Categorias
Geral

Tâmara: Conheça os benefícios

Phoenix dactylifera, vulgarmente conhecida como tamareira, é uma espécie de planta florida da família das palmeiras, Arecaceae, cultivada pelo seu fruto doce comestível, a tâmara. Embora o seu local exato de origem seja incerto devido ao seu longo cultivo, provavelmente teve origem na região do Crescente Fértil que se encontra entre o Egito e a Mesopotâmia. A espécie é amplamente cultivada no Norte de África, Médio Oriente, Corno de África e Sul da Ásia, e é naturalizada em muitas regiões tropicais e subtropicais em todo o mundo. P. dactylifera é a espécie do gênero Phoenix, que contém 12-19 espécies de tamareiras selvagens, e é a principal fonte de produção comercial.

Os pés de tâmara atingem normalmente cerca de 21-23 metros (69-75 pés) de altura, crescendo isoladamente ou formando uma touceira com vários caules a partir de um único sistema radicular. As tâmaras são ovais-cilíndricas, de 3 a 7 centímetros de comprimento e cerca de 2,5 centímetros de diâmetro, variando de vermelho vivo a amarelo vivo, dependendo da variedade. São muito doces, contendo cerca de 75 por cento de açúcar quando secos.

As tâmaras têm sido um alimento básico do Oriente Médio e do Vale do Indo por milhares de anos. Há evidências arqueológicas do cultivo de tâmaras na Arábia desde o 6º milênio a.C. A produção mundial total anual de tâmaras é de 8,5 milhões de toneladas, sendo os países do Oriente Médio e do Norte da África os maiores produtores.

Foto: Reprodução

Os registos fósseis mostram que a palmeira-das-tâmaras existe há pelo menos 50 milhões de anos. As tâmaras têm sido um alimento básico do Oriente Médio e do Vale do Indo por milhares de anos. Há evidências arqueológicas do cultivo de tâmara na Arábia Oriental entre 5530 e 5320 calBC. Acredita-se que eles são originários do que é hoje o Iraque, e têm sido cultivados desde os tempos antigos, desde a Mesopotâmia até a pré-história do Egito. Os antigos egípcios usavam os frutos para fazer vinho tâmara, e comiam-nos na vindima.

Há evidências arqueológicas do cultivo de tâmaras em Mehrgarh por volta de 7000 a.C., uma civilização neolítica no que é hoje o Paquistão ocidental. Evidências de cultivo são continuamente encontradas em civilizações posteriores no Vale do Indo, incluindo o período Harappan de 2600 a.C. a 1900 a.C.

Na Roma Antiga as frondes de palmeira usadas nas procissões triunfantes para simbolizar a vitória eram muito provavelmente as de Phoenix dactylifera. A tamareira era uma planta de jardim popular nos jardins do peristilo romano, embora não desse frutos no clima mais temperado da Itália. É reconhecida nos frescos de Pompeia e em outros lugares da Itália, incluindo uma cena de jardim da Casa do Casamento de Alexandre.

Foto: Reprodução

Em tempos posteriores, os comerciantes espalharam tâmaras pelo Sudoeste Asiático, Norte de África e Espanha. As tâmaras foram introduzidas no México e na Califórnia pelos espanhóis em 1765, em torno da Missão San Ignacio.

Uma cultivar de palmeira-das-tâmaras, provavelmente o que costumava ser chamado de palmeira-das-tâmaras judaica, é conhecida pela sua semente ortodoxa de longa duração, que brotou com sucesso após armazenamento acidental durante 2000 anos. O limite superior do tempo de sobrevivência das sementes devidamente armazenadas permanece desconhecido.

Um estudo genômico da Universidade de Nova York, Abu Dhabi Center for Genomics and Systems Biology mostrou que as variedades domesticadas de palmeiras tâmaras do Norte da África, incluindo variedades bem conhecidas como Medjool e Deglet Nour, são um híbrido entre as palmeiras tâmaras do Oriente Médio e a palmeira selvagem Cretan P. theophrasti. As tamareiras aparecem no registo arqueológico do Norte de África há cerca de 2.800 anos, sugerindo que o híbrido foi propagado pelos Minoanos ou Fenícios.

Foto: Reprodução

As tâmaras atingem normalmente cerca de 21-23 metros de altura, crescendo isoladamente ou formando uma touceira com vários caules de um único sistema radicular. As folhas têm de 4-6 metros de comprimento, com espinhos no pecíolo, e pinadas, com cerca de 150 folíolos. Os folhetos têm 30 cm de comprimento e 2 cm de largura. A extensão total da coroa varia de 6-10 m (20-33 pés).

A tamareira é dioicia, com plantas machos e fêmeas separadas. Podem ser facilmente cultivadas a partir de sementes, mas apenas 50% das plântulas serão fêmeas e, portanto, darão frutos, e as tâmaras das plântulas são frequentemente mais pequenas e de qualidade inferior. A maioria das plantações comerciais usa, portanto, estacas de cultivares de culturas intensivas. As plantas cultivadas a partir de estacas frutificarão 2-3 anos mais cedo do que as plântulas.

As tâmaras são naturalmente polinizadas pelo vento, mas tanto na horticultura tradicional do oásis como nos pomares comerciais modernos são totalmente polinizadas manualmente. A polinização natural ocorre com cerca de um número igual de plantas machos e fêmeas. No entanto, com ajuda, um macho pode polinizar até 100 fêmeas. Uma vez que os machos só têm valor como polinizadores, isto permite aos cultivadores utilizar os seus recursos para muito mais plantas fêmeas produtoras de frutos. Alguns cultivadores nem sequer mantêm plantas masculinas, visto que as flores masculinas ficam disponíveis nos mercados locais na altura da polinização. A polinização manual é feita por operários qualificados em escadas, ou pelo uso de uma máquina de vento. Em algumas áreas como o Iraque o polinizador trepa a árvore usando uma ferramenta especial de escalada que envolve o tronco e as costas do trepador para mantê-lo preso ao tronco enquanto trepa.

Foto: Reprodução

Os frutos são ovais-cilíndricos, de 3-7 cm (1,2-2,8 pol) de comprimento, e 2-3 cm (0,79-1,18 pol) de diâmetro, e quando maduros, variam de vermelho vivo a amarelo vivo, dependendo da variedade. As tâmaras contêm uma única pedra com cerca de 2-2,5 cm (0,8-1,0 pol.) de comprimento e 6-8 mm (0,2-0,3 pol.) de espessura. Existem três grupos principais de tâmaras: macias (por exemplo, ‘Barhee’, ‘Halawy’, ‘Khadrawy’, ‘Medjool’); semi-secas (por exemplo, ‘Dayri’, ‘Deglet Nour’, ‘Zahdi’), e secas (por exemplo, ‘Thoory’). O tipo de fruta depende do teor de glicose, frutose e sacarose.

As tâmaras são uma importante cultura tradicional no Iraque, Irão, Arábia e norte de África a oeste de Marrocos. As tâmaras (especialmente Medjool e Deglet Noor) também são cultivadas na América no sul da Califórnia, Arizona e sul da Flórida nos Estados Unidos e em Sonora e Baja California no México.

As tamareiras podem levar de 4 a 8 anos após o plantio antes de darem frutos e começarem a produzir rendimentos viáveis para a colheita comercial entre 7 e 10 anos. As palmas tâmaras maduras podem produzir entre 70 e 140 kg de tâmaras por época de colheita. Não amadurecem todas ao mesmo tempo, pelo que são necessárias várias colheitas. Para obter frutos de qualidade comercializável, os cachos de tâmaras devem ser desbastados e ensacados ou cobertos antes de amadurecerem para que os frutos restantes cresçam maiores e estejam protegidos das intempéries e dos animais que também os comem, tais como as aves.

Foto: Reprodução

As tâmaras secas ou macias são comidas fora de mão, ou podem ser picadas e recheadas com recheios como amêndoas, nozes, castanhas, casca de laranja cristalizada e de limão, tahini, maçapão ou creme de queijo. As tâmaras sem caroço também são referidas como tâmaras sem caroço. As tâmaras sem caroço parcialmente secas podem ser vidradas com xarope de glucose para uso como snack food. As tâmaras também podem ser picadas e utilizadas numa variedade de pratos doces e salgados, desde tajines (tagines) em Marrocos até pudins, ka’ak (tipos de biscoitos árabes) e outros artigos de sobremesa. O pão de nozes tâmaras, um tipo de bolo, é muito popular nos Estados Unidos, especialmente em épocas festivas. As tâmaras também são processadas em cubos, pasta chamada “ajwa, spread, xarope de tâmaras ou “mel” chamado “dibs” ou esfregar na Líbia, pó (açúcar de tâmaras), vinagre ou álcool. O vinagre feito de tâmaras é um produto tradicional do Oriente Médio. As inovações recentes incluem tâmaras cobertas de chocolate e produtos como suco de tâmaras com gás, usado em alguns países islâmicos como versão não alcoólica de champanhe, para ocasiões especiais e tempos religiosos como o Ramadã. Quando os muçulmanos partem depressa na refeição da noite do Ramadão, é tradicional comer primeiro uma tâmara.

Refletindo a herança comercial marítima da Grã-Bretanha, as tâmaras picadas importadas são adicionadas ou constituem a base principal de uma variedade de receitas de sobremesas tradicionais, incluindo pudim de caramelo pegajoso, pudim de Natal e tâmara e pão de nozes. Eles estão particularmente disponíveis para comer inteiro na época do Natal. As tâmaras são um dos ingredientes do HP Sauce, um popular condimento britânico. As tâmaras também podem ser desidratadas, moídas e misturadas com grãos para formar um caldo nutritivo.

No sudeste da Espanha (onde existe uma grande plantação de tâmaras incluindo o Palmeral de Elche protegido pela UNESCO) as tâmaras (geralmente picadas com amêndoa frita) são servidas embrulhadas em bacon e fritas, servidas com molho de rancho.

Foto: Reprodução

Em Israel, o xarope de tâmaras, denominado silan, é utilizado na cozedura de frango e também para doces e sobremesas, e como substituto do mel. As tâmaras também são um dos ingredientes do jallab, uma xarope de frutas do Oriente Médio. No Paquistão, uma xarope viscos e espesso feito a partir das tâmaras maduras é usado como revestimento para sacos e canos de couro para evitar vazamentos.

Todas as evidências apontam para o fato de que, para melhorar a saúde, você deve evitar alimentos açucarados. Estudos mostram que comer açúcar refinado causa esgotamento energético, também conhecido como a temida “quebra do açúcar” quando calorias vazias usam as vitaminas e minerais do nosso corpo para transformá-lo em combustível. Pense nisto como um cartão de crédito para o seu corpo. Em vez de usar os seus recursos para construir saúde, o açúcar refinado usa os seus recursos e cria um défice!

A boa notícia é que a natureza nos proporciona uma nutrição incrível em embalagens muito doces. Uma das minhas favoritas são as tâmaras, pois são um lanche fácil e portátil que combina fabulosamente com nozes. As tâmaras fornecem os nutrientes que você precisa, ao mesmo tempo em que satisfazem os seus dentes doces.

Foto: Reprodução

Aqui estão cinco razões para comer mais tâmaras:

As tâmaras são uma fonte de antioxidantes

Todas as tâmaras, frescas ou secas, contêm diferentes tipos de antioxidantes. As tâmaras frescas contêm antocianidinas e carotenoides, enquanto que as tâmaras secas contêm polifenóis – tal como o chá verde. Experiências em química alimentar mostram que as tâmaras Khalas (também conhecidas como Madina) são mais altas em antioxidantes quando comparadas com outras variedades de tâmaras.

As tâmaras podem ser boas para o equilíbrio do açúcar no sangue

Os pesquisadores de diabetes mostraram que as tâmaras têm um baixo impacto glicêmico. Isto significa que comer tâmaras sozinhas, ou com uma refeição, pode ajudar as pessoas com diabetes tipo 2 a controlar os níveis de açúcar no sangue e de gordura no sangue. Seis a oito tâmaras Tamer podem ser comidas de uma só vez, sem mudanças dramáticas no açúcar no sangue.

Foto: Reprodução

As tâmaras podem ajudar a reduzir a pressão sanguínea

Uma dose padrão de cinco ou seis tâmaras fornece cerca de 80 miligramas de magnésio, um mineral essencial que ajuda a dilatar os vasos sanguíneos. Pesquisas mostram que o suplemento com 370 miligramas de magnésio pode reduzir a pressão sanguínea. No entanto, tomar uma dose tão grande de uma só vez causa frequentemente diarreia. As tâmaras são uma forma deliciosa de aumentar a sua ingestão de magnésio de forma mais suave.

As tâmaras poder dar um reforço ao cérebro

Cada pequena tâmara contém mais de dois miligramas de colina, uma vitamina B que é um componente da acetilcolina, o neurotransmissor de memória. Uma maior ingestão de colina está associada a uma melhor memória e aprendizagem, tornando-a um nutriente chave para crianças e adultos mais velhos em risco de contrair Alzheimer.

As tâmaras ajudam a manter a massa óssea

Pesquisas mostram que a perda óssea em mulheres com osteopenia após a menopausa pode ser reduzida através do aumento da ingestão de potássio. Uma tâmara seca fornece quase 140 miligramas deste valioso nutriente. Os cientistas acreditam que a ingestão elevada de potássio protege a massa óssea, reduzindo a quantidade de cálcio excretado através dos rins.

Deixe uma resposta