Salsa: O que é? Quais benefícios p/a saúde

0
2

O sabor delicioso e vibrante e as maravilhosas propriedades curativas da salsa são frequentemente ignoradas em seu papel popular de enfeite de mesa. Altamente nutritiva, a salsa pode ser encontrada durante todo o ano no supermercado local. A salsa é a erva mais popular do mundo. Seu nome deriva da palavra grega que significa “aipo de rocha” (a salsa é um parente do aipo). É uma planta bienal que retornará ao jardim ano após ano, uma vez estabelecida.

Tabela nutricional da salsa (1/2 xícara ou 30.40 gramas VD)

Calorias: 11 / Vitamina K: 554% / Vitamina C: 54% / Vitamina A: 14% / Folato: 12% / Ferro: 10% / Cobre: 6% / Magnésio: 4% / Fibra: 4% / Potássio: 4% / Cálcio: 4% / Fósforo3% / Zinco: 3% / Vitamina B: 33% / Vitamina B1: 3%

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios da salsa para a saúde?

Um raminho de salsa pode fornecer muito mais do que uma decoração no seu prato. A salsa contém dois tipos de componentes incomuns que fornecem benefícios exclusivos para a saúde. O primeiro tipo são componentes voláteis do óleo (incluindo miristicina, limoneno, eugenol e alfa-tujeno). O segundo tipo são os flavonoides (incluindo apiína, apigenina, crisoeriol e luteolina).

Promove a saúde ideal

Foi demonstrado que os óleos voláteis da salsa (particularmente miristicina) inibem a formação de tumores em estudos com animais e, particularmente, a formação de tumores nos pulmões. Também foi demonstrado que a miristicina ativa a enzima glutationa S, que ajuda a anexar a molécula glutationa a moléculas oxidadas que, de outra forma, causariam danos ao organismo. A atividade dos óleos voláteis da salsa o qualifica como um alimento “quimioprotetor” e, em particular, um alimento que pode ajudar a neutralizar tipos específicos de substâncias cancerígenas (como os benzopirenos que fazem parte da fumaça do cigarro e da fumaça do carvão vegetal).

Foto: Reprodução

Uma rica fonte de nutrientes antioxidantes

Os flavonoides da salsa (especialmente a luteolina) demonstraram funcionar como antioxidantes que se combinam com moléculas altamente reativas que contêm oxigênio (chamadas radicais de oxigênio) e ajudam a evitar danos às células. Além disso, extratos de salsa foram usados ​​em estudos com animais para ajudar a aumentar a capacidade antioxidante do sangue.

Além de seus óleos voláteis e flavonoides, a salsa é uma excelente fonte de vitamina C e uma boa fonte de vitamina A (principalmente através da concentração do carotenoide provitamina A, betacaroteno). A vitamina C tem muitas funções diferentes. É o principal antioxidante solúvel em água do corpo, tornando os radicais livres inofensivos e perigosos em todas as áreas solúveis em água do corpo.

Altos níveis de radicais livres contribuem para o desenvolvimento e progressão de uma ampla variedade de doenças, incluindo aterosclerose, câncer de cólon, diabetes e asma. Isso pode explicar por que as pessoas que consomem quantidades saudáveis ​​de alimentos que contêm vitamina C têm riscos reduzidos para todas essas condições. A vitamina C também é um poderoso agente anti-inflamatório, o que explica sua utilidade em condições como osteoartrite e artrite reumatoide. E como a vitamina C é necessária para a função saudável do sistema imunológico, também pode ser útil para prevenir infecções recorrentes no ouvido ou resfriados.

O betacaroteno, outro antioxidante importante, atua nas áreas lipossolúveis do corpo. Dietas com alimentos ricos em betacaroteno também estão associadas a um risco reduzido para o desenvolvimento e progressão de condições como aterosclerose, diabetes e câncer de cólon. Como a vitamina C, o betacaroteno também pode ser útil na redução da gravidade da asma, osteoartrite e artrite reumatoide. E o betacaroteno é convertido pelo organismo em vitamina A, um nutriente tão importante para um forte sistema imunológico que seu apelido é “vitamina anti-infecciosa”.

Foto: Reprodução

Salsa para um coração saudável

A salsa é uma boa fonte de ácido fólico, uma das vitaminas B mais importantes. Embora desempenhe vários papéis no corpo, um dos papéis mais críticos em relação à saúde cardiovascular é a participação necessária no processo pelo qual o corpo converte a homocisteína em moléculas benignas. A homocisteína é uma molécula potencialmente perigosa que, em níveis elevados, pode danificar diretamente os vasos sanguíneos, e altos níveis de homocisteína estão associados a um risco significativamente aumentado de ataque cardíaco e derrame em pessoas com aterosclerose ou doença cardíaca diabética. Apreciar alimentos ricos em ácido fólico, como a salsa, é uma ideia especialmente boa para indivíduos que têm ou desejam prevenir essas doenças. O ácido fólico também é um nutriente essencial para a divisão celular adequada e, portanto, é de vital importância para a prevenção do câncer em duas áreas do corpo que contêm células que se dividem rapidamente (o cólon no homens, e nas mulheres, o colo do útero).

Proteção contra a artrite reumatoide

Embora um estudo sugira que altas doses de vitamina C suplementar produzam osteoartrite, um tipo de artrite degenerativa que ocorre com o envelhecimento; outro estudo nos mostra que alimentos ricos em vitamina C, como a salsa, fornecem aos humanos proteção contra poliartrite inflamatória, uma forma de artrite reumatoide envolvendo duas ou mais articulações.

As descobertas, apresentadas nos Anais das Doenças Reumáticas, foram extraídas de um estudo com mais de 20.000 indivíduos que mantinham diários de dieta e estavam livres de artrite quando o estudo começou, e focaram em indivíduos que desenvolveram poliartrite inflamatória e indivíduos semelhantes que permaneceram com artrite. Os indivíduos que consumiram as quantidades mais baixas de alimentos ricos em vitamina C tiveram mais de três vezes mais chances de desenvolver artrite do que aqueles que consumiram as quantidades mais altas.

Portanto, da próxima vez que a salsa aparecer no seu prato como um enfeite, reconheça seu verdadeiro valor e participe de suas habilidades para melhorar sua saúde. Como um bônus adicional, você também desfrutará da capacidade lendária da salsa para limpar o paladar e a respiração no final da refeição.

Foto: Reprodução

Como é a salsa?

Embora a salsa seja um alimento maravilhosamente nutritivo e curador, geralmente é subestimada. A maioria das pessoas não percebe que esse vegetal tem mais utilidades do que apenas um enfeite decorativo que acompanha as refeições do restaurante. Eles não sabem que a salsa é realmente um armazém de nutrientes e que apresenta um delicioso sabor verde e vibrante.

Os dois tipos mais populares de salsa são a salsa encaracolada e a salsa de folha plana italiana. A variedade italiana tem um sabor mais perfumado e menos amargo do que a variedade encaracolada. Há também outro tipo de salsa, conhecida como raiz de nabo (ou Hamburgo), que é cultivada por suas raízes, que se assemelham a salsify e bardana. A salsa pertence à família das plantas Umbelliferae e seu nome latino é Petroselinum crispum.

História da salsa

A salsa é nativa da região mediterrânea do sul da Europa. Embora tenha sido cultivada por mais de 2.000 anos, a salsa foi usada medicinalmente antes de ser consumida como alimento. Os gregos antigos consideravam a salsa sagrada, usando-a para não apenas adornar vencedores de competições atléticas, mas também para decorar as tumbas dos mortos. A prática de usar salsa como guarnição na verdade tem uma longa história que remonta à civilização dos antigos romanos.

Embora seja incerto quando a salsa começou a ser consumida como tempero, parece ocorrer na Idade Média na Europa. Alguns historiadores creditam a Carlos Magno sua popularização, pois ele a cultivou em suas propriedades.

Em alguns países, a variedade de folhas encaracoladas é mais popular. Isso pode ter suas raízes na preferência antiga por esse tipo, já que as pessoas eram muitas vezes reticentes em consumir a variedade de folhas planas porque se assemelhava à salsa de tolo, uma erva daninha venenosa.

A salsa com raiz de nabo (ou Hamburgo), uma espécie relativamente nova, que só foi desenvolvida nos últimos duzentos anos, apenas recentemente começou a ganhar popularidade.

Foto: Reprodução

Como selecionar e armazenar a salsa?

Sempre que possível, escolha salsa fresca sobre a forma seca da erva, pois é de sabor superior. Escolha salsa fresca, de cor verde intenso e com aparência fresca e crocante. Evite cachos com folhas murchas ou amarelas, pois isso indica que elas estão maduras ou danificadas. Assim como outras ervas secas, se você optar por comprar flocos de salsa seca, tente selecionar salsa cultivada organicamente, pois isso lhe dará mais garantia de que as ervas não foram irradiadas.

Salsa fresca deve ser mantida na geladeira em um saco plástico. Se a salsa estiver levemente murcha, polvilhe levemente com água ou lave-a sem secar completamente antes de guardar na geladeira. Se você tiver excesso de salsa de folha chata, poderá secá-la facilmente colocando-a em uma única camada em um pano de cozinha limpo. Depois de seco, deve ser mantido em um recipiente bem fechado em local fresco, escuro e seco. A salsa de folhas encaracoladas são melhor preservadas por congelamento, em oposição à secagem. Embora retenha a maior parte de seu sabor, ele tende a perder a nitidez, por isso é melhor usado em receitas sem o primeiro descongelamento.

Foto: Reproduçãp

Dicas para preparar e cozinhar a salsa

Salsa fresca deve ser lavada logo antes de usar, pois é altamente frágil. A melhor maneira de limpá-lo é lavando, como se lava o espinafre. Coloque-o em uma tigela de água fria e mexa-o com as mãos. Isso permitirá que qualquer areia ou sujeira seja removida. Retire as folhas da água, esvazie a tigela, encha-a com água limpa e repita esse processo até que não fique mais sujeira na água.

Por ter um sabor mais forte que a variedade encaracolada, a salsa italiana de folhas planas mantém-se melhor na culinária e, portanto, geralmente é o tipo preferido para pratos quentes. Deve ser adicionado no final do processo de cozimento para manter melhor o sabor, a cor e o valor nutricional. Se você estiver fazendo um molho de cor clara, use as hastes dessa variedade em oposição às folhas, para que o molho adquira o sabor da salsa, mas não seja conferido à sua cor verde.

Como desfrutar dos benefícios da salsa?

Combine salsa picada com trigo bulgur, cebola verde picada (cebolinha), folhas de hortelã, suco de limão e azeite de oliva para fazer o prato clássico do Oriente Médio, o tabule. Adicione salsa ao molho pesto para adicionar mais textura à sua cor verde.Combine salsa picada, alho e raspas de limão e use-a como uma marinada para frango, cordeiro e carne.

Sirva uma salada colorida de erva-doce, laranja, tomate cereja, sementes de abóbora e folhas de salsa. A salsa picada pode ser polvilhada em várias receitas diferentes, incluindo saladas, salteados de legumes e peixe grelhado.

Foto: Reprodução

Perfil nutricional da salsa

A salsa é uma excelente fonte de vitamina K e vitamina C, bem como uma boa fonte de vitamina A, folato e ferro. Os componentes voláteis do óleo da salsa incluem miristicina, limoneno, eugenol e alfa-tujeno. Seus flavonoides incluem apiína, apigenina, crisoeriol e luteolina.

Introdução ao sistema de classificação de alimentos

Para melhor ajudá-lo a identificar os alimentos que apresentam uma alta concentração de nutrientes para as calorias que eles contêm, foi criado um Sistema de Classificação de Alimentos. Este sistema permite destacar os alimentos que são especialmente ricos em nutrientes específicos. Esta tabela mostra os nutrientes para os quais a salsa é uma fonte excelente, muito boa ou boa. Se um nutriente não estiver listado, isso não significa necessariamente que o alimento não o contém. Significa simplesmente que o nutriente não é fornecido em quantidade ou concentração suficiente para atender aos critérios de classificação.

É preciso também o tamanho da porção que se usa para calcular a composição de nutrientes da comida. Esse tamanho da porção informará quanto dos alimentos você precisa ingerir para obter a quantidade de nutrientes encontrados e mensurados para a salsa. Agora, voltando ao gráfico em si, você pode olhar ao lado do nome do nutriente para encontrar a quantidade de nutriente que ele oferece, a porcentagem de valor diário (VD%) que essa quantidade representa, a densidade de nutrientes para esse alimento e os tipos que encontramos na salsa. Para a maioria das classificações de nutrientes dos alimentos, incluindo a salsa, adota-se os padrões governamentais de rotulagem de alimentos, encontrados nos “Valores de Referência para Rotulagem Nutricional da Administração de Medicamentos e Alimentos dos EUA”.

Deixe uma resposta