A Salvia rosmarinus, vulgarmente conhecida como alecrim, é uma erva lenhosa e perene com folhas perfumadas, sempre verdes, semelhantes a agulhas e flores brancas, cor-de-rosa, roxas ou azuis, nativa da região mediterrânica. Até 2017, era conhecida pelo nome científico Rosmarinus officinalis, hoje sinônimo.

O alecrim é um membro da família Lamiaceae, juntamente com muitas outras ervas, tais como oréganos, tomilho, manjericão e lavanda. Os primeiros registros do uso do alecrim como erva medicinal datam dos tempos antigos nas civilizações que circundam o Mar Mediterrâneo. Pensava-se que a erva tinha efeitos fortes na memória e no fortalecimento da mente. Relatos posteriores incluem o da Rainha Isabel da Hungria, que afirmou que beber água de alecrim levou à sua longevidade, pois ela viveu além dos 70 anos de idade enquanto sofria de gota e distúrbios reumáticos. Outros usos históricos da erva incluem a sua queima para purificar o ar perto de pessoas doentes para evitar infecções durante a peste, e também foi usada pelos franceses para matar germes durante a Segunda Guerra Mundial (utilizando as suas propriedades aromáticas/óleos essenciais).

A erva não só cai bem em pratos culinários, como frango e cordeiro, como também é uma boa fonte de ferro, cálcio e vitamina B-6. É normalmente preparada como erva seca inteira ou um extrato em pó seco, enquanto chás e extratos líquidos são feitos de folhas frescas ou secas. Uma gama de produtos de alecrim está disponível para compra online.

Foto: Reprodução

O alecrim tem sido saudada desde os tempos antigos pelas suas propriedades medicinais. O alecrim era tradicionalmente usado para ajudar a aliviar dores musculares, melhorar a memória, impulsionar o sistema imunitário e circulatório e promover o crescimento do cabelo. O nome “rosmaninho” deriva do latim Rosmarinus marinus (“orvalho do mar”). A planta é também chamada às vezes de anthos, da antiga palavra grega ἄνθος, que significa “flor”. O nome “rosmaninho” deriva do latim Rosmarinus marinus (“orvalho do mar”). A planta é também chamada às vezes de anthos, da antiga palavra grega ἄνθος, que significa “flor”. O alecrim tem um sistema radicular fibroso.

O alecrim é um arbusto aromático sempre verde com folhas semelhantes a agulhas de cicuta. É nativo do Mediterrâneo e da Ásia, mas é razoavelmente robusto em climas frios. Pode suportar secas, sobrevivendo a uma severa falta de água durante longos períodos de tempo. Em algumas partes do mundo, é considerada uma espécie potencialmente invasiva. As sementes são frequentemente difíceis de iniciar, com uma baixa taxa de germinação e um crescimento relativamente lento, mas a planta pode viver até 30 anos.

As formas verticais podem atingir 1,5 m de altura, raramente 2 m de altura. As folhas são sempre verdes, 2-4 cm de comprimento e 2-5 mm de largura, verdes acima, e brancas abaixo, com cabelos densos, curtos e lanosos.

Foto: Reprodução

O alecrim floresce na primavera e verão em climas temperados, mas as plantas podem estar em constante floração em climas quentes; as flores são brancas, rosadas, roxas ou azuis profundas. O alecrim também tem tendência a florescer fora da época normal de floração; é conhecido por florescer no início de Dezembro e em meados de Fevereiro (no hemisfério norte).

A Salvia rosmarinus é agora considerada uma das muitas centenas de espécies do gênero Salvia. Anteriormente foi colocada num gênero muito mais pequeno, o Rosmarinus, que continha apenas duas a quatro espécies incluindo R. officinalis, que é agora considerado um sinônimo de S. rosmarinus. A outra espécie mais frequentemente reconhecida é a Salvia jordanii (anteriormente Rosmarinus eriocalyx), do Magrebe de África e da Península Ibérica.

O nome da rosmarinus marinus é o antigo nome da planta em latim clássico. Elizabeth Kent observou na sua Flora Domestica (1823), “O nome botânico desta planta é composto por duas palavras em latim, que significam Sea-dew; e de facto o rosmaninho prospera melhor junto ao mar”. Tanto o nome original como o atual gênero da espécie foram aplicados pelo naturalista e taxonomista fundador do século XVIII Carl Linnaeus.

Foto: Reprodução

A primeira menção ao alecrim é encontrada em placas de pedra cuneiforme já em 5000 AC. Depois disso não se sabe muito, exceto que os egípcios o usavam em seus rituais de enterro. Não há mais menção do alecrim até os antigos gregos e romanos. Plínio o Ancião (23-79 d.C.) escreveu sobre ele em A História Natural, assim como Pedanius Dioscorides (c. 40 a c. 90), um botânico grego (entre outras coisas).

A erva chegou então ao leste da China e naturalizou-se lá já em 220 d.C., durante o final da dinastia Han. O alecrim chegou à Inglaterra numa data desconhecida; os romanos provavelmente o trouxeram quando invadiram no primeiro século, mas não há registros viáveis sobre a chegada do rosmaninho à Grã-Bretanha até o século VIII. Isto foi creditado a Carlos Magno, que promoveu as ervas em geral, e ordenou que o alecrim fosse cultivado em jardins e fazendas monásticas.

Além disso, também não há registros de alecrim sendo devidamente naturalizado na Grã-Bretanha até 1338, quando recortes foram enviados pela Condessa de Hainault, Jeanne de Valois (1294-1342) à Rainha Phillippa (1311-1369), esposa de Eduardo III. Incluía uma carta que descrevia as virtudes do rosmaninho e outras ervas que acompanhavam o presente. O manuscrito original pode ser encontrado no Museu Britânico. O presente foi então plantado no jardim do antigo palácio de Westminster. Depois disso, o alecrim é encontrado na maioria dos textos de ervas inglesas e é amplamente utilizado para fins medicinais e culinários.

O alecrim chegou finalmente às Américas com os primeiros colonos europeus no início do século XVII. Logo se espalhou pela América do Sul e distribuição global.

Foto: Reprodução

Após o cultivo, as folhas, galhos e ápices florais são extraídos para uso. O alecrim é usado como planta decorativa em jardins onde pode ter efeitos de controle de pragas. As folhas são usadas para aromatizar vários alimentos, como recheios e carnes assadas.

Por ser atraente e tolerante à seca, o alecrim é usado como planta ornamental em jardins e para paisagismo xeriscape, especialmente em regiões de clima mediterrâneo. É considerado fácil de cultivar e resistente a pragas. O alecrim pode crescer bastante e reter atrativos durante muitos anos, pode ser podado em formas formais e sebes baixas, e tem sido utilizado para topiarias. É fácil de cultivar em vasos. As cultivares de cobertura do solo espalham-se amplamente, com uma textura densa e durável.

O alecrim cresce em solo de argila com boa drenagem, em posição aberta e ensolarada. Não suportará o alagamento e algumas variedades são susceptíveis à geada. Cresce melhor em condições neutras a alcalinas (pH 7-7,8), com fertilidade média. Pode ser propagada a partir de uma planta existente, cortando um rebento (de um novo crescimento suave) de 10-15 cm de comprimento, retirando algumas folhas do fundo, e plantando-a diretamente no solo.

Foto: Reprodução

As folhas de alecrim são usadas como aromatizantes nos alimentos, tais como recheio e assado de cordeiro, porco, galinha e peru. As folhas frescas ou secas são utilizadas na cozinha tradicional mediterrânica. Elas têm um sabor amargo e adstringente e um aroma característico que complementa muitos alimentos cozinhados. O chá de ervas pode ser feito a partir das folhas. Quando assado com carnes ou legumes, as folhas conferem um aroma de mostarda com uma fragrância adicional de madeira carbonizada que combina bem com os alimentos grelhados.

Em quantidades tipicamente usadas para aromatizar alimentos, como uma colher de chá (1 grama), o alecrim não fornece nenhum valor nutricional. O extrato de alecrim mostrou melhorar a vida útil e a estabilidade térmica dos óleos ricos em ômega 3, que são propensos ao ranço.

O alecrim (Rosmarinus officinalis) é uma erva comumente usada na cozinha de salgados. O alecrim é um ingrediente chave em muitos molhos para massas, receitas de pizza e vinagretes. A erva lenhosa perene também tem uma longa história de ser usada para benefícios medicinais e de saúde. Alguns, mas não todos estes benefícios para a saúde, são apoiados por evidências científicas. Aprenda mais sobre como adicionar alecrim à sua dieta tanto para o sabor como para a saúde.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios do alecrim para a saúde?

Em laboratório, o alecrim é conhecido por ter efeitos antimicrobianos e antioxidantes nos animais. No entanto, não é claro se estes benefícios do alecrim ocorrem em humanos. O alecrim tem sido utilizado em medicina alternativa para tratar ou melhorar certas condições médicas.

Seguem-se as condições em que os investigadores têm aplicado os efeitos do alecrim; embora alguns tenham uma ligação mais forte com o alecrim para potenciais benefícios para a saúde do que outros, é necessária mais investigação sobre o efeito do alecrim em geral.

Previne a perda de cabelo

Pesquisas iniciais sugerem que a aplicação de óleo de alecrim no couro cabeludo é tão eficaz quanto o minoxidil para aumentar a contagem de cabelos em pessoas com calvície de padrão masculino. Em um estudo de pesquisa, pessoas que massageavam o alecrim e outros óleos essenciais (lavanda, tomilho e madeira de cedro) mostraram melhora após sete meses. Contudo, não é claro se foi o alecrim que proporcionou um benefício.

Foto: Reprodução

Artrite

Segundo a Universidade da Pensilvânia, óleos contendo alecrim têm sido usados para aliviar dores musculares e articulares associadas à artrite e também para melhorar a circulação. Algumas pesquisas iniciais mostram que tomar um produto contendo alecrim, lúpulo e ácido oleanólico pode reduzir a dor associada com a artrite. Mais pesquisas são necessárias para confirmar o benefício.

Dano renal diabético (Nefropatia)

Algumas pesquisas sugerem que a ingestão de um produto contendo alecrim, centauro e amor pode ser capaz de diminuir a quantidade de proteína na urina quando tomado com medicamentos antidiabetes padrão. A proteína na urina é um marcador para doenças renais em pacientes diabéticos.

Cansaço mental

As primeiras pesquisas mostram que tomar alecrim não melhora a atenção ou a energia mental em adultos com baixos níveis de energia. No entanto, os resultados dos estudos variam. Outros estudos mostram que pode reduzir o stress da tomada de testes e aliviar a ansiedade.

Foto: Reprodução

Fibromialgia

Embora se pensasse que o alecrim poderia melhorar os efeitos da fibromialgia, pesquisas iniciais sugerem que tomar um produto contendo alecrim, lúpulo e ácido oleanólico não melhora, na verdade, os sintomas da fibromialgia.

Doença da gengivite

Pesquisas iniciais mostram que um colutório herbal contendo alecrim e outros ingredientes ajuda a reduzir o sangramento gengival e o inchaço em pessoas com doenças gengivais quando usado duas vezes ao dia após as refeições durante duas semanas.

Baixa pressão arterial (Hipotensão)

Um estudo preliminar demonstrou que tomar óleo de alecrim pode aumentar temporariamente a pressão arterial em pessoas com hipotensão, mas o benefício foi temporário.

Outros usos populares do alecrim incluem o tratamento de:

  • Tosse
  • Eczema
  • Gás
  • Gota
  • Dor de cabeça
  • Pressão arterial elevada
  • Aumento do fluxo menstrual
  • Indigestão
  • Problemas de fígado e vesícula biliar

Finalmente, o alecrim tem sido usado para induzir um aborto ou aumentar o fluxo menstrual. No entanto, também não existem evidências suficientes para apoiar estes usos do alecrim.

Foto: Reprodução

Fatos nutricionais sobre o alecrim

Quando você cozinha com alecrim, você pode usar o tempero moído seco ou alecrim fresco da seção de produtos do mercado. Os factos nutricionais variam ligeiramente porque a concentração é diferente em cada versão, mas o uso do alecrim nos alimentos não é susceptível de fazer uma diferença substancial na contagem calórica ou na composição nutricional da sua refeição.

Uma porção de uma colher de sopa de alecrim seco fornece pouco menos de 11 calorias, de acordo com os dados da USDA. A maioria dessas calorias vem de carboidratos em forma de fibra, mas o alecrim não é uma fonte significativa de carboidratos, açúcar ou fibra.

Uma porção típica de uma colher de sopa de alecrim também não é provável que forneça micronutrientes significativos. No entanto, você receberá uma pequena quantidade de vitamina A, vitamina C, vitamina B6, e folato. Os minerais do alecrim incluem cálcio, ferro e magnésio, e manganês.

Foto: Reprodução

Possíveis efeitos colaterais do alecrim

Quando usado em quantidades típicas para aromatizar alimentos, o alecrim é provavelmente seguro para a maioria das pessoas. Também é possivelmente seguro quando usado medicinalmente em doses apropriadas por um curto período de tempo. De acordo com fontes médicas, uma dose típica de folha de alecrim é de 4 a 6 gramas por dia. Eles aconselham que o óleo essencial de alecrim não deve ser usado internamente.

Existem alguns relatos de reações alérgicas ao alecrim quando tomado em doses elevadas. Os efeitos secundários podem incluir vômitos, espasmos, coma e, em alguns casos, líquido nos pulmões. Finalmente, as doses de alecrim não devem ser usadas por mulheres grávidas ou que desejem engravidar.

Deixe uma resposta