Categorias
Geral

O Lixo eletrônico e seu destino

Lixo eletrônico trata-se dos dispositivos elétricos ou eletrônicos descartados. Os eletrônicos usados que são destinados à renovação, reutilização, revenda, reciclagem de salvados através da recuperação de materiais ou eliminação também são considerados lixo eletrônico. O processamento informal de lixo eletrônico em países em desenvolvimento pode levar a efeitos adversos à saúde humana e à poluição ambiental.

Os componentes eletrônicos de sucata, como as CPUs, contêm materiais potencialmente nocivos, como chumbo, cádmio, berílio ou retardadores de chama bromados. A reciclagem e eliminação de resíduos eletrônicos pode envolver riscos significativos para a saúde dos trabalhadores e das suas comunidades.

O lixo eletrônico ou resíduo eletrônico é criado quando um produto eletrônico é descartado após o fim de sua vida útil. A rápida expansão da tecnologia e a sociedade orientada para o consumo resultam na criação de uma quantidade muito grande de lixo eletrônico em cada minuto.

Foto: Reprodução

Alguns classificam os resíduos eletrônicos em dez categorias: Grandes electrodomésticos (incluindo aparelhos de refrigeração e congelação), Pequenos electrodomésticos, equipamento informático (incluindo monitores), Eletrônica de consumo (incluindo televisores), Lâmpadas e luminárias, Brinquedos, Ferramentas, Dispositivos médicos, Instrumentos de monitorização e controlo e Distribuidores automáticos. Estes incluem eletrônicos usados que são destinados para reutilização, revenda, salvamento, reciclagem ou eliminação, bem como reutilizáveis (eletrônicos de trabalho e reparáveis) e matérias-primas secundárias (cobre, aço, plástico, etc.). O termo “resíduo” é reservado para resíduos ou material que é despejado pelo comprador em vez de reciclado, incluindo resíduos de operações de reutilização e reciclagem, porque as cargas de eletrônicos excedentes são frequentemente misturadas (bons, recicláveis e não recicláveis). Vários defensores de políticas públicas aplicam o termo “lixo eletrônico” e “lixo eletrônico” de forma ampla a todos os excedentes eletrônicos. Os tubos catódicos (CRTs) são considerados um dos tipos mais difíceis de reciclar.

Por outro lado, a Partnership on Measuring ICT for Development define o lixo eletrônico em seis categorias, a saber: (1) Equipamento de troca de temperatura (por exemplo, ar condicionado, freezers), (2) Telas, monitores (por exemplo, TV, laptop), (3) Lâmpadas (por exemplo, lâmpadas LED), Equipamento grande (por exemplo, máquinas de lavar, fogões elétricos), Equipamento pequeno (por exemplo, microondas, barbeador elétrico), e (6) Equipamento pequeno de TI e de telecomunicações (por exemplo, telefones celulares, impressoras). Os produtos de cada categoria variam em perfil de longevidade, impacto e métodos de coleta, entre outras diferenças.

Os CRTs têm uma concentração relativamente alta de chumbo e fósforo (não confundir com fósforo), ambos necessários para a exibição. A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) inclui monitores CRT descartados em sua categoria de “resíduos domésticos perigosos”, mas considera os CRTs que foram colocados de lado para testes como commodities se não forem descartados, acumulados especulativamente, ou deixados desprotegidos das intempéries e outros danos. Estes dispositivos CRT são frequentemente confundidos entre o DLP Rear Projection TV, ambos os quais têm um processo de reciclagem diferente devido aos materiais dos quais são compostos.

Foto: Reprodução

A UE e os seus estados membros operam um sistema através do Catálogo Europeu de Resíduos (CER) – uma Diretiva do Conselho Europeu, que é interpretada como “legislação dos estados membros”. No Reino Unido, isto está na forma da Lista de Diretrizes de Resíduos. Entretanto, a lista (e o CER) dá uma definição ampla (Código CER 16 02 13*) do que é resíduo eletrônico perigoso, exigindo que os “operadores de resíduos” empreguem os Regulamentos de Resíduos Perigosos (Anexo 1A, Anexo 1B) para uma definição refinada. Os materiais constituintes dos resíduos também exigem uma avaliação através da combinação dos Anexos II e III, permitindo novamente aos operadores determinar se um resíduo é perigoso.

O debate continua sobre a distinção entre as definições de “mercadoria” e “desperdício” de produtos eletrônicos. Alguns exportadores são acusados de deixar deliberadamente equipamentos de difícil reciclagem, obsoletos ou não reparáveis misturados em cargas de equipamentos de trabalho (embora isto também possa vir por ignorância, ou para evitar processos de tratamento mais dispendiosos). Os protecionistas podem ampliar a definição de “resíduos” eletrônicos, a fim de proteger os mercados domésticos de trabalhar com equipamentos secundários.

O alto valor do subconjunto de reciclagem de computadores de resíduos eletrônicos (laptops funcionais e reutilizáveis, desktops e componentes como RAM) pode ajudar a pagar o custo do transporte de um número maior de peças sem valor do que o que pode ser conseguido com dispositivos de exibição, que têm menos (ou negativo) valor de sucata. Em um relatório de 2011, “Ghana E-Waste Country Assessment”, constatou-se que de 215.000 toneladas de eletrônicos importados para o Gana, 30% eram novos e 70% foram usados. Do produto usado, o estudo concluiu que 15% não foi reutilizado e foi sucateado ou descartado. Isto contrasta com as alegações publicadas mas não acreditadas de que 80% das importações para o Gana estavam a ser queimadas em condições primitivas.

Foto: Reprodução

O lixo eletrônico é considerado o “fluxo de resíduos que mais cresce no mundo” com 44,7 milhões de toneladas geradas em 2016- o equivalente a 4500 torres Eiffel. Em 2018, estima-se que tenham sido produzidos 50 milhões de toneladas de e-waste, daí o nome “tsunami de e-waste” dado pela ONU. O seu valor é de pelo menos 62,5 mil milhões de dólares anuais.

Mudanças rápidas na tecnologia, mudanças na mídia (fitas, software, MP3), queda de preços e obsolescência planejada resultaram em um rápido crescimento do excedente de lixo eletrônico em todo o mundo. Soluções técnicas estão disponíveis, mas na maioria dos casos, um quadro legal, uma coleta, logística e outros serviços precisam ser implementados antes que uma solução técnica possa ser aplicada.

Unidades de exibição (CRT, LCD, monitores LED), processadores (CPU, GPU ou chips APU), memória (DRAM ou SRAM) e componentes de áudio têm vidas úteis diferentes. Os processadores estão mais frequentemente desatualizados (por software que já não está a ser optimizado) e são mais susceptíveis de se tornarem “lixo eletrônico” enquanto as unidades de visualização são mais frequentemente substituídas enquanto trabalham sem tentativas de reparação, devido a mudanças nos apetites dos países ricos por novas tecnologias de visualização. Este problema pode ser potencialmente resolvido com smartphones modulares ou Phonebloks. Esses tipos de telefones são mais duráveis e têm a tecnologia para mudar certas partes do telefone, tornando-os mais amigáveis ao meio ambiente. Ser capaz de simplesmente substituir a parte do telefone que está quebrada irá reduzir o lixo eletrônico. Estima-se que a cada ano são produzidas 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico. Os EUA descartam 30 milhões de computadores a cada ano e 100 milhões de telefones são descartados na Europa a cada ano. A Agência de Proteção Ambiental estima que apenas 15-20% do lixo eletrônico é reciclado, o restante vai diretamente para aterros sanitários e incineradores.

Foto: Reprodução

Em 2006, as Nações Unidas estimaram em 50 milhões de toneladas métricas a quantidade de lixo eletrônico descartado no mundo todo a cada ano. De acordo com um relatório do PNUMA intitulado “Reciclagem – do lixo eletrônico aos recursos”, a quantidade de lixo eletrônico sendo produzida – incluindo telefones celulares e computadores – pode aumentar em até 500% na próxima década em alguns países, como a Índia. Os Estados Unidos são o líder mundial na produção de lixo eletrônico, jogando fora cerca de 3 milhões de toneladas por ano. A China já produz cerca de 2,3 milhões de toneladas (estimativa para 2010) internamente, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. E, apesar de ter proibido as importações de lixo eletrônico. A China continua a ser um grande lixão de lixo eletrônico para os países desenvolvidos.

A sociedade de hoje gira em torno da tecnologia e pela constante necessidade dos produtos mais novos e de alta tecnologia estamos contribuindo para uma quantidade maciça de lixo eletrônico. Desde a invenção do iPhone, os telefones celulares se tornaram a principal fonte de resíduos eletrônicos porque não são feitos para durar mais de dois anos. O lixo elétrico contém materiais perigosos, mas também valiosos e escassos. Até 60 elementos podem ser encontrados em produtos eletrônicos complexos. Até 2013, a Apple já vendeu mais de 796 milhões de iDevices (iPod, iPhone, iPad). As empresas de telefonia celular fabricam telefones celulares que não são feitos para durar para que o consumidor compre novos telefones. As empresas dão vida curta a esses produtos porque sabem que o consumidor vai querer um novo produto e vai comprá-lo se o fizer. Nos Estados Unidos, estima-se que 70% dos metais pesados nos aterros sanitários são provenientes de produtos eletrônicos descartados.

Embora haja consenso de que o número de dispositivos eletrônicos descartados está aumentando, há um desacordo considerável sobre o risco relativo (em comparação com a sucata de automóveis, por exemplo), e um forte desacordo sobre se a redução do comércio de eletrônicos usados melhorará as condições ou as tornará ainda piores. De acordo com um artigo da Motherboard, as tentativas de restringir o comércio expulsaram empresas respeitáveis da cadeia de fornecimento, com consequências não intencionais.

Foto: Reprodução

Em 2016, a Ásia foi o território que trouxe o maior volume de e-waste (18,2 Mt), acompanhado pela Europa (12,3 Mt), América (11,3 Mt), África (2,2 Mt) e Oceania (0,7 Mt). O menor em termos do total de lixo eletrônico produzido, a Oceania foi o maior gerador de lixo eletrônico por cidadão (17,3 kg/polegada), com apenas 6% do lixo eletrônico citado para ser coletado e reciclado. A Europa é o segundo maior gerador de e-waste por cidadão, com uma média de 16,6 kg/polegada; no entanto, a Europa apresenta o maior número de resíduos de e-waste (35%). A América gera 11,6 kg/polegada e solicita apenas 17% do lixo eletrônico causado nas províncias, o que é proporcional à contagem de sortimento na Ásia (15%). Entretanto, a Ásia gera menos lixo eletrônico por cidadão (4,2 kg/polegada).

A África gera apenas 1,9 kg/polegada, e há pouca informação disponível sobre a sua percentagem de recolha. O recorde fornece decomposições regionais para a África, Américas, Ásia, Europa e Oceania. O fenômeno de certa forma ilustra o número modesto ligado ao volume total de lixo eletrônico, fazendo com que 41 países tenham dados de administração de lixo eletrônico. Para 16 outros países, os volumes de lixo eletrônico foram coletados a partir da exploração e avaliação.

O resultado de uma parte considerável do lixo eletrônico (34,1 toneladas métricas) não é identificado. Em países onde não há uma constituição nacional de e-waste no estande, o e-waste é possível interpretado como um resíduo alternativo ou geral. Estes são cheios de terra ou reciclados, juntamente com sucata alternativa de metal ou plástico. Existe o colossal compromisso de que as toxinas não são aspiradas de forma adequada, ou são escolhidas por um setor informal e convertidas sem salvaguardar bem os trabalhadores, ao mesmo tempo em que ventilam as contaminações no lixo eletrônico. Embora a alegação de e-waste esteja em alta, uma quantidade florescente de países está adotando a regulamentação do e-waste. As ordens nacionais de gestão do lixo eletrônico abrangem 66% da população mundial, um aumento de 44% que foi alcançado em 2014.

Foto: Reprodução

Uma teoria é que a crescente regulamentação dos resíduos eletrônicos e a preocupação com os danos ambientais nas economias da natureza cria um desestímulo econômico para a remoção de resíduos antes da exportação. Os críticos do comércio de eletrônicos usados sustentam que ainda é muito fácil para os corretores que se autodenominam recicladores exportar resíduos eletrônicos não rastreados para países em desenvolvimento, como a China, Índia e partes da África, evitando assim o gasto de remoção de itens como tubos de raios catódicos ruins (cujo processamento é caro e difícil). Os países em desenvolvimento tornaram-se lixeiras de lixo eletrônico tóxico.

Os países em desenvolvimento que recebem lixo eletrônico estrangeiro muitas vezes vão mais longe para reparar e reciclar equipamentos abandonados, mas ainda 90% do lixo eletrônico acabou em aterros nos países em desenvolvimento em 2003. Os defensores do comércio internacional apontam para o sucesso de programas de comércio justo em outros setores, onde a cooperação tem levado à criação de empregos sustentáveis e pode trazer tecnologia acessível em países onde as taxas de reparo e reutilização são mais altas.

Alguns defensores do comércio da eletrônica usada dizem que a extração de metais da mineração virgem foi deslocada para os países em desenvolvimento. A reciclagem de cobre, prata, ouro e outros materiais de dispositivos eletrônicos descartados é considerada melhor para o meio ambiente do que a mineração. Eles também afirmam que a reparação e reutilização de computadores e televisores tornou-se uma “arte perdida” nas nações mais ricas e que a remodelação tem sido tradicionalmente um caminho para o desenvolvimento.

Foto: Reprodução

A Coréia do Sul, Taiwan e o sul da China se destacaram em encontrar “valor retido” em bens usados e, em alguns casos, criaram indústrias de bilhões de dólares na reforma de cartuchos de tinta usados, câmeras de uso único e CRTs em funcionamento. A remodelação tem sido tradicionalmente uma ameaça à fabricação estabelecida, e o simples protecionismo explica algumas críticas ao comércio. Trabalhos como “The Waste Makers” de Vance Packard explicam algumas das críticas à exportação de produtos de trabalho, por exemplo, a proibição da importação de computadores portáteis Pentium 4 testados para a China, ou a proibição da exportação de produtos eletrônicos usados excedentes de trabalho pelo Japão.

Os opositores das exportações de excedentes de electrónica argumentam que normas ambientais e laborais mais baixas, mão-de-obra barata e o valor relativamente elevado das matérias-primas recuperadas levam a uma transferência de actividades geradoras de poluição, tais como a fundição de fio de cobre. Na China, Malásia, Índia, Quênia e vários países africanos, os resíduos eletrônicos estão sendo enviados para esses países para processamento, às vezes ilegalmente. Muitos laptops excedentes são encaminhados para nações em desenvolvimento como “lixeiras para lixo eletrônico”.

Como os Estados Unidos não ratificaram a Convenção da Basiléia ou sua Emenda de Proibição, e tem poucas leis federais internas proibindo a exportação de lixo tóxico, a Basel Action Network estima que cerca de 80% do lixo eletrônico destinado à reciclagem nos EUA não é reciclado lá, mas é colocado em navios contêineres e enviado para países como a China. Este número é contestado como um exagero pela EPA, pelo Institute of Scrap Recycling Industries, e pela World Reuse, Repair and Recycling Association.

Foto: Reprodução

Uma pesquisa independente da Universidade do Estado do Arizona mostrou que 87-88% dos computadores usados importados não tinham um valor superior ao melhor valor dos materiais constituintes que continham, e que “o comércio oficial de computadores em fim de vida é assim impulsionado pela reutilização em oposição à reciclagem”.

Os residentes que vivem ao redor dos locais de reciclagem de lixo eletrônico, mesmo que não estejam envolvidos em atividades de reciclagem de lixo eletrônico, também podem enfrentar a exposição ambiental devido à contaminação de alimentos, água e ambiente causada pelo lixo eletrônico, pois podem facilmente entrar em contato com o ar, água, solo, poeira e fontes de alimentos contaminados pelo lixo eletrônico. Em geral, há três principais vias de exposição: inalação, ingestão e contato dérmico.

Estudos mostram que as pessoas que vivem em locais de reciclagem de lixo eletrônico têm uma maior ingestão diária de metais pesados e uma carga corporal mais séria. Os riscos potenciais para a saúde incluem a saúde mental, a função cognitiva prejudicada e os danos gerais à saúde física. Os danos no DNA também foram mais prevalentes em todas as populações expostas ao lixo eletrônico (ou seja, adultos, crianças e neonatos) do que nas populações da área de controle. As quebras de DNA podem aumentar a probabilidade de replicação errada e, portanto, mutação, bem como levar ao câncer se o dano for causado por um gene supressor do tumor.

Foto: Reprodução

A exposição pré-natal ao lixo eletrônico tem tido efeitos adversos na carga corporal humana de poluentes dos recém-nascidos. No Guiyu, um dos locais mais famosos de reciclagem de lixo eletrônico na China, descobriu-se que o aumento da concentração de chumbo no sangue do cordão umbilical dos neonatos estava associado à participação dos pais nos processos de reciclagem de lixo eletrônico, assim como o tempo que as mães passaram vivendo no Guiyu e em fábricas ou oficinas de reciclagem de lixo eletrônico durante a gravidez. Além disso, uma metalotionina placentária maior (uma pequena proteína que marca a exposição de metais tóxicos) foi encontrada entre os neonatos do Guiyu como resultado da exposição ao Cd, enquanto o nível mais alto de Cd nos neonatos do Guiyu estava relacionado ao envolvimento na reciclagem do e-waste de seus pais. A alta exposição PFOA das mães no Guiyu está relacionada ao efeito adverso sobre o crescimento de seus recém-nascidos e a prepotência nesta área.

A exposição pré-natal à reciclagem informal de lixo eletrônico também pode levar a vários efeitos adversos ao nascimento (nascimento parado, baixo peso ao nascer, baixa pontuação Apgar, etc.) e efeitos de longo prazo, como problemas comportamentais e de aprendizagem dos recém-nascidos em sua vida futura.

As crianças são especialmente sensíveis à exposição aos resíduos eletrônicos por várias razões, tais como seu tamanho menor, maior taxa de metabolismo, maior superfície em relação ao seu peso e múltiplas vias de exposição (por exemplo, exposição dérmica, mão-a-boca e exposição em casa). Eles foram medidos para ter um risco potencial de saúde de 8 vezes em comparação com os trabalhadores adultos de reciclagem de lixo eletrônico. Estudos encontraram níveis significativamente mais altos de chumbo no sangue (BLL) e de cádmio no sangue (BCL) das crianças que vivem na área de reciclagem de lixo eletrônico em comparação com as que vivem na área de controle. Por exemplo, um estudo descobriu que o BLL médio no Guiyu foi quase 1,5 vezes comparado com o do local de controle (15,3 ug/dL comparado com 9,9 ug/dL), enquanto o CDC dos Estados Unidos estabeleceu um nível de referência para o chumbo no sangue de 5 ug/dL. As maiores concentrações de chumbo foram encontradas nos filhos dos pais cuja oficina lidou com placas de circuito e as menores foram entre aqueles que reciclaram o plástico.

Foto: Reprodução

A exposição ao lixo eletrônico pode causar sérios problemas de saúde às crianças. A exposição das crianças a neurotoxinas de desenvolvimento contidas nos resíduos eletrônicos, como chumbo, mercúrio, cádmio, cromo e PBDEs, pode levar a um risco maior de QI mais baixo, função cognitiva prejudicada e outros efeitos adversos. Em determinados grupos etários, foi encontrada uma diminuição da função pulmonar de crianças em locais de reciclagem de resíduos eletrônicos. Alguns estudos também encontraram associações entre a exposição das crianças ao lixo eletrônico e a coagulação deficiente, perda auditiva e diminuição da inclinação dos anticorpos vacinais na área de reciclagem de lixo eletrônico.

A composição complexa e o manuseio inadequado do lixo eletrônico afetam negativamente a saúde humana. Um conjunto crescente de evidências epidemiológicas e clínicas tem levado a uma preocupação crescente sobre a potencial ameaça do lixo eletrônico à saúde humana, especialmente em países em desenvolvimento como Índia e China. Por exemplo, em termos de riscos à saúde, a queima a céu aberto de placas de cabos impressos aumenta a concentração de dioxinas nas áreas circundantes. Estas toxinas causam um aumento do risco de cancro se inaladas pelos trabalhadores e residentes locais.

Os metais tóxicos e o veneno também podem entrar na corrente sanguínea durante a extração e recolha manual de pequenas quantidades de metais preciosos, e os trabalhadores são continuamente expostos a produtos químicos venenosos e fumos de ácidos altamente concentrados. A recuperação de cobre reutilizável pela queima de fios isolados causa distúrbios neurológicos, e a exposição aguda ao cádmio, encontrada em semicondutores e resistências de chips, pode danificar os rins e o fígado e causar perda óssea. A exposição prolongada ao chumbo em placas de circuito impresso e telas de computador e televisão pode danificar o sistema nervoso central e periférico e os rins, e as crianças são mais susceptíveis a estes efeitos nocivos.

A Occupational Safety & Health Administration (OSHA) resumiu vários perigos potenciais de segurança da reciclagem de trabalhadores em geral, tais como riscos de esmagamento, energia perigosa liberada e metais tóxicos.

Deixe uma resposta