Já se foram os dias em que escolher leite significa apenas decidir entre desnatado e dois por cento. Agora, você é confrontado com uma lista completa de opções quando se trata do seu leite matinal, e o leite de soja é uma delas. Embora definitivamente não seja uma coisa nova para o resto do mundo, o Ocidente ainda está aprendendo sobre os benefícios – e as desvantagens – desta alternativa de leite, e se você está se perguntando o que você precisa saber, você não está sozinho.

A soja tem sido uma cultura básica na China desde cerca de 3000 AC, e foi tão crucial para o antigo modo de vida que foi chamada de uma das cinco culturas sagradas. Os primeiros manuais agrícolas detalham tudo o que era necessário saber sobre a maximização de uma colheita, e não é de admirar. O leite de soja era – e ainda é – um alimento básico de incontáveis dietas, embora o fresco não seja apenas preferido ao que se apanha na mercearia, é o único caminho para muitas pessoas.

Foto: Reprodução

O leite de soja não adoçado ainda é uma bebida popular nos países asiáticos, e é um ingrediente crucial em pratos tradicionais de café da manhã como a sopa de leite de soja quente e salgada.

Só a partir dos anos 80 é que o leite de soja embalado e produzido comercialmente se tornou disponível na Ásia, e é tão diferente da tradicional variedade caseira que lhe foi dado um nome diferente: dou nai. Há muito que é apreciado pelas suas qualidades sem lactose, especialmente numa região do mundo onde uma grande percentagem da população é intolerante à lactose. Isso faz dela um segredo há muito conhecido que só se tornou popular no mundo ocidental há relativamente pouco tempo, pelo menos, na forma comercialmente produzida.

Quais são os benefícios do leite de soja para a saúde?

Um dos maiores benefícios do leite de soja – e o menos debatido – é que é uma alternativa legítima para qualquer pessoa que seja intolerante à lactose ou sensível à lactose. Enquanto essas pessoas podem não conseguir suportar um copo de leite de vaca, o leite de soja é completamente bom. Também há muitos outros benefícios, sendo que um de choupo é baixo em gordura. É comparável a 2% de leite, e também não tem quase nenhuma gordura saturada. Também não tem colesterol, o que pode ser um enorme bônus para quem está a ver os seus números. Outro benefício do leite de soja? É rico em proteínas.

Foto: Reprodução

Também há estudos que apontam para o papel do leite de soja na promoção da boa saúde geral e no combate a algumas das condições mais perigosas que as pessoas enfrentam à medida que envelhecem. O leite de soja contém uma alta quantidade de isoflavona, que é crucial para combater o câncer de próstata, e os antioxidantes do leite de soja também ajudam a combater outros tipos de câncer. Estudos também analisaram a ligação entre isoflavonas à base de soja e o desenvolvimento da osteoporose, e descobriram que a densidade óssea aumenta – e os casos de osteoporose diminuem – com a adição de soja à dieta. Também houve resultados mistos de estudos que analisaram se essas isoflavonas de soja tiveram ou não um impacto positivo sobre as mulheres que passaram pela menopausa, e pareceram descobrir que, para algumas pessoas, isso ajuda a aliviar coisas como afrontamentos e insônia.

O teor de cálcio do leite de soja

Uma das maiores preocupações para aqueles que mudam do leite leite de vaca para o leite de soja é se eles vão ou não receber cálcio suficiente. Para a maioria dos adultos, a necessidade diária de cálcio é de 1.000 mg, e isso vai até 1.200 mg após os 50 anos de idade. O leite de vaca contém normalmente entre 290 e 300 mg numa porção, enquanto o leite de soja puro, totalmente natural e não fortificado tem apenas cerca de 10 mg. A maioria dos tipos comerciais de leite de soja fortifica seu produto, no entanto, e isso significa que você provavelmente está recebendo entre 150 e 300 mg de cálcio por porção de leite de soja. (Varia muito por marca, por isso não se esqueça de verificar os rótulos).

O conteúdo de cálcio é apenas parte da história, e não importa quanto contém, não lhe vai fazer bem nenhum se o seu corpo não for capaz de o absorver. Felizmente, estudos demonstraram que o tipo de carbonato de cálcio que é normalmente adicionado ao leite de soja é tão prontamente absorvido pelo organismo como o cálcio natural que vem do leite de vacas alimentadas com erva. Se a preocupação com o cálcio ainda o impede de fazer a troca, também deve saber que há uma tonelada de outros alimentos que contêm todo o cálcio que precisa para o dia, incluindo alimentos como figos secos, melaço, couve, laranjas, amêndoas e mingau de aveia.

Foto: Reprodução

Links para o câncer de mama

Os produtos de soja têm sido frequentemente mencionados em conjunto com o cancro da mama. Isso se deve às isoflavonas da soja, suspeitas de imitarem o estrogênio e, por sua vez, acelerarem o progresso e desenvolvimento do câncer de mama. Os estudos têm sido muito, muito variados e parecem mostrar que a relação entre a soja e certos tipos de câncer é incrivelmente complicada.

A Clínica Mayo examinou de perto a relação entre a soja e o câncer de mama em 2016, e descobriu que, na maioria dos casos, uma a duas porções de soja por dia não aumenta a chance de desenvolver câncer de mama, e pode até reduzi-la – mas apenas em alguns casos. Tudo se resume aos diferentes receptores de estrogênio no organismo, e estudos parecem mostrar que a soja reduz o risco de câncer quando associada a alguns receptores, mas não tem efeito sobre outros. Em 2017, os resultados de um estudo que envolveu 6.235 sobreviventes de câncer de mama pareceram descobrir que um alto consumo de soja estava ligado a uma vida mais longa após seu diagnóstico. Isso foi especialmente verdadeiro no caso de mulheres que foram diagnosticadas com um tipo de câncer que não respondia à terapia hormonal, e que o estudo apoiou outras que encontraram o consumo de soja pós-cancerígena feito para uma vida melhor e mais saudável. Embora os cientistas ainda hesitem em chamar a soja e seus produtos de alimento maravilhoso, eles dizem que a crença anterior nos perigos da soja parece infundada, e que ela pode até ser benéfica.

Foto: Reprodução

É fácil de fazer em casa

Qualquer que seja a razão para usar leite de soja, é provável que você ainda esteja um pouco assustado com todos os ingredientes e aditivos listados no rótulo. Felizmente, para quem procura algo não só um pouco mais puro, mas também com a garantia de estar livre de todo aquele açúcar extra, o leite de soja é surpreendentemente fácil de fazer em casa. Só é necessário uma chávena de soja seca e um pouco de água. Purificar os grãos e a água vai dar-lhe a sua base, e depois é só uma questão de esticar a polpa de soja e ferver a mistura restante. O processo de cozedura irá livrar-se do sabor dos grãos crus, e deixá-lo-á com leite de soja puro que se manterá no frigorífico durante alguns dias.

Melhor ainda é a chance de fazer um leite de soja com sabor que pode mudar totalmente o sabor do seu café da manhã, ou qualquer outra coisa a que você decida adicioná-lo. É recomendado adicionar coisas como extrato de amêndoa, baunilha ou mel para lhe dar um sabor mais doce que é mais desejável para qualquer número de paladares, mas quando se trata de sabores, o céu é o limite.

Quando você começar a fazer seu próprio leite de soja, você vai descobrir que o processo vai deixar para trás parte da polpa de soja. Seu primeiro instinto pode ser jogá-lo fora, mas não há razão para isso. Chama-se okara e, na verdade, é um subproduto brando, mas nutricionalmente embalado, do fabrico de leite de soja. É rico em fibras e proteínas, baixo em carboidratos, e acontece que há todo o tipo de coisas que se pode fazer com ele.

Você pode secar o okara que resta da sua produção de leite de soja e moê-lo em uma farinha que age praticamente da mesma forma que qualquer farinha de trigo.

Foto: Reprodução

O impacto ambiental do leite de soja

Você provavelmente já ouviu falar do enorme impacto que as indústrias de gado e de laticínios têm no meio ambiente, e isso inclui tudo, desde a liberação de gás metano até o consumo de energia necessária para fazer tudo, desde criar vacas até pasteurizar o leite e enviá-lo em condições apropriadas de frio. Os grãos de soja têm seu próprio impacto ambiental, então qual é realmente melhor?

Acontece que ambos têm os seus inconvenientes e, no final, quase que igualam. Ao fazer leite de soja comercialmente, há muitos ingredientes que precisam ser embarcados, e como menos produtores o fazem, o produto final geralmente tem que viajar muito mais longe para chegar aos consumidores, também. Se você está realmente preocupado, sua melhor aposta provavelmente é beber a variedade caseira do leite de soja.

Leite de soja e desmatamento

Quando se trata do impacto ambiental do leite de soja, o desmatamento é o outro elefante na sala, por assim dizer. O aumento da demanda por soja e seus produtos significa que áreas inteiras de floresta tropical – especialmente na América Latina e América do Sul – estão sendo destruídas para dar lugar a mais fazendas, mas não é realmente o leite de soja que é o problema.

Produtos como o leite de soja (e tofu) representam apenas uma porcentagem muito pequena do uso da soja. A maioria dos grãos de soja do mundo nem sequer chega às nossas cozinhas, pelo menos, não diretamente. O alto teor de proteína da soja faz dela um ingrediente chave na alimentação do gado, o que significa que na verdade é a indústria da carne que é a principal responsável por elevar a demanda de soja a níveis prejudiciais. A soja é usada em todos os tipos de ração animal, desde a ração usada para animais como frangos, porcos e peixes até mesmo para vacas leiteiras. Embora pareça um pouco bizarro, menos soja pode ser usada em produtos como leite de soja do que em leite de vaca, então se você está preocupado com o desmatamento, o leite de soja é provavelmente o caminho a seguir.

Foto: Reprodução

Reconhecendo uma alergia ao leite de soja

Embora o leite de soja possa ser uma alternativa mais segura para quem tem uma intolerância à lactose, há casos em que pode causar uma reação alérgica. As alergias à soja são mais comuns em crianças entre os 3 meses e os 10 anos de idade, e embora a maioria delas ultrapasse, isto também pode tornar mais difícil o seu diagnóstico.

Os sintomas mais comuns incluem coisas como náuseas, congestão, sintomas semelhantes aos da asma, uma sensação de comichão na boca e até mesmo o desenvolvimento de uma erupção cutânea ou urticária. O diagnóstico de uma alergia à soja pode ser ainda mais difícil pelo fato de que pode levar de alguns minutos a algumas horas para que os sintomas se desenvolvam.

Raramente, uma alergia ao leite de soja pode resultar em anafilaxia, semelhante ao que pensamos que acontece em pessoas alérgicas a frutos secos. Não é comum de forma alguma, mas é potencialmente fatal quando acontece, e pode ser mais provável em pessoas que têm outras alergias ou que têm asma. Tonturas, uma queda na pressão arterial, dificuldade para respirar e um batimento cardíaco rápido são sinais de que há algo errado, e também dizem que se algum desses sintomas ocorrer, é hora de chamar ajuda médica.

Foto: Reprodução

Há um debate sobre chamá-lo de leite

Se há um debate em sua casa sobre se o leite de soja deve ou não substituir aquele bom e velho leite de vaca, você não está sozinho. Em 2017, o Congresso Americano introduziu um projeto de lei chamado Dairy Pride Act, que colocaria um fim às empresas que chamam seus produtos não baseados em animais de “leite”, “iogurte” e “queijo”. O argumento é que é basicamente enganoso, e que permitir à FDA intervir e impedir que o leite de soja seja chamado de leite de soja “protegeria a integridade do leite”.

Uma vez que o leite de soja – e seus outros companheiros não leiteiros – não têm o mesmo conteúdo nutricional que o leite que vem de um animal, afirma-se que chamar-lhe leite é realmente enganoso. A oposição ao projeto de lei argumenta que os recipientes são claramente rotulados e a informação nutricional é completamente divulgada, dando ao consumidor todas as ferramentas necessárias para fazer uma compra educada. O projeto de lei foi apresentado em janeiro, e em março, grupos estavam argumentando que o direito de chamar esses produtos de leite era nada menos que uma questão da Primeira Emenda. Estranhamente, há um pequeno precedente para toda esta questão. Em 2009, um processo contra a Aveia Quaker foi arquivado em grande parte porque os tribunais o consideraram insano. O processo alegava que a rotulagem do Cap’n Crunch Berries implicava que havia fruta verdadeira nos cereais, mas os tribunais decidiram que era tão óbvio que não eram, de facto, bagas, que não havia deturpação.

Foto: Reprodução

Deixe uma resposta