Categorias
Geral

Óleo de rícino: benefícios e como usar

O óleo de rícino, produzido a partir de mamona, tem sido considerado há muito tempo como de importante valor comercial, principalmente para a fabricação de sabões, lubrificantes e revestimentos, entre outros. A produção global de óleo de mamona está concentrada principalmente em uma pequena região geográfica de Gujarat, na Índia Ocidental. Esta região é favorável devido ao seu método de cultivo intensivo em mão-de-obra e às condições climáticas subtropicais. Empresários e processadores de mamona nos Estados Unidos e na América do Sul também cultivam mamona, mas enfrentam o desafio de alcançar alta eficiência na produção de óleo de mamona, assim como obter a qualidade de óleo desejada.

O óleo de rícino é usado comercialmente há muito tempo como um recurso altamente renovável para a indústria química. É um óleo vegetal obtido pela prensagem das sementes da planta da mamona (Ricinus communis L.) que é cultivada principalmente na África, América do Sul e Índia. Os principais países produtores de óleo de mamona incluem Brasil, China e Índia. Este óleo é conhecido por ter sido domesticado na África Oriental e foi introduzido na China a partir da Índia há aproximadamente 1.400 anos. A Índia é um exportador líquido de óleo de mamona, representando mais de 90% das exportações de óleo de mamona, enquanto os Estados Unidos, a União Europeia e a China são os principais importadores, representando 84% do óleo de mamona importado.

A Índia é conhecida como o líder mundial na produção de sementes de mamona e óleo e lidera o comércio internacional de óleo de mamona. A produção de óleo de mamona neste país normalmente flutua entre 250.000 e 350.000 toneladas por ano. Aproximadamente 86% da produção de sementes de mamona na Índia está concentrada em Gujarat, seguida por Andhra Pradesh e Rajasthan. Especificamente, as regiões de Mehsana, Banaskantha e Saurashtra/Kutch em Gujarat e os distritos de Nalgonda e Mahboobnagar em Andhra Pradesh são as principais áreas de produção de mamona na Índia. O sucesso econômico das plantações de mamona em Gujarat na década de 1980 e posteriormente pode ser atribuído a uma combinação de um bom programa de cultivo, um bom modelo de extensão, juntamente com o acesso a mercados nacionais e internacionais bem desenvolvidos.

Foto: Reprodução

A mamona é uma das culturas mais antigas; no entanto, contribui com apenas 0,15% do óleo vegetal produzido no mundo. O óleo produzido a partir desta cultura é considerado de importância para a indústria química especializada mundial, por ser a única fonte comercial de ácido graxo hidroxilado. Embora o óleo de mamona represente apenas 0,15% da produção mundial de óleos vegetais, o consumo mundial desta commodity aumentou mais de 50% nos últimos 25 anos, passando de aproximadamente 400 mil toneladas em 1985 para 610 mil toneladas em 2010. Em média, o consumo mundial de óleo de mamona aumentou a uma taxa de 7,32 mil toneladas por ano. Em geral, a atual taxa de produção de óleo de mamona não é considerada suficiente para atender ao aumento previsto da demanda.

Existem vários desafios que tornam o cultivo da mamona difícil de ser perseguido. A adaptabilidade climática é um dos desafios que restringem o cultivo da mamona nos Estados Unidos. A planta também contém uma proteína tóxica conhecida como ricina, proporcionando um desafio de ser produzida nos Estados Unidos.A mamona cresce de forma ideal nas áreas tropicais de chuvas de verão. Ela cresce bem desde os trópicos úmidos até as regiões secas subtropicais, com uma temperatura ótima de 20°C-25°C. O alto teor de óleo nas sementes pode ser atribuído às condições climáticas quentes, mas temperaturas superiores a 38°C podem levar a uma má fixação das sementes. Além disso, sabe-se que temperaturas baixas o suficiente para induzir a formação de geadas matam a planta.

Desde 2008, três países (Índia, China e Brasil) produziram 93% do fornecimento mundial de óleo de mamona. Como a produção está concentrada principalmente nesses três países, a produção total de mamona varia muito de ano para ano, devido às flutuações das chuvas e ao tamanho das áreas utilizadas para o plantio. Como consequência, essa concentração tem levado a uma produção cíclica de mamona. Assim, a diversificação das regiões de produção de mamona e a produção sob irrigação reduziria, espera-se, o impacto climático sobre o abastecimento de mamona.

Foto: Reprodução

Nos Estados Unidos, os produtos químicos perigosos encontrados na planta da mamona, especialmente o rícino, tem sido uma grande preocupação. O conjunto da literatura científica relacionada às plantas de mamona, especialmente sobre os parâmetros detalhados de processamento envolvidos na produção comercial, tem sido relativamente pequeno ao longo do século passado.9 Ao longo dos anos, tem havido um interesse considerável e pesquisas feitas sobre os usos e propriedades da mamona, mas não em escala comercial. Estudos com óleo de mamona têm mostrado um crescimento crescente, com o número de manuscritos aumentando seis vezes desde os anos 80. Enquanto programas alternativos de reprodução e comercialização podem levar ao crescimento econômico da produção de óleo de mamona, no nível comercial, vários projetos fracassam devido à falta de conhecimento sobre novos métodos de processamento e parâmetros utilizados na produção de óleo de mamona.

Embora o método de processamento da mamona possa ser normalmente considerado um processo simples, também pode ser complicado se os operadores não tiverem conhecimento dos seus parâmetros exatos de processamento e procedimentos operacionais. Especificamente, os parâmetros de processo para a produção de óleo de mamona devem ser otimizados para alcançar alta eficiência de extração de óleo através de um método de extração com solvente.Não existe atualmente nenhuma literatura científica discutindo em detalhes os parâmetros de processamento comercial da mamona. Esta contribuição discute em detalhe os parâmetros de processamento da mamona comercial e os pontos-chave importantes necessários sobre como fabricar a qualidade desejada do óleo de mamona, ambos importantes para os produtores de óleo de mamona.

Óleo de rícino e suas propriedades

A mamona é cultivada pelas suas sementes, produzindo um óleo de mamona viscoso, amarelo pálido, não volátil e não secante. As propriedades físicas do óleo de mamona têm sido estudadas. A análise comparativa mostrou que os valores de viscosidade, densidade, condutividade térmica e ponto de fluidez do óleo de mamona foram maiores do que os valores de um lubrificante padrão.

A estrutura única do óleo de rícino oferece propriedades interessantes, tornando-o apropriado para várias aplicações industriais. O óleo de rícino é conhecido por consistir em até 90% de ricinoleico, 4% linoleico, 3% oleico, 1% esteárico e menos de 1% de ácidos graxos linolênicos. O óleo de rícino é valioso devido ao alto teor de ácido ricinoleico (AR), que é utilizado em diversas aplicações na indústria química.

Foto: Reprodução

A funcionalidade hidroxila do AR faz do óleo de rícino um poliol natural que proporciona estabilidade oxidativa ao óleo, e uma vida útil relativamente alta em comparação com outros óleos, prevenindo a formação de peróxido. A presença do grupo hidroxila nos derivados de AR e RA proporciona uma localização funcional do grupo para realizar uma variedade de reações químicas, incluindo halogenação, desidratação, alcoxilação, esterificação e sulfatação. Como resultado, esta funcionalidade única permite que o óleo de rícino seja usado em aplicações industriais, tais como tintas, revestimentos, tintas e lubrificantes.

O óleo de rícino, fonte do óleo de rícino, contém algumas proteínas alergênicas (albumina 2S) bem como ricina; entretanto, o óleo de rícino processado ou refinado está livre de qualquer uma dessas substâncias e pode ser usado com segurança em aplicações farmacêuticas. Isto pode ser atribuído à sua ampla gama de efeitos biológicos em organismos superiores. A ricina é encontrada exclusivamente no endosperma das sementes de mamona e é classificada como uma proteína ativadora de ribossomo tipo 2. As proteínas inativadoras de ribossomos tipo 2, como a ricina do óleo de mamona, são lectinas, que inativam irreversivelmente os ribossomos, interrompendo assim a síntese de proteínas e levando eventualmente à morte celular. Isto faz do rícino uma potente toxina vegetal.

Aplicações do óleo de rícino e seus derivados

Combustível e biodiesel

A mamona é considerada uma das culturas oleaginosas não comestíveis mais promissoras, devido à sua elevada produção e rendimento anual de sementes, e uma vez que pode ser cultivada em terras marginais e em clima semi-árido. Poucos estudos foram feitos sobre as propriedades da mamona em forma pura ou como mistura com o diesel, principalmente devido ao teor extremamente elevado de AR. Em um estudo de Berman, foi constatado que ésteres metílicos de óleo de mamona podem ser usados como matéria-prima alternativa ao biodiesel quando misturados com o diesel. Entretanto, o nível máximo de mistura é limitado a 10% devido aos altos níveis de AR presentes no óleo, o que afeta diretamente a viscosidade cinemática do biodiesel e a temperatura de destilação. Outro estudo de Shojaeefard examinou os efeitos das misturas de óleo de rícino com biodiesel no desempenho e nas emissões dos motores diesel. Eles descobriram que uma mistura de 15% de óleo de mamona com biodiesel era uma mistura otimizada de proporções de biodiesel-diesel.

Foto: Reprodução

Em seguida, testaram esse éster metílico usando-o em um motor diesel de quatro tempos, de taxa de compressão variável de um cilindro, tipo motor diesel. Concluiu-se que as misturas mais baixas de biodiesel aumentaram a eficiência térmica de ruptura e reduziram o consumo de combustível. Além disso, a temperatura dos gases de escape aumentou com o aumento da concentração de biodiesel. Os resultados do seu estudo provaram que o uso de biodiesel de óleo de mamona num motor de ignição por compressão é uma alternativa viável ao diesel. As reações de transesterificação do óleo de rícino com etanol e metanol como agentes de transesterificação também foram estudadas na presença de vários sistemas catalíticos clássicos.

Os resultados de seu estudo mostram que o biodiesel pode ser obtido pela transesterificação do óleo de mamona usando etanol ou metanol como agentes de transesterificação. Embora esses estudos tenham mostrado resultados promissores para o uso do óleo de mamona como combustível tecnicamente viável para o biodiesel, ainda existe um grande obstáculo em seu uso como biodiesel em alguns países, como o Brasil. No Brasil, as políticas governamentais promoveram a mamona como matéria-prima do biodiesel, numa tentativa de trazer benefícios sociais aos pequenos agricultores da região semiárida do país.29,30 No entanto, sete anos após o lançamento do programa brasileiro de biodiesel, quantidades insignificantes de óleo de mamona têm sido utilizadas para a produção de biodiesel.

Verificou-se que o óleo de mamona produzido nesse programa não era usado principalmente para biodiesel, mas vendido por preços mais altos para a indústria química. Outra grande restrição ao uso do óleo de mamona como matéria-prima para biodiesel tem sido o alto preço pago pelo óleo como óleo industrial e não por suas propriedades físicas e químicas. O óleo de rícino é muito procurado pela indústria química para a fabricação de produtos de muito alto valor. Por esta razão, não é econômico usar este óleo como substituto do diesel. Finalmente, embora o óleo de rícino possa ser usado diretamente para substituir o diesel normal, a alta viscosidade deste óleo limita sua aplicação.

Foto: Reprodução

Materiais poliméricos

O óleo de rícino e seus derivados podem ser utilizados na síntese de monômeros e polímeros renováveis. Em um estudo, o óleo de rícino foi polimerizado e reticulado com enxofre ou diisocianatos para formar os derivados vulcanizados e uretânicos, respectivamente. Em outro estudo, foram preparadas redes de polímeros totalmente interpenetrantes (IPNs) a partir de poliuretano epoxídico e óleo de mamona (PU), pelo modo sequencial de síntese. Similar ao estudo acima mencionado, uma série de IPNs de dois componentes de PU e poliestireno (PS) modificados à base de óleo de rícino foram preparados pelo método sequencial. O IPN pode ser elaborado como uma classe especial de polímeros em que existe uma combinação de dois polímeros em que um é sintetizado ou polimerizado na presença de outro. Assim, a formulação da IPN pode ser considerada um método útil para desenvolver um produto com excelentes propriedades físico-mecânicas que as polissílicas normais. A IPN também é conhecida como ligas de polímeros e é considerada uma das áreas de pesquisa de crescimento mais rápido no campo das misturas de polímeros nas últimas duas décadas.

O polímero de óleo de rícino (COP) também demonstrou ter uma capacidade de vedação como material de enchimento da extremidade da raiz. Um material de enchimento de extremidade de raiz refere-se simplesmente a preparações de extremidade de raiz preenchidas com materiais experimentais. O principal objetivo deste tipo de material é fornecer um selamento apical impedindo os movimentos das bactérias e a difusão de produtos bacterianos do sistema de canais radiculares para os tecidos periapicais. Num estudo realizado por Martins, foi avaliada a capacidade de selagem do COP, do agregado mineral trióxido (MTA) e do cimento de ionômero de vidro (GIC) como materiais de enchimento de extremidades radiculares. O MTA é composto principalmente de silicato tricálcico, aluminato tricálcico e óxido de bismuto e é um cimento endodôntico particular. Os GICs, por outro lado, são materiais restauradores principais que são bioativos e têm uma ampla gama de usos, como revestimento, colagem, selagem, cimentação ou restauração de um dente. Os resultados do seu estudo mostram que o COP tinha uma maior capacidade de selagem quando usado como material de preenchimento da extremidade da raiz do que o MTA e o GIC.

Foto: Reprodução

Os poliésteres biodegradáveis são uma das aplicações mais comuns utilizando óleo de rícino. Os poliésteres são os primeiros polímeros sintéticos de condensação preparados pela Carothers durante a década de 1930. São conhecidos por serem biodegradáveis e ecológicos, com uma vasta gama de aplicações no campo biomédico, bem como na preparação de elastômeros e materiais de embalagem. Os andaimes de ácidos graxos são polímeros biodegradáveis desejáveis, embora sejam restringidos pela sua propriedade monofuncional. Ou seja, a maioria dos ácidos graxos tem um único grupo de ácidos carboxílicos. O RA, no entanto, é conhecido por ser um dos poucos ácidos graxos bifuncionais naturalmente disponíveis com um grupo adicional de 12-hidroxi junto com o ácido carboxílico terminal.

A presença deste grupo hidroxil proporciona uma funcionalidade adicional para a preparação de poliésteres ou poliéster-anidridos. As correntes oscilantes do AR conferem hidrofobicidade aos poliésteres resultantes, influenciando assim a propriedade mecânica e física dos polímeros. Estas correntes atuam como plastificantes reduzindo as temperaturas de transição vítrea dos poliésteres. O óleo de rícino pode ser combinado com outros monômeros para produzir um conjunto de copolímeros. O aperfeiçoamento destes copolímeros pode fornecer materiais com diferentes propriedades que encontram uso em produtos que vão desde implantes sólidos a gel hidrofóbico injetável in situ.

Sabões, ceras e graxas lubrificantes

O óleo de rícino tem sido usado para produzir sabonetes em alguns estudos. Alguns estudos também utilizam o óleo de rícino em ceras. Um estudo realizado por Dwivedi e Sapre utilizou óleo de mamona em graxas totais de óleo vegetal. As graxas totais de óleo vegetal são aquelas em que tanto o lubrificante quanto o solvente são formados a partir do óleo vegetal. Seu estudo utilizou um esquema de reação simultânea para formar graxas de sódio e de lítio usando óleo de mamona.

Foto: Reprodução

Lubrificantes, fluidos hidráulicos e fluidos de freio

O óleo de rícino também tem sido utilizado para o desenvolvimento de estoques de base lubrificante de baixo ponto de fluidez através da síntese de ésteres de poliol de rícino aciloxi. A propriedade de baixo ponto de fluidez ajuda a fornecer lubrificação total quando o equipamento é iniciado e é mais fácil de manusear em tempo frio. Um interessante estudo de Singh mostrou o excelente potencial do lubrificante à base de óleo de rícino como um redutor da poluição por fumaça. Em sua pesquisa, um óleo biodegradável de dois tempos (2T), uma variedade popular de óleo lubrificante usado em motores de dois tempos em scooters e motocicletas, foi desenvolvido a partir do óleo de rícino. Suas avaliações de desempenho mostraram que reduziu a fumaça em 50%-70% a uma proporção de 1% óleo/combustível, e estava no mesmo nível da especificação padrão do produto.

Além do possível uso como lubrificante para motores de automóveis, uma versão modificada de lubrificante de óleo de rícino compreendendo 100 partes de óleo de rícino e 20-110 partes de um fluido de mistura quimicamente e termicamente estável, de baixa viscosidade, solúvel em óleo de rícino mostrou seu potencial como lubrificante para sistemas de refrigeradores. Embora o óleo de rícino tenha sido utilizado como um fluido para travões DOT 2, é considerado um tipo de fluido para travões desatualizado que não deve ser utilizado em nenhum veículo moderno.

Foto: Reprodução

Fertilizantes

A produção de óleo de rícino gera dois subprodutos principais: cascas e farinha. Para cada tonelada de óleo de mamona, são geradas 1,31 toneladas de cascas e 1,1 toneladas de farinha. Um estudo de Lima mostrou que as misturas de farinha de mamona e cascas de mamona utilizadas como fertilizante promoveram um crescimento substancial da planta até a dose de 4,5% (em volume) de farinha. No entanto, doses superiores a 4,5% causaram redução no crescimento das plantas e até mesmo a morte das plantas. Seu estudo mostrou que a farinha de mamona pode ser usada como um bom fertilizante orgânico devido ao seu alto conteúdo de nitrogênio e fósforo, mas a mistura com cascas de mamona não é necessária.

Revestimentos

Os revestimentos e tintas também são outra aplicação do óleo de rícino. O óleo de rícino pode ser efetivamente desidratado para dar aplicações úteis de tinta ou óleo para móveis. Trevino e Trumbo estudaram a utilização do óleo de mamona como uma aplicação de revestimento, convertendo as funcionalidades hidroxilas do óleo de mamona para β-ketoesters usando acetoacetato de t-butila. Os resultados mostraram que os 60° de brilho dos filmes e as flexibilidades dos filmes foram bons. Em um estudo separado realizado por Thakur e Karak,65 materiais avançados de revestimento de superfície foram sintetizados a partir de poliuretanos hiperbranqueados à base de óleo de mamona (HBPUs), uma macromolécula altamente ramificada. Em um estudo separado de Thakur e Karak, materiais avançados de revestimento de superfície foram sintetizados a partir de poliuretanos hiperbranqueados à base de óleo de mamona (HBPUs), uma macromolécula altamente ramificada.

Os HBPs demonstraram excelente desempenho como materiais de revestimento de superfície com a HBPU à base de monoglicéridos, exibindo maior resistência à tração do que os revestimentos diretos à base de óleo. Ambos os HBPUs possuem propriedades dielétricas aceitáveis com estabilidade térmica superior a 250°C para ambos os polímeros. Mais recentemente, os revestimentos híbridos de alto desempenho foram sintetizados por Allauddin usando uma metodologia que incluiu a introdução de grupos hidrolisáveis -Si-OCH3 no óleo de mamona que foram usados para o desenvolvimento de revestimentos híbridos de PU/urea-sílica.

Foto: Reprodução

Uso farmacológico e medicinal

Enquanto o óleo de rícino é bem conhecido como um poderoso laxante, o uso medicinal do óleo é relativamente menor (<1%). Além desta infame aplicação do óleo de mamona, ele é considerado uma importante matéria-prima utilizada pela indústria química, particularmente na produção de uma ampla gama de materiais, muitos dos quais são superiores a produtos equivalentes derivados do petróleo. A elevada composição percentual de AR nas proximidades da dupla ligação faz com que este óleo esteja preparado para diversas atividades físicas, químicas e até fisiológicas, como descrito nos parágrafos acima.

Devido à atividade da AR no intestino, o óleo de rícino tem sido amplamente utilizado em vários bioensaios envolvendo atividade antidiarreica em animais de laboratório. O óleo de rícino é frequentemente administrado oralmente para induzir diarreia em ratos. Este ensaio levou a um método rápido e eficiente de triagem preliminar de vários fitoquímicos para potenciais candidatos a medicamentos a partir de produtos naturais.

Na medicina moderna, o óleo de rícino também é usado como veículo de entrega de medicamentos. Um exemplo é o Kolliphor EL ou anteriormente conhecido como Cremophor EL, que é um produto registado da BASF Corp. O produto é um óleo de mamona polioxilado, uma mistura (CAS No. 61791-12-6) que é preparada quando 35 moles de óxido de etileno são feitos para reagir com uma molécula de óleo de mamona. Este produto é frequentemente usado como excipiente ou aditivo em drogas e também é usado para formar emulsões estáveis de materiais não-polares em vários sistemas aquosos. Também é frequentemente usado como veículo de entrega de drogas para drogas muito não-polares, como os medicamentos anticancerígenos paclitaxel e docetaxel.

Foto: Reprodução

Extração de óleo de rícino

A semente de óleo de rícino contém cerca de 30%-50% de óleo (m/m). O óleo de rícino pode ser extraído da mamona por prensagem mecânica, extração por solvente ou por uma combinação de prensagem e extração. Após a colheita, as sementes podem secar para que o casco da semente se abra, liberando a semente no seu interior. O processo de extração começa com a remoção do casco das sementes. Isto pode ser feito mecanicamente com a ajuda de um descascador de mamona ou manualmente com as mãos. Quando economicamente viável, o uso de uma máquina para auxiliar no processo de descasque é mais preferível.

Depois que o casco é retirado da semente, as sementes são então limpas para remover quaisquer materiais estranhos, como paus, caules, folhas, areia ou sujeira. Estes materiais geralmente podem ser removidos usando uma série de peneiras giratórias ou carretéis. Os ímãs usados acima das esteiras transportadoras podem remover o ferro. As sementes podem então ser aquecidas para endurecer o interior das sementes para extração. Neste processo, as sementes são aquecidas em uma prensa com camisa de vapor para remover a umidade, e este processo de endurecimento ajudará na extração. As sementes cozidas são então secas antes de começar o processo de extração.

Uma rosca contínua ou prensa hidráulica é usada para triturar as sementes de mamona para facilitar a remoção do óleo. A primeira parte desta fase de extração é chamada pré-prensagem. A pré-prensagem geralmente envolve o uso de uma prensa de rosca chamada de expulsor de óleo. O expulsor de óleo é uma prensa de rosca contínua de alta pressão para extrair o óleo.

Foto: Reprodução

Embora este processo possa ser feito a uma baixa temperatura, a prensagem mecânica leva a apenas cerca de 45% de recuperação do óleo do feijão-mamona. Temperaturas mais altas podem aumentar a eficiência da extração. Rendimentos de até 80% do óleo disponível podem ser obtidos utilizando prensagem hidráulica a alta temperatura no processo de extração. A temperatura de extração pode ser controlada pela circulação de água fria através de uma prensa responsável pela prensagem a frio das sementes. O óleo de mamona prensado a frio tem menor teor de ácido e iodo e é mais claro na cor do que o óleo de mamona extraído com solvente.

Após a extração, o óleo é recolhido e filtrado e o material filtrado é combinado de volta com sementes novas e frescas para extração repetida. Desta forma, o material filtrado a granel continua sendo coletado e passa por vários ciclos de extração, combinando com novo material a granel à medida que o processo se repete. Este material é finalmente ejetado da prensa e é conhecido como bolo de rícino. A torta de mamona da prensa contém até aproximadamente 10% de óleo de mamona.Depois de triturar e extrair o óleo do grosso das sementes de mamona, a extração adicional de óleo do material restante da torta de mamona pode ser realizada esmagando a torta de mamona e usando métodos de extração com solvente. Para extrair óleo da torta de mamona é utilizado um extractor de solventes Soxhlet ou comercial. O uso de solventes orgânicos como o hexano, heptano ou um éter de petróleo como solvente no processo de extração resulta na remoção da maior parte do óleo residual ainda inacessível no restante volume de sementes.

Filtração/purificação do óleo de rícino

Após a extração do óleo através da utilização de uma prensa, continuam a existir impurezas no óleo extraído. Para ajudar na remoção das impurezas restantes, são normalmente utilizados sistemas de filtração. Os sistemas de filtração são capazes de remover partículas de grandes e pequenas dimensões, quaisquer gases dissolvidos, ácidos e até mesmo água do óleo. O equipamento do sistema de filtração normalmente utilizado para esta tarefa é a prensa de filtração. O óleo cru de mamona é amarelo pálido ou cor de palha, mas pode ser feito incolor ou quase incolor após o refino e o clareamento. O óleo cru também tem um odor distinto mas também pode ser desodorizado durante o processo de refinação.

Foto: Reprodução

Refinação do óleo de rícino

Após a filtração, o óleo bruto ou não refinado é enviado para uma refinaria para processamento. Durante o processo de refinação, impurezas tais como matéria coloidal, fosfolípidos, excesso de ácidos gordos livres (FFAs) e agentes corantes são removidos do óleo. A remoção dessas impurezas facilita que o óleo não se deteriore durante o armazenamento prolongado. As etapas do processo de refinação incluem degomagem, neutralização, branqueamento e desodorização. O óleo é degomado adicionando água quente ao óleo, permitindo que a mistura se sente, e finalmente a camada aquosa é removida.

Este processo pode ser repetido. Após a etapa de degomagem, uma base forte como o hidróxido de sódio é adicionada para neutralização. A base é então removida utilizando água quente e a separação entre a camada aquosa e o óleo permite a remoção da camada de água. A neutralização é seguida de branqueamento para remover a cor, os fosfolípidos remanescentes e quaisquer restos de produtos de oxidação. O óleo de rícino é então desodorizado para remover qualquer odor do óleo. O óleo de mamona refinado normalmente tem uma longa vida útil de cerca de 12 meses, desde que não seja submetido a calor excessivo.

Deixe uma resposta