Árvore: Saiba tudo sobre o assunto

Até 2015, ninguém tinha ideia de quantas árvores existem. A melhor estimativa global foi de cerca de 400 bilhões. Quando os pesquisadores da Universidade de Yale foram convidados a apresentar uma cifra mais precisa pelos organizadores de uma iniciativa de plantio de árvores lançada pela ONU chamada Campanha do Bilhão de Árvores, eles descobriram que esse número estava dramaticamente baixo. A conclusão da pesquisa (liderada por Thomas Crowther, agora com o Instituto Federal Suíço de Tecnologia em Zurique) foi que havia mais de 3 trilhões de árvores. Esse resultado foi encontrado através da coleta de dados, incluindo inventários de árvores satélites verificados por contagem no solo, para calcular o número de árvores por quilômetro quadrado.

O estudo também forneceu uma estimativa recalibrada do número de árvores sendo destruídas pelos seres humanos, mais de 15 bilhões por ano. A população total de árvores foi reduzida pela metade como consequência das atividades humanas nos últimos 5.000 anos.
Esses números fizeram as 14 bilhões de árvores plantadas pela campanha Billion Tree em sua primeira década parecerem irremediavelmente inadequadas. Em 2017, tornou-se a Campanha Trilhão de Árvores. A pesquisa de Yale também nos deu alguns números razoavelmente precisos sobre onde estão as árvores. Vinte e dois por cento estão nas zonas temperadas, entre os trópicos e as regiões polares; as florestas mais densas estão nas regiões boreais subárticas da Rússia, Escandinávia e América do Norte, responsáveis ​​por outros 24%. As maiores florestas, no entanto, estão nos trópicos. Lar de cerca de 43% de todas as árvores, elas são justamente conhecidas como os pulmões do planeta.

Mas esses pulmões estão agora enfisêmico. Em setembro de 2017, chegou o diagnóstico deprimente de que as florestas tropicais agora estão emitindo mais carbono do que capturam, devido à taxa de destruição, degradação e perturbação das florestas
Essa descoberta foi feita por pesquisadores do Woods Hole Research Center e da Universidade de Boston, ambos em Massachusetts, que aprimoraram as ferramentas de monitoramento por satélite para identificar perdas sutis de árvores, além de mapearem completamente. O estudo mostrou que o desmatamento, há muito reconhecido como prejudicial, agora é menor se comparado a um problema de incursões mais sutis, com a degradação dos centro urbanos representando 69% do total de perdas de carbono no mundo.
“Pode ser um desafio mapear as florestas que foram completamente perdidas”, disse um dos autores do artigo, Wayne Walker. “É ainda mais difícil medir pequenas e mais sutis perdas de floresta. Em muitos casos, nos trópicos, você tem exploração seletiva ou pequenos agricultores removendo árvores individuais para lenha. Essas perdas podem ser relativamente pequenas em qualquer lugar, mas somadas em grandes áreas, elas se tornam consideráveis. ”

Foto: Reprodução

Um aspecto da vida das árvores que os satélites não conseguem mapear está relacionado com o que está acontecendo no subsolo. Os sistemas radiculares podem representar quase 30% da biomassa total de árvores tropicais jovens, de acordo com um estudo realizado no Panamá e publicado em outubro de 2017. As implicações para os programas de contabilidade e armazenamento de carbono são apenas parte do significado da pesquisa, que envolveu a escavação cuidadosa dos sistemas radiculares de seis espécies de árvores diferentes.
Os cientistas não apenas encontraram sistemas de raízes que se estendem a mais de 20 metros dos troncos das árvores, mas cerca de 5% do tempo em que essas raízes estavam conectadas com árvores de espécies vizinhas por meio de enxertos naturais.
“Essas árvores estão compartilhando recursos?” coautor do estudo ponderado Jefferson Hall, do Smithsonian Tropical Research Institute. “Teríamos encontrado uma porcentagem maior de enxertos radiculares se tivéssemos a capacidade de analisar raízes finas. Claramente, há mais trabalho a ser feito. ”

Embora a competição por recursos tenha sido historicamente considerada a relação dominante entre as árvores, como todas as outras espécies, continuam a surgir evidências de que as árvores se comunicam e interagem de maneiras muito mais complexas e cooperativas. Experimentos em uma floresta suíça, por exemplo, sugerem que as árvores compartilham efetivamente alimentos através de um sistema subterrâneo de comércio de carbono. As árvores, é claro, usam a fotossíntese para converter luz solar, água e dióxido de carbono em açúcares que são transportados das folhas para alimentar a construção de galhos, caules e raízes. As raízes da árvore também trocam o fotossintato rico em carbono por água e nutrientes dos parceiros de fungos simbióticos. Ao inundar as copas das árvores individuais com dióxido de carbono com uma assinatura atômica específica, os cientistas foram capazes de rastrear o caminho do carbono nesse açúcar, usando espectrometria de massa atômica. Eles descobriram que o carbono também acabou nas raízes das árvores vizinhas. Sua conclusão: foi transportada por intermediários de fungos. “Evidentemente”, diz o coautor do estudo Christian Körner, “a floresta é mais do que a soma de suas árvores”.

Como quase todos os organismos vivos, as árvores estão em sintonia com o ciclo dia-noite do planeta. Durante o dia, eles fotossintetizam e respiram oxigênio; à noite, descansam naquilo que os pesquisadores compararam ao sono, um estado indicado por uma queda física quantificável. Embora a hibernação noturna de pequenas plantas com flores seja conhecida, provar o mesmo em árvores totalmente crescidas só se tornou possível com tecnologia avançada, usando a varredura a laser para rastrear milhões de pontos em uma árvore. A digitalização a laser significa que cada ponto de dados precisa apenas ser iluminado com luz infravermelha por uma fração de segundo, para que o ciclo noturno não seja interrompido. Uma equipe de pesquisadores da Áustria, Finlândia e Hungria usou essa técnica em 2015 para escanear árvores em diferentes países, do pôr do sol ao nascer do sol. Embora as mudanças não tenham sido grandes, com folhas e galhos caindo cerca de 10 cm em árvores de cinco metros de altura, elas eram “sistemáticas e bem dentro da precisão de nossos instrumentos”, disse o autor principal do estudo, Eetu Puttonen. A queda, que ocorreu ao longo de algumas horas e foi revertida aproximadamente na mesma hora do dia, foi creditada ao balanço hídrico nas células individuais das árvores. Durante o dia, quando as folhas estão ocupadas fotossintetizando, elas abrem seus estômatos para absorver dióxido de carbono. Os estômatos abertos significam que as células foliares também podem perder a água necessária para a fotossíntese. Assim, a árvore bombeia água de suas raízes e troncos através de seus galhos para as folhas. É como bombear água através de uma mangueira de incêndio, inflando efetivamente toda a estrutura mantendo a pressão da água celular.

Foto: Reprodução

Tipos de árvores

Na botânica, uma árvore seria definida como uma planta perene que possui um tronco alongado ou um caule com folhas e galhos de suporte. No entanto, a definição de uma árvore não se limita apenas a um grupo taxonômico. Em vez disso, inclui uma variedade diferente de plantas que cresceram independentemente com galhos e um tronco que permite que elas se tornem mais altas que outras plantas. Quando comparadas à idade de outras plantas, as árvores tendem a viver mais e algumas até envelhecem mais de mil anos. As árvores estão no Planeta Terra há quase 370 milhões de anos e existem pouco mais de 3 trilhões de árvores adultas em todo o mundo.

Os galhos de uma árvore são essencialmente sustentados pelo grande tronco incutido sob o solo. O tronco da árvore é feito com tecido lenhoso (que lhe confere força) e tecido vascular (que permite transportar materiais importantes de uma parte para a outra). A maioria das árvores possui uma camada de casca que cobre o tronco, que se acrescenta como escudo protetor. Sob o solo, o tronco espalha suas raízes, dando suporte adicional à árvore enquanto absorve todos os nutrientes e a umidade do solo. Acima do solo, existem galhos que são divididos em brotos menores. Esses brotos produzem folhas que capturam toda a energia da luz e, com a ajuda da fotossíntese, convertem os açúcares. Isso ajuda no crescimento e desenvolvimento da árvore.

As árvores desempenham um papel importante em manter o clima moderado e diminuir a erosão. Eles tendem a remover o dióxido de carbono do ar enquanto nos fornecem oxigênio. Além disso, as árvores são um habitat para muitos animais e pássaros. Eles também fornecem abrigo e sombra, combustível para aquecimento e cozimento, madeira para construção e frutas. Os países que têm terras cheias de diversas faixas de árvores tendem a se sair bem na agricultura. Existem também algumas árvores que são vistas como sagradas em algumas culturas, enquanto outras têm papéis principais nos famosos mitos das árvores.
Não é surpresa que existam muitos tipos diferentes de árvores em todo o mundo. Algumas árvores produzem frutos úteis e algumas têm madeira preciosa, enquanto outras são comumente usadas para fins ornamentais. Seja qual for o caso, existem muitos tipos de árvores sobre as quais se deve compreender.

Foto: Reprodução

Árvores deciduais (caducifólias)

Também são chamados de madeiras duras; estas são as árvores que geralmente perdem suas folhas durante o outono. As folhas dessas árvores têm formas únicas. Dependendo da espécie das árvores, algumas folhas podem ser ovais, estreladas ou com coração.

Arvores coníferas

Também são conhecidas como sempre-vivas, o que significa que serão verdes o ano todo, apesar das mudanças de estação. Essas árvores geralmente têm folhas em forma de agulha.

Quão importantes são as árvores?

Desde o início, as árvores nos forneceram duas das coisas essenciais da vida: alimento e oxigênio. À medida que evoluímos, elas nos forneceram necessidades adicionais, como abrigo, medicamentos e ferramentas. Hoje, seu valor continua a aumentar e mais benefícios das árvores estão sendo descobertos à medida que seu papel se expande para satisfazer as necessidades criadas pelos nossos estilos de vida modernos.

Foto: Reprodução

Comunidade e valor social

As árvores são uma parte importante de cada comunidade. Nossas ruas, parques, playgrounds e quintais estão alinhados com árvores que criam um ambiente tranqüilo e esteticamente agradável. As árvores aumentam nossa qualidade de vida ao trazer elementos naturais e habitats de vida selvagem para ambientes urbanos. Nós nos reunimos sob a sombra fria que elas proporcionam durante as atividades ao ar livre com a família e amigos. Muitos bairros são também o lar de árvores muito antigas que servem como marcos históricos e uma grande fonte de orgulho da cidade. O uso de árvores nas cidades para desviar a luz solar reduz o efeito de ilha de calor causado pelo calçamento e edifícios comerciais.

Valor ecológico e ambiental

As árvores contribuem para seu meio ambiente fornecendo oxigênio, melhorando a qualidade do ar, melhorando a melhoria do clima, conservando a água, preservando o solo e apoiando a vida selvagem. Durante o processo de fotossíntese, as árvores absorvem dióxido de carbono e produzem o oxigênio que respiramos. Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, “Um acre de floresta absorve seis toneladas de dióxido de carbono e emite quatro toneladas de oxigênio”. Isto é suficiente para atender as necessidades anuais de 18 pessoas”. Árvores, arbustos e gramados também filtram o ar, removendo poeira e absorvendo outros poluentes como monóxido de carbono, dióxido de enxofre e dióxido de nitrogênio. Após as árvores interceptarem partículas insalubres, a chuva as lava até o solo.

As árvores controlam o clima, moderando os efeitos do sol, da chuva e do vento. As folhas absorvem e filtram a energia radiante do sol, mantendo as coisas frescas no verão. As árvores também preservam o calor, proporcionando uma tela contra ventos fortes. Além de influenciar a velocidade e a direção do vento, elas nos protegem da queda da chuva, do granizo e do granizo. As árvores também baixam a temperatura do ar e reduzem a intensidade do calor do efeito estufa, mantendo baixos níveis de dióxido de carbono.

Tanto acima quanto abaixo do solo, as árvores são essenciais para os ecossistemas em que residem. As raízes de longo alcance mantêm o solo no lugar e combatem a erosão. As árvores absorvem e armazenam a água da chuva, o que reduz o escoamento superficial e o depósito de sedimentos após as tempestades. Isso ajuda a recarregar o abastecimento de água subterrânea, evita o transporte de produtos químicos para os córregos e evita enchentes. As folhas caídas fazem um excelente adubo que enriquece o solo.

Muitos animais, incluindo elefantes, coalas e girafas, comem folhas para se alimentarem. As flores são comidas por macacos, e o néctar é o favorito dos pássaros, morcegos e muitos insetos. Os animais também comem muito dos mesmos frutos que nós apreciamos. Este processo ajuda a dispersar as sementes por grandes distâncias. É claro, centenas de seres vivos chamam as árvores de seu lar. Galhos cobertos de folhas mantêm muitos animais, como pássaros e esquilos, fora do alcance de predadores.

Foto: Reprodução

Valor pessoal e espiritual

O principal motivo pelo qual gostamos de árvores é porque elas são lindas e majestosas. Não há duas iguais. Espécies diferentes apresentam uma variedade aparentemente infinita de formas, formas, texturas e cores vibrantes. Mesmo as árvores individuais variam sua aparência ao longo do ano, conforme as estações do ano mudam. A força, a longa vida útil e a estatura régia das árvores lhes dão uma qualidade monumentária. A maioria de nós reage à presença de árvores com uma sensação agradável, relaxada e confortável. Na verdade, muitas pessoas plantam árvores como memoriais vivos de eventos que mudam a vida.

As árvores ajudam a registrar a história de sua família enquanto crescem e se desenvolvem ao seu lado e de seus filhos. Muitas vezes fazemos uma conexão emocional com as árvores que plantamos ou nos apegamos pessoalmente àquelas que vemos todos os dias. Esses fortes laços são evidenciados pelas centenas de grupos e organizações em todo o país que se esforçam para proteger e salvar árvores particularmente grandes ou históricas dos perigos do desenvolvimento moderno. Quantas de suas lembranças de infância incluem as árvores do seu quintal ou do seu antigo bairro? O valor sentimental de uma árvore especial é simplesmente imensurável.

Valor prático e comercial

As árvores têm sustentado e sustentado a vida ao longo da nossa existência. Elas têm uma grande variedade de usos práticos e comerciais. A madeira foi o primeiro combustível e ainda é utilizada para cozinhar e aquecer cerca de metade da população mundial. As árvores fornecem madeira para a construção civil, fabricação de móveis, ferramentas, equipamentos esportivos e milhares de artigos domésticos. A celulose de madeira é usada para fazer papel.

Todos nós conhecemos as maçãs, laranjas e as inúmeras outras frutas e nozes fornecidas pelas árvores, assim como o saboroso xarope de maçã da América do Norte. Mas você sabia que a casca de algumas árvores pode ser transformada em cortiça e é uma fonte de produtos químicos e medicamentos? Quinina e aspirina são ambas feitas a partir de extratos de casca de árvore. A casca interna de algumas árvores contém látex, o principal ingrediente da borracha. Quantos usos mais se pode citar?

Deixe uma resposta