas espécies de docas. Algumas vezes as partes acessórias formam as asas – por exemplo, as brácteas (pequenas estruturas semelhantes a folhas verdes que crescem logo abaixo das flores) em tília (Tilia).

Muitas frutas formam plumas, algumas derivadas de estilos persistentes e finalmente peludos, como em clematis, avens e anémonas; algumas do perianth, como na família do sedge (Cyperaceae); e algumas do pappus, uma estrutura de cálice, como no dente-de-leão e no Jack-go-to-bed-at-noon (Tragopogon). Em frutos e sementes lanosas, o pericarpo ou a casca da semente é coberta com pelos de algodão – por exemplo, salgueiro, choupo ou madeira de algodão, algodão e balsa. Em alguns casos, os pelos podem servir com dupla função, pois funcionam tanto na dispersão da água quanto na dispersão do vento.

As papoulas têm um mecanismo no qual o vento tem que balançar o pé delgado dos frutos para frente e para trás antes que as sementes sejam lançadas para fora através dos poros próximos à parte superior da cápsula. As vagens infladas e indeiscentes de Colutea arborea, uma planta estepe, representam balões capazes de limitar as viagens aéreas antes que elas atinjam o solo e se tornem plantas de tombo sopradas pelo vento.

Geocarpia é definida como a produção de frutos subterrâneos, como nos lírios arum (Stylochiton e Biarum), nos quais as flores já são subterrâneas, ou o enterramento ativo dos frutos pela planta mãe, como no amendoim (Arachis hypogaea). No amendoim americano (Amphicarpa bracteata), as vagens de um tipo especial são enterradas pela planta e são armazenadas em cache pelos esquilos, mais tarde. A hera Kenilworth (Cymbalaria), que normalmente cresce em paredes de pedra ou tijolo, esconde seus frutos em fendas depois de estender os caules das flores de forma marcante. Não é de se estranhar que a geocarpia seja encontrada com mais frequência em plantas do deserto, porém também ocorre em espécies violetas, em trevos subterrâneos (Trifolium subterraneum) e em begônias (Begonia hypogaea) da floresta tropical africana.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios das frutas para a saúde?

Adicionar frutas à sua dieta é uma forma segura de se tornar mais saudável. A ingestão diária de frutas pode beneficiar o seu corpo de muitas maneiras. Você vai se surpreender com o quanto se sentirá melhor quando começar a comer mais frutas. Continue lendo para descobrir algumas coisas incríveis que a fruta faz pelo seu corpo.

Você sabe que você precisa beber mais água. Mas se você é como a maioria das pessoas, você não recebe de seis a oito copos de água por dia. Mas você sabia que a fruta é 80% de água? Então, se você adicionar mais frutas à sua dieta, você estará recebendo mais água na sua dieta. Não há outro alimento no planeta que contenha essa quantidade de água.

Se você tem problemas digestivos como cólica abdominal, constipação ou diarréia, você pode aliviar alguns desses sintomas comendo frutas. As frutas contêm fibras naturais que vão ajudar a regular os movimentos intestinais. Também está comprovado que as frutas são muito eficazes na redução dos seus níveis de colesterol. Isto pode ajudar a prevenir doenças cardíacas e acidentes vasculares cerebrais.

Outros estudos estão encontrando evidências de que as frutas ajudam a estimular a memória. Pessoas que comem frutas regularmente são capazes de reter informações e lembrá-las mais rapidamente do que aquelas que não fazem da fruta uma parte de sua dieta. Estudos também têm provado que pessoas que comem frutas ou bebem sucos de frutas regularmente diminuirão em até 76% o risco de contrair o mal de Alzheimer.

Foto: Reprodução

Uma grande razão para comer fruta é que ela é relativamente barata. Algumas pessoas acham que fruta fresca é muito cara e não podem pagar por isso. Mas pense no preço que você paga pelas refeições de saída ou pelo pacote de batatas fritas. Se você tem o hábito de substituir aqueles lanches insalubres por frutas, você não vai notar uma diferença na sua conta de comida. Se de fato, talvez seja menos! O verdadeiro benefício de substituir aqueles lanches insalubres por frutas é o fato de que você está se tornando muito mais saudável. Não há como colocar um preço na sua saúde.

É preciso lembrar que a fruta é o alimento mais natural do planeta. Não há muitos outros tipos de alimentos que você pode simplesmente colher da árvore ou do mato e entrar na boca sem ter que cozinhá-la primeiro. Seu corpo anseia por todos esses alimentos naturais. Frutas são alimentos do jeito que devem ser.

Portanto, se você acha que a fruta não é tão importante para a sua saúde, pense novamente. Ela pode fornecer água ao seu corpo, melhorar sua memória e pode ajudar a prevenir doenças. Há tantos benefícios em algo que é tudo natural e tão fácil de obter. Faça um favor ao seu corpo e comece a comer mais frutas. Você vai adorar a sua aparência e sentir-se bem.

Louva-a-deus: Tudo sobre o inseto

Os Louva-a-deus são uma ordem (Mantodea) de insetos que contém mais de 2.400 espécies em cerca de 430 gêneros em 15 famílias. A maior família é a Mantidae. Os louva-a-deus estão distribuídos mundialmente em habitats temperados e tropicais. Possuem cabeças triangulares com olhos protuberantes apoiados em pescoços flexíveis. Seus corpos alongados podem ou não ter asas, mas todos os Mantodeas têm patas dianteiras muito aumentadas e adaptadas para capturar e agarrar presas; sua postura ereta, embora permanecendo estacionária com os antebraços dobrados, levou ao nome comum de louva-a-deus.

Os parentes mais próximos dos louva-a-deus são as térmitas e baratas (Blattodea), que estão todas dentro da superordem Dictyoptera. Os louva-a-deus às vezes são confundidos com insetos de pau (Phasmatodea), outros insetos alongados, como gafanhotos (Orthoptera), ou outros insetos não relacionados com os dentes dianteiros de rapina, como os mantis (Mantispidae). Os louva-a-deus são, em sua maioria, predadores de emboscada, mas algumas espécies terrestres são encontradas perseguindo ativamente suas presas. Eles normalmente vivem por cerca de um ano. Em climas mais frios, os adultos depositam ovos no outono, depois morrem. Os ovos são protegidos por suas cápsulas duras e eclodem na primavera. As fêmeas às vezes praticam o canibalismo sexual, comendo seus companheiros após a cópula.

Os louva-a-deus eram considerados como tendo poderes sobrenaturais pelas primeiras civilizações, incluindo a Grécia Antiga, Egito Antigo e Assíria. Um tropo cultural popular nos desenhos animados imagina o louva-a-deus feminino como uma fêmea fatal. Os louva-a-deus estão entre os insetos mais comumente mantidos como animais de estimação.

Mais de 2.400 espécies de mantis em cerca de 430 gêneros são reconhecidas. São encontrados predominantemente em regiões tropicais, mas alguns vivem em áreas temperadas. A sistemática dos louva-a-deus tem sido discutida há muito tempo. Os louva-a-deus, juntamente com os insetos pau (Phasmatodea), foram outrora colocados na ordem Orthoptera com as baratas (agora Blattodea) e os rastejantes de pedra (agora Grylloblattodea). Kristensen (1991) combinou a Mantodea com as baratas e cupins na ordem Dictyoptera, subordem Mantodea. O nome mantodea é formado a partir das palavras gregas antigas μάντις (mantis) que significa “profeta”, e εἶδος (eidos) que significa “forma” ou “tipo”. Foi cunhado em 1838 pelo entomologista alemão Hermann Burmeister. A ordem é ocasionalmente chamada de mantes, usando um plural latinizado de mantis grego. O nome mantid propriamente dito refere-se apenas aos membros da família Mantidae, que foi, historicamente, a única família da ordem. O outro nome comum, mantis orante, aplicado a qualquer espécie da ordem (embora na Europa principalmente a Mantis religiosa), vem da típica postura “orante” com os membros dianteiros dobrados.

Foto: Reprodução

Uma das primeiras classificações que dividiu um Mantidae com tudo incluído em múltiplas famílias foi a proposta pela Beier em 1968, reconhecendo oito famílias, embora não tenha sido até a reclassificação de Ehrmann em 15 famílias em 2002 que uma classificação de múltiplas famílias se tornou universalmente adotada. Klass, em 1997, estudou os genitais masculinos externos e postulou que as famílias Chaeteessidae e Metallyticidae divergiam das outras famílias em uma data inicial. Entretanto, a Mantidae e a Thespidae ainda são consideradas polifiléticas, portanto a Mantodea terá que ser revisada.

Os fósseis mais antigos de mantis têm cerca de 135 milhões de anos, provenientes da Sibéria. Os fósseis do grupo são raros: em 2007, apenas cerca de 25 espécies fósseis eram conhecidas. As mantis fósseis, incluindo uma do Japão com espinhos nas pernas dianteiras como nas mantis modernas, foram encontradas no Cretáceo âmbar. A maioria dos fósseis no âmbar são ninfas; fósseis de compressão (na rocha) incluem adultos. Os louva-a-deus fósseis da Formação do Crato no Brasil incluem o Santanmantis axelrodi de 10 mm de comprimento, descrito em 2003; como nos louva-a-deus modernos, as patas dianteiras foram adaptadas para captura de presas. Espécimes bem preservados produzem detalhes tão pequenos quanto 5 μm através de tomografia computadorizada por raios X.

Por causa das pernas-de-leão superficialmente semelhantes, as moscas-guará podem ser confundidas com os louva-a-deus, embora não estejam relacionadas. Sua semelhança é um exemplo de evolução convergente; as moscas-guará não têm tégmina (asas dianteiras de couro) como os louva-a-deus, suas antenas são mais curtas e menos parecidas com fios, e a tíbia raptorial é mais musculosa que a de um louva-a-deus de tamanho semelhante e se dobra mais para trás na preparação para atirar para agarrar as presas.

Os louva-a-deus têm cabeças grandes, triangulares, com focinho em forma de bico e mandíbulas. Possuem dois olhos compostos de bulbos, três pequenos olhos simples, e um par de antenas. A articulação do pescoço também é notavelmente flexível; algumas espécies de louva-a-deus podem girar suas cabeças quase 180°. O tórax do mantis consiste de um pró-tórax, um mesotórax e um metatarórax. Em todas as espécies além do gênero Mantoida, o pró-tórax, que carrega a cabeça e as patas dianteiras, é muito mais longo que os outros dois segmentos torácicos. O pró-tórax também é articulado de forma flexível, permitindo uma ampla gama de movimentos da cabeça e dos membros anteriores, enquanto o restante do corpo permanece mais ou menos imóvel.

Foto: Reprodução

Os louva-a-deus têm duas patas dianteiras com dois espigões (“pernas de rapina”) em que as presas são apanhadas e seguradas com segurança. Na maioria das patas de insetos, incluindo as quatro patas posteriores de um louva-a-deus, a coxa e o trocânter se combinam como uma base discreta da perna; nas patas raptoriais, no entanto, a coxa e o trocânter se combinam para formar um segmento tão longo quanto o fêmur, que é uma parte espinhosa do aparelho de agarrar (veja ilustração). Localizado na base do fêmur está um conjunto de espinhos discóides, geralmente quatro em número, mas variando de nenhum a até cinco, dependendo da espécie. Estas espinhas são precedidas por uma série de tubérculos dentados que, juntamente com uma série similar de tubérculos ao longo da tíbia e a garra apical próxima à sua ponta, dão à perna dianteira do mantis a sua preensão sobre a presa. A perna dianteira termina em um delicado tarso usado como apêndice de caminhada, feito de quatro ou cinco segmentos e terminando em uma garra de dois dedos sem aro.

Os louva-a-deus podem ser categorizados como macropterosos (de asas longas), braquitosos (de asas curtas), micropterosos (de asas vestigiais), ou aptos (sem asas). Se não sem asas, um mantis tem dois conjuntos de asas: as asas externas, ou tegmina, são geralmente estreitas e coriáceas. Funcionam como camuflagem e como escudo para as asas traseiras, que são mais claras e delicadas. O abdômen de todos os mantis consiste em 10 tergites, com um conjunto correspondente de nove tergites visíveis nos machos e sete visíveis nas fêmeas. O abdômen tende a ser mais fino nos machos do que nas fêmeas.

Os louva-a-deus têm visão estereoscópica. Eles localizam suas presas pela visão; seus olhos compostos contêm até 10.000 ommatideias. Uma pequena área na frente chamada fóvea tem maior acuidade visual do que o resto do olho, e pode produzir a alta resolução necessária para examinar potenciais presas. A ommatidia periférica está preocupada em perceber o movimento; quando um objeto em movimento é notado, a cabeça é rapidamente girada para trazer o objeto para o campo visual da fóvea. Outros movimentos da presa são então rastreados pelos movimentos da cabeça do artífice, de modo a manter a imagem centrada na fóvea. Os olhos são amplamente espaçados e situados lateralmente, proporcionando um amplo campo de visão binocular e uma visão estereoscópica precisa a curta distância. A mancha escura em cada olho que se move ao girar a cabeça é uma pseudopupila. Isto ocorre porque as ommatidia que são vistas “de frente” absorvem a luz incidente, enquanto as que estão ao lado refletem-na.

Como a sua caça depende muito da visão, as mantises são principalmente diurnas. Muitas espécies, no entanto, voam à noite, e depois podem ser atraídas por luzes artificiais. Os louva-a-deus da família Liturgusidae coletados à noite têm se mostrado predominantemente machos; isto é provavelmente verdade para a maioria dos louva-a-deus. O voo noturno é especialmente importante para os machos na localização de fêmeas menos móveis através da detecção de suas feromonas. Voar à noite expõe os louva-a-deus a menos predadores de aves do que um voo noturno. Muitos louva-a-deus também possuem um órgão torácico auditivo que os ajuda a evitar morcegos, detectando suas chamadas de ecolocalização e respondendo de forma evasiva.

Foto: Reprodução

Louva-a-deus são predadores generalistas de artrópodes. A maioria dos louva-a-deus são predadores de emboscada que só se alimentam de presas vivas ao seu alcance. Eles ou se camuflam e permanecem estacionários, esperando a aproximação das presas, ou perseguem suas presas com movimentos lentos e furtivos. As grandes mantis às vezes comem indivíduos menores de sua própria espécie, assim como pequenos vertebrados como lagartos, sapos, pequenos pássaros e peixes.

A maioria dos louva-a-deus persegue presas tentadoras se se afastarem o suficiente, e irão mais longe quando estiverem especialmente famintas. Uma vez ao seu alcance, os louva-a-deus atacam rapidamente para agarrar a presa com as suas presas de rapina. Algumas espécies de terra e casca perseguem suas presas de uma forma mais ativa. Por exemplo, membros de alguns gêneros, tais como os louva-a-deus do solo, Entella, Ligaria e Ligariella correm sobre o solo seco em busca de presas, assim como os escaravelhos-tigre fazem.

O intestino dianteiro de algumas espécies estende-se por todo o comprimento do inseto e pode ser usado para armazenar presas para posterior digestão. Isto pode ser vantajoso em um inseto que se alimenta de forma intermitente. Os insetos chineses vivem mais tempo, crescem mais rápido e produzem mais crias quando são capazes de comer pólen.

Os louva-a-deus são presas por vertebrados como sapos, lagartos e aves, e por invertebrados como aranhas, grandes espécies de vespas e formigas. Algumas vespas de caça, como algumas espécies de Tachytes, também paralisam algumas espécies de mantis para alimentar seus filhotes. Geralmente, os mantis se protegem por camuflagem, sendo a maioria das espécies de cor críptica para se assemelharem à folhagem ou outros fundos, tanto para evitar predadores como para melhor capturarem suas presas. As que vivem em superfícies uniformemente coloridas, como terra nua ou casca de árvore, são achatadas dorsoventralmente de forma a eliminar sombras que possam revelar sua presença. As espécies de diferentes famílias, chamadas de floreiro, são mímicas agressivas: assemelham-se às flores de forma convincente o suficiente para atrair presas que vêm para coletar pólen e néctar. Algumas espécies na África e na Austrália são capazes de ficar negras após uma muda no final da estação seca; nesta época do ano, ocorrem incêndios florestais e esta coloração permite que se misturem com a paisagem devastada pelo fogo.

Foto: Reprodução

Quando diretamente ameaçadas, muitas espécies de mantis se erguem e espalham suas patas dianteiras, com suas asas abertas para fora. O leque das asas faz com que os mantis pareçam maiores e mais ameaçadores, com algumas espécies realçando este efeito com cores e padrões brilhantes em suas asas traseiras e superfícies internas das patas dianteiras. Se o assédio persistir, um louva-a-deus pode atacar com suas patas dianteiras e tentar beliscar ou morder. Como parte da ameaça de blefe (deimatic), algumas espécies também podem produzir um som de assobio expelindo o ar dos espiráculos abdominais. Quando voam à noite, pelo menos alguns louva-a-deus são capazes de detectar os sons de ecolocalização produzidos pelos morcegos; quando a frequência começa a aumentar rapidamente, indicando um morcego em aproximação, eles param de voar horizontalmente e iniciam uma espiral descendente em direção à segurança do solo, muitas vezes precedida por um loop aéreo ou giro. Se pegos, podem cortar os captores com suas pernas raptadas.

Os louva-a-deus, como os insetos de pau, mostram um comportamento de balanço em que o inseto faz movimentos rítmicos e repetitivos de um lado para o outro. As funções propostas para este comportamento incluem o realce do crypsis por meio da semelhança com a vegetação em movimento no vento. Entretanto, os movimentos de balanço repetitivos podem ser mais importantes para permitir que os insetos discriminem objetos do fundo pelo seu movimento relativo, um mecanismo visual típico de animais com sistemas de visão mais simples. Os movimentos de balanço destes insetos geralmente sedentários podem substituir o voo ou a corrida como uma fonte de movimento relativo dos objetos no campo visual. Como as formigas podem ser predadoras de mantis, gêneros como Loxomantis, Orthodera e Statilia, como muitos outros artrópodes, evitam atacá-los. Explorando este comportamento, uma variedade de artrópodes, incluindo alguns mantises precoces, imitam as formigas para fugir de seus predadores.

A época de acasalamento em climas temperados ocorre normalmente no outono, enquanto em áreas tropicais, o acasalamento pode ocorrer em qualquer época do ano. Para acasalar após o cortejo, o macho geralmente salta para as costas da fêmea, apertando o tórax e as bases das asas com seus membros anteriores. Em seguida, ele levanta o abdômen para depositar e armazenar o esperma em uma câmara especial perto da ponta do abdômen da fêmea. A fêmea deposita entre 10 e 400 ovos, dependendo da espécie. Os ovos são tipicamente depositados em uma espuma produzida em massa pelas glândulas do abdômen. Esta espuma endurece, criando uma cápsula protetora, que junto com a massa de ovos é chamada de ooteca. Dependendo da espécie, a ooteca pode ser fixada a uma superfície plana, enrolada em torno de uma planta, ou mesmo depositada no solo Apesar da versatilidade e durabilidade dos ovos, eles são frequentemente presas, especialmente por várias espécies de vespas parasitoides. Em algumas poucas espécies, a maioria delas moídas e descascadas na família Tarachodidae, a mãe guarda os ovos. A críptica Tarachodes maurus se posiciona sobre a casca com seu abdômen cobrindo sua cápsula de ovos, emboscando presas que passam e se movendo muito pouco até que os ovos ecludam. Uma estratégia reprodutiva incomum é adotada pelos mantis de Brunner do sul dos Estados Unidos; nenhum macho jamais foi encontrado nesta espécie, e as fêmeas se reproduzem partenogeneticamente. A capacidade de reprodução por partenogênese foi registrada em pelo menos duas outras espécies, Sphodromantis viridis e Miomantis sp., embora estas espécies geralmente se reproduzam sexualmente. Em climas temperados, os adultos não sobrevivem ao inverno e os ovos passam por uma diapausa, eclodindo na primavera.

Como nos grupos de insetos estreitamente relacionados na superordem Dictyoptera, as mantises passam por três estágios de vida: ovo, ninfa e adulto (as mantises estão entre os insetos hemimetabolos). Para as espécies menores, os ovos podem eclodir em 3-4 semanas, ao invés de 4-6 semanas para as espécies maiores. As ninfas podem ser coloridas de forma diferente do adulto, e os estágios iniciais são muitas vezes mímicas de formigas. Uma mantis ninfa cresce maior à medida que molesta seu exoesqueleto. A muda pode acontecer de 5 a 10 vezes antes do estágio adulto ser atingido, dependendo da espécie. Após a muda final, a maioria das espécies tem asas, embora algumas espécies permaneçam sem asas ou braquitosas (“short-winged”), particularmente no sexo feminino. A vida útil de um mantis depende da espécie; as menores podem viver 4-8 semanas, enquanto as maiores podem viver 4-6 meses.

Foto: Reprodução

O canibalismo sexual é comum entre a maioria das espécies predadoras de mantis em cativeiro. Tem sido observado algumas vezes em populações naturais, onde cerca de um quarto dos encontros macho-fêmea resulta no consumo do macho pela fêmea. Cerca de 90% das espécies predadoras de mantis exibem canibalismo sexual. Os machos adultos normalmente superam as fêmeas no início, mas seu número pode ser bastante equivalente mais tarde na fase adulta, possivelmente porque as fêmeas comem seletivamente os machos menores. Em Tenodera sinensis, 83% dos machos escapam do canibalismo após um encontro com uma fêmea, mas como ocorrem múltiplos acasalamentos, a probabilidade de um macho ser comido aumenta cumulativamente.

A fêmea pode começar a se alimentar mordendo a cabeça do macho (como fazem com as presas regulares), e se o acasalamento já começou, os movimentos do macho podem se tornar ainda mais vigorosos no seu parto de esperma. Os primeiros pesquisadores pensavam que como o movimento copulatório é controlado por um gânglio no abdômen e não na cabeça, a remoção da cabeça do macho era uma estratégia reprodutiva das fêmeas para aumentar a fertilização enquanto se obtém o sustento. Mais tarde, este comportamento pareceu ser um artefato de observação laboratorial intrusiva. Se o comportamento é natural no campo ou também o resultado de distrações causadas pelo observador humano, permanece controverso. Osantis são organismos altamente visuais e notam qualquer distúrbio no laboratório ou no campo, tais como luzes brilhantes ou cientistas em movimento. Os louva-a-deus chineses que foram alimentados ad libitum (para que não passassem fome), na verdade, demonstraram um comportamento de cortejamento elaborado, quando deixados sem serem perturbados. O macho envolve a fêmea em uma dança de cortejo, para mudar seu interesse de se alimentar para o acasalamento. Sob tais circunstâncias, a fêmea tem sido conhecida por responder com uma exibição defensiva deimatica, piscando os olhos coloridos no interior de suas pernas dianteiras.

A razão do canibalismo sexual tem sido debatida; experimentos mostram que as fêmeas em dietas pobres são mais propensas ao canibalismo sexual do que as que fazem boas dietas. Algumas hipóteses apontam que machos submissos ganham uma vantagem seletiva ao produzir descendentes; isto é sustentado por um aumento quantificável na duração da cópula entre os machos que são canibalizados, em alguns casos dobrando tanto a duração quanto a chance de fertilização. Isto é contrastado por um estudo onde os machos foram vistos a se aproximarem de fêmeas famintas com mais cautela, e mostraram que permanecem montados em fêmeas famintas por mais tempo, indicando que os machos que evitam ativamente o canibalismo podem acasalar com múltiplas fêmeas. O mesmo estudo também descobriu que as fêmeas famintas geralmente atraíam menos machos do que aqueles que estavam bem alimentados. O ato de desmontar após a cópula é perigoso para os machos, pois nesta época, as fêmeas canibalizam com mais freqüência seus companheiros. Um aumento na duração da montagem parece indicar que os machos esperam por um tempo oportuno para desmontar uma fêmea faminta, que provavelmente canibalizaria seu companheiro.

Alho poró: Conheça os benefícios do vegetal

O alho poró é um vegetal de folhas pertencentes ao gênero Allium, família Amaryllidacea e subfamília Allioideae. As bainhas foliares comestível do alho poró têm inúmeros usos culinários. Estas bainhas foliares comestíveis são às vezes erroneamente chamadas de talo ou caule. O vegetal também tem inúmeros benefícios à saúde.

Muitos nomes científicos têm sido usados para se referir ao alho poró, mas eles não são mais usados. O alho poró é agora contado entre as cultivares do Allium ampeloprasum. O nome Allium porrum é usado ocasionalmente para se referir a todo o grupo desta hortaliça. Ele se assemelha ao aparecimento de grandes cebolinhas com um pequeno bulbo e hastes longas, brancas e cilíndricas. Aqui está uma descrição geral:

Tamanho: As plantas cultivadas de alho poró crescem em torno de 12 polegadas de comprimento, com o diâmetro variando entre 1 e 2 polegadas. Alho-poró ou rampas são bem menores em comparação com as espécies cultivadas.
Folhas: Os caules do alho poró possuem camadas sobrepostas que fluem para formar folhas verdes lisas e bem envoltas.
Sabor: O sabor forte das espécies cultivadas lembra o das chalotas ou cebolas, mas é mais sutil e doce.
Paladar: O alho poró tem sabor de cebola, mas são muito menos picantes.
Textura: Tem uma textura firme mas crocante no estado bruto.

Foto: Reprodução

Distribuição

O alho poró é originário da Ásia Central, mas cresce em várias partes do mundo, incluindo os países do Mediterrâneo e da Ásia Ocidental. Este vegetal é cultivado nas partes ocidentais da Europa há muito tempo. O alho poró também é cultivado em vários países da América do Norte.

Quais são os benefícios do alho poró para a saúde?

O alho poró tem inúmeros benefícios à saúde a oferecer com seu rico conteúdo nutricional e várias propriedades que são boas para o corpo humano. Os principais benefícios do alho poró para a saúde incluem:

Imunidade mais forte: É rica em vitamina A que é conhecida por suas propriedades anti-infecciosas. A vitamina A ajuda a melhorar a imunidade, mantendo a saúde e integridade do revestimento mucoso da garganta, nariz, trato digestivo, assim como do trato urinário. Esta vitamina também é crucial para o desenvolvimento e funcionamento dos leucócitos (glóbulos brancos).

Propriedades antibacterianas: Suas propriedades antibacterianas vêm de seu conteúdo de alliinase, que não é tão forte quanto nas espécies relacionadas ao alho, mas ainda assim forte o suficiente para prevenir várias condições bacterianas. Uma vez cortado o vegetal, seu conteúdo de alliinase reage com oxigênio e forma alicina, composto de enxofre. Pesquisas comprovaram que a alicina combate o estafilococo e as cepas bacterianas de coli presentes no frango. Isto ajuda a prevenir a doença causada por estes micro-organismos.

Propriedades diuréticas: Alguns estudos sugerem que o alho poró tem propriedades diuréticas que o tornam eficaz contra edema ou retenção de líquidos. Os cientistas ainda estão realizando pesquisas para descobrir o potencial deste vegetal no combate a esta condição de saúde.

Funções prebióticas: Este vegetal verde pertence aos grupos de oligossacarídeos dos carboidratos. Estes carboidratos ajudam as bactérias saudáveis a crescer dentro do intestino grosso, transformando as atividades metabólicas da microflora em bifidobactérias.

Caloria e fibra: O alho poró é pobre em calorias: 100 gramas do vegetal fresco contém apenas cerca de 61 calorias. Além disso, o alho poró é uma excelente fonte tanto de fibras solúveis quanto de fibras insolúveis.

Prevenção de doenças inflamatórias: O alho poró pode reduzir as chances de desenvolver várias doenças inflamatórias, incluindo diabetes tipo 2, aterosclerose e artrite reumatoide. Seu conteúdo de kaempferol e polifenol também os torna úteis no combate a muitas doenças inflamatórias crônicas.

Proteção de Revestimentos de Vasos Sanguíneos: O kaempferol flavonoide também tem um papel vital na proteção dos revestimentos dos vasos sanguíneos contra os efeitos nocivos do oxigênio reativo e dos radicais livres. O kaempferol pode promover a produção de óxido nítrico no organismo. O óxido nítrico ajuda os vasos sanguíneos a se dilatar e relaxar, diminuindo os riscos de hipertensão.

Cicatrização rápida de feridas: Seu rico teor de vitamina C é benéfico para a formação de colágeno e cicatrização de feridas.

Bom para os ossos: É uma boa fonte de vitamina K, bem como de minerais como cálcio e magnésio, o que a torna benéfica para a força e desenvolvimento dos ossos.

Propriedades laxativas: Possuem propriedades laxativas leves, resultantes de seu rico conteúdo de taninos. Isso os torna úteis no combate à constipação.

Imagem: Reprodução

Quais são as utilizações do alho poró?

Os principais usos culinários e medicinais são mencionados abaixo:

Usos comestíveis

  • O alho poró é frequentemente utilizado em estoques para adicionar um sabor especial.
  • As folhas destas plantas são às vezes amarradas junto com certas ervas para fazer um bouquet garni.
  • O alho poró é utilizado como ingrediente principal na preparação de várias sopas, bolinhos, pratos de legumes, assim como pratos de peixe e carne.
  • Alhos porós finamente picados são adicionados às saladas para realçar o sabor e o paladar.
  • Outro uso comum do legume é nas omeletes.
  • As tiras de alho poró frito fazem excelentes petiscos e também podem ser usadas para guarnecer outros pratos.
  • Legumes desidratados são usados para fazer alimentos empacotados como sopa mista seca.
  • Usos medicinais
  • Os usos medicinais destas plantas são semelhantes aos do seu alho parente próximo. Quando as folhas são quebradas, elas secretam um tipo de gel que tem certos usos medicinais. O gel é aplicado em cortes, queimaduras e erupções cutâneas para acelerar o seu processo de cicatrização. O alho poró feito com as folhas de alho-poró é útil para o tratamento de cistos. A área afetada precisa ser coberta com o cataplasma antes de amarrar a ferida com um curativo e depois deixá-la assim por alguns dias.
Foto: Reprodução

Como cozinhar alho poró?

Os alhos porós são geralmente cortados em fatias de 5 a 10 mm de espessura antes de serem cozidos. A estrutura em camadas da planta frequentemente faz com que as fatias se desfaçam. É essencial lavá-las para uma limpeza adequada antes do corte. A lavagem torna-se impossível após o corte. É aconselhável esperar 10 minutos antes de cozinhar as fatias cortadas para permitir que a alliinase nelas formem allicina. Isto faz com que se obtenha o máximo de benefícios com ela. Existem várias maneiras de preparar o alho poró, sendo as mais comuns:

Fervura: Uma vez cozido, o vegetal fica macio e seu sabor torna-se suave. É aconselhável cortar o alho-poró antes de ferver; caso contrário, as fibras que percorrem o comprimento destes vegetais tendem a se emaranhar em uma massa enquanto mastigam.

Saltear ou fritar: Também podem ser apreciados após saltear ou fritar em profundidade. O alho poró frito é crocante devido à sua textura crocante, mas ainda assim mantêm o sabor delicado. O legume é normalmente cortado em tiras longas antes de ser salteado ou frito.

Crua: Também pode ser consumida crua em saladas, após a lavagem adequada.

Foto: Reprodução

Receitas com alho poró

O alho poró é utilizado para preparar inúmeros pratos principais e acompanhamento de pratos. Aqui está o que se pode cozinhar com os legumes:

Salmão recheado com alho poró
Maçãs verdes salteadas e alho poró
Sopa de batata assada e alho poró com cheddar e bacon
Alho poró caramelizado sobre macarrão
Batata frita com alho poró
Purê de batata rosmaninho com alho poró
Torta de alho poró e queijo matzoh
Sopa de alho poró
Gratinado de batata doce e alho poró
Espargos, alho poró e batatas fritas
Sopa irlandesa de batata e alho poró
Vinagrete com alho poró
Alho poró refogado com limão
Torta de frango e alho francês
Alho poró refogado com tomilho
Sopa vegan de batata e alho poró
Alho poró grelhado e tomate seco
Torta cremosa de alho poró
Quiche de alho poró e bacon
Macarrão com banco e alho poró
Vieiras com alho-porro derretido e macarrão com ovo
Carne de Boi e Alho Francês Fritas
Alho-porro ao Molho de Queijo (ou Molho Branco)
Alho francês e couve frita com costeletas de cordeiro grelhadas
Sopa de alho poró e couve-de-bruxelas
Sopa de lentilha, alho poró e cogumelos
Caldo de couve-flor grelhado e alho poró
Sopa de abóbora e alho poró
Sopa de alho poró e funcho
Sopa de brócolis, espinafre e alho poró
Alho poró em conserva
Purê de cenoura, alho poró e salsa
Lasanha de espinafre com alho poró
Pizza de presunto, cogumelo e alho poró
Risotto de alho poró com batatas fritas e parmesão
Nabos braseados com alho poró e bacon
Tofu grelhado com alho poró

Foto: Reprodução

Suplementos a base de alho poró

Nenhum outro vegetal pode substituir perfeitamente o delicado sabor do alho poró. Mas, pode-se usar cebola verde, vieiras ou cebola amarela como seu substituto, caso ele esteja absolutamente indisponível. O alho poró também pode ser usado em algumas receitas. É fundamental o uso do vegetal substituto na proporção adequada. A cebola e o alho amarelo tem sabor muito mais forte, portanto, precisa ser utilizado em menor quantidade do que o alho poró.

Quais são os efeitos colaterais do alho poró?

Geralmente não causa quaisquer efeitos colaterais quando consumido em quantidades moderadas em alimentos. Entretanto, o consumo excessivo de alho poró pode levar a certas condições de saúde em alguns indivíduos.

Durante a gravidez

Seu rico conteúdo de ácido fólico (folato) torna o alho poró benéfico para mulheres grávidas. Comer alimentos ricos em ácido fólico durante a gravidez ajuda a prevenir vários defeitos congênitos no recém-nascido, especialmente aqueles associados à coluna vertebral e ao cérebro do bebê.

Foto: Reprodução

Onde comprar alho poró

O alho poró costuma estar disponível o ano inteiro nas lojas de hortaliças locais, varejões e mercados. Deve-se garantir que as folhas do alho poró estejam frescas enquanto se compra para obter o sabor mais forte e para armazená-las por mais tempo.

Como armazenar o alho poró

O alho poró fresco precisa ser embrulhado levemente em um saco plástico antes de ser armazenado na geladeira. Caso contrário, seu aroma forte é absorvido pelos outros itens armazenados na geladeira. Lavar o vegetal antes de armazená-lo não é aconselhável. Pode ser armazenado entre cinco dias e duas semanas, dependendo do seu frescor no momento da compra.

O alho poró cozido pode ser armazenado por um a dois dias quando armazenado em um recipiente coberto na geladeira. O congelamento não é uma forma útil de conservá-lo, a menos que se pretenda utilizá-lo apenas como aromatizante em sopas e pratos similares. O congelamento muitas vezes o torna em papa e amargo. Pode-se congelá-lo inteiro ou cortá-lo em fatias pequenas antes de colocá-lo em um saco de congelador hermético e armazená-lo no congelador. O congelamento permite armazená-lo por cerca de três meses.

Foto: Reprodução

Fatos interessantes sobre o alho poró

Descubra alguns fatos fascinantes sobre este vegetal:

De acordo com o filósofo grego Aristóteles, a perdiz recebe sua voz clara de sua dieta composta principalmente por Leeks.
Dizem as lendas que Nero, o imperador romano, consumia o legume todos os dias para ter uma voz mais forte.
Ela serve como o emblema nacional do País de Gales. Os soldados galeses mantinham alho poró em seus capacetes para se distinguir de seus inimigos durante sua batalha contra os saxões em 1620.

Manjerona: Tudo sobre a erva

A manjerona é uma erva que vem das folhas da planta que pertence ao gênero Origanum, que é da família da menta. As folhas de manjerona são de cor verde claro e têm uma forma oval. A manjerona é muitas vezes confundida com os oréganos por serem semelhantes. No entanto, a manjerona é considerada como suave em relação aos oréganos e tem características de sabor doce que os oréganos não contêm. A manjerona é uma erva perene.

Acredita-se que a manjerona veio originalmente da região do Mediterrâneo e Anatoila (Ásia Menor) e tem sido usada desde tempos antigos. Os antigos gregos utilizavam esta erva como tratamento natural para muitas doenças. Acreditavam que ajudava a curar de veneno, convulsões e edemas. Eles chamavam esta erva de montanha da alegria e coroavam jovens casais com ela durante as cerimônias de casamento.

Acreditava-se que a manjerona ajudava a nutrir o amor. Esta erva foi adicionada à comida para promover a civilidade e o amor. As mulheres carregavam esta erva em sacos e ela era colocada ao redor das casas para a fragrância doce. Também era usada em “feitiços de amor”. Uma jovem mulher colocava manjerona debaixo do travesseiro à noite acreditando que a erva ajudaria a revelar seu futuro marido enquanto sonhava.

A manjerona acabou indo para a Inglaterra, onde a usavam na cerveja e no tabaco. Era usada como ingrediente no rapé para adicionar um pouco de sabor de menta. A manjerona também era usada com freqüência na cerveja para o sabor e para atuar como conservante. Muitas pessoas acreditavam que se a manjerona crescesse em seu túmulo você teria felicidade no céu. Hoje, muitos ainda consideram que é uma boa sorte e felicidade ter a manjerona crescendo ao lado da sua sepultura.

Foto: Reprodução

A manjerona tem gosto semelhante ao dos oréganos suaves e muitas vezes são substituídos por outros. O orégano tem um sabor muito mais forte do que a manjerona. Esta erva é um ingrediente comum nas receitas de salsichas alemãs e polacas. Na culinária francesa, é frequentemente incluída na mistura de herbáceas para temperos. A manjerona é ótima em marinadas, molhos para salada e sopas, pois acrescenta um sabor agradável e suave.

A manjerona, também conhecida como manjerona doce, é uma erva aromática da família da hortelã que cresce no Mediterrâneo, Norte da África e Ásia Ocidental há milhares de anos. Embora semelhante aos oréganos, tem um sabor mais suave e é frequentemente usada para guarnecer saladas, sopas e pratos de carne. É particularmente potente quando seco, mas também pode ser usado fresco.

Além disso, a manjerona tem várias propriedades anti-inflamatórias e antimicrobianas comprovadas. Tem sido usada medicinalmente para ajudar a tratar uma variedade de doenças, incluindo problemas digestivos, infecções, e menstruação dolorosa. Folhas frescas ou secas podem ser transformadas em um chá ou extrato. Ambas as formas podem ser encontradas em lojas de alimentos saudáveis ou online.

É importante notar que os extratos de manjerona variam em força e pureza com base no fabricante e na fonte. Para ter certeza de que você está obtendo um produto de alta qualidade, procure a certificação de terceiros no rótulo.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios em potencial da manjerona para a saúde?

Pesquisas sugerem que a manjerona pode ter vários benefícios à saúde. Consumir grandes quantidades de manjerona pode aumentar significativamente a ingestão de micronutrientes e proporcionar benefícios à saúde. Mas não é provável que você consuma manjerona o suficiente para aproveitá-la. A maioria das receitas requer uma ou duas colheres de sopa da erva. Essa quantidade não mudará significativamente os benefícios nutricionais que você obtém da sua alimentação. A manjerona é usada na medicina folclórica em diferentes formas: como folhas secas, extrato de folhas e óleo essencial. De acordo com fontes da medicina natural, as pessoas podem usar produtos de manjerona para tratar:

  • Tosse
  • Frios
  • Cãibras no estômago
  • Problemas de fígado
  • Dor de cabeça
  • Diabetes
  • Sintomas da menopausa
  • Dor nos nervos
  • Dores musculares
  • Melhorar o apetite e a digestão
  • Melhorar o sono

Um estudo preliminar indicou que o óleo de manjerona pode ajudar a melhorar a função pulmonar em pessoas com asma. No entanto, a análise estatística do estudo foi questionada e mais pesquisas são necessárias para entender este efeito. Outro estudo investigou o papel que um óleo essencial contendo manjerona pode desempenhar em mulheres que passam por períodos dolorosos. O óleo que combinava lavanda, salva esclareia e óleo essencial de manjerona ajudou a reduzir a duração da dor menstrual quando aplicado topicamente no baixo ventre, mas como o creme era uma combinação de vários ingredientes, não está claro o quanto o óleo de manjerona teve um efeito.

O chá de manjerona pode ajudar as mulheres com síndrome ovariana policística (PCOS), segundo um estudo piloto publicado no Journal of Human Nutrition and Dietetics. Mas os autores do estudo observam que são necessários mais estudos para entender completamente o efeito.

Foto: Reprodução

Propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias

Os antioxidantes ajudam a prevenir danos celulares causados por moléculas potencialmente nocivas chamadas radicais livres. Vários compostos na manjerona, como o carvacrol, têm demonstrado ter efeitos antioxidantes. Em particular, eles podem ajudar a reduzir a inflamação em seu corpo.

Enquanto inflamação é uma resposta corporal normal, inflamação crônica pode aumentar seu risco de certas doenças, incluindo diabetes, câncer e distúrbios auto-imunes. Assim, a redução da inflamação pode diminuir o seu risco.

Pode ter atividade antimicrobiana

A manjerona também tem demonstrado propriedades antimicrobianas. Os usos comuns incluem a aplicação de seu óleo essencial diluído na pele para tratar infecções fúngicas, bem como tomar suplementos para ajudar a tratar o crescimento excessivo de bactérias intestinais.

Entretanto, mais pesquisas são necessárias sobre estes usos particulares. Além disso, esta erva é utilizada como pesticida natural para várias culturas alimentares.

Foto: Reprodução

Pode aliviar problemas digestivos

A manjerona tem sido historicamente usada para prevenir problemas digestivos como úlceras estomacais e certas doenças transmitidas por alimentos. Um estudo com seis ervas revelou que a manjerona lutou contra o Clostridium perfringens, um patógeno comum transmitido pelos alimentos.

Além disso, um estudo com ratos observou que seu extrato estava protegido contra as úlceras estomacais. Ainda assim, estudos humanos são necessários.

Pode ajudar a regular seu ciclo menstrual e seus hormônios

A manjerona tem demonstrado estimular o fluxo menstrual. Seu extrato ou chá pode ajudar a regular seu ciclo menstrual, assim como restaurar o equilíbrio hormonal em mulheres não grávidas com um ciclo irregular. Também pode ajudar a tratar a síndrome dos ovários policísticos (PCOS), um distúrbio hormonal com sintomas como períodos irregulares e acne. Um estudo em 25 mulheres com PCOS descobriu que o chá de manjerona melhorou seu perfil hormonal e sua sensibilidade insulínica. Para evitar riscos, verifique com seu médico antes de tomar qualquer suplemento herbal para ajudar na menstruação.

Foto: Reprodução

Quais são os possíveis efeitos colaterais da manjerona para a saúde?

Quando usada em quantidades típicas para aromatizar alimentos, a manjerona é provavelmente segura para a maioria das pessoas. Também é possivelmente segura quando usada medicinalmente por um curto período de tempo. De acordo com algumas fontes, a manjerona pode ser insegura quando usada a longo prazo. “Há alguma preocupação de que a manjerona possa prejudicar o fígado e os rins ou causar câncer se usada a longo prazo”.

Algumas pessoas devem consultar um profissional de saúde antes de usar a manjerona como medicamento. Estes incluem mulheres grávidas ou a amamentar, crianças, pessoas com distúrbios hemorrágicos e aquelas prestes a serem submetidas a cirurgia. Pessoas que têm alergia ao manjericão, hissopo, lavanda, menta, orégano e sálvia ou qualquer outra planta da família da menta podem sofrer uma reação alérgica à manjerona. A manjerona pode ter vários efeitos colaterais. Como tal, você deve ter cuidado ao acrescentá-la à sua dieta.

Complicações na gravidez

Mulheres grávidas ou amamentando devem evitar suplementos de manjerona. Devido a sua influência em vários hormônios reprodutivos e menstruação, esta erva pode desencadear efeitos colaterais negativos durante a gravidez.

Pode afetar a coagulação sanguínea

Os suplementos de manjerona podem inibir a coagulação do sangue. Um estudo analisando 20 ervas determinou que a manjerona impedia a formação de plaquetas, que é um fator chave na coagulação do sangue. Isto pode ser especialmente preocupante para qualquer pessoa que esteja tomando anticoagulantes.

Foto: Reprodução

Pode interagir com certos medicamentos

A manjerona pode interagir com certos medicamentos, tais como anticoagulantes e anticoagulantes, para aumentar o risco de sangramento. Esta planta pode também interagir com alguns medicamentos para diabetes baixando o açúcar no sangue, resultando em níveis perigosamente baixos. Se tem diabetes, consulte o seu médico antes de tomar manjerona.

Como posso adicionar manjerona à minha dieta?

Esta erva é normalmente usada em pequenas quantidades como guarnição ou especiaria. Assim, você pode ter que beber seu chá ou tomá-lo em forma de suplemento para experimentar seus benefícios. A manjerona também pode ser incorporada aos óleos de cozinha misturando 1 colher (15 ml) do seu óleo favorito com 1 colher de chá (1 grama) de manjerona. Você pode usar esta mistura para cozinhar no dia-a-dia ou para marinar legumes e carnes. Ao fazer sopas ou ensopados, experimente envolver 2-3 colheres (6-9 gramas) de manjerona em um pequeno pedaço de pano de queijo e mergulhá-lo na panela enquanto cozinha.

Substituindo a manjerona durante o cozimento

Se você não tem manjerona em mãos, você pode substituir várias outras ervas. Os oréganos funcionam particularmente bem, embora sejam mais fortes que a manjerona – por isso você pode querer usar um pouco menos. Tomilho e salva – embora ligeiramente diferentes no sabor – também podem servir como substitutos viáveis. Use uma proporção de 1:1 para estas ervas.

A manjerona é uma erva aromática usada há muito tempo na culinária e na medicina tradicional. Ela tem vários benefícios potenciais, incluindo a redução da inflamação, alívio de problemas digestivos e regulação do ciclo menstrual. Tenha cuidado ao tomá-la em forma de suplemento e consulte seu médico se você tiver determinadas condições médicas.

Foto: Reprodução

Manjerona e nutrição

Quando você cozinha com manjerona, é provável que você use a variedade seca da erva. Também é provável que você use uma quantidade relativamente pequena. Uma generosa porção de 1 colher de sopa de manjerona fornece apenas 5 calorias, de acordo com os dados do USDA. A maioria dessas calorias vem de carboidratos – na forma de fibra e açúcar natural, mas a manjerona não é uma fonte significativa de carboidratos, açúcar ou fibra.

Uma porção típica de 1 colher de sopa de manjerona também não é susceptível de fornecer micronutrientes significativos. Mas você receberá uma pequena quantidade de vitamina K (9,3 mcg ou 12% da sua ingestão diária recomendada). Você também receberá um pequeno aumento na ingestão de vitamina A, vitamina C, folato e vitamina B6. Os minerais da manjerona incluem cálcio, ferro e manganês.

Como a seleção, a preparação e o armazenamento da manjerona são feitos?

A manjerona tem um sabor que é muitas vezes descrito como menta, doce ou amadeirado. Como muitos cozinheiros usam manjerona seca, é provável que você encontre esta erva no corredor das especiarias. Você também pode comprar manjerona seca, a granel, online. A manjerona moída também é uma opção.

Como todas as ervas secas e especiarias, guarde sua manjerona em um recipiente hermético em um espaço escuro e fresco. Armazenada adequadamente, é provável que ela permaneça boa por três a quatro anos.

Você também pode encontrar manjerona fresca em alguns mercados. No entanto, muitos cozinheiros dizem que a manjerona é uma das raras ervas que sabe melhor a seco. Quando adicionar às receitas, use uma colher de chá de manjerona seca para cada colher de sopa de manjerona fresca.

Jerimum/Abóbora: Conheça seus benefícios

A abóbora, ou jerimum, é uma variedade de abóboras que as pessoas muitas vezes pensam como uma decoração tradicional de Halloween. No entanto, a polpa do fruto do pé de abóbora proporciona uma série de benefícios para a saúde fora das festividades populares. O jerimum é um legume de cor laranja, nutritivo, e um alimento altamente nutritivo e denso. É baixa em calorias, mas rica em vitaminas e minerais, todos eles também nas suas sementes, folhas e sumos. Há muitas maneiras de incorporar o jerimum nas sobremesas, sopas, saladas, conservas, e até mesmo como substituto da manteiga.

Quais são os benefícios do jerimum para a saúde?

O jerimum tem uma gama de benefícios fantásticos, incluindo ser uma das fontes mais conhecidas de beta-caroteno. O beta-caroteno é um poderoso antioxidante que dá aos legumes e frutas laranja a sua cor vibrante. O corpo converte qualquer betacaroteno ingerido em vitamina A.

Foto: Reprodução

Consumir alimentos com elevados volumes de betacaroteno pode proporcionar os seguintes benefícios:

  • reduzir o risco de desenvolver certos tipos de câncer
  • oferecer proteção contra a asma e as doenças cardíacas
  • diminuição do risco de degeneração macular relacionada com o envelhecimento
  • Muitos estudos sugerem que o consumo de mais alimentos vegetais, como a abóbora, diminui o risco de obesidade e de mortalidade geral. Pode também ajudar uma pessoa a evitar diabetes e doenças cardíacas, promover uma tez e cabelo saudáveis, aumentar a energia e um índice de massa corporal (IMC) saudável.

A investigação tem demonstrado os seguintes benefícios para a saúde:

Regulação da pressão sanguínea

Comer abóbora é bom para o coração. A fibra, o potássio e a vitamina C contida na abóbora são todos benéficos para a saúde do coração. Os resultados de um estudo de 2017 com 2.722 participantes sugeriram que consumir potássio suficiente pode ser quase tão importante como diminuir o sódio no tratamento da pressão arterial elevada.

A tensão arterial elevada é um fator de risco para as doenças cardiovasculares (DCV). Normalmente, a redução da ingestão de sódio implica a ingestão de refeições que contenham pouco ou nenhum sal. O consumo de mais potássio pode também reduzir o risco de outros tipos de doenças cardiovasculares. É necessária mais investigação para confirmar os efeitos do consumo de abóbora no risco de AVC e de DCV.

Foto: Reprodução

Reduz o risco de câncer

Um estudo de 2016 sugere uma relação positiva entre uma dieta rica em beta-caroteno e a supressão de tumores no cancro da próstata. Os resultados de um estudo transversal de 2014 também mostram que o beta-caroteno retardou o desenvolvimento do cancro do cólon numa população japonesa.

Previne e controla o diabetes

A inclusão da abóbora na dieta pode ajudar as pessoas a controlar o diabetes e os seus níveis de açúcar no sangue. Um estudo de 2019 mostra que uma combinação de dois extratos de plantas, um dos quais era polissacáridos de abóbora, fez baixar os níveis de açúcar no sangue em ratos.

Embora o estudo não tenha envolvido seres humanos, a investigação mostra algum potencial para que estes compostos vegetais limitem o diabetes de tipo 2. Devido ao seu impacto no açúcar no sangue, os cientistas podem ser capazes de os transformar num medicamento antidiabético, embora sejam necessários mais estudos.

Foto: Reprodução

Protege contra problemas oftalmológicos relacionados com a idade

As abóboras contêm uma grande quantidade de antioxidantes. Vitamina C, vitamina E e beta-caroteno apoiam a saúde dos olhos e previnem danos degenerativos em adultos mais velhos. O National Eye Institute, dos Estados Unidos, realizou um ensaio clínico em 2019 chamado “Age-Related Eye Disease Study (AREDS)” (Estudo das Doenças Oftalmológicas Relacionadas com a Idade). Os resultados mostraram que doses elevadas de vitamina C, vitamina E e beta-caroteno tinham ligações a um risco significativamente reduzido de degeneração macular relacionada com a idade.

Nutrição do jerimum

De acordo com a base de dados FoodData Central do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, 1 chávena ou 245 gramas (g) de abóbora cozida, cozida ou escorrida, sem sal, contém:

  • 1,76 g de proteínas
  • 2,7 g de fibra
  • 49 calorias (kcal)
  • 0,17 g de gordura
  • 0 g de colesterol
  • 12 g de hidratos de carbono

O jerimum também fornece uma gama de vitaminas e minerais essenciais, incluindo:

  • vitamina A
  • vitamina C
  • vitamina E
  • riboflavina
  • potássio
  • cobre
  • manganês
  • tiamina
  • vitamina B-6
  • folato
  • ácido pantotênico
  • niacina
  • ferro
  • magnésio
  • fósforo
  • As abóboras são uma fonte fantástica de fibra. A ingestão recomendada de fibra está entre 25 g e 38 g por dia para adultos.

A fibra reduz a taxa de absorção de açúcar no sangue, promove movimentos intestinais regulares e suaviza a digestão. Uma ingestão saudável de fibras também pode ajudar a reduzir o risco de câncer do cólon. Com quase 3 g de fibra em I copo de abóbora cozida e fresca, e mais de 7 g em abóbora enlatada, adicionar abóbora a uma dieta diária pode ajudar uma pessoa a aumentar a sua ingestão de fibras.

Foto: Reprodução

Como incorporar o jerimum à dieta?

Há muitas maneiras de as pessoas poderem comer mais abóbora. A preparação de abóbora fresca em casa é a que traz mais benefícios para a saúde, mas a abóbora enlatada é também uma ótima escolha. A abóbora retém muitos dos seus benefícios para a saúde no processo de enlatamento. As pessoas devem manter-se afastadas da mistura de abóbora em conserva para consumo regular. Esta é normalmente ao lado da abóbora enlatada nas mercearias e está frequentemente numa lata semelhante. Contém açúcares e xaropes adicionados. As conservas de abóbora devem ter apenas um ingrediente, que é a abóbora.

Embora a variedade de abóboras que caracteriza a confecção de abóboras em lata seja comestível, é melhor cozinhar com variedades de abóbora doce. Certifique-se de que a abóbora tem alguns centímetros de caule restantes. Também deve ser dura e pesada pelo seu tamanho. As pessoas podem armazenar as abóboras não cortadas num local fresco e escuro por até 2 meses.

Aqui estão algumas dicas simples para incluir o jerimum em uma dieta saudável:

  • Faça o seu próprio purê de abóbora em vez de comprar enlatados.
  • Use purê de abóbora ou abóbora enlatada no lugar de óleo ou manteiga em qualquer receita de panificação.
  • Faça um tratamento rápido de iogurte de chocolate de abóbora combinando iogurte grego, puré de abóbora ou abóbora em lata, mel, canela e cacau em pó.
Foto: Reprodução

Quais são os benefícios das sementes de jerimum?

As sementes de jerimum podem ser pequenas, mas são embaladas cheias de nutrientes valiosos. Comer apenas uma pequena quantidade delas pode fornecer-lhe uma quantidade substancial de gorduras saudáveis, magnésio e zinco.

Devido a isso, as sementes de jerimum têm sido associadas a vários benefícios para a saúde. Estes incluem a melhoria da saúde do coração, a saúde da próstata e a proteção contra determinados cancros. Além disso, estas sementes podem ser facilmente incorporadas na sua dieta. Aqui estão os 11 principais benefícios para a saúde das sementes de jerimum que são apoiados pela ciência.

Cheias de nutrientes valiosos

Ao contrário das sementes brancas duras de uma abóbora esculpida, a maioria das sementes de abóbora compradas no supermercado não tem casca. Estas sementes sem casca são verdes, planas e ovais. Uma onça (28 gramas) de sementes de abóbora sem casca tem aproximadamente 151 calorias, principalmente de gordura e proteínas.

Além disso, uma porção de 1 onça (28 gramas) contém:

  • Fibra: 1,7 gramas
  • Carboidratos: 5 gramas
  • Proteína: 7 gramas
  • Gordura: 13 gramas (6 das quais são ómega-6)
  • Vitamina K: 18% da IDR
  • Fósforo: 33% da IDR
  • Manganês: 42% do IDI
  • Magnésio: 37% da IDI
  • Ferro: 23% da IDI
  • Zinco: 14% da IDR
  • Cobre: 19% da IDR
  • Contêm também muitos antioxidantes e uma quantidade razoável de ácidos gordos polinsaturados, potássio, vitamina B2 (riboflavina) e folato.

As sementes de abóbora e o óleo de sementes também contêm muitos outros nutrientes e compostos vegetais que comprovadamente proporcionam benefícios para a saúde.

Foto: Reprodução

Elevadas em antioxidantes

As sementes de abóbora contêm antioxidantes como carotenoides e vitamina E. Os antioxidantes podem reduzir a inflamação e proteger as suas células dos radicais livres nocivos. É por isso que o consumo de alimentos ricos em antioxidantes pode ajudar a proteger contra muitas doenças.

Pensa-se que os elevados níveis de antioxidantes nas sementes de abóbora são parcialmente responsáveis pelos seus efeitos positivos para a saúde. Num estudo, o óleo de sementes de abóbora reduziu a inflamação em ratos com artrite sem efeitos secundários, enquanto os animais aos quais foi administrado um medicamento anti-inflamatório sofreram efeitos adversos.

Ligadas a um risco reduzido de determinados câncer

As dietas ricas em sementes de abóbora têm sido associadas a um risco reduzido de cancro do estômago, peito, pulmão, próstata e cólon. Um grande estudo observacional descobriu que o seu consumo estava associado a um risco reduzido de cancro da mama em mulheres na pós-menopausa.

Outros estudos sugerem que os lignanos das sementes de abóbora podem desempenhar um papel fundamental na prevenção e no tratamento do câncer da mama. Outros estudos realizados com tubos de ensaio revelaram que um suplemento contendo sementes de abóbora tinha o potencial de abrandar o crescimento de células cancerosas da próstata.

Foto: Reprodução

Melhoram a saúde da próstata e da bexiga

As sementes de abóbora podem ajudar a aliviar os sintomas de hiperplasia benigna da próstata (HBP), uma condição em que a glândula prostática se alarga, causando problemas de micção. Vários estudos em seres humanos descobriram que o consumo destas sementes reduziu os sintomas associados à HBP.

Num estudo de um ano realizado em mais de 1.400 homens com HBP, o consumo de sementes de abóbora reduziu os sintomas e melhorou a qualidade de vida. Outras investigações sugerem que o consumo de sementes de abóbora ou dos seus produtos como suplementos pode ajudar a tratar os sintomas de uma bexiga hiperativa. Um estudo realizado em 45 homens e mulheres com bexigas hiperativas revelou que 10 gramas de extracto de sementes de abóbora melhoravam diariamente a função urinária.

Muito elevadas em magnésio

As sementes de abóbora são uma das melhores fontes naturais de magnésio – um mineral que falta frequentemente na dieta de muitas populações ocidentais. O magnésio é necessário para mais de 600 reações químicas no seu organismo. Por exemplo, são importantes os níveis adequados de magnésio:

  • Controlar a pressão sanguínea.
  • Reduzir o risco de doenças cardíacas.
  • Formar e manter ossos saudáveis.
  • Regular os níveis de açúcar no sangue.
Foto: Reprodução

Podem melhorar a saúde do coração

As sementes de abóbora são uma boa fonte de antioxidantes, magnésio, zinco e ácidos gordos – todos eles podem ajudar a manter o seu coração saudável. Estudos com animais também demonstraram que o óleo de sementes de abóbora pode reduzir a tensão arterial elevada e os níveis elevados de colesterol – dois importantes factores de risco de doenças cardíacas.

Um estudo realizado durante 12 semanas em 35 mulheres na pós-menopausa revelou que os suplementos de óleo de sementes de abóbora reduziram a pressão arterial diastólica (o número inferior de uma leitura) em 7% e aumentaram os níveis de colesterol HDL “bom” em 16%.

Outros estudos sugerem que a capacidade das abóboras para aumentar a geração de óxido nítrico no seu corpo pode ser responsável pelos seus efeitos positivos na saúde do coração. O óxido nítrico ajuda a expandir os vasos sanguíneos, melhorando o fluxo sanguíneo e reduzindo o risco de crescimento da placa bacteriana nas artérias.

Podem baixar os níveis de açúcar no sangue

Estudos com animais mostraram que a abóbora, as sementes de abóbora, as sementes de abóbora em pó e o sumo de abóbora podem reduzir o açúcar no sangue. Isto é especialmente importante para as pessoas com diabetes, que podem ter dificuldades em controlar os seus níveis de açúcar no sangue.

Vários estudos revelaram que a adição de sumo de abóbora ou de sementes em pó pode reduzir os níveis de açúcar no sangue em pessoas com diabetes tipo 2. O elevado teor de magnésio das sementes de abóbora pode ser responsável pelo seu efeito positivo sobre a diabetes.

Um estudo observacional realizado em mais de 127 000 pessoas concluiu que os regimes alimentares ricos em magnésio estavam associados a um risco 33% inferior de diabetes tipo 2 nos homens e 34% inferior nas mulheres. É necessária mais investigação para confirmar estes efeitos benéficos das sementes de abóbora nos níveis de açúcar no sangue.

Foto: Reprodução

Elevadas em fibras

As sementes de abóbora são uma grande fonte de fibra alimentar – as sementes sem casca fornecem 1,1 gramas de fibra numa única porção de 1oz (28 gramas).

Uma dieta rica em fibras pode promover uma boa saúde digestiva. Além disso, as dietas com elevado teor de fibras têm sido associadas a um risco reduzido de doença cardíaca, diabetes tipo 2 e obesidade.

Podem melhorar a qualidade do esperma

Os baixos níveis de zinco estão associados a uma qualidade reduzida do esperma e a um risco acrescido de infertilidade nos homens, uma vez que as sementes de abóbora são uma fonte rica de zinco, podem melhorar a qualidade do esperma.

Os dados de um estudo realizado com ratos sugerem que também podem proteger o esperma humano dos danos causados pela quimioterapia e por doenças auto-imunes. As sementes de abóbora são também elevadas em antioxidantes e outros nutrientes que podem contribuir para níveis saudáveis de testosterona e melhorar a saúde em geral. No seu conjunto, todos estes factores podem beneficiar os níveis de fertilidade e a função reprodutiva, especialmente nos homens.

Foto: Reprodução

Podem ajudar a melhorar o sono

Se tiver dificuldade em dormir, pode querer comer algumas sementes de abóbora antes de dormir. Elas são uma fonte natural de triptofano, um aminoácido que pode ajudar a promover o sono. Pensa-se que consumir cerca de 1 grama de triptofano diariamente melhora o sono. No entanto, você precisaria comer cerca de 7 onças (200 gramas) de sementes de abóbora para conseguir a quantidade necessária de triptofano.

O zinco nestas sementes também pode ajudar a converter o triptofano em serotonina, que é então transformada em melatonina, a hormona que regula o seu ciclo do sono. Além disso, as sementes de abóbora são uma excelente fonte de magnésio. Níveis adequados de magnésio também têm sido associados a um sono melhor. Alguns pequenos estudos descobriram que tomar um suplemento de magnésio melhorou a qualidade do sono e o tempo total de sono em pessoas com baixos níveis de magnésio.

Unicórnio: Tudo sobre a criatura lendária

O unicórnio é uma criatura lendária que tem sido descrita desde a antiguidade como uma besta com um único chifre pontiagudo e em espiral que se projeta da sua testa. O unicórnio foi retratado em antigos selos da civilização do Vale do Indo e foi mencionado pelos antigos gregos em relatos de história natural por vários escritores, incluindo Ctesias, Strabo, Plínio o Jovem, Aelian e Cosmas Indicopleustes. A Bíblia também descreve um animal, o re’em, que algumas versões traduzem como unicórnio.

No folclore europeu, o unicórnio é frequentemente representado como um animal branco, semelhante a um cavalo ou a uma cabra, com um chifre longo e, por vezes, barba de cabra. Na Idade Média e no Renascimento, era geralmente descrito como um animal extremamente selvagem da floresta, um símbolo de pureza e graça, que só podia ser capturado por uma virgem. Nas enciclopédias, dizia-se que o seu chifre tinha o poder de tornar potável a água envenenada e de curar doenças. O unicórnio continua a ter um lugar na cultura popular. É frequentemente utilizado como um símbolo de fantasia e magia.

Foram encontradas várias focas aparentemente representando unicórnios da Civilização do Vale do Indo. Selos com um tal desenho são considerados uma marca de alto nível social. Também têm sido interpretadas como representações de aurocas – um tipo de grande gado selvagem que habitava anteriormente a Europa, a Ásia e o Norte de África – ou derivados de aurocas, porque o animal é sempre mostrado em perfil, indicando que pode ter havido outro chifre, que não é visto em perfil.

Imagem: Reprodução

Os unicórnios não se encontram na mitologia grega, mas sim nos relatos da história natural, pois os escritores gregos de história natural estavam convencidos da realidade dos unicórnios, que acreditavam viver na Índia, um reino distante e fabuloso para eles. A descrição mais antiga é de Ctesias, que no seu livro Indika (“On India”) os descreveu como rabos selvagens, frota de pés, com um corno de um côvado e meio (700 mm, 28 polegadas) de comprimento, e coloridos de branco, vermelho e preto.

Ctesias obteve a sua informação enquanto vivia na Pérsia. Foram encontrados unicórnios numa escultura em relevo na antiga capital persa de Persépolis, no Irão. Aristóteles deve estar seguindo Ctesias quando menciona dois animais de um só corno, o órix (uma espécie de antílope) e o chamado “asno indiano” (ἰνδικὸς ὄνος). Antigonus de Carystus também escreveu sobre o “burro indiano de um só corno”. Strabo diz que no Cáucaso havia cavalos de um só corno com cabeça de veado. Plínio o Ancião menciona o órix e um boi indiano (talvez um rinoceronte) como animais de um só cavalo, assim como “um animal muito feroz chamado monoceros, que tem a cabeça do veado, as patas do elefante e a cauda do javali, enquanto o resto do corpo é como o do cavalo; faz um profundo ruído de descida, e tem um único corno preto, que se projeta do meio da testa, dois cúbitos [900 mm, 35 polegadas] de comprimento”. Em On the Nature of Animals (Περὶ Ζῴων Ἰδιότητος, De natura animalium), Aelian, citando Ctesias, acrescenta que a Índia produz também um cavalo de um só corno (iii. 41; iv. 52), e diz (xvi. 20) que o monoceros (grego: μονόκερως) foi por vezes chamado de cartazonos (grego: καρτάζωνος), que pode ser uma forma do karkadann árabe, que significa “rinoceronte”.

Cosmas Indicopleustes, um comerciante de Alexandria que viveu no século VI, fez uma viagem à Índia e, posteriormente, escreveu obras sobre cosmografia. Ele dá uma descrição de um unicórnio baseado em quatro figuras de latão no palácio do rei da Etiópia. Ele afirma, a partir do relatório, que “é impossível tomar viva esta besta feroz; e que toda a sua força está no seu chifre”. Quando se vê perseguida e em perigo de ser capturada, atira-se de um precipício e vira-se tão apropriadamente em queda que recebe todo o choque sobre o corno, escapando assim sã e salva”. O conhecimento medieval da fabulosa besta provinha de fontes bíblicas e antigas, e a criatura era representada de várias maneiras como uma espécie de burro, cabra ou cavalo selvagem.

Imagem: Reprodução

O predecessor do bestiário medieval, compilado na Antiguidade Antiga e conhecido como Physiologus (Φυσιολόγος), popularizou uma elaborada alegoria na qual um unicórnio, preso por uma donzela (representando a Virgem Maria), representava a Encarnação. Assim que o unicórnio a vê, coloca a cabeça no seu colo e adormece. Esta tornou-se uma etiqueta emblemática básica que subjaz às noções medievais do unicórnio, justificando o seu aparecimento em todas as formas de arte religiosa. As interpretações do mito do unicórnio centram-se na tradição medieval dos amantes enganados, enquanto alguns escritores religiosos interpretam o unicórnio e a sua morte como a Paixão de Cristo. Os mitos referem-se a uma besta com um corno que só pode ser domado por uma virgem; subsequentemente, alguns escritores traduziram isto numa alegoria da relação de Cristo com a Virgem Maria.

O unicórnio também figurava em termos corteses: para alguns autores franceses do século XIII, como Thibaut de Champagne e Richard de Fournival, o amante é atraído pela sua senhora como o unicórnio é para a virgem. Com a ascensão do humanismo, o unicórnio adquiriu também significados seculares mais ortodoxos, emblemáticos do amor casto e do casamento fiel. Desempenha este papel no Triunfo da Castidade de Petrarca, e no reverso do retrato de Piero della Francesca de Battista Strozzi, emparelhado com o do seu marido Federico da Montefeltro (pintado c. 1472-74), o carro triunfal de Bianca é desenhado por um par de unicórnios.

A Cadeira do Trono da Dinamarca é feita de “chifres de unicórnio” – quase certamente de presas de baleia narval. O mesmo material foi utilizado para as taças cerimoniais porque se acreditava que o corno do unicórnio continuava a neutralizar o veneno, seguindo os autores clássicos. O unicórnio, domável apenas por uma mulher virgem, estava bem estabelecido na tradição medieval quando Marco Polo os descreveu como “pouco mais pequenos que os elefantes”. Eles têm o pelo de um búfalo e pés como os de um elefante. Têm um único grande chifre preto no meio da testa. Têm uma cabeça como a de um javali… Passam o tempo de preferência a chafurdar na lama e no lodo. São brutos muito feios de se ver. Não são nada como nós os descrevemos quando relatamos que se deixam capturar pelas virgens, mas limpos, ao contrário das nossas noções”. É evidente que o Marco Polo estava a descrever um rinoceronte.

Imagem: Reprodução

O próprio chifre e a substância de que era feito chamava-se alicórnio, e acreditava-se que o chifre tinha propriedades mágicas e medicinais. O médico dinamarquês Ole Worm determinou em 1638 que os alegados alicórnios eram as presas dos narvais. Tais crenças foram examinadas com inteligência e profundidade em 1646 por Sir Thomas Browne na sua Epidemia de Pseudodoxia.

O falso pó de alicórnio, feito a partir de presas de narvais ou chifres de vários animais, foi vendido na Europa para fins medicinais já em 1741. Pensava-se que o alicórnio curava muitas doenças e tinha a capacidade de detectar venenos, e muitos médicos faziam “curas” e vendiam-nas. Os chifres inteiros eram muito preciosos na Idade Média e muitas vezes eram realmente as presas dos narvais.Os chifres inteiros eram muito preciosos na Idade Média e muitas vezes eram realmente as presas dos narvais.

A famosa série gótica tardia de sete enforcamentos de tapeçaria A caça ao Unicórnio é um ponto alto do fabrico europeu de tapeçaria, combinando temas laicos e religiosos. As tapeçarias estão agora penduradas na divisão de Claustros do Metropolitan Museum of Art, em Nova Iorque. Na série, nobres ricamente vestidos, acompanhados por caçadores e cães de caça, perseguem um unicórnio em cenários de edifícios e jardins. Trazem o animal para a baía com a ajuda de uma donzela que o prende com os seus encantos, parecem matá-lo e trazê-lo de volta para um castelo; no último e mais famoso painel, “O Unicórnio em Cativeiro”, o unicórnio é novamente mostrado vivo e feliz, acorrentado a uma romãzeira rodeada por uma cerca, num campo de flores. Os estudiosos conjecturam que as manchas vermelhas nos seus flancos não são sangue, mas sim o sumo das romãzeiras, que eram um símbolo de fertilidade. No entanto, o verdadeiro significado do misterioso unicórnio ressuscitado no último painel não é claro. A série foi tecida cerca de 1500 nos Países Baixos, provavelmente em Bruxelas ou Liège, para um patrono desconhecido. Um conjunto de seis gravuras sobre o mesmo tema, tratadas de forma bastante diferente, foram gravadas pelo artista francês Jean Duvet na década de 1540.

Imagem: Divulgação

Outro famoso conjunto de seis tapeçarias de Dame à la licorne (“Lady with the unicorn”) no Musée de Cluny, Paris, foram também tecidas no Sul da Holanda antes de 1500, e mostram os cinco sentidos (as portas da tentação) e finalmente o Amor (“A mon seul desir” lê-se na lenda), com unicórnios presentes em cada peça. Fac-símiles destas tapeçarias de unicórnio foram tecidos para exibição permanente no Castelo de Stirling, na Escócia, para ocupar o lugar de um conjunto registado no castelo, num inventário do século XVI.

Uma representação variante bastante rara, do final do século XV, da Hortus conclusus na arte religiosa combinou a Anunciação a Maria com os temas da Caça ao Unicórnio e à Virgem e do Unicórnio, tão popular na arte secular. O unicórnio já funcionava como um símbolo da Encarnação e se este significado é pretendido em muitas representações prima facie seculares pode ser uma questão difícil de interpretação erudita. Não existe tal ambiguidade nas cenas em que o arcanjo Gabriel é mostrado soprando um corno, como os cães perseguem o unicórnio nos braços da Virgem, e um pequeno Menino Cristo desce sobre raios de luz de Deus Pai. O Concílio de Trento finalmente proibiu esta representação algo exagerada, se bem que encantadora, em parte com base no realismo, pois ninguém acreditava agora que o unicórnio fosse um verdadeiro animal.

Os estudiosos de Shakespeare descrevem os unicórnios sendo capturados por um caçador em pé em frente a uma árvore, o unicórnio se precipitava na carga; o caçador se afastava no último momento e o unicórnio incorporava profundamente o seu chifre na árvore (Ver anotações de Timão de Atenas, Acto 4, cena 3, c. linha 341: “se fosses o unicórnio, o orgulho e a ira te confundiriam e fariam do teu eu a conquista da tua fúria”).

Imagem: Reprodução

Na heráldica, um unicórnio é frequentemente representado como um cavalo com cascos e barba de cabra, uma cauda de leão e um chifre esguio e em espiral na testa (atributos não equinos podem ser substituídos por equinos, como pode ser visto na galeria seguinte). Seja por ser um emblema da Encarnação ou das temíveis paixões animais da natureza bruta, o unicórnio não era muito utilizado na heráldica precoce, mas tornou-se popular a partir do século XV. Embora, por vezes, se apresente colado e acorrentado, o que pode ser tomado como uma indicação de ter sido domesticado ou temperado, é mais comum mostrar-se colado com uma corrente quebrada, mostrando que se libertou da sua escravidão.

Na heráldica, o unicórnio é mais conhecido como um símbolo da Escócia: acreditava-se que o unicórnio era o inimigo natural do leão – um símbolo que os ingleses reis adotaram cerca de cem anos antes e que também foi escolhido porque era visto como uma besta orgulhosa e altiva que preferia morrer a ser capturada, tal como os escoceses lutariam para se manterem soberanos e não conquistados. Dois unicórnios apoiaram as armas reais do Rei dos Escoceses, e desde a união de 1707 da Inglaterra e da Escócia, as armas reais do Reino Unido têm sido apoiadas por um unicórnio juntamente com um leão inglês. Existem duas versões das armas reais: a utilizada na Escócia dá mais ênfase aos elementos escoceses, colocando o unicórnio à esquerda e dando-lhe uma coroa, enquanto a versão utilizada em Inglaterra e noutros locais dá mais proeminência aos elementos ingleses.

As moedas de ouro conhecidas como unicórnio e meio-unicórnio, ambas com um unicórnio no anverso, foram utilizadas na Escócia nos séculos XV e XVI. No mesmo reino, os unicórnios esculpidos eram frequentemente utilizados como finais nos pilares das cruzes de Mercat, e denotavam que o povoado era um burgo real. Alguns fidalgos como o Conde de Kinnoull receberam autorização especial para utilizar o unicórnio nos seus braços, como reforço de honra. O brasão do Clã Cunningham tem uma cabeça de unicórnio.

Alfavaca (manjericão-de-folha-larga)

A alfavaca, ou manjericão-de-folha-larga, é uma erva verde saborosa e folhosa, originária da Ásia e da África. A alfavaca é um membro da família da hortelã, e existem muitas variedades diferentes. Popular como tempero alimentar, a alfavaca é uma erva aromática também utilizada em chás e suplementos que podem proporcionar uma série de benefícios para a saúde.

Quais são as variedades mais comuns de alfavaca?

O nome científico do manjericão comumente adquirido para cozinhar é Ocimum basilicum (abreviado O. basilicum). Existem muitas variedades diferentes de O. basilicum, incluindo:

  • Manjericão doce: O manjericão mais cultivado e popular, conhecido pela sua utilização em pratos italianos. Comummente vendido seco nos supermercados. Tem um sabor a alcaçuz.
  • Manjericão verde ou grego: Tem um aroma forte mas sabor suave, pelo que pode ser substituído pelo manjericão doce. Forma um arbusto compacto com folhas pequenas e cresce bem numa panela.
  • Manjericão tailandês: Tem um sabor a anise-licorice e é normalmente utilizado em pratos tailandeses e do sudeste asiático.
  • Manjericão canela: Nativo do México. Tem um sabor e cheiro a canela. Comumente servido com legumes ou legumes picantes e fritos.
  • Manjericão de alface: Apresenta folhas grandes, enrugadas e macias, com sabor a alcaçuz. Funciona bem em saladas ou atirado com tomate e azeite.
  • O manjericão normalmente utilizado em suplementos e chá de ervas é o manjericão sagrado – por vezes chamado tulsi – que é a espécie O. tenuiflorum, também conhecido como O. sanctum. É adicionado a alguns pratos tailandeses devido ao seu sabor distinto.
Foto: Reprodução

Quais são os nutrientes e compostos vegetais da alfavaca?

Como as receitas exigem quantidades relativamente pequenas de manjericão, esta erva contribui com poucas vitaminas e minerais nas dietas típicas.

Aqui está o teor nutricional mais notável de alfavaca crua:

NUTRIENTEQUANTIDADE% VD*
Valor energético29.2kcal=1231%
Carboidratos5,2g2%
Proteínas2,7g4%
Gorduras saturadas0,1g0%
Gorduras poliinsaturadas0,2g
Fibra alimentar4,1g16%
Fibras solúveis0,6g
Cálcio258,5mg26%
Piridoxina B60,6mg46%
Fósforo49,7mg7%
Manganês0,2mg9%
Magnésio84,2mg32%
Lipídios0,5g
Ferro1,3mg9%
Potássio260,7mg
Cobre0,2ug0%
Zinco0,7mg10%
Riboflavina B20,1mg8%
Sódio4,6mg0%

Embora o manjericão seco esteja mais concentrado em nutrientes, utiliza-se menos nas receitas do que no fresco. Por conseguinte, nenhum deles é uma fonte significativa da maioria dos nutrientes – excepto a vitamina K. A alfavaca também fornece compostos vegetais benéficos que têm propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e outras propriedades para a saúde.

Além disso, estes compostos dão ao manjericão a sua “essência” – ou aroma e sabor distintos. É por isso que os óleos derivados do manjericão e de outras plantas são chamados óleos essenciais.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios da alfavaca para a saúde?

O manjericão não é apenas um remédio popular para doenças como náuseas e picadas de insectos, mas também é amplamente utilizado na medicina tradicional chinesa, na medicina ayurvédica e noutros sistemas de medicina holística.
Actualmente, os cientistas estudam os potenciais benefícios medicinais do manjericão. Os extractos ou óleos essenciais de manjericão, que fornecem quantidades concentradas de compostos vegetais, são tipicamente testados em vez de folhas inteiras.

Os estudos em tubos de ensaio ou em animais são geralmente feitos para determinar se vale a pena desenvolver substâncias em medicamentos e ensaios em pessoas.

Os estudos preliminares sugerem que a alfavaca pode:

  • Reduzir a perda de memória associada ao stress e ao envelhecimento.
  • Reduzir a depressão relacionada com o stress crônico.
  • Reduzir os danos causados por acidentes vasculares cerebrais e apoiar a recuperação, seja antes ou logo após um acidente vascular cerebral.
  • Melhorar o açúcar no sangue em jejum, o colesterol e os triglicéridos.
  • Reduzir a tensão arterial em pessoas com hipertensão arterial.
  • Relaxar os vasos sanguíneos e diluir o sangue, semelhante à aspirina.
  • Proteger contra os danos causados pela aspirina no seu intestino, prevenindo particularmente as úlceras.
  • Prevenir determinados cancros, incluindo do peito, cólon e pâncreas.
  • Aumentar o estado de alerta mental quando inalado como aromaterapia.
  • Inibir o crescimento de bactérias que causam cáries dentárias.
  • Melhorar a segurança alimentar, como por exemplo, se integrados nas embalagens dos alimentos pelos fabricantes.
  • Fornecer uma alternativa aos antibióticos para as doenças infecciosas, incluindo o combate às estirpes de bactérias resistentes aos antibióticos.
  • Repelir insectos, tais como mosquitos e carraças.
  • Os estudos com ratos dão normalmente 100-400 mg de extrato de manjericão por kg (220-880 mg por libra) de peso corporal. Desconhecem-se doses humanas adequadas.
Foto: Reprodução

A alfavaca tem uma longa história de utilização para muitas doenças, incluindo muitas das acima enumeradas. Embora poucos estudos humanos estejam disponíveis, os seus resultados são encorajadores. Quando 60 pessoas com diabetes tipo 2 tomaram 250 mg de extrato de alfavaca juntamente com um medicamento para a diabetes todos os dias antes do pequeno-almoço e do jantar durante três meses, tiveram uma redução de 18% na média de açúcar no sangue em comparação com as pessoas que só tomavam o medicamento.

Além disso, num estudo realizado em 158 pessoas com pelo menos três sintomas de stress, a toma diária de 1.200 mg de extracto de manjericão sagrado durante seis semanas foi 39% mais eficaz para melhorar os sintomas gerais de stress do que a toma de um placebo. São necessários mais estudos humanos para verificar a eficácia e a dosagem.

Comprar, cultivar e armazenar a alfavaca

Embora o manjericão fresco dê um sabor mais forte, o manjericão seco é menos caro e mais conveniente. Também pode comprar manjericão congelado em cubos por receita na secção de congeladores das lojas. O manjericão doce está mais difundido, mas pode encontrar outras variedades nos mercados agrícolas ou étnicos, tais como as lojas alimentares asiáticas. Alternativamente, experimente cultivar o seu próprio manjericão.

Você pode cultivar a alfavaca em qualquer lugar com temperaturas noturnas acima de 60℉ (15.5℃) durante pelo menos dois meses. O manjericão é sensível ao frio e gosta da exposição solar durante todo o dia. Esta planta pode ser cultivada a partir de uma semente plantada em terra ou de um caule cortado a partir de outra planta que coloca em água até que as raízes comecem a crescer. O manjericão florescerá num jardim ou num vaso de pátio que drena bem.

Colha as folhas de manjericão quando precisar delas, mas não se limite a arrancá-las das suas plantas. Para estimular o crescimento adequado, corte o caule em direção ao fundo para que apenas duas a quatro folhas fiquem na planta. Coloque os caules de manjericão fresco num frasco com água da torneira para manter as folhas frescas durante alguns dias. É discutível se deve refrigerar o manjericão fresco, pois as temperaturas frias podem descolorir as folhas.

Se tiver muito manjericão fresco, pode secar as folhas e guardá-las num frasco com uma tampa apertada. Evite esmigalhar as folhas até precisar delas, pois isso ajuda a reter os seus óleos essenciais, aroma e sabor.

Foto: Reprodução

Quais são os usos culinários da alfavaca?

O manjericão dá um excelente sabor aos pratos de tomate, saladas, abobrinhas, berinjelas, condimentos de carne, recheios, sopas, molhos e muito mais. Pesto – um molho cremoso e verde – é um dos usos mais populares do manjericão. É tipicamente feito de manjericão esmagado, alho, queijo parmesão, azeite e pinhões, embora também estejam disponíveis opções sem lacticínios. Experimente-o como um molho para barrar ou para barrar em sanduíche.

O manjericão complementa outras ervas aromáticas e especiarias como o alho, manjerona, mostarda, oréganos, colorau, salsa, pimenta, alecrim e salva. Se você tiver manjericão fresco, retire apenas as folhas – não o caule. É geralmente melhor adicionar manjericão fresco na fase final da cozedura porque o calor pode diminuir o sabor e a cor verde brilhante.

Se uma receita exigir manjericão fresco mas você só tiver manjericão seco, utilize apenas 1/3 da medida, pois seco é mais concentrado. Se estiver a cozinhar sem receita, utilize as seguintes quantidades por 1 libra (450 gramas) de alimentos como guia geral.

Foto: Reprodução

Segurança e efeitos secos da alfavaca

O manjericão é geralmente seguro quando consumido em pequenas quantidades, mas são necessárias algumas precauções. As folhas de manjericão são ricas em vitamina K, o que ajuda a coagular o sangue. O consumo elevado pode interferir com medicamentos para diluir o sangue, como a varfarina.

Se estiver a tomar um anticoagulante, procure consumir quantidades consistentes de vitamina K diariamente, para que o seu médico possa regular a sua medicação. Comer alimentos feitos com muito manjericão – como o pesto – pode tornar isto difícil. Em contrapartida, extratos de manjericão – como os encontrados nos suplementos – podem diluir o seu sangue, levando a problemas se tiver um distúrbio hemorrágico ou uma próxima cirurgia.

Além disso, as pessoas que tomam medicamentos para baixar a tensão arterial ou para a diabetes devem ter cuidado com os suplementos de manjericão, uma vez que estes podem baixar a tensão arterial e o açúcar no sangue. O seu médico pode precisar de diminuir a dose dos seus medicamentos.

Evite o manjericão sagrado se estiver grávida ou a tentar engravidar. Estudos com animais sugerem que os suplementos de manjericão sagrado podem afetar negativamente os espermatozoides e provocar contrações na gravidez. Os riscos durante a amamentação são desconhecidos. Embora as alergias ao manjericão sejam raras, têm sido observados alguns casos em pessoas que reagiram a pesto.

O manjericão vem em muitas variedades. Embora esta erva possa não contribuir com nutrientes significativos para a sua dieta, ela pode apimentar as suas refeições. Embora o manjericão sagrado seja normalmente adicionado aos chás e suplementos de ervas, estudos sugerem que o manjericão doce pode proporcionar benefícios de saúde semelhantes, tais como a redução do stress e o controlo do açúcar no sangue. Tenha em mente que são necessários mais estudos em humanos sobre ambos os tipos de manjericão. Experimente cultivar o manjericão sozinho e adicione-o a molhos, saladas e sopas – o seu paladar vai te agradecer.

Foto: Reprodução

Avocado: Conheça seus benefícios p/ saúde

O abacateiro (Persea americana), árvore provavelmente originária do Centro-Sul do México, é classificada como membro da família das plantas com flor Lauraceae. O fruto da planta, também chamado abacate ou avocado é, botanicamente, uma baga grande que contém uma única semente grande.

Os abacates da variedade avocado são comercialmente valiosos e são cultivados em climas tropicais e mediterrânicos em todo o mundo. Têm um corpo de pele verde e carnudo que pode ter a forma de pera, de ovo ou esférica. Comercialmente, amadurecem após a colheita. Os abacateiros são parcialmente auto-polinizantes, sendo frequentemente propagados através de enxertos para manter a qualidade e quantidade previsível dos frutos. Em 2017, o México produziu 34% da oferta mundial de abacate.

A Persea americana, ou o abacateiro, teve possivelmente origem no Vale do Teerão, no estado de Puebla, México, embora os dados fósseis sugiram que espécies semelhantes se encontravam muito mais disseminadas há milhões de anos. Entretanto, há evidências de três possíveis domesticações separadas do abacate, resultando nas atualmente reconhecidas raças terrestres mexicana (aoacatl), guatemalteca (quilaoacatl), e indiana ocidental (tlacacacolaocatl). As raças autóctones mexicanas e guatemaltecas são originárias das terras altas desses países, enquanto a raça autóctone das Índias Ocidentais é uma variedade de terras baixas que vai da Guatemala, Costa Rica, Colômbia, Equador ao Peru, atingindo uma vasta gama através da ação humana antes da chegada dos europeus. As três raças autóctones separadas já se teriam provavelmente misturado na América pré-colombiana e foram descritas no Codex Florentine.

Foto: Reprodução

Os primeiros habitantes viviam em campos temporários numa antiga zona úmida, comendo abacates, pimentas, moluscos, tubarões, aves e leões marinhos. A mais antiga descoberta de um poço de abacate provém da Caverna Coxcatlan, datada de há cerca de 9.000 a 10.000 anos. Outras cavernas do Vale do Teteuacan, datadas de aproximadamente o mesmo período de tempo, também mostram evidências precoces da presença e do consumo de abacate. Há evidências de uso do abacate em locais da civilização Norte Chico no Peru há pelo menos 3.200 anos e em Caballo Muerto no Peru há cerca de 3.800 a 4.500 anos.

A variedade nativa, não domesticada, é conhecida como criollo, e é pequena, com pele preta escura, e contém uma semente grande. É provável que tenha sido desenvolvida com uma megafauna extinta. O abacateiro também tem uma longa história de cultivo na América Central e do Sul, provavelmente começando já em 5.000 AC. Um frasco de água com a forma de um abacate, datado de 900 d.C., foi descoberto na cidade pré-inca de Chan Chan.

O primeiro relato escrito conhecido sobre o abacate na Europa é o de Martín Fernández de Enciso (cerca de 1470-1528) em 1519, no seu livro Suma De Geographia Que Trata De Todas Las Partidas Y Provincias Del Mundo. O primeiro relato pormenorizado que descreve inequivocamente o abacate foi dado por Gonzalo Fernández de Oviedo y Valdés na sua obra Sumario de la natural historia de las Indias, em 1526. O primeiro registo escrito em inglês da utilização da palavra “abacate” foi feito por Hans Sloane, que cunhou o termo, num índice de 1696 de plantas jamaicanas. A planta foi introduzida em Espanha em 1601, na Indonésia por volta de 1750, na Maurícia em 1780, no Brasil em 1809, no continente dos Estados Unidos em 1825, na África do Sul e na Austrália no final do século XIX e em Israel em 1908. Nos Estados Unidos, o abacate foi introduzido na Florida e no Hawaii em 1833 e na Califórnia em 1856. Antes de 1915, o abacate era comummente referido na Califórnia como ahuacate e na Florida como pera jacaré. Em 1915, a Associação do Abacate da Califórnia introduziu o termo então inovador abacate para se referir à planta.

Foto: Reprodução

A espécie subtropical necessita de um clima sem geadas e com pouco vento. Os ventos fortes reduzem a umidade, desidratam as flores e afetam a polinização. Quando ocorre mesmo uma geada suave, pode ocorrer uma queda prematura dos frutos, embora a variedade “Hass” possa tolerar temperaturas até -1 °C. Na região de Gainesville, Florida, são plantadas várias variedades resistentes ao frio, que sobrevivem a temperaturas tão baixas como -6,5 °C (20 °F), apenas com pequenos danos foliares. As árvores também necessitam de solos bem arejados, idealmente com mais de 1 m de profundidade.

São necessários em média cerca de 70 litros de água doce aplicada no solo ou de superfície, sem incluir a precipitação ou umidade natural no solo, para cultivar um abacate. No entanto, a quantidade de água necessária depende do local onde é cultivada; por exemplo, na principal região de cultivo de abacate do Chile, são necessários cerca de 320 litros (85 US gal) de água aplicada para cultivar um abacate. O rendimento é reduzido quando a água de rega é altamente salina.

Quais são os benefícios do avocado?

O avocado é um fruto bastante único. Enquanto a maioria dos frutos consiste principalmente em hidratos de carbono, o abacate é rico em gorduras saudáveis. Numerosos estudos mostram que esta fruta tem poderosos benefícios para a saúde. Aqui estão 12 benefícios do avocado para a saúde que são apoiados pela investigação científica.

Foto: Reprodução

O abacate é incrivelmente nutritivo

O abacateiro é o fruto do abacateiro, cientificamente conhecido como Persea americana. Este fruto é apreciado pelo seu elevado valor nutritivo e é adicionado a vários pratos devido ao seu bom sabor e textura rica. É o principal ingrediente do guacamole. Hoje em dia, o abacate tornou-se um alimento incrivelmente popular entre os indivíduos preocupados com a saúde. É frequentemente referido como um super-alimentar, o que não é surpreendente dadas as suas propriedades para a saúde.

Existem muitos tipos de abacate que variam em forma e cor – desde o em forma de pera até ao redondo e verde até ao preto. Também podem pesar entre 8 onças (220 gramas) e 3 libras (1,4 kg). A variedade mais popular é o abacate Hass. É frequentemente chamada pera jacaré, que é muito descritiva, pois tende a ter a forma de pera e tem a pele verde e acidentada como um jacaré. A polpa amarelo-esverdeada dentro do fruto é consumida, mas a pele e a semente são descartadas.

Foto: Reprodução

Os abacates são muito nutritivos e contêm uma grande variedade de nutrientes, incluindo 20 vitaminas e minerais diferentes. Aqui estão alguns dos nutrientes mais abundantes, numa única porção de 3,5 gramas (100 gramas):

  • Vitamina K: 26% do valor diário (DV)
  • Folato: 20% do DV
  • Vitamina C: 17% do DV
  • Potássio: 14% do DV
  • Vitamina B5: 14% da DV
  • Vitamina B6: 13% do DV
  • Vitamina E: 10% da DV

Contém também pequenas quantidades de magnésio, manganês, cobre, ferro, zinco, fósforo e vitaminas A, B1 (tiamina), B2 (riboflavina) e B3 (niacina). Esta contém 160 calorias, 2 gramas de proteínas e 15 gramas de gorduras saudáveis. Embora contenha 9 gramas de hidratos de carbono, 7 deles são fibras, pelo que existem apenas 2 hidratos de carbono líquidos, o que faz deste alimento uma planta com baixo teor de hidratos de carbono.

Os abacates não contêm colesterol nem sódio e são pobres em gorduras saturadas. É por isso que são favorecidos por alguns especialistas que acreditam que estas substâncias são prejudiciais, o que, no entanto, é um tema debatido.

Foto: Reprodução

Contém mais potássio do que bananas

O potássio é um nutriente do qual a maioria das pessoas não se farta. Este nutriente ajuda a manter os gradientes eléctricos nas células do seu corpo e serve várias funções importantes. Os abacates são muito ricos em potássio. Uma embalagem de 3,5 onças (100 gramas) serve 14% da dose diária recomendada (DDR), em comparação com 10% nas bananas, que são um alimento típico com elevado teor de potássio. Vários estudos mostram que o consumo elevado de potássio está ligado à redução da pressão arterial, que constitui um importante fator de risco de ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais e insuficiência renal. Abacate é carregado com ácidos gordos monoinsaturados saudáveis

O avocado é um alimento rico em gordura

De fato, 77% das suas calorias são de gordura, o que o torna um dos alimentos vegetais mais gordos que existem. Mas não contêm apenas qualquer gordura. A maior parte da gordura do abacate é ácido oleico – um ácido gordo monoinsaturado que é também o principal componente do azeite e que se acredita ser responsável por alguns dos seus benefícios para a saúde.

O ácido oleico tem sido associado a uma inflamação reduzida e demonstrou ter efeitos benéficos nos genes ligados ao cancro. As gorduras do abacate são também bastante resistentes à oxidação induzida pelo calor, tornando o óleo de abacate uma escolha saudável e segura para cozinhar.

Foto: Reprodução

O avocado é repleto de fibra

A fibra é outro nutriente em que os abacates são relativamente ricos. É matéria vegetal indigestível que pode contribuir para a perda de peso, reduzir os picos de açúcar no sangue e está fortemente ligada a um menor risco de muitas doenças.

Muitas vezes é feita uma distinção entre fibra solúvel e insolúvel. A fibra solúvel é conhecida por alimentar as bactérias amigáveis do intestino, que são muito importantes para o funcionamento ótimo do organismo. Uma porção de 3,5 onças (100 gramas) de pacotes de abacate 7 gramas de fibra, que é 27% da RDA. Cerca de 25% da fibra do abacate é solúvel, enquanto 75% é insolúvel.

Foto: Reprodução

Comer avocado pode baixar os níveis de colesterol e triglicéridos

As doenças cardíacas são a causa mais comum de morte no mundo. É sabido que vários marcadores de sangue estão ligados a um risco acrescido. Isto inclui o colesterol, triglicéridos, marcadores inflamatórios, pressão arterial e vários outros. Oito estudos controlados em pessoas examinaram os efeitos do abacate em alguns destes factores de risco.

Estes estudos mostraram que o avocado pode:

  • Reduzir significativamente os níveis de colesterol total.
  • Reduzir os triglicéridos no sangue em até 20%.
  • Reduzir o colesterol LDL em até 22%.
  • Aumentar o colesterol HDL (o bom) em até 11%.

Um dos estudos descobriu que a inclusão do abacate numa dieta vegetariana pobre em gorduras melhorou significativamente o perfil do colesterol. Embora os seus resultados sejam impressionantes, é importante notar que todos os estudos em humanos foram pequenos e de curto prazo, incluindo apenas 13-37 pessoas com uma duração de 1-4 semanas.

Foto: Reprodução

As pessoas que comem abacates tendem a ser mais saudáveis

Um estudo analisou os hábitos alimentares e a saúde das pessoas que comem abacate. Foram analisados dados de 17.567 participantes no inquérito NHANES, nos EUA. Os consumidores de abacate foram considerados muito mais saudáveis do que as pessoas que não consomem esta fruta. Tinham uma ingestão de nutrientes muito superior e tinham metade da probabilidade de ter síndrome metabólica, um conjunto de sintomas que constituem um importante fator de risco para as doenças cardíacas e a diabetes.

As pessoas que comiam abacate regularmente também pesavam menos, tinham um IMC mais baixo e significativamente menos gordura na barriga. Tinham também níveis mais elevados de colesterol HDL “bom”. No entanto, a correlação não implica uma causa, e não há garantias de que os abacates tenham feito com que estas pessoas estivessem em melhor saúde. Portanto, este estudo em particular não carrega muito peso.

Foto: Reprodução

O teor de gordura do avocado pode ajudá-lo a absorver os nutrientes dos alimentos vegetais

Quando se trata de nutrientes, a sua ingestão não é a única coisa que importa. Também precisa de ser capaz de absorver estes nutrientes – mova-os do seu aparelho digestivo e para o seu corpo, onde podem ser utilizados. Alguns nutrientes são lipossolúveis, o que significa que precisam de ser combinados com a gordura para poderem ser utilizados. As vitaminas A, D, E e K são lipossolúveis, juntamente com antioxidantes como os carotenoides.

Um estudo mostrou que a adição de óleo de abacate ou óleo de abacate a uma salada ou salsa pode aumentar a absorção de antioxidantes entre 2,6 a 15 vezes. Assim, o abacate não só é altamente nutritivo como pode aumentar drasticamente o valor nutritivo de outros alimentos vegetais que está a comer. Esta é uma excelente razão para incluir sempre uma fonte de gordura saudável quando se come vegetais. Sem ela, muitos dos nutrientes benéficos das plantas irão para o desperdício.

Foto: Reprodução

Os avocados são carregados com poderosos antioxidantes que podem proteger os teus olhos

Os abacates não só aumentam a absorção de antioxidantes de outros alimentos, como também são ricos em antioxidantes propriamente ditos. Isto inclui os carotenoides luteína e zeaxantina, que são incrivelmente importantes para a saúde dos olhos.

Estudos mostram que estão ligados a um risco drasticamente reduzido de cataratas e de degeneração macular, que são comuns em adultos mais velhos. Portanto, comer abacates deve beneficiar a sua saúde ocular a longo prazo.

O avocado pode ajudar a prevenir o câncer

Existem poucas provas de que o avocado possa ser benéfico no tratamento e prevenção do cancro. Estudos com tubos de ensaio sugerem que pode ajudar a reduzir os efeitos secundários da quimioterapia nos linfócitos humanos. Foi também demonstrado que o extracto de abacate inibe o crescimento de células cancerosas da próstata em laboratório. No entanto, tenha em mente que estes estudos foram feitos em células isoladas e não provam necessariamente o que pode acontecer dentro das pessoas. A investigação de base humana não está disponível.

Foto: Reprodução

Extrato de avocado pode ajudar a aliviar os sintomas da artrite

A artrite é um problema comum nos países ocidentais. Há muitos tipos desta condição, que são frequentemente problemas crônicos que as pessoas têm para o resto das suas vidas. Vários estudos sugerem que os extractos de abacate e óleo de soja – chamados insaponificáveis de abacate e soja – podem reduzir a osteoartrose. Resta saber se os próprios abacates têm este efeito.

Comer avocado pode ajudá-lo a perder peso

Há algumas provas de que os abacates são um alimento amigo da perda de peso. Num estudo, as pessoas que comem abacate com uma refeição sentiam-se 23% mais satisfeitas e tinham uma vontade de comer 28% menos nas 5 horas seguintes, em comparação com as pessoas que não consumiam esta fruta.

Caso isto se mantenha a longo prazo, a inclusão do abacate na sua dieta pode ajudá-lo naturalmente a comer menos calorias e facilitar-lhe a manutenção de hábitos alimentares saudáveis. Os abacates são também ricos em fibras e muito baixos em hidratos de carbono, dois atributos que devem ajudar a promover a perda de peso também, pelo menos no contexto de uma dieta saudável e baseada em alimentos reais.

Foto: Reprodução

Arroz integral: Conheça seus benefícios p/ saúde

O arroz integral, também conhecido como arroz castanho ou arroz marrom, é um alimento frequentemente associado a uma alimentação saudável. Considerado um grão inteiro, o arroz integral é menos transformado do que o arroz branco, que teve o seu casco, farelo e germe removidos.

O arroz integral só tem o casco (uma cobertura protetora dura) removido, deixando o farelo e o gérmen embalados com nutrientes. Como resultado, o arroz integral retém os nutrientes que faltam ao arroz branco, tais como vitaminas, minerais e antioxidantes. No entanto, muitas pessoas evitam o arroz integral devido à crescente popularidade das dietas pobres em hidratos de carbono.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios do arroz integral para a saúde?

O arroz integral é surpreendentemente nutritivo

Embora o arroz integral seja um alimento simples, o seu perfil nutricional é tudo menos isso. Em comparação com o arroz branco, o arroz integral tem muito mais a oferecer em termos de nutrientes. Embora semelhante em calorias e teor de hidratos de carbono, o arroz integral apresenta um brilho superior ao do arroz branco em quase todas as outras categorias.

Uma chávena de arroz integral contém:

  • Calorias: 216
  • Carboidratos: 44 gramas
  • Fibra: 3,5 gramas
  • Gordura: 1,8 gramas
  • Proteína: 5 gramas
  • Tiamina (B1): 12% da IDR
  • Niacina (B3): 15% da IDR
  • Piridoxina (B6): 14% da IDR
  • Ácido pantoténico (B5): 6% da IDR
  • Ferro: 5% da IDI
  • Magnésio: 21% da IDI
  • Fósforo: 16% da IDR
  • Zinco: 8% da IDI
  • Cobre: 10% da IDR
  • Manganês: 88% do IDI
  • Selénio: 27% da IDR
  • Este grão inteiro é também uma boa fonte de folato, riboflavina (B2), potássio e cálcio.
Foto: Reprodução

Além disso, o arroz integral é excepcionalmente rico em manganês. Este mineral pouco conhecido é vital para muitos processos importantes no organismo, como o desenvolvimento ósseo, cicatrização de feridas, metabolismo da contração muscular, função nervosa e regulação do açúcar no sangue.

Uma deficiência em manganês tem sido associada a um risco mais elevado de desenvolvimento de síndrome metabólica, desmineralização óssea, crescimento prejudicado e baixa fertilidade. Apenas uma chávena de arroz preenche quase todas as suas necessidades diárias para este importante nutriente.

Para além de ser uma excelente fonte de vitaminas e minerais, o arroz integral também fornece poderosos compostos vegetais. Por exemplo, o arroz integral contém fenóis e flavonoides, uma classe de antioxidantes que ajudam a proteger o organismo do stress oxidativo.

O stress oxidativo está associado a uma série de condições de saúde, incluindo doenças cardíacas, certos tipos de cancro e o envelhecimento prematuro. Os antioxidantes encontrados no arroz castanho ajudam a prevenir lesões celulares causadas por moléculas instáveis chamadas radicais livres e a reduzir a inflamação no organismo. Estudos sugerem que os antioxidantes encontrados no arroz podem ser a razão da baixa prevalência de certas doenças crônicas em áreas do mundo onde o arroz é um alimento básico.

Foto: Reprodução

O arroz integral é bom para perder peso

A substituição de grãos mais refinados por arroz integral pode ajudar a perder peso. Grãos refinados como arroz branco, massa branca e pão branco carecem da fibra e dos nutrientes que os grãos inteiros como o arroz integral contêm. Por exemplo, uma chávena (158 gramas) de arroz integral contém 3,5 gramas de fibra, enquanto o arroz branco contém menos de 1 grama.

As fibras ajudam a mantê-lo mais cheio durante um período de tempo mais longo, por isso, escolher alimentos ricos em fibras pode ajudá-lo a consumir menos calorias em geral. De fato, estudos mostram que as pessoas que comem mais grãos inteiros como o arroz integral pesam menos do que aquelas que consomem menos grãos inteiros.

Um estudo com mais de 74.000 mulheres descobriu que aquelas que comeram mais grãos inteiros pesaram consistentemente menos do que aquelas que comeram menos grãos inteiros.Além disso, as mulheres com maior ingestão de fibras apresentavam um risco 49% menor de grandes ganhos de peso do que as mulheres com menor ingestão de fibras.

Foto: Reprodução

A substituição do arroz branco por arroz integral também pode ajudar a reduzir a gordura do ventre

Num estudo, 40 mulheres com excesso de peso que comeram 2/3 chávenas (150 gramas) de arroz integral por dia durante seis semanas tiveram reduções significativas no peso corporal e no perímetro da cintura, em comparação com as mulheres que comeram a mesma quantidade de arroz branco. Além disso, as mulheres que comeram arroz integral sofreram uma diminuição significativa da pressão arterial e do CRP, um marcador de inflamação no corpo.

O arroz integral pode beneficiar a saúde do coração

Não há dúvida de que o arroz integral é um alimento muito saudável. Ele é rico em fibras e compostos benéficos que podem ajudar a reduzir o risco de doenças cardíacas. Um grande estudo realizado com mais de 560.000 pessoas mostrou que as pessoas que mais ingeriram fibras alimentares tinham um risco 24-59% menor de desenvolver doenças cardíacas, cancro e doenças respiratórias.

Foto: Reprodução

Do mesmo modo, uma análise de 45 estudos revelou que as pessoas que comeram a maior quantidade de grãos inteiros, incluindo arroz integral, tinham um risco 21% mais baixo de doença coronária em comparação com as que comeram menos grãos inteiros. Além de ser uma boa fonte de fibras, o arroz integral contém compostos chamados lignanos, que podem ajudar a reduzir os factores de risco de doenças cardíacas. As dietas ricas em lignanos, tais como cereais integrais, sementes de linho, sementes de sésamo e frutos secos, têm sido associadas à redução do colesterol, à diminuição da pressão arterial e à diminuição da rigidez das artérias.

Além disso, o arroz integral é rico em magnésio, um mineral que desempenha um papel fundamental para manter o coração saudável. Uma análise de 40 estudos revelou que o aumento do magnésio na dieta estava associado a um risco 7-22% menor de AVC, insuficiência cardíaca e mortalidade por todas as causas. Outra revisão de nove estudos demonstrou que cada 100 mg/dia de aumento do magnésio na dieta reduziu a mortalidade das mulheres por doenças cardíacas em 24-25%.

Foto: Reprodução

O arroz integral é uma melhor escolha para quem sofre de diabetes

A redução do consumo de carboidratos e a escolha de opções mais saudáveis é vital para o controle do açúcar no sangue. Embora os carboidratos tenham o maior impacto no açúcar no sangue, as pessoas com diabetes podem reduzir o açúcar no sangue e os picos de insulina, comendo menos grãos refinados como o arroz branco. A substituição de arroz branco por arroz integral pode beneficiar as pessoas com diabetes de várias formas.

Num estudo, as pessoas com diabetes tipo 2 que comeram duas porções de arroz castanho por dia sofreram uma diminuição significativa do açúcar no sangue após a refeição e da hemoglobina A1c (um marcador do controlo do açúcar no sangue), em comparação com as que comeram arroz branco. O arroz integral tem um índice glicêmico inferior ao do arroz branco, o que significa que a sua digestão é mais lenta e tem um menor impacto no açúcar no sangue.

Foto: Reprodução

A escolha de alimentos com um índice glicêmico inferior pode ajudar as pessoas com diabetes a controlar melhor o seu açúcar no sangue. Vários estudos sugerem que os alimentos com um índice glicêmico mais elevado aumentam o açúcar no sangue, a insulina e a grelina, uma hormona que provoca a fome.

A redução dos níveis de grelina pode ajudar as pessoas com diabetes a controlar a sua fome, o que pode reduzir a sobrealimentação e ajudar a manter o açúcar no sangue sob controlo. Além disso, a substituição do arroz branco por arroz integral pode reduzir as possibilidades de desenvolvimento da diabetes tipo 2 em primeiro lugar.

Num estudo que incluiu mais de 197.000 pessoas, a troca de apenas 50 gramas de arroz branco por arroz castanho por semana foi associada a um risco 16% menor de desenvolvimento de diabetes tipo 2.

Foto: Reprodução

O arroz integral é naturalmente livre de glúten

O glúten é uma proteína encontrada em grãos como o trigo, a cevada e o centeio. Hoje em dia, cada vez mais pessoas seguem dietas sem glúten por várias razões. Algumas pessoas são alérgicas ou intolerantes ao glúten e sofrem reações ligeiras a graves como dores de estômago, diarreia, inchaço e vômitos. Além disso, as pessoas com determinadas doenças auto-imunes beneficiam frequentemente de uma dieta sem glúten.

Estes fatores têm levado a uma procura crescente de alimentos sem glúten. Felizmente, o arroz integral é naturalmente livre desta proteína frequentemente problemática, tornando-a uma escolha segura para aqueles que não podem ou optam por não consumir glúten.

Ao contrário dos alimentos altamente processados sem glúten, o arroz integral é um grão inteiro que é embalado com os nutrientes benéficos que o seu organismo necessita para funcionar corretamente. O arroz integral também é transformado noutros produtos saudáveis sem glúten, como bolachas e massas, que as pessoas em dietas sem glúten podem consumir.

Foto: Reprodução

Como acrescentar arroz integral à sua dieta?

Uma das melhores qualidades do arroz integral é a sua versatilidade. Você pode comê-lo em qualquer altura do dia e incorporá-lo numa variedade de receitas. Aqui estão algumas formas de adicionar arroz integral à sua dieta:

  • Faça uma tigela de cereais para o almoço com arroz integral, vegetais e proteínas.
  • Coma arroz integral com ovos, salsa, abacate e feijão preto para um almoço saboroso
  • Troque a papa de aveia por papa de arroz integral
  • Utilize arroz integral em vez de arroz branco na confecção de batatas fritas
  • Em vez de massa branca, incorpore arroz integral nas suas receitas de sopa favoritas
  • Misture arroz integral com legumes frescos e azeite para um saboroso acompanhamento
  • Faça hambúrgueres de feijão preto e arroz integral para um jantar ou almoço à base de plantas
  • Utilize arroz castanho para fazer barras energéticas
  • Troque o arroz branco por arroz integral para uma versão mais saudável de arroz doce
  • Substitua o arroz branco pelo arroz integral nos seus rolos de sushi para aumentar o teor de fibra da sua refeição
  • Use arroz integral nas suas receitas de caril
  • Experimente um toque saudável no risoto, utilizando arroz integral em vez de arroz arbóreo
  • Troque a massa branca por massa de arroz integral
  • Arroz integral salteado com azeite e alho para uma opção de carboidratos saborosos

Como você pode ver, há inúmeras formas de consumir arroz integral. Este nutritivo grão integral emparelha-se bem com muitos ingredientes e pode ser apreciado ao pequeno-almoço, almoço ou jantar. O arroz integral é um grão altamente nutritivo, sem glúten, que contém uma quantidade impressionante de vitaminas, minerais e compostos benéficos.

Consumir grãos inteiros como arroz integral pode ajudar a prevenir ou melhorar várias condições de saúde, incluindo diabetes e doenças cardíacas. Além disso, a troca de grãos refinados como o arroz branco por arroz integral pode até ajudar a perder peso. O arroz integral é um carburante versátil que pode ser consumido em qualquer altura do dia. Qualquer forma de comer este grão inteiro saudável é uma maneira de fazer uma escolha sensata para a sua saúde em geral.

Foto: Reprodução

Quiropraxia: Tudo sobre a medicina pseudocientífica

A quiropraxia, ou quiroprática, é uma medicina pseudocientífica complementar e alternativa que se preocupa com o diagnóstico e tratamento das perturbações mecânicas do sistema músculo-esquelético, especialmente da coluna vertebral. Os quiropráticos, especialmente os que se encontram no campo, propuseram que tais perturbações afetem a saúde geral através do sistema nervoso. A principal técnica de tratamento quiroprático envolve a terapia manual, especialmente a manipulação da coluna vertebral, outras articulações e tecidos moles, mas pode também incluir exercícios e aconselhamento sobre saúde e estilo de vida. Os quiropráticos não são médicos ou médicos.

As revisões sistemáticas dos estudos clínicos controlados dos tratamentos utilizados pelos quiropráticos não encontraram provas de que a manipulação quiroprática seja eficaz, com a possível excepção do tratamento das dores nas costas. Uma avaliação crítica constatou que, colectivamente, a manipulação da coluna vertebral era ineficaz no tratamento de qualquer condição. A manipulação da coluna vertebral pode ser rentável para as dores lombares subagudas ou crônicas, mas os resultados para as dores lombares agudas foram insuficientes. A eficácia e a relação custo-eficácia dos cuidados quiropráticos de manutenção são desconhecidas. Não existem dados suficientes para estabelecer a segurança das manipulações quiropráticas. Está frequentemente associada a efeitos adversos ligeiros a moderados, com complicações graves ou fatais em casos raros. Existe controvérsia quanto ao grau de risco de dissecção da artéria vertebral, que pode levar ao AVC e à morte, devido à manipulação cervical. Várias mortes têm sido associadas a esta técnica e tem sido sugerido que a relação é causal, uma alegação que é contestada por muitos quiropráticos.

A quiropraxia está bem estabelecida nos Estados Unidos, Brasil, Canadá e Austrália. Sobrepõe-se a outras profissões da terapia manual, como a osteopatia e a fisioterapia. A maioria dos que procuram cuidados quiropráticos, fazem-no para as dores lombares. As dores nas costas e pescoço são consideradas as especialidades da quiroprática, mas muitos quiropráticos tratam outras doenças para além dos problemas músculo-esqueléticos. Muitos quiropráticos descrevem-se a si próprios como prestadores de cuidados primários, mas o treino clínico quiroprático não suporta os requisitos para serem considerados prestadores de cuidados primários. A quiroprática tem dois grupos principais: Os “straights”, agora a minoria, enfatizam o vitalismo, a “inteligência inata”, e consideram as subluxações vertebrais como a causa de todas as doenças; os “mixers”, a maioria, estão mais abertos aos pontos de vista mainstream e às técnicas médicas convencionais, como o exercício, a massagem e a terapia do gelo.

Foto: Reprodução

O doutor D. Palmer fundou a quiropraxia na década de 1890, depois de a ter recebido do “outro mundo”; Palmer sustentou que os princípios da quiroprática lhe foram transmitidos por um médico que tinha morrido 50 anos antes. O seu filho B. J. Palmer ajudou a expandir a Quiroprática no início do século XX. Ao longo da sua história, a Quiroprática tem sido controversa. A sua fundação está em desacordo com a medicina convencional e tem sido sustentada por ideias pseudocientíficas como a subluxação e a inteligência inata. Apesar da esmagadora evidência de que a vacinação é uma intervenção eficaz na saúde pública, entre os quiropráticos existem discordâncias significativas sobre o assunto, o que tem levado a impactos negativos tanto na vacinação pública como na aceitação generalizada da quiroprática. A Associação Médica Americana chamou à quiroprática um “culto não científico” em 1966 e boicotou-a até à perda de um caso antitrust em 1987. A quiroprática é geralmente classificada como medicina complementar e alternativa, que se concentra na manipulação do sistema músculo-esquelético, especialmente da coluna vertebral. O seu fundador, o Doutor D. Palmer, chamou-lhe “uma ciência de cura sem medicamentos”.

A origem da quiroprática está na medicina popular da fixação dos ossos, e à medida que evoluiu incorporou o vitalismo, a inspiração espiritual e o racionalismo. A sua filosofia inicial baseava-se na dedução da doutrina irrefutável, que ajudava a distinguir a quiroprática da medicina, proporcionava-lhe defesas legais e políticas contra pretensões de praticar medicina sem licença, e permitia aos quiropráticos estabelecerem-se como uma profissão autônoma. Esta filosofia “reta”, ensinada a gerações de quiropráticos, rejeita o raciocínio inferencial do método científico e se baseia em deduções de princípios primordiais vitalistas e não no materialismo da ciência. Contudo, a maioria dos praticantes tende a incorporar a investigação científica na quiroprática, e a maioria dos praticantes são “misturadores” que tentam combinar o reducionismo materialista da ciência com a metafísica dos seus antecessores e com o paradigma holístico do bem-estar. Um comentário de 2008 propôs que a quiroprática se divorcie ativamente da filosofia linear como parte de uma campanha para eliminar dogmas não testados e se envolva em pensamento crítico e investigação baseada em evidências.

Embora exista uma grande diversidade de ideias entre os quiropráticos, eles partilham a crença de que a coluna vertebral e a saúde estão relacionadas de uma forma fundamental, e que esta relação é mediada através do sistema nervoso. Alguns quiropráticos afirmam que a manipulação da coluna vertebral pode ter um efeito sobre uma variedade de doenças como a síndrome do cólon irritável e a asma.

Foto: Reprodução

A filosofia quiroprática inclui as seguintes perspectivas:

O holismo assume que a saúde é afetada por tudo no ambiente de um indivíduo; algumas fontes também incluem uma dimensão espiritual ou existencial. Em contraste, o reducionismo na Quiroprática reduz as causas e curas dos problemas de saúde a um único fator, a subluxação vertebral. A homeostase enfatiza as capacidades inerentes à auto-cura do corpo. A noção precoce de inteligência inata da Quiroprática pode ser pensada como uma metáfora da homeostase.

Um grande número de quiropráticos temem que se não se separarem do conceito tradicional vitalista de inteligência inata, a quiroprática continuará a ser vista como uma profissão marginal. Uma variante da quiroprática chamada naprapatia teve origem em Chicago, no início do século XX. Sustenta que a manipulação manual dos tecidos moles pode reduzir a “interferência” no corpo e, assim, melhorar a saúde.

Os quiropráticos heterossexuais aderem aos princípios filosóficos estabelecidos por D.D. e B.J. Palmer, e mantêm definições metafísicas e qualidades vitais. Os quiropráticos heterossexuais acreditam que a subluxação vertebral leva à interferência com uma “inteligência inata” exercida através do sistema nervoso humano e é um fator de risco subjacente primário para muitas doenças. Os quiropráticos diretos consideram que o diagnóstico médico das queixas dos doentes, que consideram como sendo os “efeitos secundários” das subluxações, é desnecessário para o tratamento quiroprático. Assim, os quiropráticos rectos preocupam-se principalmente com a detecção e correção da subluxação vertebral através do ajustamento e não “misturam” outros tipos de terapias no seu estilo de prática. A sua filosofia e explicações são de natureza metafísica e preferem utilizar a terminologia tradicional dos léxicos quiropráticos, tais como “realizar análise vertebral”, “detectar a subluxação”, “corrigir com ajustamento”. Preferem permanecer separados e distintos dos cuidados de saúde tradicionais. Embora considerados o grupo minoritário, “foram capazes de transformar o seu estatuto de puristas e herdeiros da linhagem em influência dramaticamente desproporcionada em relação ao seu número”.

Foto: Reprodução

Os quiropráticos mixer “misturam” abordagens de diagnóstico e tratamento do ponto de vista quiroprático, médico ou osteopático e constituem a maioria dos quiropráticos. Ao contrário dos quiropráticos directos, os quiropráticos mixer acreditam que a subluxação é uma das muitas causas de doença e, por isso, tendem a estar abertos à medicina convencional. Muitos deles incorporam diagnósticos médicos convencionais e empregam tratamentos convencionais incluindo técnicas de fisioterapia, tais como exercício, alongamento, massagem, bolsas de gelo, estimulação muscular elétrica, ultra-som terapêutico e calor úmido. Alguns misturadores também utilizam técnicas da medicina alternativa, incluindo suplementos nutricionais, acupuntura, homeopatia, remédios fitoterápicos, e biofeedback.

Embora os misturadores sejam o grupo maioritário, muitos deles mantêm a crença na subluxação vertebral, tal como demonstrado num inquérito de 2003 a 1.100 quiropráticos norte-americanos, que concluiu que 88% queriam reter o termo “complexo de subluxação vertebral”, e que quando solicitados a estimar a percentagem de perturbações dos órgãos internos para as quais a subluxação contribui significativamente, a resposta média foi de 62%. Um inquérito de 2008 a 6.000 quiropráticos americanos demonstrou que a maioria dos quiropráticos parece acreditar que uma abordagem clínica baseada na subluxação pode ser de utilidade limitada para lidar com as perturbações viscerais, e favoreceu grandemente abordagens clínicas não baseadas na subluxação para tais condições. O mesmo inquérito mostrou que a maioria dos quiropráticos geralmente acreditava que a maioria da sua abordagem clínica para lidar com distúrbios músculo-esqueléticos/biomecânicos, tais como dores nas costas, se baseava na subluxação. Os quiropráticos oferecem frequentemente terapias convencionais, tais como fisioterapia e aconselhamento sobre o estilo de vida, e pode ser difícil para a pessoa leiga distinguir o não científico do científico.

Palmer formulou a hipótese de que os desalinhamentos da articulação vertebral, a que chamou subluxações vertebrais, interferiam com a função do corpo e com a sua capacidade inata de se curar a si próprio. D. Palmer repudiou a sua teoria anterior de que as subluxações vertebrais provocavam a compressão dos nervos nos espaços intervertebrais a favor das subluxações, provocando uma alteração da vibração nervosa, demasiado tensa ou demasiado frouxa, afetando o tônus (saúde) do órgão final. D. D. Palmer, utilizando uma abordagem vitalista, imbuiu o termo subluxação de um significado metafísico e filosófico. Ele qualificou isto ao notar que o conhecimento da inteligência inata não era essencial para a prática competente da quiroprática.

Foto: Reprodução

Os quiropráticos enfatizam a gestão conservadora do sistema neuromuscular esquelético sem o uso de medicamentos ou cirurgia,[48] com ênfase especial na coluna vertebral. As dores nas costas e pescoço são as especialidades da quiroprática, mas muitos quiropráticos tratam outras doenças que não as musculoesqueléticas. Existe uma variedade de opiniões entre os quiropráticos: alguns acreditavam que o tratamento deveria ser confinado à coluna vertebral, ou dores nas costas e pescoço; outros discordaram. Por exemplo, enquanto um inquérito de 2009 aos quiropráticos americanos tinha descoberto que 73% classificaram-se como “especialistas em dores nas costas/musculosqueléticas”, o rótulo “especialistas em dores nas costas e pescoço” foi considerado por 47% deles como uma descrição menos desejável num inquérito internacional de 2005. A quiroprática combina aspectos da medicina convencional e alternativa, não havendo acordo sobre como definir a profissão: embora os quiropráticos tenham muitos atributos dos prestadores de cuidados primários, a quiroprática tem mais atributos de uma especialidade médica como a odontologia ou a podologia.

As principais organizações governamentais e de saúde, como a Organização Mundial de Saúde, consideram a quiroprática como medicina complementar e alternativa; e um estudo de 2008 relatou que 31% dos quiropráticos inquiridos classificaram a quiroprática como CAM, 27% como medicina integrada, e 12% como medicina convencional. Muitos quiropráticos acreditam ser prestadores de cuidados primários, incluindo quiropráticos dos EUA e do Reino Unido, mas a duração, amplitude e profundidade da formação clínica quiroprática não suportam os requisitos para serem considerados prestadores de cuidados primários, pelo que o seu papel nos cuidados primários é limitado e contestado.

A quiroprática sobrepõe-se a várias outras formas de terapia manual, incluindo massagem terapêutica, osteopatia, fisioterapia e medicina esportiva. A quiroprática é autônoma e competitiva em relação à medicina convencional, e a osteopatia fora dos EUA continua a ser principalmente um sistema médico manual; os fisioterapeutas trabalham em conjunto e cooperam com a medicina convencional, e a medicina osteopática nos EUA. S. fundiu-se com a profissão médica. Os praticantes podem distinguir estas abordagens concorrentes através de alegações de que, em comparação com outros terapeutas, os quiropráticos enfatizam fortemente a manipulação da coluna, tendem a usar técnicas de manipulação mais firmes, e promovem cuidados de manutenção; que os osteopatas usam uma maior variedade de procedimentos de tratamento; e que os fisioterapeutas enfatizam a maquinaria e o exercício.

O diagnóstico quiroprático pode envolver uma série de métodos, incluindo a imagiologia esquelética, avaliações observacionais e tácteis e avaliação ortopédica e neurológica. O quiroprático pode também encaminhar um paciente para um especialista apropriado, ou co-gerir com outro prestador de cuidados de saúde. A gestão comum de pacientes envolve manipulação da coluna vertebral (SM) e outras terapias manuais para as articulações e tecidos moles, exercícios de reabilitação, promoção da saúde, modalidades eléctricas, procedimentos complementares e aconselhamento sobre estilo de vida.

Foto: Reprodução

Tratamentos da quiropraxia

A manipulação da coluna vertebral, a que os quiropráticos chamam “ajustamento da coluna vertebral” ou “ajustamento quiroprático”, é o tratamento mais comum utilizado nos cuidados quiropráticos. A manipulação da coluna vertebral é uma manobra manual passiva durante a qual um complexo de três articulações é retirado do intervalo normal de movimento, mas não ao ponto de deslocar ou danificar a articulação. O seu fator determinante é um impulso dinâmico, que é uma força súbita que provoca uma libertação audível e tenta aumentar a amplitude de movimento de uma articulação. Os impulsos de alta velocidade e baixa amplitude da manipulação espinal (HVLA-SM) têm efeitos fisiológicos que sinalizam a descarga neural dos tecidos musculares paraespinhais, dependendo da duração e amplitude do impulso são factores do grau de ativação dos fusos musculares paraespinhais. A capacidade clínica para utilizar os impulsos HVLA-SM depende da capacidade do profissional para lidar com a duração e magnitude da carga. Mais geralmente, a terapia de manipulação da coluna vertebral (SMT) descreve técnicas em que as mãos são utilizadas para manipular, massajar, mobilizar, ajustar, estimular, aplicar tração ou influenciar de outra forma a coluna vertebral e tecidos relacionados.

Existem várias escolas de técnicas de quiroprática de ajuste, embora a maioria dos quiropráticos misture técnicas de várias escolas. Os seguintes procedimentos de ajustamento foram recebidos por mais de 10% dos pacientes de quiropráticos licenciados dos EUA num inquérito de 2003: Técnica diversificada (manipulação da coluna vertebral completa, utilizando várias técnicas), ajuste das extremidades, Técnica Ativadora (que utiliza uma ferramenta de mola para fornecer ajustes precisos à coluna vertebral), Técnica Thompson (que se baseia numa tabela de queda e protocolos processuais detalhados), Gonstead (que enfatiza a avaliação da coluna vertebral juntamente com o ajuste específico que evita os vectores rotativos), Cox/flexão-distração (um procedimento de ajuste suave e de baixa força que mistura quiroprática com princípios osteopáticos e utiliza tabelas de ajuste especializadas com partes móveis), instrumento de ajuste, Técnica Sacro-Occipital (que modela a coluna vertebral como uma barra de torção), Técnica do Tônus Receptor, cinesiologia aplicada (que enfatiza o “teste muscular” como uma ferramenta de diagnóstico), e craniana. A técnica biofísica quiroprática utiliza funções inversas das rotações durante a manipulação da coluna vertebral. A técnica específica de Koren (KST) pode utilizar as mãos, ou podem utilizar um dispositivo eléctrico conhecido como “ArthroStim” para avaliação e manipulações da coluna vertebral. As seguradoras nos EUA e no Reino Unido que cobrem outras técnicas quiropráticas excluem a KST da cobertura porque a consideram “experimental e investigativa”. A manipulação assistida por medicamentos, como a manipulação sob anestesia, envolve sedação ou anestesia local e é feita por uma equipa que inclui um anestesista; uma revisão sistemática em 2008 não encontrou provas suficientes para fazer recomendações sobre a sua utilização para dores lombares crônicas.

Muitos outros procedimentos são utilizados por quiropráticos para tratar a coluna, outras articulações e tecidos e questões gerais de saúde. Os procedimentos seguintes foram recebidos por mais de um terço dos pacientes de quiropráticos licenciados dos EUA num inquérito de 2003: Técnica diversificada (manipulação da coluna vertebral completa; mencionada no parágrafo anterior), aptidão física/promoção de exercícios, exercício corretivo ou terapêutico, aconselhamento ergonômico/postural, estratégias de autocuidado, atividades da vida diária, mudança de comportamentos de risco/desenvolvimento saudável, recomendações nutricionais/dietéticas, recomendações de relaxamento/redução do stress, embalagem de gelo/crisioterapia, ajustamento das extremidades (também mencionado no parágrafo anterior), terapia de pontos de desencadeamento e conselhos de prevenção de doenças/rastreio precoce.