Óleo de cártamo e seus benefícios para saúde

O óleo de cártamo é prensado a frio a partir das sementes da espécie Carthamus tinctorius, parente do girassol. Usado cosmeticamente ou topicamente em geral, o óleo de cártamo é ideal para hidratar a pele seca ou com tendência a acne, enquanto alivia irritações, erupções cutâneas e inflamações. Tem a reputação de melhorar a textura, aparência e qualidade da pele.

Usado medicinalmente, o óleo de cártamo tem a reputação de tratar a má circulação, hematomas, entorses e inflamações. É tradicionalmente usado para fortalecer a imunidade, melhorar o fluxo sanguíneo, regular o ciclo menstrual, reduzir o colesterol prejudicial, bem como o açúcar no sangue, e ajudar o corpo a eliminar o excesso de gordura.

Histórico do óleo de cártamo

O óleo de cártamo é prensado a frio a partir das sementes do Carthamus tinctorius, um parente do Girassol. Uma das plantas mais antigas a ser usada, o cártamo era comumente cultivado como planta tintureira, tornando-o um componente chave em corantes vermelhos e amarelos que eram aplicados em têxteis egípcios antigos, já na Décima Segunda Dinastia. Além disso, as guirlandas de cártamo foram descobertas no túmulo do faraó Tutancâmon e as múmias eram frequentemente envoltas em linhos que eram tingidos com cártamo. Acreditava-se que a planta de cártamo tinha a capacidade de purificar eficazmente o sangue, eliminando resíduos corporais e toxinas, como o ácido láctico, e de limpar tecidos e articulações, suavizando assim a artrite e as erupções cutâneas tópicas e melhorando a função hepática mais saudável.

Foto: Reprodução

O povo Hopi, uma tribo indígena americana, era conhecido por colorir seu pão com cártamo. Em outras aplicações gastronômicas, as flores de cártamo foram utilizadas em infusão de chá com o objetivo de facilitar a expulsão de fleuma e aliviar sintomas de febre e icterícia. Acreditava-se que beber chá de cártamo também acalmaria histeria, ataques de pânico, dor, sarampo e condições cutâneas tópicas caracterizadas por erupções. Além disso, pensava-se estimular os ciclos menstruais das mulheres, promovendo o fluxo de sangue estagnado. Em países do sudeste asiático, como Afeganistão, Índia e Paquistão, acreditava-se que o chá de cártamo previne abortos espontâneos, trata várias doenças, incluindo febres, e exibe propriedades afrodisíacas. Além disso, esses países, assim como países do Oriente Médio e África, usavam a planta de cártamo como antídoto indutor de vômito para venenos e como laxante para prevenir a constipação. Em Bangladesh, sementes de cártamo moídas foram combinadas com óleo de mostarda para criar uma pomada anti-inflamatória para reumatismo.

Antes dos anos 60, o óleo de cártamo era largamente utilizado na fabricação de revestimentos exteriores industriais, tais como tintas e vernizes. Os pintores artísticos também o utilizavam como solvente de óleo. Atualmente, ele continua sendo utilizado tanto na engenharia quanto na indústria alimentícia para a fabricação de sementes de aves e farinhas. Este artigo destaca as diversas aplicações cosméticas e medicinais do óleo de cártamo, assim como seus benefícios terapêuticos.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios do óleo de cártamo?

Os principais constituintes químicos do óleo de cártamo são os ácidos oleico, linoleico, palmítico, esteárico, linolênico e palmitoleico.

São conhecidos os ácidos oleicos (ômega-9):

  • Manter a maciez, elasticidade e brilho da pele e dos cabelos
  • Estimular o crescimento de cabelos mais grossos, longos e fortes
  • Reduzir a aparência do envelhecimento, como rugas prematuras e linhas finas
  • Eliminar a caspa e apoiar o crescimento do cabelo
  • Reforçar a imunidade
  • Apresentar propriedades antioxidantes
  • Prevenir inflamação, rigidez e dor nas articulações

É sabido que os ácido linoleico (ômega-6) são conhecidos:

  • Hidratar o cabelo e promover o seu crescimento
  • Facilitar a cicatrização de feridas
  • Ser um emulsificante eficaz na formulação de sabões e óleos de secagem rápida
  • Apresentar propriedades anti-inflamatórias
  • Acalmar a acne e reduzir as chances de futuros surtos
  • Promover a retenção de hidratação na pele e no cabelo
  • Faz com que os óleos tenham uma consistência mais fina quando usados em uma mistura de óleos, sendo assim benéficos para uso em peles com tendência a acne.
  • Ajuda a retardar o aspecto de envelhecimento, mantendo a elasticidade e suavidade da pele

O ácido palmítico é conhecido por

  • Possuir propriedades emolientes
  • Amaciar os cabelos sem deixar resíduos oleosos ou pegajosos
  • Ser o ácido graxo saturado mais comum

O ácido esteárico é conhecido por:

  • Possuir propriedades de limpeza que eliminam a sujeira, suor e excesso de sebo dos cabelos e da pele
  • Ser um agente emulsificante ideal para a ligação de água e óleo
  • Ajudar os produtos a permanecerem potentes quando armazenados por longos períodos de tempo
  • Condicionar e proteger o cabelo de danos sem diminuir o brilho ou fazer com que ele se sinta pesado
  • Possuir propriedades excepcionais de limpeza
  • Suavizar a pele

É conhecido o ácido alfa-linolênico (ômega-3):

  • Menor inflamação
  • Controle a coagulação do sangue na pele
  • Acalma a dor articular e alivia a rigidez das articulações para melhorar a flexibilidade

O ácido palmitoleico é conhecido por:

  • Atrasar o aparecimento do envelhecimento precoce
  • Hidratar e apertar a pele
  • Promover o crescimento de cabelos brilhantes
  • Realça a luminosidade da tez
  • Impulsionar o crescimento de unhas com aparência saudável
  • Aumentar a elasticidade da pele para prevenir sintomas de envelhecimento precoce, tais como rugas
Foto: Reprodução

Usado cosmeticamente ou topicamente em geral, o óleo de cártamo é conhecido por ter uma consistência leve e textura não oleosa que é ideal para hidratar a pele seca ou com tendência a acne, ao mesmo tempo em que alivia irritações, erupções cutâneas e inflamações. É conhecido por facilitar o descongestionamento dos poros enquanto promove a regeneração celular para diminuir o aparecimento de cicatrizes e sinais de envelhecimento, como rugas, para uma aparência suave, jovem e radiante. Com aplicação regular, o óleo de cártamo tem a reputação de melhorar a textura, tonalidade, aparência geral e qualidade da pele. Ao trabalhar para eliminar efetivamente os pontos brancos, pontos negros e, em última análise, a acne, o óleo de cártamo reduz os sinais de manchas, ao mesmo tempo em que previne futuras quebras.

A prensagem a frio das sementes de cártamo produz dois tipos de óleos: um rico em ácidos graxos polinsaturados ou um rico em Ácidos Graxos Monoinsaturados (MUFA). O primeiro consiste de Ácidos Graxos Linoleicos e é utilizado a frio enquanto o segundo contém Ácidos Graxos Oleicos. Os MUFA geralmente têm uma vida útil mais estável que os PUFA e sua riqueza em ácidos oleicos significa que são altamente benéficos para suavizar e condicionar o couro cabeludo e os cabelos. Ao contribuir com brilho e melhora a circulação, o óleo de cártamo estimula o crescimento e a força do cabelo. As propriedades antioxidantes e nutritivas do óleo de cártamo são conhecidas por proteger os cabelos contra os efeitos agressivos dos fatores de estresse ambiental, como os raios UV.

É tradicionalmente utilizado para fortalecer a imunidade e melhorar o fluxo sanguíneo, o que proporciona alívio àqueles que sofrem de menstruação obstruída, regulando o ciclo e aliviando as cólicas menstruais. Acredita-se que o óleo de cártamo reduz os níveis de colesterol e açúcar no sangue, além de promover a perda de peso, ajudando a facilitar a eliminação do excesso de gordura no organismo. Como ilustrado, o óleo de cártamo é conhecido por ter muitas propriedades terapêuticas. A seguir, destacam-se seus diversos benefícios e os tipos de atividade que se acredita que ele demonstre:

Cosmética: Anti-inflamatório, Antioxidante, Estimulante, Estimulante, Regenerativo, Fortalecimento, Circulatório, Limpeza, Equilibrante, Tonificante, Brilhante, Clareador, Clarificante, Estimulante do Colágeno.
Medicinal: Anti-Inflamatório, Antioxidante, Anti-espasmódico, Estimulante, Regulador, Regenerativo, Fortalecimento, Circulatório, Analgésico, Anti-Coagulante.

Foto: Reprodução

Usos do óleo de cártamo

Utilizado em aplicações cosméticas e tópicas, o óleo de cártamo pode se fixar na hidratação para hidratar e acalmar a pele, promovendo assim brilho. Para contribuir com a elasticidade em áreas secas, ásperas e de tonalidade irregular, massageie 2-3 gotas de óleo de cártamo em um rosto acabado de limpar uma vez pela manhã e outra à noite. Isto não precisa ser enxaguado.

Para um óleo corporal leve e condicionador, ideal para tipos de pele oleosa, dilua 5 gotas de óleo essencial de bergamota, 5 gotas de óleo essencial de camomila e 5 gotas de óleo essencial de gerânio em 60 ml (2 oz.) de óleo de cártamo. Pode ser massageado nas áreas preferidas da pele.

Para um óleo facial ideal para tipos de pele com tendência a acne, combine 1 colher de sopa de óleo de cártamo com 2-4 gotas de óleo Essencial de árvore do chá. Tanto o óleo essencial de Lavanda quanto o Óleo Essencial de Limão podem ser substituídos. Em seguida, lave o rosto com água morna antes de massajar suavemente a mistura de óleo no rosto em um movimento circular, evitando a área sensível dos olhos. Finalmente, com um pano úmido, limpe todo o óleo. Este regime tem a reputação de limpar a pele e regular a sua produção de óleo. Aplicado em áreas da pele que são inchadas ou sensíveis, o óleo de cártamo é conhecido por diminuir a inflamação, distensão e dor.

Foto: Reprodução

Para um sabonete de óleo de cártamo que se acumula enquanto limpa, combine 385 ml de óleo de cártamo, 280 ml de óleo veicular de coco, 280 ml de óleo de palma, 340 ml de água destilada e 130 ml de lixívia. Para um aroma suave, adicione 3-5% de óleo essencial de lavanda ou rosa absoluta por quilo de óleo veicular. Esta receita pode ser feita utilizando o processo a quente, temperatura ambiente ou a frio. O produto final pode ser usado como sabão para o corpo ou para as mãos.

Usado no cabelo, o óleo de cártamo tem a reputação de reduzir a queda do cabelo e promover o seu crescimento. Sua aplicação pode ser tão simples quanto adicionar algumas gotas nas pontas dos fios de cabelo secos. Alternativamente, o óleo de cártamo pode ser aplicado em cabelos lavados e penteados, esfregando 3 gotas nas palmas das mãos e massageando-os com a ponta dos dedos no couro cabeludo. Um pente pode ser usado para ajudar a distribuir uniformemente o óleo das raízes até as pontas. Este condicionador pode ser deixado no cabelo por 45-60 minutos antes de ser completamente lavado com um shampoo normal. A repetição deste procedimento uma vez por semana é considerada uma boa forma de manter o nível de hidratação do cabelo.

Para um tratamento capilar com óleo de cártamo que pode ser aplicado como máscara, comece combinando 1 colher de chá de óleo de cártamo, 1 colher de chá de óleo de coco, 5 gotas de óleo essencial de alecrim e 5 gotas de óleo essencial de árvore de chá. Em seguida, aplique este óleo nas raízes e alise ao longo de todo o comprimento dos fios. Acredita-se que esta máscara capilar estimula o crescimento de fios mais fortes e saudáveis, ao mesmo tempo em que suaviza e previne o ressecamento e a coceira característica da caspa.

Utilizado em aplicações medicinais, o óleo de cártamo é conhecido por ter um efeito reparador e até ligeiramente refrescante sobre a pele seca e danificada. Para uma mistura de massagem que hidrata, suaviza e rejuvenesce a pele, combine 10 colheres de chá de óleo de cártamo, 5 gotas de óleo essencial de lavanda, 2 gotas de óleo essencial de camomila, e 2 gotas de óleo de incenso. Para uma experiência de massagem indulgente e relaxante, pegue 1 colher de chá desta mistura e amasse suavemente nas áreas preferidas da pele, com foco nas zonas desidratadas.

Foto: Reprodução

A Valeriana e seus benefícios para saúde

Valeriana officinalis, comumente conhecida como valeriana, é uma erva nativa da Ásia e Europa. Hoje também é cultivada nos EUA, China e outros países. As flores da planta valeriana foram usadas para fazer perfume séculos atrás, e a porção da raiz tem sido usada na medicina tradicional por pelo menos 2.000 anos.

Ao contrário de suas flores delicadamente perfumadas, a raiz da valeriana tem um odor muito forte e terroso devido aos óleos voláteis e outros compostos responsáveis por seus efeitos sedativos. Curiosamente, o nome “valeriana” é derivado do verbo latino valere, que significa “ser forte” ou “ser saudável”. O extrato de raiz de valeriana está disponível como suplemento na forma líquida ou em cápsula. Também pode ser consumido como um chá.

A valeriana é uma planta florida, cuja raiz é seca e usada como remédio herbal. A valeriana tem sido usada em medicina alternativa como um possível auxiliar eficaz no tratamento de problemas do sono (insônia). Outros usos não comprovados com pesquisas incluíram tratamento de ansiedade, estresse, depressão, distúrbio de déficit de atenção, síndrome de fadiga crônica, tremores, epilepsia, sintomas da menopausa, e outras condições.

Não é certo se a valeriana é eficaz no tratamento de qualquer condição médica. A valeriana não deve ser usada no lugar de medicamentos prescritos para você pelo seu médico. A valeriana é frequentemente vendida como um suplemento herbal. Não existem normas de fabricação regulamentadas para muitos compostos herbais e alguns suplementos comercializados foram encontrados contaminados com metais tóxicos ou outros medicamentos. Suplementos herbais/saúde devem ser comprados de uma fonte confiável para minimizar o risco de contaminação.

Foto: Reprodução

Como a valeriana atua no organismo?

A raiz de valeriana contém uma série de compostos que podem promover o sono e reduzir a ansiedade. Estes incluem ácido valerênico, ácido isovalérico e uma variedade de antioxidantes. A valeriana tem recebido atenção por sua interação com o ácido gama-aminobutírico (GABA), um mensageiro químico que ajuda a regular os impulsos nervosos em seu cérebro e sistema nervoso.

Pesquisadores mostraram que baixos níveis de GABA relacionados ao estresse agudo e crônico estão ligados à ansiedade e sono de baixa qualidade. O ácido valerênico tem inibido a quebra do GABA no cérebro, resultando em sensações de calma e tranqüilidade. Assim como medicamentos anti-ansiedade como Valium e Xanax funcionam.

A raiz de valeriana também contém os antioxidantes hesperidina e linarina, que parecem ter propriedades sedativas e de melhora do sono (. Muitos destes compostos podem inibir a atividade excessiva na amígdala, uma parte do cérebro que processa o medo e fortes respostas emocionais ao estresse.

Um estudo descobriu que tratar ratos com valeriana melhorou sua resposta ao estresse físico e psicológico mantendo níveis de serotonina, uma química cerebral envolvida na regulação do humor. Além disso, pesquisadores mostraram que o ácido isovalérico pode prevenir contrações musculares súbitas ou involuntárias similares ao ácido valpróico, um medicamento usado para tratar a epilepsia.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios da valeriana?

Raiz de valeriana pode ajudá-lo a relaxar

Ficar calmo sob estresse pode ser difícil. Pesquisas sugerem que a raiz da valeriana pode ajudar a aliviar sentimentos de ansiedade que ocorrem em resposta a situações estressantes. Em um estudo, ratos tratados com raiz de valeriana antes de um experimento com labirinto apresentaram comportamento significativamente menos ansioso do que ratos que receberam álcool ou não receberam tratamento.

Um estudo em adultos saudáveis submetidos a testes mentais desafiadores descobriu que uma combinação de valeriana e bálsamo de limão reduziu os índices de ansiedade. No entanto, uma dose extremamente alta do suplemento realmente aumentou as classificações de ansiedade. Além de diminuir a ansiedade em resposta ao estresse agudo, a raiz da valeriana também pode ajudar em condições crônicas caracterizadas por comportamentos ansiosos, tais como transtorno de ansiedade generalizada ou transtorno obsessivo-compulsivo.

Em um estudo controlado de oito semanas em adultos com TOC, o grupo que tomou extrato de valeriana diariamente mostrou uma redução significativa em comportamentos obsessivos e compulsivos quando comparado com o grupo controle. Além disso, ao contrário de muitos dos medicamentos comumente usados para tratar o TOC, a valeriana não causou nenhum efeito colateral significativo.

Outro estudo sugere que crianças que têm dificuldade em manter o foco ou experimentam comportamentos hiperativos podem se beneficiar da valeriana. Neste estudo controlado com 169 crianças do ensino fundamental, uma combinação de valeriana e bálsamo de limão melhorou em mais de 50% o foco, a hiperatividade e a impulsividade entre as crianças com os sintomas mais graves.

Foto: Reprodução

A raiz de valeriana pode ajudar você a dormir melhor

Os distúrbios do sono são extremamente comuns. Estima-se que cerca de 30% das pessoas sofrem de insônia, ou seja, têm dificuldade em adormecer, permanecer dormindo ou conseguir um sono restaurador e de alta qualidade.

Pesquisas sugerem que o uso da raiz valeriana pode reduzir o tempo que leva para adormecer, além de melhorar a qualidade e quantidade do sono. Em um estudo controlado com 27 adultos jovens e de meia-idade com dificuldades para dormir, 24 pessoas relataram melhora no sono e 12 relataram “sono perfeito” após tomar 400 mg de raiz de valeriana.

O sono de onda lenta, também conhecido como sono profundo, é importante para reparar e recarregar o corpo para que você acorde sentindo-se bem descansado e enérgico. Um estudo em adultos com insônia descobriu que uma única dose de valeriana lhes permitiu alcançar um sono profundo 36% mais rápido. Além disso, o tempo que eles passaram em sono profundo aumentou durante 14 dias de consumo de valeriana.

A valeriana também pode ajudar pessoas que têm insônia após pararem de tomar benzodiazepinas, medicamentos sedativos que podem levar à dependência ao longo do tempo. Em um estudo de pessoas que tiveram sintomas de abstinência relacionados à interrupção do uso de benzodiazepínicos após uso prolongado, foram relatadas melhorias significativas na qualidade do sono após duas semanas de tratamento com valeriana.

Embora a maioria das pesquisas sobre os efeitos da valeriana no sono tenha sido realizada em adultos, há alguns estudos que sugerem que crianças que têm dificuldades para dormir também podem se beneficiar com isso. Em um pequeno estudo de oito semanas de atraso no desenvolvimento de crianças com distúrbios do sono, a valeriana reduziu o tempo necessário para adormecer, aumentou o tempo total de sono e levou a um sono de melhor qualidade. No entanto, embora revisões sistemáticas de vários estudos tenham concluído que a valeriana é segura, alguns pesquisadores acham que não há evidências suficientes para confirmar que ela é mais eficaz para os distúrbios do sono do que um placebo.

Foto: Reprodução

Outros benefícios da raiz de valeriana

Há menos pesquisas publicadas sobre os efeitos em outras condições. No entanto, alguns estudos sugerem que a raiz da valeriana pode trazer benefícios:

  • Menopausa: Um estudo em mulheres na menopausa encontrou reduções significativas na severidade do hot flash e reduções modestas na freqüência de hot flash durante oito semanas de tratamento com 765 mg de valeriana diariamente.
  • Problemas menstruais: Mulheres que sofrem de síndrome pré-menstrual (TPM) ou menstruação dolorosa podem se beneficiar da valeriana. Um estudo descobriu que melhorou os sintomas físicos, emocionais e comportamentais da TPM.
  • Síndrome das pernas inquietas: Um estudo de oito semanas em pessoas com síndrome das pernas inquietas mostrou que tomar 800 mg por dia melhorou os sintomas e diminuiu a sonolência diurna.
  • Doença de Parkinson: Um estudo descobriu que tratar ratos com Parkinson com extrato de valeriana levou a um melhor comportamento, uma diminuição na inflamação e um aumento nos níveis de antioxidantes.

Informações importantes e cuidados com a valeriana

Siga todas as instruções no rótulo e na embalagem do produto. Informe cada um de seus prestadores de serviços de saúde sobre todas as suas condições médicas, alergias e todos os medicamentos que você usa.

Você não deve usar valeriana se você for alérgico a ela. Antes de usar valeriana, fale com o seu médico. Você pode não poder usar valeriana se tiver certas condições médicas. Não se sabe se a valeriana irá prejudicar um bebê que está para nascer. Não use este produto sem orientação médica se estiver grávida.

Não se sabe se a valeriana passa para o leite materno ou se pode prejudicar um bebê em amamentação. Não utilize este produto sem orientação médica se estiver amamentando um bebê Não dê nenhum suplemento herbal/saúde a uma criança sem orientação médica.

Foto: Reprodução

Como devo tomar valeriana?

Ao considerar o uso de suplementos fitoterápicos, procure o conselho de seu médico. Você também pode considerar consultar um profissional treinado no uso de suplementos fitoterápicos/saúde. Se você optar por usar valeriana, use-a como indicado na embalagem ou como indicado pelo seu médico, farmacêutico ou outro profissional de saúde. Não use mais deste produto do que o recomendado no rótulo.

Não esmague, mastigue, quebre ou abra uma cápsula de valeriana. Engula inteiro. Se você precisar de cirurgia, pare de tomar a valeriana com pelo menos 2 semanas de antecedência. Chame seu médico se a condição que você está tratando com valeriana não melhorar, ou se ela piorar durante o uso deste produto. Armazenar à temperatura ambiente, longe da umidade e do calor.

O que acontece se eu falhar uma dose?

Uma vez que a valeriana é usada quando necessário, não é provável que você perca uma dose.

O que devo evitar ao tomar valeriana?

A valeriana pode prejudicar o seu raciocínio ou reações. Tenha cuidado se você dirige ou faz qualquer coisa que exija alerta. Evite usar valeriana com outros suplementos de ervas/saúde que possam causar sonolência. Isso inclui 5-HTP (5-hidroxitriptofano), papoula da Califórnia, catnip, camomila, gotu kola, jamaicano dogwood, kava, melatonina, erva de São João, skullcap (ou scullcap), erva mansa, e outros. Evite o consumo de álcool. Pode aumentar a sonolência causada pela valeriana.

Imagem: Reprodução

Quais são os efeitos colaterais da valeriana?

Procure ajuda médica de emergência se você tiver algum destes sinais de reação alérgica: urticária; respiração difícil; inchaço do rosto, lábios, língua ou garganta. Embora nem todos os efeitos colaterais sejam conhecidos, acredita-se que a valeriana seja possivelmente segura quando tomada por um curto período de tempo (4 a 8 semanas). Pare de usar valeriana e chame seu médico imediatamente se você tiver problemas de fígado, náuseas, dor na parte superior do estômago, prurido, sensação de cansaço, perda de apetite, urina escura, fezes cor de barro, icterícia (amarelecimento da pele ou dos olhos).

Efeitos colaterais comuns podem incluir dor de cabeça, dor de estômago, problemas de raciocínio, boca seca, sensação de excitação ou desconforto, sonhos estranhos ou sonolência diurna.

Que outros medicamentos irão afetar a valeriana?

Tomar este medicamento com outros medicamentos que lhe causam sonolência pode agravar este efeito. Pergunte ao seu médico antes de tomar valeriana com um comprimido para dormir, medicamento narcótico para dor, relaxante muscular, ou medicamento para ansiedade, depressão, ou convulsões. Não tome valeriana sem aconselhamento médico se estiver a usar um medicamento para tratar qualquer tipo de infecção (incluindo HIV, malária, ou tuberculose), ansiedade ou depressão, asma ou alergias, câncer, disfunção eréctil, azia ou doença do refluxo gastroesofágico, pressão arterial alta, colesterol alto, ou uma condição cardíaca, enxaquecas, psoríase, artrite reumatoide, ou outros distúrbios auto-imunes, distúrbios psiquiátricos ou apreensões.

Esta lista não está completa. Outros medicamentos podem interagir com a valeriana, incluindo medicamentos de prescrição e venda livre, vitaminas e produtos fitoterápicos. Nem todas as interações possíveis estão listadas neste guia de produtos. Não pare de tomar este medicamento, excepto se aconselhado pelo seu médico ou profissional de saúde. Embora nem todos os efeitos colaterais sejam conhecidos, pensa-se que a valeriana é possivelmente segura quando tomada por um curto período de tempo (4 a 8 semanas).

Foto: Reprodução

Pare de usar valeriana e chame seu médico imediatamente se você tiver problemas de fígado, náuseas, dor na parte superior do estômago, prurido, sensação de cansaço, perda de apetite, urina escura, fezes cor de barro, icterícia (amarelecimento da pele ou dos olhos).

Efeitos colaterais comuns podem incluir dor de cabeça, dor de estômago, problemas de raciocínio, boca seca, sensação de excitação ou desconforto, sonhos estranhos ou sonolência diurna. Esta não é uma lista completa de efeitos colaterais e outros podem ocorrer. Consulte seu médico para aconselhamento médico sobre os efeitos colaterais.

A valeriana é uma erva que pode ajudar a melhorar o sono, promover o relaxamento e reduzir a ansiedade. Parece ser segura e não-habitante quando tomada na dose recomendada. Em alguns casos, ela pode ser capaz de substituir benzodiazepinas e drogas similares.

No entanto, é importante falar com seu médico antes de tomar valeriana, especialmente se você estiver tomando outros medicamentos ou se tiver um problema de saúde grave. Enquanto estudos sugerem que muitas pessoas experimentam grandes resultados com a valeriana, outras podem não ver as mesmas melhorias.

No entanto, dada a sua segurança e potenciais benefícios, você pode querer experimentar a valeriana se você tiver problemas com o sono ou ansiedade. Pode apenas melhorar seu sono, seu humor e sua capacidade de lidar com o estresse.

O Dragão de komodo e suas características

Os dragões de Komodo são um tipo de lagarto monitor. Eles podem crescer até três metros de comprimento (quase tanto quanto um carro pequeno!) e pesar até 135 quilos, o que é tão pesado quanto um urso panda. Apesar de serem tão grandes, os dragões de Komodo podem ser muito rápidos quando estão caçando presas.

Os dragões de Komodo vivem em uma pequena ilha na Indonésia chamada Ilha de Komodo. Komodo não é a única ilha onde os dragões vivem na Indonésia. Existem parques protegidos onde os dragões de Komodo vivem nas ilhas de Rinca e Flores, assim como em algumas outras ilhas menores. Existem cerca de 3.000 dragões no total, na natureza, nestas ilhas. Cerca de 2.000 pessoas também vivem na Ilha de Komodo.

Os dragões de Komodo foram registrados pela primeira vez por cientistas ocidentais em 1910. Os holandeses reconheceram que havia um número limitado de lagartos e proibiram a caça esportiva e extensas matanças para estudo científico (o método do dia). A coleta de expedições parou abrutamente com a Segunda Guerra Mundial, mas foi retomada na década de 1950. Uma expedição em meados dos anos 60 para um estudo de longo prazo do dragão de Komodo (comportamento alimentar, reprodução, temperatura corporal, etc.) foi realizada pela família Auffenberg, que permaneceu na Ilha de Komodo por 11 meses em 1969. Durante sua estadia, Walter Auffenberg e sua assistente Putra Sastrawan capturaram e etiquetaram mais de 50 dragões de Komodo. Pesquisas da expedição de Auffenberg seriam enormemente influentes na criação de dragões de Komodo em cativeiro. Pesquisas contínuas têm lançado ainda mais luz sobre a natureza do dragão de Komodo. A UICN lista o dragão de Komodo como Vulnerável e o Apêndice I da CITES.

Foto: Reprodução

Amostras de saliva foram analisadas por pesquisadores da Universidade do Texas. Eles encontraram 57 diferentes cepas de bactérias crescendo na boca de três dragões de Komodo selvagens incluindo E. coli, Staphylococcus sp., Providencia sp., Proteus morgani e P. mirabilis e Pasteurella multocida.

O rápido crescimento (e portanto virulência) destas bactérias foi notado por um pesquisador, o Doutor Fredeking, que afirmou: “Normalmente leva cerca de três dias para uma amostra de P. multocida cobrir uma placa de Petri… [a amostra do Komodo] levou oito horas”. Fomos muito surpreendidos pelo quão virulentas eram essas cepas”. Tal estudo apoiou a observação de que as feridas infligidas pelo dragão de Komodo são frequentemente associadas à sepse e subsequentes infecções em animais de presa. Os dragões vão rastrear as presas mordidas durante dias, a sepse acabando por matar o animal… uma refeição de dragão de Komodo com pouca preocupação com ferimentos na matança. Como o dragão de Komodo não é afetado por estas bactérias virulentas permanece um mistério.

Foi observado que enquanto os patógenos encontrados na boca de dragões de Komodo selvagens desaparecem da boca de animais em cativeiro, devido a uma dieta mais limpa e ao uso de antibióticos. Isto foi verificado através da coleta de amostras de muco da superfície da gengiva externa da mandíbula superior de dois indivíduos recém capturados.

O dragão de Komodo é capcioso e adultos grandes podem engolir grandes pedaços de presas. O tubo na frente da mandíbula é a glote e o tubo bronquial cartilaginoso que empurra para frente enquanto o lagarto engole algo grande. Isto permite que o animal continue respirando enquanto engole…da mesma forma que as cobras.

Foto: Reprodução

Este tubo respiratório em associação com o mecanismo da língua, é muitas vezes visível ao lado da presa durante a ação de deglutição intensiva do trabalho de parto. Após comer até 80% do seu peso corporal em uma refeição, o dragão do Komodo arrasta-se para um local ensolarado para se deliciar e acelerar a digestão, pois o alimento pode apodrecer e envenenar o dragão de Komodo se ele ficar sem digerir no estômago por muito tempo. Devido ao seu metabolismo lento e ectotérmico, os dragões de Komodo grandes podem sobreviver com apenas 12 refeições por ano.

Numa grande matança, os dragões de Komodo maiores comem primeiro, enquanto os menores seguem uma hierarquia. O macho maior afirma sua dominância e os machos menores mostram sua submissão através do uso da linguagem corporal e de silvos estridentes. Dragões de igual tamanho podem recorrer à “luta livre”. Os perdedores geralmente recuam, embora se saiba que às vezes são mortos e comidos pelos vencedores. Os dragões de Komodo comem segurando a carcaça com suas patas dianteiras, arrancando grandes pedaços de carne e engolindo os pedaços inteiros. O conteúdo do estômago e dos intestinos da presa é tipicamente rejeitado. Para presas menores, até o tamanho de uma cabra, as mandíbulas soltas do dragão de Komodo, o crânio flexível, a garganta e o estômago expansíveis permitem que elas engulam a presa inteira. Quantidades copiosas de saliva vermelha que os dragões de Komodo produzem ajudam a lubrificar o alimento, mas a deglutição ainda pode ser um processo longo (15-20 minutos para engolir uma cabra).

Comportamento do dragão de Komodo

O dragão de Komodo não tem boa audição e só é capaz de ouvir sons entre 400 e 2000 hertz. É capaz de ver até 300 metros de distância (980 pés = 3 campos de futebol), mas tem má capacidade de identificar objetos que não estão em movimento (estacionários). O dragão de Komodo é capaz de ver em cores e, como suas retinas contêm apenas cones (células oculares que só vêem em cores), provavelmente tem má visão noturna, como os humanos. Suas escamas possuem placas sensoriais com nervos que facilitam (ajudam) o sentido do tato. Cada escala ao redor das orelhas, lábios, queixo e plantas dos pés pode ter três ou mais placas sensoriais.

Foto: Reprodução

Embora os jovens dragões de Komodo passem grande parte de seu tempo em árvores, à medida que o dragão de Komodo amadurece, seu grande tamanho torna a escalada impraticável e depois impossível. Suas garras são usadas principalmente como armas e como ganchos para agarrar grandes presas para desmembramento. Para um abrigo noturno, um Dragão, usando seus poderosos membros dianteiros e garras, cava buracos que podem medir de 1 a 3 metros de largura. Devido ao seu grande tamanho e hábito de dormir nestas tocas, ele é capaz de conservar o calor corporal durante toda a noite e minimizar o seu período de amansamento na manhã seguinte. Costumam caçar à tarde, ficando na sombra durante a parte mais quente do dia. Locais de descanso especiais, geralmente localizados em cristas com brisa fresca do mar, são indicados por muitos excrementos. Devido ao uso constante e ao grande tamanho do lagarto, estes locais de descanso geralmente estão livres de vegetação. Os locais de descanso elevados servem como postos de observação e locais estratégicos a partir dos quais se pode emboscar presas.

Após a digestão, o dragão de Komodo regurgita uma massa de chifres, pelos e dentes (conhecida como uma pelota gástrica – à maneira de aves de rapina como corujas), que é coberta de muco mal odoroso. Após regurgitar a pelota, ele esfrega o rosto na sujeira ou nos arbustos para se livrar do muco.

Os excrementos do dragão de Komodo são em sua maioria brancos, semelhantes aos excrementos de Hyena (Crocuta crocuta), por causa da quantidade de osso que é comido. Os ossos são quebrados, mas o cálcio não é completamente digerido e passa como um pó branco. Muitos animais, na África, comem cocô de hiena para suprir suas próprias necessidades de cálcio. Provavelmente o mesmo acontece com o cocô do dragão de Komodo.

Foto: Reprodução

A dieta variada do dragão de Komodo inclui invertebrados, outros répteis (incluindo Dragões de Komodo menores), aves, ovos de aves e mamíferos desde ratos e macacos até porcos selvagens, cabras, veados, cavalos e búfalos-d’água. Os dragões de Komodo jovens comerão insetos, ovos, lagartixas e pequenos mamíferos. Ocasionalmente os dragões consomem humanos e cadáveres humanos, desenterrando corpos a partir de sepulturas rasas. Este hábito de invadir sepulturas fez com que os moradores de dragão de Komodo deslocassem seus locais de sepultura de terra arenosa para terra argilosa e empilhar pedras em cima deles para dissuadir os lagartos. O dragão de Komodo pode ter comido o extinto elefante anão Stegodon que um dia viveu em Flores, segundo o biólogo evolucionista Jared Diamond.

O dragão de Komodo não parece ser capaz de sugar água quando bebe, como outros lagartos fazem, nem pode lapidar água com sua língua. De maneira semelhante às aves, ele bebe tomando uma boca cheia de água, levantando a cabeça e deixando a água escorrer pela garganta. Os mamíferos são os únicos animais com diafragma (e lábios) e são capazes de beber sugando líquido para dentro da boca. Outros lagartos além dos dragões – mais cobras e tartarugas – bombeiam água na boca e na garganta, levantando e baixando o chão da boca baixando a língua e o “chão” da boca faz com que a água flua para dentro da boca, e então o chão da boca é levantado na frente primeiro, empurrando a água para a garganta. Os pombos fazem o mesmo, mas a maioria das aves bebe inclinando a cabeça para trás, como o dragão de Komodo.

Reprodução e crescimento do dragão de Komodo

O acasalamento começa entre maio e agosto. Durante este período, os machos lutam sobre as fêmeas e território lutando uns com os outros sobre suas patas traseiras, com o perdedor eventualmente sendo preso ao chão. Estes machos podem vomitar ou defecar ao se prepararem para o combate. O vencedor do conflito então balança sua longa língua na fêmea para obter informações sobre sua receptividade. As fêmeas são antagônicas e resistem com suas garras e dentes durante as fases iniciais do namoro. As exibições de cortejamento incluem machos esfregando o queixo na fêmea, arranhões duros nas costas e lambidas. O macho muito maior prende totalmente a fêmea, durante o coito (conseguido pela inserção de um de seus hemipênios na sua cloaca), para evitar ser ferido.

A eclosão dos ovos é um esforço exaustivo para os recém-nascidos, que se desprendem de suas cascas de couro com um dente de ovo que cai logo em seguida. Após o corte da eclosão, os recém-nascidos podem ficar horas em suas cascas de ovos antes de começar a escavar fora do ninho. Elas nascem bastante indefesas e são especialmente vulneráveis quando saem do ninho. Os jovens dragões se dirigem imediatamente para as árvores, a salvo de predadores e adultos canibais. Muitos são comidos à espera de predadores. Os sobreviventes podem levar de oito a nove anos para amadurecer, e estima-se que vivam em média 30 anos. Eles podem viver até 50 anos.

Foto: Reprodução

Os jovens dragões de Komodo passam grande parte de seus primeiros anos em árvores, onde estão relativamente a salvo de predadores. Esses adultos canibais fazem 10% da dieta dos jovens Dragões. O hábito do canibalismo pode ser vantajoso para sustentar o grande tamanho dos adultos, uma vez que é rara a presença de presas de tamanho médio nas ilhas. Quando os jovens devem se aproximar de uma matança, eles rolam em matéria fecal e descansam em meio aos intestinos dos animais eviscerados para deter esses adultos famintos.

Uma ocorrência interessante e inesperada renovou recentemente o foco científico sobre os dragões de Komodo. No final de 2005, um dragão de Komodo no Zoológico de Londres (chamado Sungai) colocou uma ninhada de ovos após ser separado da companhia dos machos por mais de dois anos. Os cientistas inicialmente assumiram que ela tinha sido capaz de armazenar o esperma de seu encontro anterior com um macho (fertilização atrasada).

No entanto, em 20 de dezembro de 2006, foi relatado que Flora, um dragão de Komodo em cativeiro vivendo no Zoológico de Chester, na Inglaterra, tornou-se o segundo conhecido dragão de Komodo a ter colocado óvulos não fertilizados: ela colocou 11 óvulos, e 7 deles eclodiram, todos machos.

A Batata Yacon e seus benefícios

A raiz de batata yacon é uma espécie de margarida perene que cresce naturalmente na América do Sul e faz parte da dieta andina há centenas de anos. Esta raiz vegetal naturalmente doce, naturalmente baixa em glicemia, parece uma batata doce, mas é muito mais hidratante do que as suas equivalentes em amido. A “raiz Yacon” traduz literalmente “raiz aquosa” na língua Inca, e seu sabor tem sido comparado a maçãs, peras e melancias.

Tradicionalmente, a batata yacon é cultivada nos Andes do norte e centro da Colômbia ao norte da Argentina, por suas raízes doces, crocantes e tuberosas. É bem cultivada na Tasmânia, Sul da Austrália e Nova Zelândia. Recentemente foi introduzida na Malásia, Filipinas, República Tcheca, sul dos EUA, Rússia, Coréia, Taiwan e Japão. A batata yacon também é conhecida como raiz do sol boliviano, maçã da terra, raiz doce e maçã do solo peruano.

A água na raiz do yacon é usada para criar o xarope Yacon, um adoçante prebiótico versátil que usamos em nossas barras Rowdy Bars. O xarope de Yacon tem uma textura semelhante ao melaço e agora é mais amplamente consumido como uma alternativa saudável, sem glicemia e com baixo teor calórico a outros adoçantes naturais comuns como frutas monge, stevia, melaço e xarope de bordo. Ao contrário dos adoçantes artificiais como Aspartame, Sacarina e Sucralose, que têm uma má reputação de prejudicar a saúde intestinal, o xarope de batata yacon realmente melhora a saúde digestiva, alimentando as bactérias intestinais com os nutrientes certos para ajudar o seu corpo a prosperar.

Foto: Reprodução

A planta tem rizoma perene, que são raízes de armazenamento suculentas. Os rizomas se formam sob a superfície do solo e produzem brotos aéreos continuamente. Um tubérculo de armazenamento comestível pesa desde poucas centenas de gramas até um quilograma. As plantas produzem flores pequenas e discretas na cor amarela, no final do período de crescimento.

Os tubérculos possuem fruto-oligossacarídeo, que é um polissacarídeo indigestível feito de frutose. Os fruto-oligossacarídeos têm sabor adocicado que passam sem serem metabolizados pelo trato digestivo humano, pois possuem baixo valor calórico. Devido ao seu efeito prebiótico, é utilizado por bactérias benéficas que promovem a saúde do cólon e favorecem a digestão.

As plantas de batata yacon podem crescer facilmente até cerca de 2 m de altura e fornecer pequenas flores amarelas discretas no final da estação de crescimento. Ao contrário de uma série de outras raízes vegetais domesticadas pelos povos indígenas dos Andes (ulluco, oca e mashua), o yacon simplesmente não é sensível ao fotoperíodo, e pode criar um rendimento industrial dentro dos subtropicais também.

Tradicionalmente, as raízes dos yacons são desenvolvidas por fazendeiros nas intercalações nas encostas orientais dos Andes, descendo em direção à Amazônia. Realmente é desenvolvido ocasionalmente ao longo das fronteiras do campo, onde os suculentos tubérculos fornecem uma fonte bem-vinda de refrescos durante o trabalho de campo. Até o início dos anos 2000, a batata yacon raramente era reconhecida fora de sua restrita área de distribuição nativa, e não estava disponível nos mercados urbanos; no entanto, relatos da imprensa sobre seu uso no Japão por causa de suas qualidades anti-hiperglicêmicas propostas tornaram a cultura amplamente conhecida em Lima, juntamente com outras cidades peruanas. As empresas também desenvolveram novos produtos como xarope de batata yacon e chá de batata yacon. Ambos os produtos são muito apreciados pelos diabéticos e também pelos dieters.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios da batata yacon para a saúde?

Os tubérculos da batata yacon consistem em água e fruto-oligossacarídeos. Isso significa que a maioria dos açúcares carboidratos não poderia ser digerida pelo organismo, o que resulta em baixo nível calórico e impede que o excesso de açúcar entre na corrente sanguínea. Ele ajuda o organismo a aumentar a absorção de minerais e vitaminas de todos os outros alimentos. A batata yacon tem alto teor de cálcio, potássio e fósforo.

Tratamento para diabéticos

A batata yacon possui efeitos anti-hiperglicêmicos. Possui fruto-oligossacarídeos para que o corpo não absorva açúcares simples. Reduz a produção de glicose no fígado e faz com que a mudança reduza as taxas de glicose em jejum. É essencial para as pessoas com diabetes. Pesquisas têm sido realizadas sobre a capacidade da batata yacon de aumentar a sensibilidade da insulina no corpo. É benéfica para os pacientes diabéticos ou para aquelas pessoas que estão com grandes chances de desenvolver a doença.

Regulação da pressão arterial

A batata yacon contém potássio que atua como vasodilatador que ajuda a relaxar os vasos sanguíneos e diminui a tensão no sistema cardiovascular. Ele aumenta o fluxo de sangue bem como a oxigenação das partes do corpo que mais necessitam dele e diminui o risco de desenvolvimento de aterosclerose, derrames ou ataques cardíacos. O potássio regula o equilíbrio do fluido dos tecidos e células do corpo com o sódio.

Foto: Reprodução

Normalizar o colesterol

Yacon é útil para aquelas pessoas que precisam controlar o nível de colesterol. A ingestão de batata yacon leva à diminuição dos níveis de triglicerídeos de jejum e lipoproteínas de baixa densidade. Fruto-oligossacarídeos encontrados na batata yacon ajudam a reduzir os níveis de lipídios e prevenir o acúmulo de colesterol ruim, o que previne as chances de problemas cardíacos, incluindo doenças coronarianas.

Ajuda a emagrecer

O pesquisador afirma que o consumo de batata yacon ajuda a promover a perda de peso. Apesar de não conter amido, ele enche o corpo de baixa quantidade de calorias. Isto é possível devido ao efeito laxante da batata yacon e promove a saciedade após o consumo desta planta doce.

Auxilia na digestão

A batata yacon possui materiais prebióticos que estimulam o crescimento bem como a saúde da microflora no corpo. Quando as bactérias probióticas são saudáveis ou bem cuidadas, o organismo seria capaz de maximizar a ingestão de minerais e vitaminas. A batata yacon tem leve efeito laxante que diminui o inchaço, a constipação e outras condições gastrointestinais, como câncer de cólon e úlceras gástricas.

Foto: Reprodução

Problemas hepáticos

O fígado é a fonte de glicose, portanto a regulação da glicose através do consumo de batata yacon afeta o fígado. Estudos mostram que uma quantidade adequada de batata yacon quando combinado com cardo de leite previne o acúmulo de gordura no fígado e mantém a saúde adequada, bem como as funções do fígado. O estudo realizado em participantes com 0,8 gramas de silimarina e 2,4 gramas de batata yacon por dia mostra que a combinação de suplementos melhora o nível de colesterol e previne o acúmulo de gordura no fígado. Assim, os pesquisadores concluíram que a silimarina e a batata yacon promoveram funções saudáveis do fígado.

Saúde cardiovascular

As doenças cardiovasculares tornaram-se a principal causa de morte, tornando-se a dislipidemia um dos principais fatores de risco. A batata yacon contém fruto-oligossacarídeos, que é o principal carboidrato de reserva. Além disso, possui quantidade significativa de polifenóis, tanto nas folhas quanto nas raízes. O estudo realizado resultou que o extrato de batata yacon mostra atividades hipolipidêmicas, hipoglicêmicas e antioxidantes devido à alta presença de cálculos fenólicos.

Ossos fortes

A batata yacon possui fruto-oligossacarídeos que aumentam a absorção de cálcio no organismo. É essencial para mulheres pós e pré-menopausadas que têm grandes chances de perder massa óssea crítica, o que aumenta as chances de fraturas ósseas e osteoporose. Pesquisas mostram que a batata yacon aumenta a concentração de minerais como magnésio e cálcio nos ossos, que é o principal fator na prevenção de doenças ósseas como a osteoporose. Adicione xarope de batata yacon à dieta de osteoporose, que é um regime de tratamento natural. Fruto-oligossacarídeos ajudam a promover a absorção mineral do cólon e ajudam a preservar a massa óssea, proporcionando maior exposição a minerais dietéticos como magnésio, cálcio e fósforo que se envolvem na regulação da massa óssea.

Foto: Reprodução

Previne o câncer

O xarope de batata yacon tem alimento que combate o câncer. O estudo foi realizado para demonstrar o efeito anticâncer no estudo de células cancerígenas do colo uterino humano. O estudo mostra que os compostos na batata yacon inibem a reprodução e o crescimento das células cancerígenas. Outro estudo mostra que um fungo que cresce nas folhas e raízes da batata yacon mostra efeitos anticancerígenos contra o cólon, pele, sangue e câncer de cérebro. Estudos mostram que a capacidade do xarope de batata yacon como cura natural para o câncer.

Aumenta a testosterona

O baixo nível de testosterona está relacionado com a diminuição das chances de desenvolver diabetes mellitus tipo 2, bem como doenças cardiovasculares. O xarope de batata yacon atua como um impulsionador natural da testosterona e tratamento da infertilidade. O estudo realizado em animais mostra que extratos de batata yacon promovem níveis séricos de testosterona e número de espermatozoides. O estudo que foi realizado em Terapêutica e Biomoleculas mostra que a possibilidade do suplemento herbal para tratar a infertilidade masculina e alivia os baixos níveis de testosterona como a síndrome do hipogonadismo de início tardio.

Foto: Reprodução

Quais são os usos tradicionais da batata yacon?

Na medicina popular, as folhas são utilizadas para hipoglicêmia como chá medicinal. Na medicina tradicional andina, as raízes são utilizadas como substituto do açúcar de cana no diabetes e para prevenir a obesidade. A batata yacon é usada para curar a fadiga, esterilidade, tuberculose e anemia.

Como consumir a batata yacon?

Os tubérculos são consumidos crus após a pele ser descascada. As raízes de batata yacon são feitas em produtos desidratados, farinha, lascas, fatias, purês, sucos e adoçantes em forma de xarope ou chá. As folhas secas de batata yacon são utilizadas para o chá. Consumi-lo fresco, adicionando-o às saladas de frutas. Prepare um suco misturando-o na forma de suco. A batata yacon pode ser seco e também transformado em picles fermentados. Os rizomas e caules são consumidos como vegetais.

Quais são as precauções da batata yacon?

Use as folhas da batata yacon apenas para o chá, pois se encontra um pouco tóxico para os rins quando consumido diretamente. Pessoas com problemas de saúde devem consultar o médico para uso. Demasiado consumo causa dor no intestino.

Foto: Reprodução

Ginseng e seus benefícios para saúde

Ginseng refere-se a onze variedades diferentes de uma planta curta, de crescimento lento, com raízes carnudas. Acredita-se que o ginseng restaura e melhora o bem estar. É um dos mais populares remédios fitoterápicos.

A erva do ginseng consistem de uma raiz de cor clara, em forma de garfo, um talo relativamente longo e folhas verdes de forma oval. Acredita-se que tanto o ginseng americano (Panax quinquefolius, L.) quanto o ginseng asiático (P. Ginseng) aumentam a energia, reduzem os níveis de açúcar no sangue e colesterol, reduzem o estresse, promovem relaxamento, tratam diabetes e controlam disfunções sexuais em homens.

Quais são os benefícios do ginseng para a saúde?

O ginseng tem sido tradicionalmente tomado para auxiliar uma série de condições médicas. Mais pesquisas são necessárias para confirmar seu benefício como um suplemento. Entretanto, afirma-se que os ginsenosides, componentes químicos encontrados no ginseng, são responsáveis pelo efeito clínico da erva.

Cientistas e profissionais de saúde ocidentais freqüentemente questionam as propriedades medicinais do ginseng. Não há evidências conclusivas que determinem a sua verdadeira eficácia. Os produtos de ginseng podem variar em sua qualidade e propriedades medicinais. A verificação dos ingredientes dos produtos de ginseng antes da compra é fortemente recomendada. Alguns produtos contêm uma quantidade pequena ou insignificante de ginseng, e alguns contêm outras substâncias.

Foto: Reprodução

Os pesquisadores sugerem que os seguintes benefícios à saúde estão ligados ao ginseng:

Aumento de energia

O ginseng pode ajudar a estimular a atividade física e mental em pessoas que se sentem fracas e cansadas. Um estudo revelou que o ginseng mostrou bons resultados na ajuda a pacientes com câncer com fadiga.

No entanto, os efeitos de aumento de energia do ginseng só foram observados em pessoas atualmente em tratamento. O ginseng não apresentou melhorias estatisticamente significativas em pessoas que já haviam terminado o tratamento do câncer.

Função cognitiva mais acentuada

O ginseng pode melhorar os processos de pensamento e cognição. Pesquisa publicada na The Cochrane Library examinou a exatidão desta afirmação.

O estudo diz que o ginseng parece demonstrar benefícios para a cognição, comportamento e qualidade de vida. Entretanto, os autores da revisão advertiram que, apesar de alguns achados positivos, os estudos incluídos na revisão sistemática não demonstraram um argumento convincente para a eficácia do ginseng como um impulsionador cognitivo.

Imagem: Reprodução

Efeitos anti-inflamatórios

Ginsenosídeos podem ter efeitos anti-inflamatórios, de acordo com resultados experimentais no Journal of Translational Medicine.

O ginseng é frequentemente utilizado para reduzir a inflamação. Os pesquisadores sugerem que os ginsenosides podem ser responsáveis por direcionar caminhos no sistema imunológico que possam reduzir a inflamação.

Tratamento da disfunção erétil

Os homens podem tomar ginseng para tratar a disfunção erétil.

Um estudo coreano de 2002 revelou que 60% dos homens que tomaram ginseng notaram uma melhora em seus sintomas. Pesquisa publicada no British Journal of Clinical Pharmacology também afirmou fornecer “evidências da eficácia do ginseng vermelho no tratamento da disfunção erétil”. No entanto, uma revisão sistemática mais recente foi realizada.

Ao avaliar a eficácia do ginseng vermelho no tratamento da disfunção erétil, a revisão demonstrou que o número de ensaios, o tamanho total da amostra e a qualidade dos métodos experimentais não foram satisfatórios para demonstrar o benefício clínico contínuo. Mais pesquisas são necessárias para confirmar o ginseng como um tratamento confiável para a disfunção erétil.

Foto: Reprodução

Prevenção da gripe

Pesquisas sobre os efeitos do ginseng em ratos sugerem uma possível ligação entre o ginseng e o tratamento e prevenção da gripe e do vírus sincicial respiratório (RSV).

As descobertas sugerem que o extrato de ginseng vermelho poderia melhorar a sobrevivência das células epiteliais pulmonares humanas infectadas com o vírus da gripe. Entretanto, muitos estudos sobre as ações preventivas do ginseng contra vírus foram posteriormente desacreditados como não confiáveis.

Diminuição do açúcar no sangue

Vários estudos sugerem que o ginseng pode ajudar a baixar o açúcar no sangue e ajudar a tratar o diabetes. Os ginsenósidos podem afetar a produção de insulina no pâncreas e melhorar a resistência insulínica usando outros mecanismos.

Mais estudos clínicos e padronização da raiz de ginseng são necessários para considerar o ginseng como uma possível terapia complementar para o diabetes. Isto é para que os pesquisadores possam investigar quais doses específicas são eficazes.

Foto: Reprodução

Quais são os efeitos colaterais do ginseng?

Nem todos os efeitos colaterais do ginseng são conhecidos. Embora o ginseng seja considerado seguro para o consumo, os seguintes efeitos colaterais foram relatados:

  • dores de cabeça
  • problemas no sono
  • problemas digestivos
  • alterações na pressão arterial e açúcar no sangue
  • irritabilidade
  • nervosismo
  • visão enevoada
  • uma reação cutânea severa
  • edema
  • diarreia
  • sangramento
  • vertigem
  • uma boca seca
  • uma diminuição do ritmo cardíaco
  • convulsões
  • delírios

As mulheres também podem apresentar seios inchados e sangramento vaginal.

Além dos suplementos de ginseng disponíveis para compra no balcão, o ginseng pode ser consumido de muitas formas diferentes. A raiz bruta pode ser descascada e mastigada, embebida em vinho para fazer um extrato para beber, ou fervida para fazer um chá. O ginseng seco pode ser demolhado ou fervido até ficar macio e depois estufado para fazer um extrato para beber. O ginseng é um ingrediente comum em muitas bebidas energéticas e chás e é uma adição regular à cozinha asiática.

Foto: Reprodução

O desejo de usar produtos naturais que não são produzidos em massa é compreensível. Entretanto, é importante reconhecer que esses tratamentos à base de ervas e caseiros vêm com seus próprios riscos. Não há duas raízes de ginseng iguais, e não há como garantir quanto (se houver) ingrediente ativo do ginseng está sendo ingerido quando se utiliza a raiz natural.

Em geral, o uso do ginseng é bem tolerado, mas alguns pacientes experimentam efeitos colaterais ao tomá-lo. Os efeitos colaterais associados ao ginseng tanto asiático quanto americano incluem nervosismo, insônia, alterações na pressão arterial, dor mamária, sangramento vaginal, vômitos, diarréia e mania. Tem havido relatos raros de pacientes com sintomas graves como inflamação das artérias do cérebro (arterite cerebral), reações cutâneas graves (síndrome de Stevens-Johnson), inflamação do fígado (hepatite colestática), e reações alérgicas anafiláticas.

O ginseng também tem demonstrado interagir com outros produtos herbais, medicamentos prescritos e alimentos. Esta lista inclui cafeína, álcool, diluentes sanguíneos, medicamentos para o tratamento do HIV, medicamentos para diabéticos, imunossupressores, antidepressivos, laranja amarga, efedra e malva amarga. Evitar estas interações é por isso que é importante falar com seu médico e farmacêutico antes de tomar produtos como o ginseng.

Existem alguns estudos mostrando que o uso do ginseng é possivelmente eficaz na melhoria da função cognitiva e da doença de Alzheimer, doença pulmonar obstrutiva crônica, gripe, fadiga relacionada à esclerose múltipla, disfunção erétil, ejaculação precoce e excitação sexual. Esta pesquisa é preliminar ou limitada em muitos destes estudos e é necessário um estudo mais aprofundado.

Foto: Reprodução

Interações do ginseng

Os médicos aconselham não misturar ginseng com uma classe de antidepressivos chamados inibidores de monoamina oxidase (MAOIs). Tomar estes antidepressivos ao mesmo tempo que o ginseng pode causar episódios maníacos e tremores.

O ginseng pode alterar os efeitos da pressão arterial, diabetes e medicamentos para o coração, incluindo bloqueadores dos canais de cálcio, como a nifedipina. Nunca misture ginseng e medicamentos para o coração sem antes consultar um médico. A erva também pode aumentar o risco de sangramento quando ingerida com anticoagulantes, como a varfarina ou aspirina.

O ginseng pode intensificar os efeitos da cafeína e de outros estimulantes, levando a um batimento cardíaco rápido e possível sudorese ou insônia. Pode também anular os efeitos analgésicos da morfina. Embora os vários benefícios do ginseng para a saúde como suplemento não estejam confirmados, ainda é seguro tomar a erva em pequenas doses se ela tiver efeitos benéficos para você.

Como cultivar ginseng?

O ginseng tem requisitos ambientais bastante rigorosos. Ela requer pelo menos 70% de sombra. O solo deve ter nutrientes básicos suficientes (15 a 20% de saturação da base) para atender suas necessidades, mas não tanto que o pH do solo exceda 6 (a calagem está fora de questão, a menos que o pH seja muito baixo). O solo deve ser úmido, mas bem drenado. Para isso, o teor de matéria orgânica tem que ser bastante alto. Argilas pesadas e solos muito arenosos são pobres para o ginseng. O ginseng não compete com a vontade de outras plantas, portanto o controle da vegetação é necessário.

O ginseng cresce melhor em pequenos fragmentos, não em filas ou canteiros gigantes. Portanto, as plantas devem ser dispersas por toda a sua mata. Depois de decidir sobre um local, o pedido de sementes e mudas é o próximo.

Foto: Reprodução

As sementes de Ginseng são pequenas e cerca de 7500 fazem um quilo, custando cerca de 100 dólares. Nunca compre sementes baratas. sementes baratas podem ser sementes mortas. Certifique-se de comprar sementes estratificadas. O Ginseng tem uma dormência complicada. Eles precisam sentar no chão após serem colhidos, durante todo um inverno, outro verão e outro inverno antes de germinarem. A germinação geralmente ocorre em março na Pensilvânia.

A semente estratificada adquirida e plantada no outono germinará na primavera. As sementes estratificadas compradas na primavera já germinarão. É difícil de manusear porque secará rapidamente. É necessário muito cuidado para mantê-la úmida ou o lote inteiro secará e morrerá. Portanto, é melhor plantar no outono.

As raízes de um ano de idade são os transplantes mais baratos de se comprar. Muitas vezes são o resultado de desbaste de plantações, mas podem ser cultivadas especialmente para esse fim. Raízes de um ano de idade vendem-se por entre $0,25 e $0,50, dependendo da quantidade comprada. Enquanto estas raízes são muito mais caras que as sementes, as raízes proporcionam uma probabilidade muito maior de sucesso. Encomende tanto as sementes quanto as raízes com bastante antecedência, pois os produtores vendem muito rapidamente.

Se você já leu até aqui, você provavelmente está interessado em experimentar o cultivo do ginseng para si mesmo.

Plante o ginseng silvestre simulado em manchas de 50 sementes ou plântulas. Os produtores podem plantar o dobro das sementes que precisam, tanto para garantir o sucesso como para fornecer transplantes no final do primeiro ano. O preparo do local consiste em remover toda a matéria orgânica do local, remover ervas daninhas e pequenas mudas, plantar as sementes ou mudas e depois substituir a matéria orgânica. A matéria orgânica serve como uma cobertura morta nativa, retendo a umidade e reduzindo o crescimento das ervas daninhas. Espalhe ou plante sementes com um espaçamento de seis polegadas de distância. Este espaçamento pode ser grande, mas a não ser que você planeje afiná-las no futuro, isto proporciona espaço suficiente para o crescimento de cada uma das plantas. O plantio com um espaçamento de um ou dois centímetros produz muitas mudas novas para transplante em queda e uma maior garantia de sucesso mesmo com germinação pobre.

Foto: Reprodução

Se você usar mudas (raízes), plante-as espaçadas de seis a doze centímetros. As raízes devem ser plantadas horizontalmente no leito em vez de verticalmente. Estas plantas desenvolverão mais provavelmente o aparecimento de raízes naturais se cultivadas desta maneira (esta dica fornecida por Bob Beyfuss, Cornell Cooperative Extension). Não plante raízes a menos de seis polegadas de distância. Um espaçamento maior é provavelmente melhor.

Assim como as sementes, tenha cuidado para não permitir que as raízes sequem. Durante os primeiros anos, os cuidados com o ginseng são fundamentais para o sucesso da produção. A capina é muito importante até que o remendo esteja bem estabelecido. Durante o primeiro ano, duas ou três mondaduras são suficientes. Após o estabelecimento, cerca de três anos, a erva daninha é necessária.

As lesmas são um grande problema em algumas áreas. Muitos produtos matam as lesmas, mas poucos podem ser usados diretamente sobre as plantas. É ilegal o uso de agrotóxicos de uma forma para a qual eles não são rotulados. Isto inclui o uso em espécies vegetais não listadas. Pedaços de madeira, frutas cortadas, panelas de cerveja e folhas de alface em excesso atraem lesmas. Visite sua isca com freqüência e mate qualquer lesma que encontrar. As panelas de cerveja tanto atraem como afogam as lesmas.

A terra de diatomáceas também é um bom produto para o controle das lesmas. É vendido em lojas de ferragens e jardinagem. A terra de diatomáceas (os restos esqueléticos de um pequeno organismo chamado diatomáceas) é uma alternativa orgânica aos pesticidas. O principal fator limitante da terra de diatomáceas é a chuva. É essencial reaplicá-la após cada chuva, por coincidência, o horário nobre para as lesmas. Também estão disponíveis iscas de lesmas venenosas, mas siga as instruções do rótulo.

Foto: Reprodução

O ginseng cultivado no campo está sujeito a inúmeras doenças fúngicas e pode requerer até 50 pulverizações fungicidas por ano. O ginseng cultivado na floresta está sujeito a cair menos doenças. Enquanto doenças fúngicas podem ocorrer, especialmente durante anos muito úmidos, o plantio de ginseng em pequenas manchas limita a propagação da doença.

O ginseng requer oito ou mais anos entre o plantio e a colheita. As raízes mais antigas valem muito mais. Isto porque a raiz cresce em tamanho a cada ano e as raízes mais velhas valem mais dinheiro por libra. Enquanto algumas das raízes maiores podem ser vendidas em cinco anos, as raízes não terão produzido todo o seu potencial.

Não colha antes de entrar em contato com um corretor ou um comprador. Cada comprador tem especificações diferentes para o seu mercado. Cada corretor, a pessoa que compra para revenda a um comprador maior, pode precisar atender a um conjunto diferente de especificações. Antes da colheita, discuta sua operação com um representante do Departamento de Conservação de Recursos Naturais. Os regulamentos relativos ao ginseng tornam-se mais rigorosos a cada poucos anos devido à preocupação com o recurso ginseng selvagem. Uma licença pode ser necessária para vender fora do estado ou para contornar o corretor.

Em geral, utilize um garfo de jardim ou seus dedos para a colheita. Lembre-se de que raízes bem formadas e intactas podem exigir o melhor preço. Portanto, tenha sempre cuidado e seja gentil.

Foto: Reprodução

Após a colheita, lave as raízes suavemente com uma mangueira de jardim e coloque-as em telas para secar. Não use escova de esfregar, apenas lave os pedaços sólidos. A cor natural da raiz é um marrom claro, portanto não tente lavar isso. Se a colheita for feita quando o solo estiver seco, a maior parte do solo permanecerá na mata de qualquer maneira.

Não use o calor para secar suas raízes. Seque-as ao ar em uma tela.

Se você cultivou ginseng selvagem no passado, muitas das técnicas mais antigas de cura do ginseng não devem ser usadas hoje. Algumas dessas técnicas antiquadas estão listadas abaixo:

  • Não aqueça o ginseng seco. Nunca seque no capô sobre o seu alcance ou sobre um fogão a lenha.
  • Não coloque o ginseng em um fio para secar.
  • Nunca descasque o ginseng.
  • Não tire o ginseng do solo, remova-o suavemente mantendo as raízes, mesmo as raízes finas intactas.
  • Mantenha o pescoço (a parte magra que prende o degrau da planta à raiz) preso.
  • Após as raízes estarem secas, nunca guarde-as em plástico.

A Pegada ecológica e sua importância

A pegada ecológica é uma ferramenta de contagem de recursos que mede a quantidade da capacidade regenerativa da Terra demandada por uma determinada atividade. Muitas atividades humanas colocam demandas na capacidade do planeta, incluindo o fornecimento e processamento de alimentos, a construção e manutenção de moradias, transporte e consumo de bens e serviços. Ao comparar a quantidade de capacidade demandada com a quantidade de capacidade disponível a cada ano, a contabilidade da pegada ecológica pode medir até que ponto as demandas humanas na biosfera excedem a capacidade da biosfera para atender a essas demandas. Globalmente, a sociedade humana está atualmente operando em um estado de excesso, com a pegada global excedendo a biocapacidade global em cerca de um quarto em 2002. Este excesso leva à degradação da base existente de capital biológico da qual a sociedade humana depende. Os níveis de pegada ecológica variam muito entre regiões e nações, no entanto, com cada residente médio de 29 países de alta renda exigindo mais de 8 vezes a capacidade por pessoa demandada por 55 países de baixa renda.

As demandas humanas sobre a natureza competem pelo espaço biologicamente produtivo, tanto a demanda quanto a disponibilidade da capacidade regenerativa podem ser aproximadas pela soma das áreas biologicamente produtivas mutuamente exclusivas para a prestação desses serviços. Ao comparar a quantidade de capacidade demandada com a quantidade de capacidade disponível, a contabilidade da pegada ecológica pode medir, ano a ano, até que ponto as demandas humanas sobre a biosfera excedem a capacidade de atender a essas demandas em biosfera. Globalmente, a sociedade humana está atualmente operando em um estado de excesso, com a pegada ecológica global excedendo a biocapacidade global em mais de 68% em 2013. Esse excesso esgota o capital natural do qual a sociedade humana depende – reduzindo os estoques e enchendo os depósitos de resíduos. Os níveis de pegada ecológica e biocapacidade variam muito ao longo do tempo e entre regiões e nações.

Foto: Reprodução

A pegada ecológica mede o consumo que requer a estimativa das necessidades de capital natural com base na interpretação da capacidade de carga. Leva em conta os impactos do desenvolvimento tecnológico e do comércio. Com o aumento dos níveis de riqueza e consumo, aumenta também a área de terra produtiva, a pegada ecológica e a produção de material (mochilas ecológicas) necessária para o sustento de cada indivíduo. Uma premissa fundamental da pegada ecológica é que a tecnologia e o comércio não expandem a capacidade de carga de terra no longo prazo, mas apenas deslocam geograficamente os efeitos do aumento dos níveis de consumo.

O conceito de pegada ecológica não se baseia na mera produtividade ecológica, mas em uma atitude de santidade que preserva a natureza e que vincula os recursos como fonte de vida e produção à ética e à estética da natureza. Implica passar de uma mistificação e adoração à natureza para uma consciência da nossa cultura humana e uma ética de responsabilidade para com os seres vivos. A sustentabilidade na pegada ecológica pode assim ser tratada como uma reconstrução da economia em um processo de ressignificância da vida e da existência humana. Construir a sustentabilidade através da manipulação da pegada ecológica não é, portanto, simplesmente uma forma de gerir ecologicamente o potencial produtivo da natureza. Ela implica uma re-apropriação da natureza em seu próprio esplendor relacional com outros componentes da natureza, e não apenas em seu valor produtivo. Assim, em associação com a capacidade tecnológica, a importância da criatividade cultural do ser humano não pode ser seduzida para alcançar eficiência e sustentabilidade. A criatividade cultural tem a ver com o significado e os valores atribuídos à natureza como território de vida e como espaço de recriação da cultura.

A pegada ecológica também indica a influência de políticas que vão além da área de recursos. As políticas de uma área de recursos podem ter influência sobre outros recursos. Mesmo as políticas de uma área geográfica podem ter influência em outras áreas geográficas. Barragens em canais internacionais de água, políticas de comércio internacional podem ser citadas como poucos exemplos. A avaliação de políticas pode negar tais influências, mas a avaliação de sustentabilidade pode não o fazer, pois a avaliação de sustentabilidade tem jurisdições espaciais e temporais. A pegada ecológica identifica a situação de sustentabilidade das políticas dentro e através dos recursos em medidas locais, regionais ou culturais.

Foto: Reprodução

Qual é a importância da pegada ecológica energética?

A pegada ecológica energética (ou seja, a demanda por energia disponível em um espaço e tempo específicos) faz parte da pegada ecológica, que é uma medida de sustentabilidade. Os bens e atividades consumidos são levados em conta no cálculo da pegada ecológica. Como a energia é uma parte dos bens e atividades produzidos, qualquer produção de bens e serviços deve sustentar e conservar os recursos naturais, na medida em que estes devem ser preservados para as próximas gerações.

A humanidade depende de uma variedade de bens e serviços ecológicos, incluindo a energia, fornecidos pela natureza. Para a sustentabilidade, estes devem estar disponíveis em quantidades crescentes de algum lugar do planeta à medida que aumenta a população e o consumo médio de recursos per capita. Em geral, a energia representa uma capacidade que pode ser utilizada na criação dos bens e serviços que são necessários para a humanidade global. Nesse sentido, a capacidade de carga humana no mundo é considerada como as taxas máximas de coleta de recursos e geração de resíduos que podem ser sustentadas indefinidamente sem prejudicar progressivamente a produtividade e a integridade funcional dos ecossistemas relevantes, onde quer que estes se localizem. O tamanho da população correspondente seria função da sofisticação tecnológica e dos padrões médios de material per capita. Filosoficamente, a energia é a parte mais importante da pegada ecológica e como parte da geração e reciclagem dos materiais e suprimentos no ecossistema global, incluindo a raça humana.

A pegada ecológica energética como um componente da pegada ecológica é muito importante porque é um grande conceito dinâmico que permite processar ecossistemas em escala global. Além disso, sem energia, todos os componentes dos ecossistemas bióticos e não bióticos deixarão de funcionar e, em consequência, representam a força dinâmica para o processo da vida.

Foto: Reprodução

Ao contrário das pegadas de carbono, que são focadas especificamente em equivalentes de emissão de carbono, as pegadas ecológicas nos dão uma medida da tensão geral que estamos colocando no planeta. Os seres humanos dependem de recursos globais para a sua existência. Nossas casas, carros, alimentos e roupas, todos vêm de recursos naturais. Quanto mais temos e quanto mais usamos, mais tensão colocamos sobre esses recursos.

Especialistas desenvolveram ferramentas para estimar as nossas pegadas ecológicas. Os cálculos são expressos como os números de hectares da Terra (terrestres e aquáticos) necessários para suportar um indivíduo, com o valor dependendo do estilo de vida do indivíduo. Para avaliações em larga escala (global em oposição a individual), a pegada ecológica total é tipicamente medida como a soma de seis fatores: pegada agrícola, pegada de pastagem, pegada florestal, pegada pesqueira, pegada de carbono e terra construída.

Estamos em crise ecológica global. A pegada ecológica humana abrange mais do que todo o planeta. Enquanto o problema geral é amplamente reconhecido por cientistas e muitos dos governos e agências internacionais do mundo, nós denegrimos que a economia de crescimento industrial continua a agir como um cenário de negócios, apesar da evidência de que esta agenda está realmente reduzindo nosso bem-estar pessoal e social.

O problema é tão agudo no desenvolvimento urbano quanto em qualquer outro domínio da vida moderna. O que precisamos são cidades mais compactas, mais eficientes no uso da infra-estrutura existente, mais seguras, mais saudáveis e mais ricas em amenidades urbanas; tudo isso pode ser facilitado pela expansão dos investimentos em transporte público e não-motorizado. O que estamos obtendo em muitas partes do mundo são cidades cada vez mais congestionadas, ineficientes no uso de energia e material, mais perigosas, insalubres, menos capazes de manter as amenidades existentes, espacialmente dominadas pela infra-estrutura para automóveis particulares, e mal servidas pelo transporte público.

Foto: Reprodução

Esta situação pode ser revertida – um público bem informado apoiará medidas de sustentabilidade que sejam vistas, no balanço, como benefícios líquidos privados e públicos. Além disso, existem evidências na forma de amplas comparações internacionais e estudos de caso detalhados para mostrar que uma forte ação concertada pode melhorar a eficiência do uso do solo urbano, reduzir a dependência do automóvel e aumentar muito o uso do trânsito, a pé e de bicicleta nas cidades. Tudo isso geralmente tende a melhorar a qualidade de vida urbana, ao mesmo tempo em que reduz a pegada ecológica urbana. O que parece estar faltando é a compreensão pública tanto do problema da sustentabilidade urbana quanto das possíveis soluções. Sem uma ampla base de apoio popular para medidas políticas fortes, a vontade política de agir desmorona diante dos interesses instalados e do conforto do status quo.

Naturalmente, não podemos dizer com certeza que cidades mais energéticas e materialmente eficientes catalisariam um movimento geral em direção à sustentabilidade. O que é certo, entretanto, é que a continuação do nosso vício no automóvel nos afastará cada vez mais da necessária abordagem de “impacto zero” para o desenvolvimento futuro. Em contraste, o maior uso do trânsito, das bicicletas e das caminhadas pode nos aproximar mais desse objetivo. Como o transporte mecânico de rodas, as bicicletas são ecologicamente superiores aos automóveis, na medida em que elas:

  • requerem menos recursos para sua fabricação e operação e são menos poluentes;
  • são mais parcimoniosos e equitativos no uso do espaço urbano, liberando terrenos para habitação, parques e outros usos recreativos;
  • são mais saudáveis no uso tanto para seus cavaleiros quanto para o público em geral (menos poluição do ar);
  • são mais econômicas para a fabricação, compra, uso e serviço – mesmo o estacionamento de bicicletas requer menos recursos e espaço.
Foto: Reprodução

Em resumo, dado o aumento da população humana, a deterioração da qualidade ambiental global e a necessidade de reduzir a produção de recursos, as bicicletas parecem ser uma opção de transporte moral, ecológica e economicamente superior para aqueles que podem utilizá-las em comparação com os automóveis particulares para muitas viagens na cidade.

Embora consideravelmente mais lenta, a caminhada supera até mesmo a bicicleta em termos de uso de material e demanda de espaço e economia, e tem benefícios de saúde similares. Mesmo a desvantagem da velocidade das caminhadas é muito menor nos espaços e lugares urbanos compactos de uso misto que evoluíram naturalmente nas cidades históricas de caminhada ou que são possíveis em zonas sem carros das cidades modernas projetadas para refletir as capacidades do corpo humano normal.

Como ponto final, um número crescente de pessoas se beneficiaria de voltar a entrar em contato com seus corpos. Isto não se refere aos benefícios gerais para a saúde de pessoas normais que desfrutam do transporte autopropulsado. A obesidade é hoje um grande problema de saúde pública relacionado ao estilo de vida. Estima-se que há um bilhão de pessoas significativamente acima do peso na Terra vivendo principalmente nas cidades auto-dominadas de alta renda dos países desenvolvidos. Andar de bicicleta e caminhar pode muito bem ser a receita mais barata disponível para o que está se tornando uma patologia urbana moderna extremamente cara.

Conheça algumas das Plantas medicinais e seus usos

As plantas medicinais são úteis para se manter à mão para tratar doenças comuns. Você pode fazer uso de certas plantas medicinais para aliviar dores de cabeça, problemas de barriga e até mesmo irritação por picadas de insetos. As plantas podem ser consumidas em chás, usadas como guarnição, aplicadas topicamente como óleo essencial ou consumidas como comprimido.

É importante lembrar que você deve sempre consultar o seu médico antes de consumir ou usar qualquer coisa nova para o seu corpo, inclusive as plantas medicinais. Se você optar por cultivar algumas dessas plantas, lembre-se de tomar os cuidados adequados de acordo com as diretrizes de cuidado da planta e não use pesticidas ou outros produtos químicos nocivos às suas plantas. Você não quer nenhum desses químicos dentro ou sobre o seu corpo!

Para ajudar você a decidir quais espécies são melhores para você, apresentamos a vocês algumas das principais plantas medicinais, seus notáveis benefícios à saúde e como usá-las.

Manjericão

O manjericão (ocimum basilicum) é uma erva comum usada para guarnecer saladas, massas e muitas outras refeições para adicionar um sabor delicioso. Graças às vitaminas e minerais do manjericão, como a vitamina K e o ferro, esta erva é útil no combate a doenças comuns. Por exemplo, o manganês no manjericão ajuda a metabolizar diferentes compostos em seu corpo. O manjericão sagrado, comumente chamado de tulsi, é uma espécie específica de manjericão que tem origem na Índia. É considerado uma planta sagrada que é usada em chás, pomadas e muito mais, para ajudar a tratar uma variedade de doenças como febres e diabetes. Esta espécie tem um sabor muito mais forte que o do manjericão comum!

Foto: Reprodução

Benefícios do manjericão para a saúde:

  • Reduz o stress
  • Fortes propriedades antibacterianas
  • Rica fonte de antioxidantes
  • Previne alguns efeitos nocivos do envelhecimento
  • Reduz a inflamação e o inchaço
  • Fortalece ossos e fígado
  • Aumenta a imunidade
  • Impulsiona o metabolismo
  • Melhora a digestão

Usos comuns:

  • Polvilhar como guarnição de pratos
  • Incluir como ingrediente para os smoothies

Erva-gateira

A erva-gateira (nepeta cataria) é uma planta divertida para gatos. A maioria dos gatos é atraída pela planta e vai rolar perto dela, pois seu aroma age como um estimulante. Estas plantas medicinais também atuam como um sedativo para gatos se consumidas. Para os humanos, por outro lado, ela é normalmente usada como anti-stress, auxiliar de sono e solução para problemas de pele. A maioria de seus benefícios à saúde vem da presença de nepetalactona, timol e outros compostos que tornam esta planta ótima para você e seu amigo peludo.

Foto: Reprodução

Benefícios da erva-gateira para a saúde:

  • Repelindo insetos e aliviando a irritação das picadas de insetos
  • Acalma inquietação, ansiedade e estresse
  • Alivia o desconforto do estômago
  • Acelera a recuperação de constipações e febres

Usos comuns:

  • Folhas para um chá
  • Folhas secas e queimadas para liberar o aroma
  • Aplicar óleos essenciais ou folhas topicamente

Pimenta-caiena

A pimenta-caiena (capsicum annuum) adiciona um pontapé picante a qualquer refeição ou bebida e é um desintoxicante popular para muitas pessoas. A capsicina é o composto responsável pela natureza picante da pimenta-caiena, mas também é responsável por alguns de seus benefícios à saúde. Alguns desses benefícios incluem o alívio da dor e a redução do colesterol.

Foto: Reprodução

Benefícios da pimenta caiena para a saúde:

  • Desintoxica o corpo
  • Impulsiona o metabolismo
  • Alivia uma dor de estômago e ajuda na digestão
  • Melhora a circulação
  • Alivia a dor

Usos comuns:

  • Adicionar a molhos, misturas de especiarias, cremes e outros pratos.
  • Consumir como um comprimido

Camomila

A camomila (matricaria chamomilla) possui uma alta concentração de antioxidantes que a tornam uma ótima planta para o alívio de uma variedade de enfermidades. A camomila é comumente consumida como chá e você pode fazer a sua própria em casa, preparando flores secas de camomila (apenas certifique-se de que as flores estejam completamente secas). Tomar uma xícara de chá de camomila antes de dormir pode ajudá-lo a relaxar e ter uma noite de sono mais descansada.

Foto: Reprodução

Benefícios da camomila para a saúde:

  • Melhora a saúde geral da pele
  • Alivia a dor
  • Ajudas para dormir
  • Reduz a inflamação e o inchaço
  • Rica fonte de antioxidantes
  • Alivia o congestionamento

Usos comuns:

  • Flores secas para um chá
  • Inspirar óleo essencial
  • Aplicar óleos essenciais de forma tópica

Dente-de-leão

Você deve pensar duas vezes antes de remover esses dentes-de-leão (taraxacum) do seu jardim da frente! Os dentes-de-leão não só são comestíveis, como também estão cheios de benefícios para a saúde. Essas plantas medicinais estão repletas de coisas que são ótimas para você: vitamina K, vitamina C, ferro, cálcio e muito mais. Estas vitaminas e minerais ajudam a manter uma saúde forte dos ossos e do fígado. Todas as partes de um dente-de-leão são úteis e boas para você. Por exemplo, as raízes do dente-de-leão são comumente usadas para chás, as folhas são usadas como guarnições para diferentes pratos e a seiva do dente-de-leão é ótima para a sua pele!

Foto: Reprodução

Benefícios do dente-de-leão para a saúde:

  • Desintoxica o fígado e favorece a saúde geral do fígado
  • Trata infecção da pele
  • Apoia a saúde óssea em geral
  • Trata e ajuda a prevenir infecções urinárias

Usos comuns:

  • Raízes para um chá
  • Use folhas como guarnição para a louça
  • Consumir como um comprimido

Equinácea

A equinácea (echinacea purpurea) também é comumente conhecida como flor-de-cone. Esta é outra flor que é normalmente usada no chá para ajudar a acalmar diferentes sintomas e fortalecer o sistema imunológico. Esta erva popular é usada com mais frequência para acelerar a recuperação do resfriado comum. É importante notar que a equinácea pode causar efeitos negativos como náuseas e tonturas, se ingerida consistentemente em grandes doses.

Foto: Reprodução

Benefícios da equinácea para a saúde:

  • Trata e ajuda a prevenir infecções do trato urinário
  • Fortalece o sistema imunológico
  • Alivia os problemas respiratórios superiores
  • Combate as infecções
  • Alivia os sintomas da constipação comum

Usos comuns:

  • Raízes, folhas e flores para um chá
  • Consumir como um comprimido

Alho

O alho (allium sativum) ajuda a manter afastados os vampiros e doenças indesejadas! Esta super planta é ótima para combater infecções, auxiliar no controle do colesterol e muito mais. Comer alho regularmente é bom para sua saúde em geral e fácil de incorporar em uma ampla variedade de pratos. O alho cru é o mais potente, então experimente comê-lo cru para o maior benefício à saúde.

Foto: Reprodução

Benefícios do alho para a saúde:

  • Ajuda a prevenir doenças cardíacas
  • Baixa o colesterol e a pressão arterial
  • Previne demência, Alzheimer e doenças degenerativas similares
  • Melhora a saúde digestiva

Usos comuns:

  • Uso como ingrediente ou guarnição de pratos
  • Consumir cru

Alfazema

A lavanda (lavandula) é popular pelo seu aroma calmante e pela capacidade de acalmar os nervos. O chá de lavanda é outra bebida que você pode preparar para ajudá-lo a relaxar depois de um longo dia e ter uma boa noite de descanso. O óleo de lavanda também é popular para tratamentos de massagem, aromaterapia e até mesmo tratamento capilar!

Foto: Reprodução

Benefícios da lavanda para a saúde:

  • Alivia a tensão e reduz o stress
  • Alivia dores de cabeça e enxaquecas
  • Ajudas para dormir
  • Suporta cabelos e pele saudáveis
  • Combate a acne
  • Alivia a dor
  • Trata de problemas respiratórios

Usos comuns:

  • Preparar flores para um chá
  • Usar óleo essencial em um difusor
  • Aplicar o óleo essencial por via tópica

Erva-cidreira

A erva-cidreira (melissa officinalis) é uma planta medicinal de longa data usada para ajudar a aliviar o stress e a afastar os insetos! Uma quantidade intensa de stress pode causar complicações para muitas funções do corpo, por isso o stress mínimo é ideal para um corpo saudável e funcional. Esta planta é deliciosa e facilmente utilizada em diversos pratos como chás, sorvetes e muito mais. Muitas pessoas consomem chá de bálsamo de limão para ajudar a aliviar a ansiedade, o estresse e até mesmo para acalmar as crianças inquietas.

Foto: Reprodução

Benefícios da erva-cidreira para a saúde:

  • Acalma a inquietação, ansiedade e estresse
  • Reduz a inflamação
  • Tratamento de feridas frias
  • Acalma as cólicas menstruais

Usos comuns:

  • Folhas de cerveja para um chá
  • Guarnição para pratos e sobremesas
  • Aplicar topicamente chá ou óleo essencial

Calêndula

As calêndulas (tagetes) são plantas perfumadas a que muitos recorrem para melhorar a saúde geral da sua pele. Estas flores vibrantes carregam muitos antioxidantes e outros compostos saudáveis que as tornam a escolha perfeita para manter em sua casa! Estas plantas não só mantêm o seu corpo saudável, como também ajudam a manter os insetos afastados.

Foto: Reprodução

Benefícios da calêndula para a saúde:

  • Suaviza a pele e trata doenças de pele
  • Reduz a inflamação
  • Fortes propriedades antibacterianas e anti-sépticas
  • Trata dores de ouvido e infecções
  • Fortalece os olhos

Usos comuns:

  • Flores secas para um chá
  • Aplicar óleo essencial ou creme topicamente
  • Polvilhe como guarnição para pratos

Salsa

A salsa (petroselinum crispum) é uma deliciosa guarnição que é útil para apoiar o seu sistema imunológico, saúde óssea e saúde digestiva. A alta concentração de antioxidantes, vitamina K e outros compostos ajudam a transformar esta planta em uma erva energética para o seu corpo. A salsa também é uma boa erva para se alcançar se você sofre de halitose, também conhecida como mau hálito!

Foto: Reprodução

Benefícios da salsa para a saúde:

  • Alivia o inchaço e apoia a saúde digestiva
  • Combate o mau hálito
  • Apoia a saúde óssea
  • Rica fonte de antioxidantes

Usos comuns:

  • Polvilhar como guarnição de pratos
  • Crie um suco ou use as folhas para um chá

Hortelã-pimenta

A hortelã-pimenta (mentha × piperita) é uma erva fresca que provamos em goma, pasta de dentes e sobremesas. Esta erva faz um chá saboroso e ajuda a aliviar dores de barriga, náuseas e dores musculares (só para citar algumas). O chá de hortelã-pimenta é uma boa escolha para mães grávidas que sofrem de enjoos matinais ocasionais.

Foto: Reprodução

Benefícios da hortelã-pimenta para a saúde:

  • Alivia as alergias
  • Acalma a dor muscular
  • Alivia as dores de cabeça
  • Reduz náuseas, gases e indigestão
  • Apoia a saúde digestiva
  • Trata o mau hálito
  • Altamente antibacteriano

Usos comuns:

  • Folhas para um chá
  • Aplicar o óleo essencial por via tópica
  • Inspirar óleo essencial

Alecrim

O alecrim (rosmarinus officinalis) está repleto de vitaminas e minerais que ajudam a suportar as mais diversas funções do organismo. Por exemplo, o alecrim é ótimo para melhorar a memória e também suporta o crescimento dos cabelos. Isto significa que uma xícara de chá de alecrim é ótimo para qualquer pessoa que se encaminha para uma noite de estudos ou para uma pessoa que luta contra uma linha de cabelo recuada!

Foto: Reprodução

Benefícios do alecrim para a saúde:

  • Reduz a inflamação
  • Melhora a circulação sanguínea
  • Melhora a memória e melhora a função cerebral em geral
  • Trata o mau hálito
  • Apoia a saúde do fígado
  • Apoia o crescimento do cabelo

Usos comuns:

  • Preparo de folhas secas para um chá
  • Polvilhe como guarnição para pratos
  • Aplicar o óleo essencial por via tópica

Sálvia

A sálvia (salvia officinalis) é outra planta médica que ajuda a apoiar a memória e a combater doenças degenerativas. A sálvia também é conhecida por controlar a diabetes com sua capacidade de baixar naturalmente os níveis de glicose. Esta planta é um ingrediente popular para vários pratos e produtos de beleza, para que você possa colher facilmente os benefícios da sálvia de várias maneiras!

Foto: Reprodução

Benefícios da sálvia para a saúde:

  • Melhora a memória e melhora o funcionamento geral do cérebro
  • Apoia a saúde digestiva
  • Fortalece o sistema imunológico
  • Trata e ajuda a gerenciar o diabetes
  • Rico em antioxidantes
  • Melhora a saúde da pele

Usos comuns:

  • Preparo de folhas frescas para chá
  • Polvilhe como guarnição para pratos
  • Inspirar óleo essencial
  • Aplicar o óleo essencial por via tópica

Erva-de-São-João

A erva-de-São-João (hipericum perforatum) é conhecida principalmente como uma forma natural de aliviar os sintomas da depressão. É usado para tratar ansiedade, alterações de humor, sentimentos de abstinência e sintomas de transtorno obsessivo-compulsivo. Estas plantas medicinais são normalmente consumidas como comprimido concentrado ou aplicadas topicamente como pomada. É importante notar que a erva-de-São João pode interagir com vários medicamentos, portanto (como todas as plantas desta lista) consulte seu médico antes de consumir ou aplicar esta planta no seu corpo.

Foto: Reprodução

Benefícios da erva-de-São-João para a saúde:

  • Ajuda a aliviar sintomas de depressão
  • Alivia a ansiedade e ajuda a gerenciar o humor
  • Reduz a inflamação
  • Suaviza a irritação da pele

Usos comuns:

  • Consumir como comprimido
  • Prepare flores frescas para o chá
  • Aplicar topicamente como óleo essencial ou pomada

Tomilho

O tomilho (thymus vulgaris) é uma erva popular utilizada na culinária. O timol é encontrado no tomilho e é comumente encontrado em elixir bucal e borrachas de vapor. Este composto dá ao tomilho suas fortes propriedades antifúngicas e antibacterianas. As propriedades antifúngicas do tomilho também ajudam a prevenir doenças transmitidas pelos alimentos, pois pode descontaminar os alimentos e prevenir infecções no corpo.

Foto: Reprodução

Benefícios do tomilho para a saúde:

  • Suaviza a dor de garganta e a tosse
  • Melhora a circulação sanguínea
  • Trata de problemas respiratórios
  • Suporta o sistema imunológico

Usos comuns:

  • Polvilhar como guarnição para as refeições
  • Prepare folhas frescas para o chá
  • Aplicar topicamente como um creme

Conheça a Margarida e seus usos

A margarida, cientificamente conhecida como Leucanthemum vulgare, é uma planta de floração generalizada nativa da Europa e das regiões temperadas da Ásia e uma planta introduzida na América do Norte, Austrália e Nova Zelândia. É um membro da família Asteraceae, a mesma família do girassol (Helianthus annuus).

A margarida é uma planta perene da família Compositae que se parece com várias flores da família aster. É muitas vezes confundida com a margarida ornamental shasta (comestível) que é uma planta mais alta com flores maiores e uma folha inteira dentada. A folha da margarida oxigenada é bem diferente da shasta com lobos profundos. Existem muitas margaridas brancas que foram introduzidas da Eurásia como plantas ornamentais e herbáceas; no entanto, a margarida oxigenada tem cabeças de flores maiores. A margarida é uma erva benéfica para ser usada como remédio para feridas e para alívio de alergias sazonais. A margarida trata-se de uma erva adstringente, levemente aromática, amarga e seca.

Foto: Reprodução

A margarida é uma planta ornamental típica de pradaria perene que cresce cerca de 30 a 90 cm de altura por 0,30 m de largura, mas que ocasionalmente atinge até 1 m de altura. Embora nativa da Europa, esta é a margarida branca comum que se naturalizou em pradarias mesicas a secas (incluindo antigas pradarias de cemitério), prados de ervas daninhas em áreas arborizadas, terrenos baldios, áreas ao longo de estradas e ferrovias, aterros sanitários, pastagens e áreas de resíduos. A planta é facilmente cultivada em média, em solos secos a médios, bem drenados. A planta tem raízes perenes e um tanto rastejantes. O caule é erecto, simples ou ligeiramente ramificado, geralmente 1-2 por planta, mas pode formar cachos grossos. São decumbentes em sua base, geralmente de 30-90 cm de altura. O caule é ligeiramente peludo em direção à parte superior e sem pelos na parte inferior, com folhas alternadas. Espalha-se prontamente e ocasionalmente é considerado uma erva daninha nociva, especialmente quando cresce em campos de cultivo e pastagens.

As folhas da margarida são ligeiramente peludas (ou seja, puberulentas) ou sem pelos (ou seja, glabras) e alternadamente dispostas ao longo dos caules, mas formam uma roseta basal durante os estágios iniciais de crescimento. As folhas inferiores são relativamente grandes (4-15 cm de comprimento e até 5 cm de largura), são caules (ou seja, petioladas) e têm margens ligeiramente dentadas (ou seja, serrilhadas) e/ou lobadas. As folhas superiores são menores (até 7,5 cm de comprimento), mais estreitas, e geralmente menos talo (i.e. sésseis) com margens profundamente dentadas (i.e. serradas). As folhas são verdes escuras em ambos os lados. Quando esmagadas, todas as partes da planta têm um odor azedo desagradável. As folhas de roseta basal tenra têm um odor de cenoura.

As cabeças das flores (i.e. capitula) são como uma típica “margarida” e têm numerosas (15-40) pétalas brancas (i.e. floretas de raios) em torno de um centro amarelo. Estas pétalas (isto é, floretas de raios) têm 10-20 mm de comprimento e o centro amarelo consiste de muitas flores tubulares minúsculas (isto é, flores de disco), cada uma com cerca de 3 mm de comprimento. As cabeças das flores (2-6 cm de diâmetro) são suportadas individualmente nas pontas dos ramos e suas bases são cercadas por várias fileiras sobrepostas de brácteas verdes (ou seja, brácteas involucradas) com margens de cor marrom. A floração ocorre principalmente no final da primavera e início do verão. Estas flores flores florescem de maio a setembro, dependendo do local. Armazene as flores secas em um recipiente hermético para preservar o frescor.

Foto: Reprodução

Quais são os usos e benefícios tradicionais da margarida?

  • A planta inteira, e especialmente as flores, é antiespasmódica diaforética, diurética, tônica e vulnerável.
  • A planta tem sido usada com sucesso no tratamento da tosse convulsa, asma e excitabilidade nervosa.
  • Externamente é utilizada como loção em hematomas, feridas, úlceras e algumas doenças cutâneas.
  • A decocção das flores e caules secos tem sido usada como lavagem para as mãos gretadas.
  • A água destilada feita das flores é uma loção ocular eficaz no tratamento da conjuntivite.
  • Tem sido muito utilizada na medicina tradicional no tratamento de distúrbios internos e como loção para problemas de pele.
  • Pode ser usada principalmente para úlceras e feridas.
  • A infusão de flores é benéfica para aliviar a tosse crônica e para catarros brônquicos.
  • A raiz também é usada com sucesso para verificar o suor noturno do consumo pulmonar na América.
  • A decocção feita com eles e a bebida ajuda a curar as feridas feitas na cavidade do peito.
  • As folhas machucadas e aplicadas aos privilégios ou a qualquer outra parte que esteja inchada e quente, dissolvem-na e temperam o calor.
  • É diurética e adstringente, útil para úlceras de estômago e hemorroidas ou urina.
  • É utilizada como ducha vaginal para ulceração cervical.
  • Era tradicionalmente usada na cerveja como cura para icterícia.
  • Misture-a com plantas como a equinácea e a banana para ajudar a eliminar infecções.
  • Prepare as folhas aromáticas e adstringentes secas ou frescas como um chá quente para acalmar alergias e tosse com cócegas, e para secar um nariz escorrendo, pingando e pingando, causado pela febre do feno do início do verão.
  • Misture-a com outros aromáticos secantes, como hera moída para ajudar a secar um nariz escorrendo e abrir os seios nasais.
Foto: Reprodução

Quais são os usos culinários da margarida?

  • Os botões de flores não abertos podem ser marinados e utilizados de forma semelhante às alcaparras.
  • Os brotos jovens da primavera são finamente cortados e adicionados às saladas.
  • As folhas jovens também podem ser comidas como uma salada.
  • Diz-se que a raiz também é comestível crua, de preferência na primavera.
  • As flores podem ser atiradas em uma salada ou em picles.

Outros fatos sobre a margarida

  • A planta inteira é permeada por um suco de acrílico, o que a torna obnóxia para os insetos.
  • Quando esmagada, todas as partes da planta têm um odor desagradável e azedo.
  • Também é cultivada como planta ornamental em jardins.
  • Segundo Linnaeus, cavalos, ovelhas e cabras comem a planta, mas vacas e porcos a recusam por causa do seu amargor.
  • As meninas colocam a flor sob seus travesseiros para ter sonhos com os seus futuros maridos.
  • Ela pode dar um gosto “fora” ao leite dos animais em lactação se ingerida.
  • Uma margarida vigorosa pode produzir 26.000 sementes por planta, enquanto espécimes menores produzem 1.300 a 4.000 sementes por planta.
  • A planta também é usada para proteger bebês de influências malignas e presenças espirituais, e usada ou carregada para atrair o amor.
  • O jogo da mutilação de flores “mal-me quer, bem-me-quer” foi baseado neste tipo particular de margarida.
  • Na simbologia vegetal, a margarida representa a paciência.
Foto: Reprodução

Precauções com a margarida

  • Não usar se estiver grávida ou amamentando.
  • Pessoas com alergias ao pólen podem ser especialmente sensíveis a esta planta e a outras da família Asteraceae.
  • Não usar em pacientes com doença renal grave/infecção ou problemas de controle da bexiga.
  • Não usar em pacientes com cálculos renais, obstrução do canal biliar ou cálculos biliares.

Os Óleos Essenciais e seus benefícios

Os óleos essenciais são frequentemente utilizados em aromaterapia, uma forma de medicina alternativa que emprega extratos de plantas para apoiar a saúde e o bem-estar. No entanto, algumas das alegações de saúde associadas a esses óleos são controversas. Óleos essenciais são compostos extraídos de plantas. Os óleos captam o aroma e o sabor da planta, ou “essência”. Compostos aromáticos únicos dão a cada óleo essencial a sua essência característica.

Os óleos essenciais são obtidos por destilação (via vapor e/ou água) ou por métodos mecânicos, como a prensagem a frio. Uma vez extraídos os produtos químicos aromáticos, eles são combinados com um óleo veicular para criar um produto pronto para uso. A forma como os óleos são feitos é importante, pois os óleos essenciais obtidos através de processos químicos não são considerados verdadeiros óleos essenciais.

Foto: Reprodução

Como os óleos essenciais funcionam?

Os óleos essenciais são os mais utilizados na prática da aromaterapia, na qual são inalados através de vários métodos. Os óleos essenciais não são destinados a serem engolidos. Os produtos químicos dos óleos essenciais podem interagir com o seu corpo de diversas maneiras. Quando aplicados em sua pele, alguns produtos químicos vegetais são absorvidos. Pensa-se que certos métodos de aplicação podem melhorar a absorção, como a aplicação com calor ou em diferentes áreas do corpo. No entanto, faltam pesquisas nesta área.

A inalação dos aromas dos óleos essenciais pode estimular áreas do seu sistema límbico, que é uma parte do seu cérebro que desempenha um papel nas emoções, comportamentos, senso de olfato e memória a longo prazo. Curiosamente, o sistema límbico está fortemente envolvido na formação de memórias. Isso pode explicar em parte porque cheiros familiares podem desencadear memórias ou emoções.

O sistema límbico também tem um papel no controle de várias funções fisiológicas inconscientes, tais como respiração, freqüência cardíaca e pressão sanguínea. Como tal, algumas pessoas afirmam que os óleos essenciais podem exercer um efeito físico sobre o seu corpo. No entanto, isso ainda não foi confirmado em estudos.

Foto: Reprodução

Tipos populares de óleos essenciais

Existem mais de 90 tipos de óleos essenciais, cada um com seu cheiro próprio e potenciais benefícios à saúde.

Aqui está uma lista de 10 óleos essenciais populares e as alegações de saúde associadas a eles:

Hortelã-pimenta: utilizado para aumentar a energia e auxiliar a digestão
Lavanda: usada para aliviar o stress
Sândalo: usado para acalmar os nervos e ajudar no foco
Bergamota: utilizada para reduzir o stress e melhorar as condições de pele como o eczema
Rosa: usada para melhorar o humor e reduzir a ansiedade
Camomila: utilizada para melhorar o humor e relaxamento
Ylang-Ylang: usado para tratar dores de cabeça, náuseas e problemas de pele
Árvore do Chá: usada para combater infecções e aumentar a imunidade
Jasmim: usado para ajudar na depressão, parto e libido
Limão: usado para auxiliar a digestão, humor, dores de cabeça, e muito mais

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios dos óleos essenciais para a saúde?

Apesar de seu amplo uso, pouco se sabe sobre a capacidade dos óleos essenciais de tratar determinadas condições de saúde. Veja aqui as evidências sobre alguns dos problemas de saúde comuns que os óleos essenciais e a aromaterapia têm sido usados para tratar:

Stress e ansiedade

Estima-se que 43% das pessoas com estresse e ansiedade usam alguma forma de terapia alternativa para ajudar a aliviar seus sintomas. Em relação à aromaterapia, os estudos iniciais têm sido bastante positivos. Muitos têm mostrado que o cheiro de alguns óleos essenciais pode funcionar ao lado da terapia tradicional para tratar a ansiedade e o estresse.

Entretanto, devido aos odores dos compostos, é difícil conduzir estudos cegos e descartar preconceitos. Assim, muitas revisões sobre os efeitos dos óleos essenciais no alívio do estresse e da ansiedade têm sido inconclusivas.

Curiosamente, o uso de óleos essenciais durante uma massagem pode ajudar a aliviar o estresse, embora os efeitos só possam durar enquanto a massagem está sendo realizada. Uma recente revisão de mais de 201 estudos constatou que apenas 10 foram robustos o suficiente para analisar. Também concluiu que a aromaterapia foi ineficaz no tratamento da ansiedade.

Foto: Reprodução

Dores de cabeça e enxaquecas

Nos anos 90, dois pequenos estudos descobriram que o uso de uma mistura de óleo de hortelã-pimenta e etanol na testa e nas têmporas dos participantes aliviava a dor de cabeça.

Estudos recentes também observaram a redução da dor de cabeça após a aplicação de óleo de hortelã-pimenta e lavanda na pele. Além disso, tem sido sugerido que a aplicação de uma mistura de camomila e óleo de gergelim nas têmporas pode tratar dores de cabeça e enxaquecas. Este é um tradicional remédio persa para dor de cabeça. No entanto, são necessários mais estudos de alta qualidade.

Sono e insônia

O óleo de lavanda com cheiro tem demonstrado melhorar a qualidade do sono das mulheres após o parto, assim como de pacientes com doenças cardíacas.

Uma revisão examinou 15 estudos sobre óleos essenciais e sono. A maioria dos estudos mostrou que o cheiro dos óleos – principalmente o óleo de lavanda – teve efeitos positivos sobre os hábitos de sono.

Foto: Reprodução

Reduz a inflamação

Tem sido sugerido que óleos essenciais podem ajudar a combater condições inflamatórias. Alguns estudos com tubos de ensaio mostram que eles têm efeitos anti-inflamatórios.

Um estudo em ratos descobriu que a ingestão de uma combinação de óleos essenciais de tomilho e orégano ajudou a induzir a remissão da colite. Dois estudos em ratos sobre óleos de cominho e alecrim encontraram resultados semelhantes. Entretanto, muito poucos estudos em humanos examinaram os efeitos desses óleos sobre doenças inflamatórias. Portanto, sua eficácia e segurança são desconhecidas.

Antibióticos e antimicrobianos

A ascensão de bactérias resistentes a antibióticos tem renovado o interesse na busca de outros compostos que possam combater as infecções bacterianas.

Estudos em tubos de ensaio têm investigado extensivamente óleos essenciais, como o óleo de hortelã-pimenta e o óleo de árvore de chá, por seus efeitos antimicrobianos, observando alguns resultados positivos. Entretanto, embora estes resultados do estudo do tubo de ensaio sejam interessantes, eles não refletem necessariamente os efeitos que estes óleos têm dentro do seu corpo. Eles não provam que um determinado óleo essencial possa tratar infecções bacterianas em humanos.

Foto: Reprodução

Quais são os outros usos dos óleos essenciais?

Os óleos essenciais têm muitos usos fora da aromaterapia:

Muitas pessoas os usam para perfumar suas casas ou para refrescar coisas como lavanderia. Também são usados como aroma natural em cosméticos caseiros e produtos naturais de alta qualidade.

Além disso, tem sido sugerido que os óleos essenciais podem oferecer uma alternativa segura e ambientalmente correta para os repelentes de mosquitos produzidos pelo homem, como o DEET. No entanto, os resultados em relação à sua eficácia têm sido mistos.

Estudos demonstraram que alguns óleos, como a citronela, podem repelir certos tipos de mosquitos por cerca de 2 horas. O tempo de proteção pode ser estendido até 3 horas quando é usado em combinação com vanilina. Além disso, as propriedades dos óleos essenciais indicam que alguns deles podem ser utilizados industrialmente para prolongar a vida útil dos alimentos.

Foto: Reprodução

Como escolher os óleos essenciais certos?

Muitas empresas afirmam que seus óleos são “puros” ou “de grau médico”. Entretanto, estes termos não são universalmente definidos e, portanto, têm pouco peso. Como são produtos de uma indústria não regulamentada, a qualidade e composição dos óleos essenciais pode variar muito.

Tenha em mente as seguintes dicas para escolher somente óleos de alta qualidade:

  • Pureza: Encontre um óleo que contenha apenas compostos aromáticos de plantas, sem aditivos ou óleos sintéticos. Óleos puros normalmente listam o nome botânico da planta (como Lavandula officinalis) em vez de termos como “óleo essencial de lavanda”.
  • Qualidade: Os verdadeiros óleos essenciais são os que foram menos alterados pelo processo de extração. Escolha um óleo essencial livre de produtos químicos que tenha sido extraído por destilação ou por prensagem mecânica a frio.
  • Reputação: Adquira uma marca com reputação de produzir produtos de alta qualidade.
Foto: Reprodução

Segurança e efeitos colaterais dos óleos essenciais

Só porque algo é natural, não significa que seja seguro. Plantas e produtos herbais contêm muitos compostos bioativos que podem prejudicar a sua saúde, e os óleos essenciais não são diferentes.

Entretanto, quando inalados ou combinados com um óleo básico para uso na pele, a maioria dos óleos essenciais é considerada segura. Não deixe de considerar outros no seu ambiente que possam estar inalando o aroma, incluindo mulheres grávidas, crianças e animais de estimação. No entanto, eles podem causar alguns efeitos colaterais, inclusive:

  • Erupções cutâneas
  • Crises de asma
  • Dores de cabeça
  • Reações alérgicas
Foto: Reprodução

Embora o efeito colateral mais comum seja uma erupção cutânea, os óleos essenciais podem causar reações mais graves, e têm sido associados a um caso de morte. Os óleos que têm sido mais comumente associados a reações adversas são lavanda, hortelã-pimenta, árvore de chá e ylang-ylang.

Óleos ricos em fenóis, como canela, podem causar irritação na pele e não devem ser usados na pele sem serem combinados com um óleo básico. Enquanto isso, óleos essenciais feitos de frutas cítricas aumentam a reação da pele à luz solar e queimaduras podem ocorrer. A ingestão de óleos essenciais não é recomendada, pois isso pode ser prejudicial e, em algumas doses, fatal. Muito poucos estudos têm examinado a segurança desses óleos para mulheres grávidas ou lactantes, que geralmente são aconselhadas a evitá-los.

Os óleos essenciais são geralmente considerados seguros para inalar ou aplicar na pele se tiverem sido combinados com um óleo básico. Eles não devem ser ingeridos. No entanto, faltam evidências que sustentem muitas das alegações de saúde associadas e sua eficácia é muitas vezes exagerada. Para problemas de saúde menores, o uso de óleos essenciais como terapia complementar é provavelmente inofensivo. No entanto, se você tem um problema sério de saúde ou está tomando medicamentos, você deve discutir o uso deles com seu médico.

Foto: Reprodução

Como posso inalar óleos essenciais?

Difusor

Neste dispositivo são colocados óleos essenciais, às vezes com água (certifique-se de ler as instruções), às vezes com calor para que eles evaporem. Esta é uma boa maneira de adicionar o aroma de um óleo essencial a uma sala, por exemplo para adicionar lavanda se você quiser melhorar o relaxamento em uma sessão ou aula de ioga. Os óleos essenciais nunca devem ser queimados diretamente, pois a estrutura química é drasticamente alterada com a incineração.

Evaporação a seco

Várias gotas de óleo essencial são colocadas sobre uma bola de algodão ou tecido e permitidas para evaporar no ar. Se você quiser uma dose intensa, fareje a bola de algodão. Se desejar uma exposição mais suave e constante, basta manter a bola de algodão na sua vizinhança imediata (por exemplo, deixe-a sentada na sua mesa ao lado do computador).

Vapor

Gotas de óleo essencial são adicionadas a uma tigela de água fervente, que rapidamente vaporiza o óleo. Coloque uma toalha sobre sua cabeça e sobre a tigela de água com gota(s) de óleo essencial e respire profundamente. Este método é muito direto e potente – o uso de mais de 1-2 gotas pode ser avassalador. É importante manter os olhos fechados ao usar este método. O uso de óleo essencial de eucalipto desta forma pode ser útil em infecções respiratórias superiores e sinusais Nota: Isto não é recomendado para crianças menores de 7 anos. Crianças maiores de 7 anos podem usar óculos de natação para proteger os olhos.

Pulverização

Gotas de óleos essenciais são colocadas em uma solução à base de água, agitadas e pulverizadas no ar para desodorizar uma sala ou deixar um ambiente de mau humor. Um exemplo pode ser a pulverização de uma solução aquosa de óleos de pinheiro ou cítricos para melhorar a sensação de férias ou uma solução de óleo de hortelã-pimenta para estimular o estado de alerta. Você também pode querer usar uma solução de água e seu óleo essencial favorito como um limpador de esteiras de yoga. É importante agitar a garrafa antes de pulverizar para pulverizar a solução e não apenas a água.

Auriculoterapia: Conheça o tratamento

A auriculoterapia é uma modalidade de tratamento de saúde em que a superfície externa da orelha, ou aurícula, é estimulada para aliviar as condições patológicas em outras partes do corpo. A descoberta desta terapia é parcialmente baseada na antiga prática chinesa da acupuntura corporal, mas também deriva das descobertas feitas por um médico francês nos anos 50. Dr. Paul Nogier e colegas demonstraram que áreas específicas do ouvido externo estavam associadas à patologia em partes específicas do corpo. Muitos textos sobre o tema da auriculoterapia tendem a enfocar tanto a abordagem chinesa da acupuntura auricular quanto as práticas européias de medicina auricular. Seguindo meu trabalho no Centro de Gerenciamento da Dor da UCLA nos anos 80, o presente texto busca integrar os estilos chinês e europeu de auriculoterapia.

A acupuntura é o ramo mais conhecido da chamada Medicina Tradicional Chinesa. Estima-se que aproximadamente 40% dos cuidados de saúde prestados na China podem ser classificados como Medicina Tradicional Chinesa, que, além da acupuntura, inclui técnicas especiais de massagem, moxabustão, remédios fitoterápicos e uma série de exercícios mentais e corporais. Os primeiros textos sobreviventes sobre acupuntura datam do segundo século a.C. Acredita-se que a acupuntura foi trazida aos europeus pelos missionários jesuítas, que cunharam a palavra “acupuntura” ao combinar as palavras latinas acus para “agulha” e punctum para “punção”. Sir William Osler incluiu o uso da acupuntura no manejo da ciática em seu texto clássico Os Princípios e a Prática da Medicina.

Foto: Reprodução

Na auriculoterapia, um ponto reflexo ativo só é detectado quando há alguma patologia, dor ou disfunção na parte correspondente do corpo. Se não houver problema corporal, não há ponto reflexo no ouvido. Um ponto reflexo ativo é identificado como uma área da orelha que apresenta aumento da sensibilidade à pressão aplicada e aumento da condutividade eletrodérmica da pele. Os distúrbios de saúde que são comumente associados a cada parte da aurícula quando há patologia em um determinado órgão anatômico são apresentados a seguir:

  • Helix – Pontos anti-inflamatórios e tratamento de alergias e nevralgias.
  • Raiz de Hélice – Disfunções dos órgãos genitais externos, distúrbios sexuais, disfunções urinárias e problemas diafragmáticos, como soluços.
  • Arco Helix – Alergias, artrite, amigdalite e processos anti-inflamatórios.
  • Cauda da Hélice – Representando o corno dorsal, os neurônios sensoriais da medula espinhal e o sistema nervoso simpático pré-ganglionar, esta região é utilizada para o tratamento de neuropatias periféricas e neuralgias.
  • Anti-hélice – Tratamento de problemas relacionados ao tronco principal do corpo que estão relacionados com a dor e tensão associadas ao sistema músculo-esquelético.
  • Crus Superior – Distúrbios das extremidades inferiores da perna e do pé.
  • Crus Inferior – Dor lombar, distúrbios lombossacrais, espasmos nas nádegas e ciática.
  • Corpo Anti-Hélice – Problemas na coluna torácica, dores no peito, herpes zóster e problemas com a musculatura abdominal.
  • Cauda anti-helixada – Dor no pescoço, distúrbios da coluna cervical e problemas de garganta.
  • Lóbulo – Disfunções relacionadas ao córtex cerebral do cérebro, sensação facial desconfortável, distúrbios oculares, dor na mandíbula e analgesia dentária. O lobo auditivo representa ainda reflexos condicionados, resistências psicológicas e bloqueios emocionais.
  • Trágus – Problemas com o corpus callosum, controle do apetite e glândulas supra-renais.
  • Antitrágus – Dores de cabeça frontais, temporais e occipitais.
  • Entalhe intertrágico – Distúrbios hormonais do controle da hipófise de outras glândulas.
  • Fossa do escafóide – Problemas nas extremidades superiores, tais como ombro congelado, braço rígido, cotovelo de tenista, pulso torcido, tremores de mão e dores nos dedos.
  • Fossa Triangular – Problemas nas extremidades inferiores, tais como dor nos quadris, lesões nos joelhos, torção no tornozelo, dor nos pés, pés frios, disfunções uterinas e problemas de órgãos pélvicos.
  • Concha – Distúrbios de órgãos viscerais.
  • Concha Superior – Distúrbios relacionados aos órgãos abdominais, tais como disfunções do pâncreas, vesícula biliar, rim e bexiga urinária.
  • Concha Inferior – Distúrbios relacionados aos órgãos torácicos, tais como problemas cardíacos e doenças pulmonares. Também é utilizado para o tratamento do abuso de substâncias.
  • Cume da Concha – Transtornos relacionados ao estômago e ao fígado.
  • Parede da Concha – Disfunções associadas com o tálamo do cérebro, incluindo dor geral, problemas nervosos simpáticos e distúrbios da circulação vascular.
  • Subtragus – Problemas de lateralidade, surdez do nervo auditivo e distúrbios internos do nariz e garganta.
  • Hélice Interna – Disfunções relacionadas com os órgãos genitais internos, distúrbios renais e alergias.
  • Orelha Posterior – Distúrbios relacionados à atividade motora e problemas com o corpo músculo-esquelético, como espasmos musculares e paralisia motora.
  • Lóbulo Posterior – Disfunções do córtex motor piramidal, do sistema striatal extrapiramidal, dos tremores cerebelares e dos tremores oculares.
  • Ranhura Posterior – Dor e espasmos musculares dos músculos paravertebrais.
  • Triângulo Posterior – Problemas com o controle motor do movimento das pernas, espasmos dos músculos das pernas e fraqueza motora das pernas.
  • Concha Posterior – Problemas com o controle motor dos órgãos internos.
  • Periferia Posterior – Problemas com neurônios motores da medula espinhal, incluindo tremores nos movimentos dos braços e das mãos.
Foto: Reprodução

Duas a dez sessões de auriculoterapia são normalmente necessárias para aliviar completamente uma condição, mas uma melhora significativa pode ser notada nas duas primeiras sessões. Monitorando o nível de dor percebido em uma região do corpo, e determinando a amplitude de movimento das áreas musculoesqueléticas, pode-se mais facilmente determinar o progresso dos tratamentos de auriculoterapia. Estas avaliações comportamentais devem ser realizadas antes e depois de uma sessão de auriculoterapia. Para órgãos internos e distúrbios neuroendócrinos, muitas vezes não há um sintoma específico a ser percebido; assim, deve-se esperar para observar uma mudança na condição do paciente. Mesmo para problemas músculo-esqueléticos, pode não haver um alívio acentuado da dor até várias horas depois; assim, o paciente deve continuar a monitorar seus sintomas por 24 horas após uma sessão.

Encontrar os pontos para a auriculoterapia e diagnóstico requer alguma prática na orientação devido à forma extremamente individual da orelha externa. A primeira orientação é a imagem do homúnculo no ouvido externo (o embrião em pé sobre sua cabeça). De acordo com isto, os órgãos da cabeça são representados de forma inferior e as extremidades de forma superior.

Não parece insignificante que para a orelha somatotópica a orelha externa seja interiorizada por três nervos diferentes:

  • a concha é infundida pelo ramo auricular do nervo vago
  • a maior parte da orelha é fornecida por parte do terceiro ramo do trigêmeo
  • o lóbulo da orelha junto com parte da borda da hélice é fornecido pelo grande nervo auricular do plexo cervical

A distinção por Nogier em áreas entodérmicas, mesodérmicas e ectodérmicas de representação com áreas relevantes da vida e pontos-chave é reveladora, embora estas estejam amplamente cobertas com as três principais áreas de inervação.

Desde a década de 80, a acupuntura auricular, ou auriculoterapia, tem sido amplamente utilizada, além dos tratamentos de acupuntura corporal total. A acupuntura de orelha é particularmente boa no tratamento de muitos tipos de vícios – para tudo, desde drogas até fumo, distúrbios alimentares e jogos de azar. Mas o poder da acupuntura auricular vai muito além de tratar apenas problemas comportamentais.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios da auriculoterapia?

Um dos benefícios da acupuntura de orelha é sua facilidade de aplicação. Ela pode ser fornecida enquanto o paciente está sentado, e não há necessidade de se tirar nenhuma roupa. Isto rapidamente se tornou uma opção atraente para muitas pessoas. É também uma maneira eficaz de tratar a dor sem aplicar agulhas na área que dói.

Embora a acupuntura auricular possa ser usada como tratamento autônomo, ela é frequentemente adicionada às sessões de acupuntura de corpo inteiro como uma forma de reforçar a terapia. Uma técnica envolve a aplicação de sementes de orelha, ou pellets, que estimulam os “pontos”. Estas sementes são tradicionalmente sementes de vaccaria (que se assemelham a sementes de papoula) e estão em pequenas bandagens que as mantêm no lugar. Deixar essas sementes por alguns dias permite que os benefícios do tratamento continuem depois que o paciente deixa a clínica. Elas são quase imperceptíveis e não atrapalham as atividades normais.

O espectro de condições tratadas com acupuntura auricular é amplo. Muitos estudos têm demonstrado que é um tratamento eficaz para perda de peso, TEPT, dores menstruais, dores de cabeça, insônia, ansiedade e estresse, e muitas outras condições. A acupuntura de orelha tem sido usada até mesmo na sequência de desastres. Por exemplo, quando aconteceu o 11 de setembro, o Hospital São Vicente ofereceu acupuntura de ouvido para “reduzir a insônia e oferecer alívio do estresse à equipe médica, aos moradores da cidade e ao pessoal de emergência”.

Uma grande coisa sobre a acupuntura de ouvido é que ela é fácil de ser aprendida. Pessoas que não são acupunturistas totalmente licenciados ainda podem ser treinadas em auriculoterapia e depois passar a oferecê-la em ambientes onde ela poderia não estar disponível de outra forma. Outra vantagem é que como pode ser feito sentado, muitos pacientes podem ser tratados em um espaço relativamente pequeno.