O unicórnio é uma criatura lendária que tem sido descrita desde a antiguidade como uma besta com um único chifre pontiagudo e em espiral que se projeta da sua testa. O unicórnio foi retratado em antigos selos da civilização do Vale do Indo e foi mencionado pelos antigos gregos em relatos de história natural por vários escritores, incluindo Ctesias, Strabo, Plínio o Jovem, Aelian e Cosmas Indicopleustes. A Bíblia também descreve um animal, o re’em, que algumas versões traduzem como unicórnio.

No folclore europeu, o unicórnio é frequentemente representado como um animal branco, semelhante a um cavalo ou a uma cabra, com um chifre longo e, por vezes, barba de cabra. Na Idade Média e no Renascimento, era geralmente descrito como um animal extremamente selvagem da floresta, um símbolo de pureza e graça, que só podia ser capturado por uma virgem. Nas enciclopédias, dizia-se que o seu chifre tinha o poder de tornar potável a água envenenada e de curar doenças. O unicórnio continua a ter um lugar na cultura popular. É frequentemente utilizado como um símbolo de fantasia e magia.

Foram encontradas várias focas aparentemente representando unicórnios da Civilização do Vale do Indo. Selos com um tal desenho são considerados uma marca de alto nível social. Também têm sido interpretadas como representações de aurocas – um tipo de grande gado selvagem que habitava anteriormente a Europa, a Ásia e o Norte de África – ou derivados de aurocas, porque o animal é sempre mostrado em perfil, indicando que pode ter havido outro chifre, que não é visto em perfil.

Imagem: Reprodução

Os unicórnios não se encontram na mitologia grega, mas sim nos relatos da história natural, pois os escritores gregos de história natural estavam convencidos da realidade dos unicórnios, que acreditavam viver na Índia, um reino distante e fabuloso para eles. A descrição mais antiga é de Ctesias, que no seu livro Indika (“On India”) os descreveu como rabos selvagens, frota de pés, com um corno de um côvado e meio (700 mm, 28 polegadas) de comprimento, e coloridos de branco, vermelho e preto.

Ctesias obteve a sua informação enquanto vivia na Pérsia. Foram encontrados unicórnios numa escultura em relevo na antiga capital persa de Persépolis, no Irão. Aristóteles deve estar seguindo Ctesias quando menciona dois animais de um só corno, o órix (uma espécie de antílope) e o chamado “asno indiano” (ἰνδικὸς ὄνος). Antigonus de Carystus também escreveu sobre o “burro indiano de um só corno”. Strabo diz que no Cáucaso havia cavalos de um só corno com cabeça de veado. Plínio o Ancião menciona o órix e um boi indiano (talvez um rinoceronte) como animais de um só cavalo, assim como “um animal muito feroz chamado monoceros, que tem a cabeça do veado, as patas do elefante e a cauda do javali, enquanto o resto do corpo é como o do cavalo; faz um profundo ruído de descida, e tem um único corno preto, que se projeta do meio da testa, dois cúbitos [900 mm, 35 polegadas] de comprimento”. Em On the Nature of Animals (Περὶ Ζῴων Ἰδιότητος, De natura animalium), Aelian, citando Ctesias, acrescenta que a Índia produz também um cavalo de um só corno (iii. 41; iv. 52), e diz (xvi. 20) que o monoceros (grego: μονόκερως) foi por vezes chamado de cartazonos (grego: καρτάζωνος), que pode ser uma forma do karkadann árabe, que significa “rinoceronte”.

Cosmas Indicopleustes, um comerciante de Alexandria que viveu no século VI, fez uma viagem à Índia e, posteriormente, escreveu obras sobre cosmografia. Ele dá uma descrição de um unicórnio baseado em quatro figuras de latão no palácio do rei da Etiópia. Ele afirma, a partir do relatório, que “é impossível tomar viva esta besta feroz; e que toda a sua força está no seu chifre”. Quando se vê perseguida e em perigo de ser capturada, atira-se de um precipício e vira-se tão apropriadamente em queda que recebe todo o choque sobre o corno, escapando assim sã e salva”. O conhecimento medieval da fabulosa besta provinha de fontes bíblicas e antigas, e a criatura era representada de várias maneiras como uma espécie de burro, cabra ou cavalo selvagem.

Imagem: Reprodução

O predecessor do bestiário medieval, compilado na Antiguidade Antiga e conhecido como Physiologus (Φυσιολόγος), popularizou uma elaborada alegoria na qual um unicórnio, preso por uma donzela (representando a Virgem Maria), representava a Encarnação. Assim que o unicórnio a vê, coloca a cabeça no seu colo e adormece. Esta tornou-se uma etiqueta emblemática básica que subjaz às noções medievais do unicórnio, justificando o seu aparecimento em todas as formas de arte religiosa. As interpretações do mito do unicórnio centram-se na tradição medieval dos amantes enganados, enquanto alguns escritores religiosos interpretam o unicórnio e a sua morte como a Paixão de Cristo. Os mitos referem-se a uma besta com um corno que só pode ser domado por uma virgem; subsequentemente, alguns escritores traduziram isto numa alegoria da relação de Cristo com a Virgem Maria.

O unicórnio também figurava em termos corteses: para alguns autores franceses do século XIII, como Thibaut de Champagne e Richard de Fournival, o amante é atraído pela sua senhora como o unicórnio é para a virgem. Com a ascensão do humanismo, o unicórnio adquiriu também significados seculares mais ortodoxos, emblemáticos do amor casto e do casamento fiel. Desempenha este papel no Triunfo da Castidade de Petrarca, e no reverso do retrato de Piero della Francesca de Battista Strozzi, emparelhado com o do seu marido Federico da Montefeltro (pintado c. 1472-74), o carro triunfal de Bianca é desenhado por um par de unicórnios.

A Cadeira do Trono da Dinamarca é feita de “chifres de unicórnio” – quase certamente de presas de baleia narval. O mesmo material foi utilizado para as taças cerimoniais porque se acreditava que o corno do unicórnio continuava a neutralizar o veneno, seguindo os autores clássicos. O unicórnio, domável apenas por uma mulher virgem, estava bem estabelecido na tradição medieval quando Marco Polo os descreveu como “pouco mais pequenos que os elefantes”. Eles têm o pelo de um búfalo e pés como os de um elefante. Têm um único grande chifre preto no meio da testa. Têm uma cabeça como a de um javali… Passam o tempo de preferência a chafurdar na lama e no lodo. São brutos muito feios de se ver. Não são nada como nós os descrevemos quando relatamos que se deixam capturar pelas virgens, mas limpos, ao contrário das nossas noções”. É evidente que o Marco Polo estava a descrever um rinoceronte.

Imagem: Reprodução

O próprio chifre e a substância de que era feito chamava-se alicórnio, e acreditava-se que o chifre tinha propriedades mágicas e medicinais. O médico dinamarquês Ole Worm determinou em 1638 que os alegados alicórnios eram as presas dos narvais. Tais crenças foram examinadas com inteligência e profundidade em 1646 por Sir Thomas Browne na sua Epidemia de Pseudodoxia.

O falso pó de alicórnio, feito a partir de presas de narvais ou chifres de vários animais, foi vendido na Europa para fins medicinais já em 1741. Pensava-se que o alicórnio curava muitas doenças e tinha a capacidade de detectar venenos, e muitos médicos faziam “curas” e vendiam-nas. Os chifres inteiros eram muito preciosos na Idade Média e muitas vezes eram realmente as presas dos narvais.Os chifres inteiros eram muito preciosos na Idade Média e muitas vezes eram realmente as presas dos narvais.

A famosa série gótica tardia de sete enforcamentos de tapeçaria A caça ao Unicórnio é um ponto alto do fabrico europeu de tapeçaria, combinando temas laicos e religiosos. As tapeçarias estão agora penduradas na divisão de Claustros do Metropolitan Museum of Art, em Nova Iorque. Na série, nobres ricamente vestidos, acompanhados por caçadores e cães de caça, perseguem um unicórnio em cenários de edifícios e jardins. Trazem o animal para a baía com a ajuda de uma donzela que o prende com os seus encantos, parecem matá-lo e trazê-lo de volta para um castelo; no último e mais famoso painel, “O Unicórnio em Cativeiro”, o unicórnio é novamente mostrado vivo e feliz, acorrentado a uma romãzeira rodeada por uma cerca, num campo de flores. Os estudiosos conjecturam que as manchas vermelhas nos seus flancos não são sangue, mas sim o sumo das romãzeiras, que eram um símbolo de fertilidade. No entanto, o verdadeiro significado do misterioso unicórnio ressuscitado no último painel não é claro. A série foi tecida cerca de 1500 nos Países Baixos, provavelmente em Bruxelas ou Liège, para um patrono desconhecido. Um conjunto de seis gravuras sobre o mesmo tema, tratadas de forma bastante diferente, foram gravadas pelo artista francês Jean Duvet na década de 1540.

Imagem: Divulgação

Outro famoso conjunto de seis tapeçarias de Dame à la licorne (“Lady with the unicorn”) no Musée de Cluny, Paris, foram também tecidas no Sul da Holanda antes de 1500, e mostram os cinco sentidos (as portas da tentação) e finalmente o Amor (“A mon seul desir” lê-se na lenda), com unicórnios presentes em cada peça. Fac-símiles destas tapeçarias de unicórnio foram tecidos para exibição permanente no Castelo de Stirling, na Escócia, para ocupar o lugar de um conjunto registado no castelo, num inventário do século XVI.

Uma representação variante bastante rara, do final do século XV, da Hortus conclusus na arte religiosa combinou a Anunciação a Maria com os temas da Caça ao Unicórnio e à Virgem e do Unicórnio, tão popular na arte secular. O unicórnio já funcionava como um símbolo da Encarnação e se este significado é pretendido em muitas representações prima facie seculares pode ser uma questão difícil de interpretação erudita. Não existe tal ambiguidade nas cenas em que o arcanjo Gabriel é mostrado soprando um corno, como os cães perseguem o unicórnio nos braços da Virgem, e um pequeno Menino Cristo desce sobre raios de luz de Deus Pai. O Concílio de Trento finalmente proibiu esta representação algo exagerada, se bem que encantadora, em parte com base no realismo, pois ninguém acreditava agora que o unicórnio fosse um verdadeiro animal.

Os estudiosos de Shakespeare descrevem os unicórnios sendo capturados por um caçador em pé em frente a uma árvore, o unicórnio se precipitava na carga; o caçador se afastava no último momento e o unicórnio incorporava profundamente o seu chifre na árvore (Ver anotações de Timão de Atenas, Acto 4, cena 3, c. linha 341: “se fosses o unicórnio, o orgulho e a ira te confundiriam e fariam do teu eu a conquista da tua fúria”).

Imagem: Reprodução

Na heráldica, um unicórnio é frequentemente representado como um cavalo com cascos e barba de cabra, uma cauda de leão e um chifre esguio e em espiral na testa (atributos não equinos podem ser substituídos por equinos, como pode ser visto na galeria seguinte). Seja por ser um emblema da Encarnação ou das temíveis paixões animais da natureza bruta, o unicórnio não era muito utilizado na heráldica precoce, mas tornou-se popular a partir do século XV. Embora, por vezes, se apresente colado e acorrentado, o que pode ser tomado como uma indicação de ter sido domesticado ou temperado, é mais comum mostrar-se colado com uma corrente quebrada, mostrando que se libertou da sua escravidão.

Na heráldica, o unicórnio é mais conhecido como um símbolo da Escócia: acreditava-se que o unicórnio era o inimigo natural do leão – um símbolo que os ingleses reis adotaram cerca de cem anos antes e que também foi escolhido porque era visto como uma besta orgulhosa e altiva que preferia morrer a ser capturada, tal como os escoceses lutariam para se manterem soberanos e não conquistados. Dois unicórnios apoiaram as armas reais do Rei dos Escoceses, e desde a união de 1707 da Inglaterra e da Escócia, as armas reais do Reino Unido têm sido apoiadas por um unicórnio juntamente com um leão inglês. Existem duas versões das armas reais: a utilizada na Escócia dá mais ênfase aos elementos escoceses, colocando o unicórnio à esquerda e dando-lhe uma coroa, enquanto a versão utilizada em Inglaterra e noutros locais dá mais proeminência aos elementos ingleses.

As moedas de ouro conhecidas como unicórnio e meio-unicórnio, ambas com um unicórnio no anverso, foram utilizadas na Escócia nos séculos XV e XVI. No mesmo reino, os unicórnios esculpidos eram frequentemente utilizados como finais nos pilares das cruzes de Mercat, e denotavam que o povoado era um burgo real. Alguns fidalgos como o Conde de Kinnoull receberam autorização especial para utilizar o unicórnio nos seus braços, como reforço de honra. O brasão do Clã Cunningham tem uma cabeça de unicórnio.

Deixe uma resposta