A salsinha, ou salsa, é uma erva medicinal e culinária popular, reconhecida como um dos alimentos funcionais pelos seus antioxidantes únicos e propriedades preventivas de doenças. Esta pequena erva folhosa é nativa da região do Mediterrâneo. É uma planta bienal pertencente à família Apiaceae, do gênero; Petroselinum. O seu nome botânico é Petroselinum crispum.

A salsinha é uma pequena erva com folhas verde-escuras que se assemelham às folhas de coentro, especialmente no caso da salsa de folha plana. No entanto, suas folhas são maiores pelo tamanho e de sabor mais suave do que as de coentros foliares. A erva é muito utilizada na cozinha mediterrânica, da Europa de Leste e americana.

Existem várias cultivares de salsa que crescem em toda a Europa. A salsa italiana ou folha plana (Petroselinum crispum neapolitanum) é bem conhecida nos países mediterrâneos e tem um sabor mais intenso do que a salsa frisada. A Mitsuba (Cryptotaenia japonica) é um erva usada no Japão e na China como alternativa à salsa. Tem sabor e aspecto semelhante ao da salsa europeia de folha lisa.

Foto: Reprodução

A salsa fresca e seca pode estar disponível nos mercados durante todo o ano. Tente comprar folhas frescas sobre a forma seca da erva, pois é superior em sabor e rica em muitas vitaminas e antioxidantes vitais. A erva deve apresentar folhas verdes vibrantes, e talos firmes. Devem estar livres de mofo, manchas escuras ou amareladas.

Assim como com outras ervas secas, ao comprar salsa seca, tente comprar uma que tenha sido cultivada organicamente, pois isso lhe dará alguma sensação de que não foi irradiada e livre de resíduos de pesticidas.

A salsinha fresca deve ser armazenada na geladeira embalada em uma bolsa com fecho de correr enrolada em uma toalha de papel levemente umedecida. As folhas secas podem manter-se bem durante alguns meses quando armazenadas num recipiente de vidro bem fechado e colocadas em local frio, escuro e seco.

Assim como com outras ervas secas, ao comprar salsa seca, tente comprar uma que tenha sido cultivada organicamente, pois isso lhe dará alguma sensação de que não foi irradiada e livre de resíduos de pesticidas.

Foto: Reprodução

A salsa fresca deve ser armazenada na geladeira embalada em uma bolsa com fecho de correr enrolada em uma toalha de papel levemente umedecida. As folhas secas podem manter-se bem durante alguns meses quando armazenadas num recipiente de vidro bem fechado e colocadas em local frio, escuro e seco.

A salsinha deve ser bem lavada na água para remover a areia e a sujidade e para eliminar qualquer resíduo de pesticidas. Aparar as raízes, parte espessa dos caules e quaisquer folhas machucadas ou velhas. A fim de manter o aroma e o sabor aromático intactos, geralmente é adicionado no final das receitas.

A erva é muito utilizada como guarnição. Muitos pratos são servidos com salsa verde fresca picada e salpicada por cima. A salsinha tem sido utilizada na preparação de muitos pratos populares na cozinha mediterrânica e europeia desde os tempos antigos. Juntamente com outras ervas e especiarias, está a ser utilizada como aromatizante na preparação de pratos de vegetais, frango, peixe e carne.

É um dos ingredientes comuns no famoso molho verde mediterrânico, “salsa verde”, um molho frio feito de salsa, alcaparras, alho, cebola, anchovas, azeite de oliva e vinagre.

Foto: Reprodução

A salsa verde picada na hora é um excelente complemento para uma salada verde. As folhas de salsa fresca e seca podem ser utilizadas na preparação de chutney, molhos, pesto, etc.

A salsa não deve ser consumida em grandes quantidades ou como um medicamento ou suplemento por mulheres grávidas. O óleo essencial na sua raiz, folha ou semente pode levar à estimulação uterina, sangramento e trabalho de parto prematuro.

Esta planta herbácea é muito rica em ácido oxálico, 1,70 mg por 100 g. O consumo prolongado de alimentos ricos em oxalatos pode resultar em artrite gotosa, pedras nos rins e deficiências em nutrientes minerais.

O óleo de salsinha contém furanocumarinas e psoralens, que podem levar a uma fotossensibilidade extrema se usado oralmente. (Declaração médica).

Foto: Reprodução

Quais são os possíveis efeitos colaterais da salsinha?

A salsa é segura quando consumida em quantidades normalmente encontradas em alimentos. A salsa é possivelmente segura para a maioria dos adultos quando ingerida por via oral como medicamento, a curto prazo. Em algumas pessoas, a salsa pode causar reações alérgicas na pele.

Consumir quantidades muito grandes de salsa não é seguro, pois pode causar outros efeitos secundários como anemia e problemas hepáticos ou renais. Além disso, a aplicação de óleo de salsa diretamente na pele não é seguro, pois pode fazer com que a pele se torne extra sensível ao sol e causar erupções cutâneas. Não se sabe o suficiente sobre a segurança da aplicação da raiz de salsa e da folha na pele.

Precauções especiais e avisos

Gravidez e amamentação: Comer salsinha em quantidades alimentares é bom, mas a salsinha em quantidades medicinais maiores é inseguro quando ingerida por via oral durante a gravidez. A salsa tem sido usada para causar um aborto e para iniciar o fluxo menstrual. Além disso, o desenvolvimento de evidências sugere que a ingestão de An-Tai-Yin, um produto combinado de ervas contendo salsa e dong quai, durante os primeiros três meses de gravidez aumenta o risco de defeitos congênitos graves. Se você estiver grávida, fique usando apenas a quantidade de salsa tipicamente encontrada nos alimentos.

Foto: Reprodução

Não se sabe o suficiente sobre a segurança do uso da salsa em quantidades medicinais durante a amamentação. É melhor não usar mais do que a quantidade de comida típica da salsa.

  • Distúrbios hemorrágicos: A salsa pode retardar a coagulação do sangue. Em teoria, a ingestão de salsa pode aumentar o risco de sangramento em pessoas com distúrbios hemorrágicos.
  • Diabetes: A salsa pode baixar os níveis de açúcar no sangue. Preste atenção aos sinais de baixo nível de açúcar no sangue (hipoglicemia) e monitorize cuidadosamente o açúcar no sangue se tiver diabetes e use salsa.
  • Retenção de fluidos (edema): Há uma preocupação que a salsa possa causar a retenção de sódio (sal) no corpo, e isto aumenta a retenção de água.
  • Pressão arterial elevada: Existe a preocupação de que a salsa possa fazer com que o corpo se agarre ao sódio (sal), e isto pode piorar a pressão arterial elevada.
  • Doença renal: Não tome salsa se tiver doença renal. A salsa contém produtos químicos que podem piorar a doença renal.
  • Cirurgia: A salsa pode baixar os níveis de glicose no sangue e interferir no controlo do açúcar no sangue durante e após os procedimentos cirúrgicos. Pare de usar a salsa pelo menos 2 semanas antes de uma cirurgia programada.
Foto: Reprodução

Quais são os benefícios da salsinha?

Duas colheres de sopa (8 gramas) de salsa fornecem:

Calorias: 2
Vitamina A: 12% do Consumo Diário de Referência (IDR)
Vitamina C: 16% da IDR
Vitamina K: 154% da IDR
A salsa é pobre em calorias, mas rica em nutrientes importantes, como as vitaminas A, K e C.

A vitamina A é um nutriente essencial que desempenha um papel fundamental na sua imunidade e saúde ocular. Além disso, é importante para a sua pele e pode melhorar as condições de pele, tais como a acne.

A salsa é também uma grande fonte de vitamina K, um nutriente que apoia a saúde dos ossos e do coração. Na verdade, apenas duas colheres de sopa (8 gramas) de salsa fornecem mais vitamina K do que você precisa em um dia.

Para além do seu papel na saúde dos ossos e do coração, a vitamina K é essencial para uma coagulação adequada do sangue, o que pode ajudar a prevenir hemorragias excessivas.

Além disso, a salsa está repleta de vitamina C, um nutriente que melhora a saúde do coração e é vital para o seu sistema imunológico.

A vitamina C também atua como um poderoso antioxidante, protegendo as suas células dos danos causados por moléculas instáveis chamadas radicais livres. Além disso, a salsa é uma boa fonte dos nutrientes magnésio, potássio, folato, ferro e cálcio.

Foto: Reprodução

Pode melhorar o açúcar no sangue

Além da diabetes, podem ocorrer níveis elevados de açúcar no sangue devido a uma dieta não saudável ou à falta de exercício.

Níveis elevados de açúcar no sangue podem aumentar o risco de complicações de saúde, como resistência à insulina, diabetes, doenças cardíacas e síndrome metabólica – um conjunto de sintomas que incluem colesterol alto e açúcar no sangue elevado.

Estudos com animais sugerem que os antioxidantes na salsa podem efetivamente reduzir os altos níveis de açúcar no sangue.

Por exemplo, um estudo em ratos com diabetes tipo 1 descobriu que aqueles que receberam extrato de salsinha tiveram maiores reduções nos níveis de açúcar no sangue e melhorias na função pancreática em comparação com um grupo de controle.

Juntamente com uma dieta equilibrada, adicionar salsa à sua cozinha pode ajudar a manter níveis saudáveis de açúcar no sangue. Dito isto, são necessários estudos humanos para compreender melhor os efeitos da salsa nos níveis de açúcar no sangue.

Foto: Reprodução

Pode beneficiar a saúde do coração

Condições cardíacas como ataques cardíacos e derrames são a principal causa de morte em todo o mundo. Uma dieta pouco saudável, falta de exercício, tabagismo e alto consumo de álcool podem contribuir para doenças cardíacas.

A salsa contém muitos compostos vegetais, incluindo os antioxidantes carotenóides, que se descobriu beneficiarem a saúde do coração ao reduzir os fatores de risco de doenças cardíacas.

Por exemplo, as dietas ricas em carotenóides mostraram melhorar os fatores de risco de doenças cardíacas como inflamação crônica, bem como a pressão arterial elevada e os níveis de colesterol LDL (mau).

Além disso, estudos populacionais indicam que dietas ricas em carotenóides podem diminuir o risco de doenças cardíacas como a doença arterial coronária.

Um estudo de 12 anos em 73.286 enfermeiros encontrou uma associação inversa entre os carotenóides dietéticos e a incidência de doença arterial coronária.

Outro grande estudo em 13.293 pessoas, que foram acompanhadas por até 18 anos, observou que aquelas com níveis sanguíneos mais altos de carotenóides tinham taxas menores de mortalidade por doença cardíaca do que aquelas com níveis mais baixos de carotenóides.

A salsa também contém vitamina C, um poderoso antioxidante que pode beneficiar a saúde do seu coração. Um estudo realizado em 13.421 pessoas demonstrou que aqueles com maior ingestão de vitamina C tinham um risco significativamente reduzido de doenças cardíacas em comparação com aqueles com menor ingestão.

Foto: Reprodução

Pode ajudar a saúde dos rins

Os seus rins são órgãos importantes que filtram constantemente o seu sangue, removendo resíduos e água extra, que depois é excretada com a sua urina. Por vezes, quando a urina se concentra, podem formar-se depósitos minerais que levam a uma condição dolorosa chamada pedras nos rins.

Um estudo em ratos com cálculos renais descobriu que aqueles tratados com salsa tinham diminuído a excreção urinária de cálcio e proteínas, assim como o aumento do pH urinário e da micção em comparação com um grupo controle.

A salsa também demonstrou ter propriedades anti-inflamatórias devido aos seus antioxidantes, incluindo flavonóides, carotenóides, e vitamina C.

Além disso, a salsa pode ajudar a manter os rins saudáveis, reduzindo a hipertensão arterial, um dos principais fatores de risco de doenças renais.

A salsa é rica em nitratos que ajudam a dilatar os vasos sanguíneos, o que melhora o fluxo sanguíneo e baixa a pressão arterial elevada. Pesquisas indicam que alimentos ricos em nitratos, como a salsa, podem ajudar a manter níveis saudáveis de pressão arterial.

As propriedades anti-inflamatórias da salsa, juntamente com a sua capacidade de regular o pH urinário e reduzir a pressão arterial, podem ajudar a manter os rins saudáveis e a diminuir o risco de pedras nos rins (Fonte 25Trusted).

Tenha em mente que a salsa é relativamente alta em oxalatos – compostos que podem aumentar o risco de pedras nos rins.

Ainda assim, os especialistas em saúde recomendam que apenas pessoas com hiperoxalúria – caracterizada pela excreção excessiva de oxalatos na urina – limitem a sua ingestão de oxalatos alimentares.

Foto: Reprodução

Outros benefícios potenciais

A salsa também pode melhorar a sua saúde das seguintes formas:

  • Propriedades antibacterianas. A salsa contém óleos essenciais, incluindo apiol e miristicina, que têm efeitos antibacterianos e combatem bactérias potencialmente prejudiciais, tais como Staphylococcus aureus.
  • Pode beneficiar a saúde óssea. A salsa é rica em vitamina K, potássio, magnésio e cálcio – todos essenciais para a saúde dos ossos.
  • Pode aumentar a imunidade. Pesquisas mostram que a apigenina – um antioxidante na salsa – regula a função imunológica, reduzindo a inflamação e prevenindo danos celulares.
  • Pode melhorar a saúde do fígado. Estudos em ratos com diabetes descobriram que o extrato de salsa pode prevenir danos ao fígado, melhorar a função hepática e aumentar os níveis de antioxidantes.

Fácil de adicionar à sua dieta

A salsa é uma erva versátil que é fácil de adicionar a muitos pratos.

Aqui estão algumas formas de adicionar salsa à sua dieta:

  • Use como guarnição em massas ou sopas.
  • Pique e acrescente às saladas.
  • Use em bolos de ovos ou frittatas.
  • Faça um pesto com pinhões, azeite de oliva, queijo parmesão e salsa fresca.
  • Acrescente aos smoothies para um impulso nutritivo e de sabor.
  • Use em pizza caseira.
  • Acrescente ao pão caseiro.
  • Use em sucos caseiros.
  • Acrescente sabor a sopas e guisados.
  • Incorpore em marinadas e molhos.
  • Use para temperar pratos de peixe, aves e carne.

Deixe uma resposta