Maria Tecla Artemisia Montessori ( 31 de agosto de 1870 – 6 de maio de 1952) foi uma médica e educadora italiana mais conhecida pela filosofia da educação que leva o seu nome, e pela sua escrita sobre pedagogia científica. Ainda muito jovem, Maria Montessori quebrou as barreiras e expectativas de gênero quando se matriculou nas aulas de uma escola técnica para meninos, com a esperança de se tornar engenheira. Logo ela mudou de ideia e começou a estudar medicina na Universidade de Roma, onde se formou – com honras – em 1896. Seu método educacional está em uso hoje em muitas escolas públicas e privadas em todo o mundo.

Uma das muitas realizações de Maria Montessori foi o Método Montessori. É um método de educação para crianças pequenas que enfatiza o desenvolvimento da própria iniciativa e habilidades naturais de uma criança, especialmente através de brincadeiras práticas. Este método permitiu às crianças desenvolverem-se ao seu próprio ritmo e proporcionou aos educadores uma nova compreensão do desenvolvimento infantil. O livro de Maria Montessori, O Método Montessori, apresenta o método em detalhe. Os educadores que seguiram este modelo criaram ambientes especiais para atender às necessidades dos alunos em três faixas etárias de desenvolvimento: 2-2,5 anos, 2,5-6 anos, e 6-12 anos. Os alunos aprendem através de atividades que envolvem exploração, manipulação, ordem, repetição, abstração e comunicação. Os professores encorajam as crianças das duas primeiras faixas etárias a usar os seus sentidos para explorar e manipular materiais no seu ambiente imediato. As crianças da última faixa etária lidam com conceitos abstratos baseados em seus novos poderes de raciocínio, imaginação e criatividade.

Montessori nasceu em 31 de agosto de 1870, em Chiaravalle, Itália. Seu pai, Alessandro Montessori, na época com 33 anos, era funcionário do Ministério das Finanças, trabalhando na fábrica de tabaco estatal local. Sua mãe, Renilde Stoppani, 25 anos, era bem educada para a época e era sobrinha-neta do geólogo e paleontólogo italiano Antonio Stoppani. Embora não tivesse nenhum mentor em particular, ela era muito próxima de sua mãe, que a encorajava prontamente. Ela também tinha uma relação amorosa com seu pai, embora ele discordasse de sua escolha de continuar sua educação.

A família Montessori mudou-se para Florença em 1873 e depois para Roma em 1875, por causa do trabalho de seu pai. Montessori entrou numa escola primária pública aos 6 anos de idade, em 1876. Seu histórico escolar precoce “não foi particularmente notável”, embora tenha recebido certificados por bom comportamento na 1ª série e por “lavori donneschi”, ou “trabalho de mulher”, no ano seguinte.

Foto: Reprodução

Em 1883 ou 1884, aos 13 anos de idade, Montessori ingressou numa escola secundária técnica, Regia Scuola Tecnica Michelangelo Buonarroti, onde estudou italiano, aritmética, álgebra, geometria, contabilidade, história, geografia e ciências. Formou-se em 1886, com boas notas e resultados de exames. Nesse ano, aos 16 anos, continuou no instituto técnico Regio Istituto Tecnico Leonardo da Vinci, estudando italiano, matemática, história, geografia, desenho geométrico e ornamentado, física, química, botânica, zoologia, e duas línguas estrangeiras. Fez bem nas ciências e especialmente em matemática.

Inicialmente ela pretendia prosseguir o estudo da engenharia ao se formar, uma aspiração incomum para uma mulher em seu tempo e lugar. No entanto, quando ela se formou em 1890, aos 20 anos de idade, com um certificado em física e matemática, ela decidiu estudar medicina em vez disso, uma busca ainda mais improvável dada as normas culturais da época.

Montessori avançou com a sua intenção de estudar medicina. Ela apelou para Guido Baccelli, o professor de medicina clínica da Universidade de Roma, mas foi fortemente desencorajada. No entanto, em 1890, inscreveu-se na Universidade de Roma em um curso de graduação em ciências naturais, passando nos exames de botânica, zoologia, física experimental, histologia, anatomia e química geral e orgânica, e obtendo o diploma di licenza em 1892. Esta licenciatura, juntamente com estudos adicionais em italiano e latim, qualificou-a para o ingresso no programa médico da Universidade em 1893.

Ela foi recebida com hostilidade e assédio de alguns estudantes e professores de medicina por causa de seu gênero. Como sua freqüência às aulas com homens na presença de um corpo nu era considerada inapropriada, ela era obrigada a realizar suas dissecações de cadáveres sozinha, após o horário de expediente. Ela recorreu ao fumo de tabaco para mascarar o odor ofensivo do formaldeído. Montessori ganhou um prêmio acadêmico em seu primeiro ano e, em 1895, conseguiu uma posição como assistente hospitalar, ganhando experiência clínica precoce. Em seus dois últimos anos estudou pediatria e psiquiatria, e trabalhou no consultório pediátrico e no serviço de emergência, tornando-se especialista em medicina pediátrica. Montessori formou-se em 1896 na Universidade de Roma como doutora em medicina. A sua tese foi publicada em 1897 na revista Policlinico. Encontrou emprego como assistente no hospital universitário e iniciou um consultório particular.

De 1896 a 1901, Montessori trabalhou e pesquisou as chamadas crianças “frenasténicas” – em termos modernos, crianças com algum tipo de retardamento mental, doença ou deficiência. Ela também começou a viajar, estudar, falar e publicar a nível nacional e internacional, tornando-se uma defensora dos direitos das mulheres e da educação das crianças com deficiência mental.

Imagem: Reprodução

Em 31 de março de 1898, nasceu o seu único filho – um filho chamado Mario Montessori (31 de março de 1898 – 1982). Mario Montessori nasceu do seu caso de amor com Giuseppe Montesano, um colega médico que era co-diretor com ela da Escola Ortofrênica de Roma. Se Montessori casasse, seria de esperar que ela deixasse de trabalhar profissionalmente; em vez de se casar, Montessori decidiu continuar seu trabalho e seus estudos. Montessori queria manter a relação com o pai do seu filho em segredo, sob a condição de que nenhum deles se casasse com outra pessoa. Quando o pai do filho se apaixonou e depois se casou, Montessori ficou se sentindo traída e decidiu deixar o hospital universitário e colocar o filho em um orfanato com uma família que vivia no campo, optando por perder os primeiros anos de sua vida. Mais tarde, ela se reuniria com seu filho na adolescência, onde ele provou ser um grande assistente em suas pesquisas.

Depois de graduar-se na Universidade de Roma em 1896, Montessori continuou com suas pesquisas na clínica psiquiátrica da Universidade, e em 1897 foi aceita como assistente voluntária lá. Como parte do seu trabalho, visitou asilos em Roma onde observou crianças com deficiências mentais, observações que foram fundamentais para o seu futuro trabalho educativo. Também leu e estudou as obras dos médicos e educadores Jean Marc Gaspard Itard e Édouard Séguin do século XIX, que influenciaram muito o seu trabalho. Maria ficou intrigada com as ideias de Itard e criou um sistema muito mais específico e organizado para a sua aplicação na educação quotidiana das crianças com deficiência. Quando descobriu as obras de Jean Itard e Édouard Séguin, deram-lhe um novo rumo no pensamento e influenciaram-na a concentrar-se nas crianças com dificuldades de aprendizagem. Também em 1897, Montessori auditou os cursos de pedagogia da Universidade e leu “todas as grandes obras de teoria da educação dos últimos duzentos anos”.

Em 1897, Montessori falou sobre a responsabilidade social da delinquência juvenil no Congresso Nacional de Medicina em Turim. Em 1898, escreveu vários artigos e voltou a falar no Primeiro Congresso Pedagógico de Turim, instando à criação de aulas e instituições especiais para crianças deficientes mentais, bem como à formação de professores para os seus instrutores. Em 1899 Montessori foi nomeada conselheira da recém-formada Liga Nacional para a Proteção das Crianças Retardadas, e foi convidada a dar aulas sobre métodos especiais de educação para crianças retardadas, na escola de formação de professores do Colégio de Roma. Nesse ano, Montessori realizou uma turnê nacional de duas semanas de palestras para capacitar o público perante figuras públicas proeminentes. Juntou-se à direção da Liga Nacional e foi nomeada como professora de higiene e antropologia numa das duas faculdades de formação de professores para mulheres na Itália.

Em 1900 a Liga Nacional abriu a Scuola Magistrale Ortofrenica, ou Escola Ortofrênica, um “instituto médico-pedagógico” para formar professores na educação de crianças com deficiência mental com uma sala de aula de laboratório anexa. Montessori foi nomeada co-diretora. 64 professores matriculados na primeira classe, estudando psicologia, anatomia e fisiologia do sistema nervoso, medidas antropológicas, causas e características da deficiência mental, e métodos especiais de ensino. Durante os seus dois anos na escola, Montessori desenvolveu métodos e materiais que mais tarde adaptaria para usar com as crianças normais.

A escola foi um sucesso imediato, atraindo a atenção de funcionários governamentais dos departamentos de educação e saúde, líderes cívicos e figuras proeminentes nos campos da educação, psiquiatria e antropologia da Universidade de Roma. As crianças da sala de aula modelo foram retiradas de escolas comuns, mas consideradas “sem instrução” devido às suas deficiências. Algumas destas crianças passaram mais tarde nos exames públicos dados às chamadas crianças “normais”.

Foto: Reprodução

Em 1901, Montessori deixou a Escola Ortofrênica e seu consultório particular e, em 1902, matriculou-se no curso de filosofia da Universidade de Roma. (Filosofia na época incluía muito do que hoje consideramos psicologia). Estudou filosofia teórica e moral, a história da filosofia e psicologia como tal, mas não se formou. Também realizou estudos independentes em antropologia e filosofia educativa, realizou observações e pesquisas experimentais em escolas primárias e revisitou o trabalho de Itard e Séguin, traduzindo seus livros em italiano escrito à mão. Durante este tempo ela começou a considerar a adaptação de seus métodos de educação de crianças deficientes mentais ao ensino regular.

O trabalho de Montessori desenvolvendo o que ela chamaria mais tarde de “pedagogia científica” continuou durante os próximos anos. Ainda em 1902, Montessori apresentou um relatório em um segundo congresso pedagógico nacional em Nápoles. Ela publicou dois artigos sobre pedagogia em 1903, e mais dois no ano seguinte. Em 1903 e 1904, realizou pesquisas antropológicas com alunos de escolas italianas, e em 1904 foi qualificada como professora livre em antropologia para a Universidade de Roma. Foi designada para leccionar na Escola Pedagógica da Universidade e continuou no cargo até 1908. Suas palestras foram impressas como livro intitulado Antropologia Pedagógica, em 1910.

No ano de 1906, Montessori foi convidada a supervisionar o cuidado e a educação de um grupo de filhos de pais trabalhadores em um novo prédio de apartamentos para famílias de baixa renda no bairro de San Lorenzo, em Roma. Montessori estava interessada em aplicar o seu trabalho e métodos a crianças mentalmente normais, e aceitou. O nome Casa dei Bambini, ou Casa das Crianças, foi sugerido a Montessori, e a primeira Casa abriu no dia 6 de janeiro de 1907, matriculando 50 ou 60 crianças entre dois ou três e seis ou sete anos de idade.

No início, a sala de aula estava equipada com uma mesa e lousa para professores, um fogão, pequenas cadeiras, poltronas e mesas de grupo para as crianças, e um armário fechado para os materiais que Montessori tinha desenvolvido na Escola Ortofrênica. As actividades para as crianças incluíam cuidados pessoais como vestir e despir-se, cuidados com o ambiente, como limpar o pó e varrer, e cuidados com o jardim. Também foi mostrado às crianças o uso dos materiais que Montessori tinha desenvolvido. A própria Montessori, ocupada com o ensino, pesquisa e outras atividades profissionais, supervisionou e observou o trabalho em sala de aula, mas não ensinou diretamente às crianças. O ensino e os cuidados quotidianos eram prestados, sob a orientação de Montessori, pela filha do porteiro do edifício.

Nesta primeira sala de aula, Montessori observou os comportamentos destas crianças, que constituíram a base do seu método educacional. Ela observou episódios de profunda atenção e concentração, múltiplas repetições de atividades e uma sensibilidade à ordem no ambiente. Dada a livre escolha da atividade, as crianças mostraram mais interesse pelas atividades práticas e pelos materiais de Montessori do que pelos brinquedos que lhes eram fornecidos, e foram surpreendentemente desmotivadas por doces e outras recompensas. Com o tempo, ela viu surgir uma autodisciplina espontânea.

Foto: Reprodução

Com base em suas observações, Montessori implementou uma série de práticas que se tornaram marcas registradas de sua filosofia e método educacional. Ela substituiu os móveis pesados por mesas e cadeiras de tamanho infantil suficientemente leves para que as crianças se movimentem, e colocou materiais do tamanho infantil em prateleiras baixas e acessíveis. Ela ampliou o leque de atividades práticas como varredura e cuidados pessoais para incluir uma grande variedade de exercícios para cuidar do meio ambiente e de si mesma, incluindo arranjo de flores, lavagem de mãos, ginástica, cuidado de animais de estimação e culinária. Ela também incluiu grandes secções ao ar livre na sala de aula, encorajando as crianças a ir e vir como quiserem nas diferentes áreas e aulas da sala. Em seu livro ela esboça um típico dia de aulas de inverno, começando às 09:00 da manhã e terminando às 16:00:

9–10. Entrada. Saudação. Inspecção quanto à limpeza pessoal. Exercícios de vida prática; ajudar uns aos outros a decolar e a colocar os aventais. Revisar a sala para ver que tudo está polvilhado e em ordem. Linguagem: Período de conversação: As crianças fazem um relato dos acontecimentos do dia anterior. Exercícios religiosos.
10–11. Exercícios intelectuais. Aulas objetivas interrompidas por curtos períodos de descanso. Exercícios de Nomenclatura, de Sentido.
11–11:30. Ginástica simples: Movimentos normais feitos com graça, posição normal do corpo, caminhar, marchar em linha, saudações, movimentos de atenção, colocação de objectos com graça.
11:30–12. Almoço: Oração curta.
12–1. Jogos livres.
1–2. Jogos dirigidos, se possível, ao ar livre. Durante este período as crianças mais velhas, por sua vez, passam pelos exercícios da vida prática, limpando o quarto, limpando o pó, colocando o material em ordem. Inspecção geral para a limpeza: Conversação.
2–3. Trabalho manual. Modelagem da argila, design, etc.
3–4. Ginástica colectiva e canções, se possível ao ar livre. Exercícios para desenvolver a premeditação: Visitar, e cuidar das plantas e dos animais.

Ela sentiu que ao trabalhar de forma independente as crianças poderiam alcançar novos níveis de autonomia e tornar-se auto-motivadas para alcançar novos níveis de compreensão. Montessori também passou a acreditar que reconhecer todas as crianças como indivíduos e tratá-las como tal produziria melhor aprendizagem e potencial de realização em cada criança em particular. Ela continuou a adaptar e refinar os materiais que tinha desenvolvido anteriormente, alterando ou removendo exercícios que foram escolhidos com menos frequência pelas crianças. Também com base nas suas observações, Montessori experimentou permitir às crianças a livre escolha dos materiais, o trabalho ininterrupto e a liberdade de movimento e atividade dentro dos limites estabelecidos pelo ambiente. Ela começou a ver a independência como o objetivo da educação e o papel do professor como observador e diretor do desenvolvimento psicológico inato das crianças.

Foto: Reprodução

A primeira Casa dei Bambini foi um sucesso, e uma segunda foi inaugurada em 7 de abril de 1907. As crianças de seus programas continuaram a demonstrar concentração, atenção e autodisciplina espontânea, e as salas de aula começaram a atrair a atenção de educadores, jornalistas e figuras públicas de destaque. No outono de 1907, Montessori começou a experimentar materiais didáticos para escrever e ler cartas recortadas em lixa e montadas em tábuas, cartas recortadas móveis e cartões de figuras com etiquetas. As crianças de quatro e cinco anos de idade envolveram-se espontaneamente com os materiais e rapidamente adquiriram uma proficiência na escrita e na leitura muito além do que era esperado para a sua idade. Isto atraiu mais atenção do público para o trabalho de Montessori. Mais três Case dei Bambini foram abertas em 1908, e em 1909 a Suíça italiana começou a usar o método de Montessori em orfanatos e jardins de infância.

Em 1909, Montessori realizou o primeiro curso de formação de professores no seu novo método em Città di Castello, Itália. No mesmo ano, descreveu as suas observações e métodos num livro intitulado Il Metodo della Pedagogia Scientifica Applicato All’Educazione Infantile Nelle Case Dei Bambini (O Método de Pedagogia Científica Aplicado à Educação das Crianças nas Casas de Crianças). Mais dois cursos de formação foram realizados em Roma, em 1910, e um terceiro em Milão, em 1911. A reputação e o trabalho de Montessori começou a difundir-se também internacionalmente e, por volta dessa época, ela desistiu da sua prática médica para dedicar mais tempo ao seu trabalho educativo, desenvolvendo os seus métodos e formando professores. Em 1919 ela renunciou ao seu cargo na Universidade de Roma, já que o seu trabalho educativo absorvia cada vez mais o seu tempo e interesse.

Já em 1909, o trabalho de Montessori começou a atrair a atenção de observadores e visitantes internacionais. Seu trabalho foi amplamente publicado internacionalmente, e se espalhou rapidamente. No final de 1911, a educação de Montessori tinha sido oficialmente adotada em escolas públicas na Itália e na Suíça, e foi planejada para o Reino Unido. Em 1912, as escolas Montessori haviam sido abertas em Paris e em muitas outras cidades da Europa Ocidental, e estavam planejadas para a Argentina, Austrália, China, Índia, Japão, Coréia, México, Suíça, Síria, Estados Unidos e Nova Zelândia. Programas públicos em Londres, Joanesburgo, Roma e Estocolmo haviam adotado o método em seus sistemas escolares. As sociedades Montessori foram fundadas nos Estados Unidos (o Comitê Montessori Americano) e no Reino Unido (a Sociedade Montessori para o Reino Unido). Em 1913 foi realizado o primeiro Curso Internacional de Formação em Roma, com um segundo em 1914.

O trabalho de Montessori foi amplamente traduzido e publicado durante este período. Il Metodo della Pedagogia Scientifica foi publicado nos Estados Unidos como O Método Montessori: A Pedagogia Científica Aplicada à Educação Infantil nas Casas das Crianças, onde se tornou um best-seller. Seguiram-se as edições britânica e suíça. Uma edição revisada italiana foi publicada em 1913. As edições em russo e polonês também saíram em 1913, e as edições em alemão, japonês e romeno apareceram em 1914, seguidas pelas edições em espanhol (1915), holandês (1916) e dinamarquês (1917). A Antropologia Pedagógica foi publicada em inglês, em 1913. Em 1914, Montessori publicou, em inglês, o Manual do Próprio Doutor Montessori, um guia prático para os materiais didáticos que ela tinha desenvolvido.

Em 1911 e 1912, o trabalho de Montessori foi popular e amplamente divulgado nos Estados Unidos, especialmente numa série de artigos na McClure’s Magazine, e a primeira escola Montessori norte-americana foi aberta em outubro de 1911, em Tarrytown, Nova York. O inventor Alexander Graham Bell e sua esposa tornaram-se proponentes do método e uma segunda escola foi aberta em sua casa canadense. O Método Montessori foi vendido rapidamente através de seis edições. O primeiro Curso Internacional de Treinamento em Roma, em 1913, foi patrocinado pelo Comitê Montessori Americano, e 67 dos 83 alunos eram dos Estados Unidos. Em 1913 havia mais de 100 escolas Montessori no país [47] Montessori viajou para os Estados Unidos em dezembro de 1913 em uma turnê de três semanas que incluiu filmes de suas salas de aula européias, encontrando-se com grandes e entusiastas multidões onde quer que viajasse.

Foto: Reprodução

Montessori voltou aos Estados Unidos em 1915, patrocinada pela Associação Nacional de Educação, para demonstrar seu trabalho na Exposição Internacional Panamá-Pacífico em São Francisco, Califórnia, e para dar um terceiro curso internacional de treinamento. Uma sala de aula com paredes de vidro foi colocada na Exposição, e milhares de observadores vieram para ver uma turma de 21 alunos. O pai de Montessori morreu em novembro de 1915, e ela voltou para a Itália.

Embora Montessori e sua abordagem educacional fossem muito populares nos Estados Unidos, ela não estava sem oposição e controvérsia. O influente educador progressista William Heard Kilpatrick, um seguidor do filósofo e reformador educacional americano John Dewey, escreveu um livro desdenhoso e crítico intitulado The Montessori Method Examined, que teve um amplo impacto. A National Kindergarten Association também foi crítica. Os críticos acusavam que o método de Montessori era ultrapassado, excessivamente rígido, excessivamente dependente da formação dos sentidos e deixava muito pouco espaço para a imaginação, a interação social e o jogo. Além disso, a insistência de Montessori no controle rígido sobre a elaboração do seu método, a formação de professores, a produção e uso de materiais e o estabelecimento de escolas tornou-se uma fonte de conflito e controvérsia. Após sua saída em 1915, o movimento Montessori nos Estados Unidos se fragmentou, e a educação Montessori foi um fator insignificante na educação nos Estados Unidos até 1952.

Em 1915, Montessori retornou à Europa e fixou residência em Barcelona, Espanha. Durante os 20 anos seguintes, Montessori viajou e deu amplas palestras na Europa e deu numerosos cursos de formação de professores. A educação Montessori experimentou um crescimento significativo na Espanha, Holanda, Reino Unido e Itália.

Ao voltar dos Estados Unidos, Montessori continuou seu trabalho em Barcelona, onde um pequeno programa patrocinado pelo governo catalão, iniciado em 1915, havia se transformado na Escola Montessori, atendendo crianças de três a dez anos de idade, e no Laboratori i Seminari de Pedagogia, um instituto de pesquisa, formação e ensino. Um quarto curso internacional foi dado lá em 1916, incluindo materiais e métodos, desenvolvidos nos cinco anos anteriores, para o ensino de gramática, aritmética e geometria a crianças do ensino fundamental dos seis aos doze anos de idade. Em 1917 Montessori publicou seu trabalho elementar em L’autoeducazionne nelle Scuole Elementari (Auto-educação no Ensino Fundamental), que surgiu em inglês como The Advanced Montessori Method. Por volta de 1920, o movimento de independência catalão começou a exigir que Montessori tomasse uma posição política e fizesse uma declaração pública a favor da independência catalã, e ela recusou. O apoio oficial foi retirado dos seus programas. Em 1924, uma nova ditadura militar fechou a escola modelo de Montessori em Barcelona, e a educação de Montessori declinou na Espanha, embora Barcelona tenha permanecido a casa de Montessori durante os doze anos seguintes. Em 1933, sob a Segunda República Espanhola, um novo curso de formação foi patrocinado pelo governo, e o apoio do governo foi restabelecido. Em 1934, publicou dois livros na Espanha, Psicogeometrica e Psicoarithemetica. No entanto, com o início da Guerra Civil Espanhola em 1936, as condições políticas e sociais levaram Montessori a deixar a Espanha permanentemente.

Em 1917, Montessori deu aulas em Amsterdã, e a Sociedade Montessori holandesa foi fundada. Ela retornou em 1920 para dar uma série de palestras na Universidade de Amsterdã. Os programas Montessori floresceram na Holanda, e em meados dos anos 30 havia mais de 200 escolas Montessori no país. Em 1935 a sede da Association Montessori Internationale, ou AMI, mudou-se permanentemente para Amsterdã.

Foto: Reprodução

O Método Montessori foi recebida com entusiasmo e controvérsia na Inglaterra entre 1912 e 1914. Em 1919, Montessori veio à Inglaterra pela primeira vez e deu um curso de formação internacional que foi recebido com grande interesse. A educação Montessori continuou a se espalhar no Reino Unido, embora o movimento tenha vivido algumas das lutas pela autenticidade e fragmentação que ocorreram nos Estados Unidos. Montessori continuou a dar cursos de formação na Inglaterra de dois em dois anos até ao início da Segunda Guerra Mundial.

Em 1922, Montessori foi convidad a ir à Itália em nome do governo para dar um curso de palestras e mais tarde para inspecionar as escolas italianas Montessori. Mais tarde nesse ano, o governo fascista de Benito Mussolini chegou ao poder na Itália. Em dezembro, Montessori voltou à Itália para planejar uma série de cursos anuais de treinamento sob o patrocínio do governo e, em 1923, o ministro da educação Giovanni Gentile expressou seu apoio oficial às escolas Montessori e à formação de professores. Em 1924 Montessori reuniu-se com Mussolini, que estendeu seu apoio oficial à educação Montessori como parte do programa nacional. Um grupo de apoiadores de Montessori antes da guerra, a Societa gli Amici del Metodo Montessori (Sociedade dos Amigos do Método Montessori) tornou-se a Opera Montessori (Sociedade Montessori) com um estatuto governamental, e em 1926 Mussolini foi nomeado presidente honorário da organização. Em 1927 Mussolini estabeleceu um colégio de formação de professores Montessori, e em 1929 o governo italiano apoiou uma ampla gama de instituições Montessori. Contudo, a partir de 1930, Montessori e o governo italiano entraram em conflito por causa do apoio financeiro e questões ideológicas, especialmente depois das palestras de Montessori sobre Paz e Educação. Em 1932, ela e seu filho Mario foram colocados sob vigilância política. Finalmente, em 1933, ela renunciou à Ópera Montessori, e em 1934 deixou a Itália. O governo italiano encerrou as atividades de Montessori no país em 1936.

Montessori deu palestras em Viena em 1923, e suas palestras foram publicadas como Il Bambino in Famiglia, publicadas em inglês em 1936 como The Child in the Family. Entre 1913 e 1936 foram também estabelecidas escolas e sociedades Montessori na França, Alemanha, Suíça, Bélgica, Rússia, Sérvia, Canadá, Índia, China, Japão, Indonésia, Austrália e Nova Zelândia.

Em 1929, o primeiro Congresso Internacional Montessori foi realizado em Elsinore, Dinamarca, em conjunto com a Quinta Conferência da Nova Bolsa de Educação. Neste evento, Montessori e seu filho Mario fundaram a Associação Montessori Internacional ou AMI “para supervisionar as atividades das escolas e sociedades em todo o mundo e para supervisionar a formação dos professores”. A AMI também controlou os direitos de publicação das obras da Montessori e a produção de materiais didáticos autorizados da Montessori. Os primeiros patrocinadores da AMI incluíram Sigmund Freud, Jean Piaget, e Rabindranath Tagore.

Em 1932, Montessori falou sobre Paz e Educação no Segundo Congresso Internacional de Montessori em Nice, França; esta palestra foi publicada pelo Bureau International d’Education, Genebra, Suíça. Em 1932, Montessori falou no Clube Internacional da Paz em Genebra, Suíça, sobre o tema da Paz e da Educação. Montessori realizou conferências sobre paz de 1932 a 1939 em Genebra, Bruxelas, Copenhague e Utrecht, que foram posteriormente publicadas em italiano como Educazione e Pace, e em inglês como Education and Peace. Em 1949, e novamente em 1950 e em 1951, Montessori foi nomeada para o Prémio Nobel da Paz, recebendo um total de seis nomeações.

Imagem: Reprodução

Em 1936 Montessori e sua família deixaram Barcelona para a Inglaterra, e logo se mudaram para Laren, perto de Amsterdam. Montessori e seu filho Mario continuaram a desenvolver novos materiais aqui, incluindo os cilindros sem botão, os símbolos gramaticais e as cartas de nomenclatura botânica. No contexto das crescentes tensões militares na Europa, Montessori voltou cada vez mais a sua atenção para o tema da paz. Em 1937, foi realizado o 6º Congresso Internacional de Montessori sobre o tema “Educação para a Paz”, e Montessori apelou a uma “ciência da paz” e falou sobre o papel da educação da criança como uma chave para a reforma da sociedade. Em 1938, Montessori foi convidada pela Sociedade Teosófica para dar um curso de formação na Índia, e em 1939 deixou a Holanda com o seu filho e colaborador Mario.

Um interesse em Montessori existia na Índia desde 1913, quando um estudante indiano frequentou o primeiro curso internacional em Roma, e os estudantes ao longo das décadas de 1920 e 1930 tinham voltado à Índia para iniciar escolas e promover a educação Montessori. A Sociedade Montessori da Índia foi formada em 1926, e Il Metodo foi traduzido para Gujarati e Hindi em 1927. Em 1929, o poeta indiano Rabindranath Tagore tinha fundado muitas escolas “Tagore-Montessori” na Índia, e o interesse indiano na educação Montessori foi fortemente representado no Congresso Internacional em 1929. A própria Montessori estava pessoalmente associada à Sociedade Teosófica desde 1907. O movimento teosófico, motivado para educar os pobres da Índia, foi atraído para a educação Montessori como uma solução.

Montessori deu um curso de formação na Sociedade Teosófica em Madras em 1939, e tinha a intenção de dar um tour de palestras em várias universidades, e depois voltar para a Europa. No entanto, quando a Itália entrou na Segunda Guerra Mundial ao lado dos alemães em 1940, a Grã-Bretanha internou todos os italianos no Reino Unido e suas colônias como alienígenas inimigos. Na verdade, apenas Mario Montessori foi internado, enquanto Montessori estava confinado ao complexo da Sociedade Teosófica, e Mario foi reunido com sua mãe após dois meses. Os Montessoris permaneceram em Madras e Kodaikanal até 1946, embora lhes tenha sido permitido viajar em conexão com palestras e cursos.

Material elementar, educação cósmica e nascimento de três filhos.
Durante seus anos na Índia, Montessori e seu filho Mario continuaram a desenvolver seu método educacional. O termo “educação cósmica” foi introduzido para descrever uma abordagem para crianças de seis a doze anos de idade que enfatizava a interdependência de todos os elementos do mundo natural. As crianças trabalharam diretamente com plantas e animais em seus ambientes naturais, e os Montessoris desenvolveram lições, ilustrações, gráficos e modelos para serem usados com crianças de idade elementar. Foi criado material para botânica, zoologia e geografia. Entre 1942 e 1944 esses elementos foram incorporados a um curso avançado para o trabalho com crianças de seis a doze anos de idade. Este trabalho deu origem a dois livros: Educação para um Novo Mundo e para Educar o Potencial Humano.

Enquanto na Índia, Montessori observou crianças e adolescentes de todas as idades, e voltou-se para o estudo da infância. Em 1944 ela deu uma série de trinta palestras sobre os primeiros três anos de vida, e um curso de treinamento reconhecido pelo governo no Sri Lanka. Estas palestras foram reunidas em 1949 no livro O que você deve saber sobre o seu filho.

Foto: Reprodução

Em 1944 foi concedida aos Montessoris alguma liberdade de movimento e viajou para o Sri Lanka. Em 1945, Montessori participou da primeira conferência em Jaipur, e em 1946, com a guerra terminada, ela e sua família retornaram à Europa.

Em 1946, aos 76 anos de idade, Montessori regressou a Amesterdão, mas passou os seis anos seguintes a viajar na Europa e na Índia. Ela deu um curso de formação em Londres em 1946, e em 1947 abriu um instituto de formação lá, o Montessori Centre. Após alguns anos este centro tornou-se independente de Montessori e continuou como o Centro de Formação de São Nicolau. Também em 1947, voltou à Itália para restabelecer a Ópera Montessori e deu mais dois cursos de formação. Mais tarde, nesse mesmo ano, voltou à Índia e deu cursos em Adyar e Ahmedabad. Estes cursos levaram ao livro A Mente Absorvente, no qual Montessori descreveu o desenvolvimento da criança desde o nascimento e apresentou o conceito dos Quatro Planos de Desenvolvimento. Em 1948 Il Metodo foi revisto novamente e publicado em inglês como The Discovery of the Child (A Descoberta da Criança). Em 1949 ela deu um curso no Paquistão e foi fundada a Associação de Montessori Paquistão.

Em 1949 Montessori retornou à Europa e participou do 8º Congresso Internacional de Montessori em Sanremo, Itália, onde foi demonstrada uma sala de aula modelo. No mesmo ano, foi criado o primeiro curso de formação para o nascimento aos três anos de idade, chamado Scuola Assistenti all’infanzia (Escola Montessoriana para Assistentes da Infância). Ela foi nomeada para o Prêmio Nobel da Paz. Montessori recebeu também a Legião de Honra Francesa, Oficial da Ordem Holandesa de Orange Nassau, e recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Universidade de Amesterdão. Em 1950 visitou a Escandinávia, representou a Itália na conferência da UNESCO em Florença, apresentou no 29º curso internacional de formação em Perugia, deu um curso nacional em Roma, publicou uma quinta edição de Il Metodo com o novo título La Scoperta del Bambino (A Descoberta da Criança), e foi novamente nomeada para o Prêmio Nobel da Paz. Em 1951 participou do 9º Congresso Internacional de Montessori em Londres, deu um curso de formação em Innsbruck, foi nomeada pela terceira vez para o Prêmio Nobel da Paz. Montessori morreu de hemorragia cerebral em 6 de maio de 1952, aos 81 anos de idade, em Noordwijk aan Zee, na Holanda.

Deixe uma resposta