Categorias
Geral

Reciclagem: Conheça o processo e os benefícios p/ o mundo

A reciclagem é o processo de conversão de materiais residuais em novos materiais e objetos. É uma alternativa à eliminação “convencional” de resíduos que pode poupar material e ajudar a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa. A reciclagem pode evitar o desperdício de materiais potencialmente úteis e reduzir o consumo de matérias-primas frescas, reduzindo assim: o consumo de energia, a poluição do ar (por incineração) e a poluição da água (por deposição em aterro).

A reciclagem é um componente-chave da moderna redução de resíduos e é o terceiro componente da hierarquia de resíduos “Reduzir, Reutilizar e Reciclar”. Assim, a reciclagem visa a sustentabilidade ambiental, substituindo a entrada de matérias-primas e redirecionando a produção de resíduos para fora do sistema econômico.

Existem algumas normas ISO relacionadas com a reciclagem, tais como a ISO 15270:2008 para resíduos plásticos e a ISO 14001:2015 para o controlo da gestão ambiental das práticas de reciclagem.

Foto: Reprodução

Os materiais recicláveis incluem muitos tipos de vidro, papel, papelão, metal, plástico, pneus, têxteis, baterias e eletrônicos. A compostagem ou outra reutilização de resíduos biodegradáveis, como alimentos ou resíduos de jardim, é também uma forma de reciclagem. Os materiais a serem reciclados são entregues a um centro de reciclagem doméstico ou coletados em silos, depois separados, limpos e reprocessados em novos materiais destinados à fabricação de novos produtos.

No sentido mais estrito, a reciclagem de um material produziria um fornecimento fresco do mesmo material – por exemplo, o papel de escritório usado seria convertido em papel de escritório novo ou a espuma de poliestireno usado em poliestireno novo. Isto é conseguido ao reciclar certos tipos de materiais, tais como latas metálicas, que podem se tornar uma lata de novo e novamente, infinitamente, sem perder a pureza do produto.

Contudo, isto é muitas vezes difícil ou muito caro (em comparação com a produção do mesmo produto a partir de matérias-primas ou outras fontes), pelo que a “reciclagem” de muitos produtos ou materiais envolve a sua reutilização na produção de materiais diferentes (por exemplo, cartão de papel). Outra forma de reciclagem é a recuperação de certos materiais de produtos complexos, seja devido ao seu valor intrínseco (como o chumbo das baterias de automóveis ou o ouro das placas de circuito impresso), seja devido à sua natureza perigosa (por exemplo, remoção e reutilização de mercúrio de termômetros e termostatos).

Foto: Reprodução

A reciclagem tem sido uma prática comum na maior parte da história da humanidade, com defensores registrados desde Platão, no século IV a.C. Durante períodos em que os recursos eram escassos e difíceis de obter, estudos arqueológicos de antigas lixeiras mostram menos resíduos domésticos (como cinzas, ferramentas quebradas e cerâmica) – o que implicava em mais resíduos sendo reciclados na ausência de material novo.

Na época pré-industrial, há evidências de sucata de bronze e outros metais sendo coletados na Europa e derretidos para reutilização perpétua. A reciclagem de papel foi registada pela primeira vez em 1031 quando as lojas japonesas vendiam papel reciclado. Na Grã-Bretanha, o pó e as cinzas da madeira e dos fogos de carvão eram coletados como material de base utilizado na fabricação de tijolos. O principal motor para este tipo de reciclagem foi a vantagem econômica de obter matéria-prima reciclada em vez de adquirir material virgem, bem como a falta de remoção de resíduos públicos em áreas cada vez mais densamente povoadas. Em 1813, a Lei Benjamin desenvolveu o processo de transformar os trapos em lã de “má qualidade” e “mungo” em Batley, Yorkshire. Este material combinava fibras recicladas com lã virgem. A indústria de fibras de madeira de West Yorkshire em cidades como Batley e Dewsbury durou desde o início do século XIX até, pelo menos, 1914.

A industrialização estimulou a demanda por materiais acessíveis; além dos trapos, os metais ferrosos eram cobiçados por serem mais baratos de adquirir do que o minério virgem. As ferrovias tanto compraram como venderam sucata metálica no século 19, e as indústrias siderúrgica e automobilística em crescimento compraram sucata no início do século 20. Muitos bens secundários eram coletados, processados e vendidos por ambulantes que vasculhavam lixões e ruas da cidade em busca de máquinas, panelas, panelas e outras fontes de metal descartado. Na Primeira Guerra Mundial, milhares desses vendedores ambulantes percorriam as ruas das cidades americanas, aproveitando as forças do mercado para reciclar materiais pós-consumo de volta para a produção industrial.

Foto: Reprodução

As garrafas de bebidas eram recicladas com um depósito reembolsável em alguns fabricantes de bebidas na Grã-Bretanha e Irlanda por volta de 1800, notadamente a Schweppes. Um sistema oficial de reciclagem com depósitos reembolsáveis foi estabelecido na Suécia para garrafas em 1884 e latas de alumínio para bebidas em 1982; a lei levou a uma taxa de reciclagem para recipientes de bebidas de 84-99 por cento, dependendo do tipo, e uma garrafa de vidro pode ser reabastecida mais de 20 vezes, em média.

Novas indústrias químicas criadas no final do século XIX inventaram novos materiais e prometeram transformar materiais sem valor em materiais valiosos. Proverbialmente, não se podia fazer uma bolsa de seda da orelha de uma porca até que a firma americana Arthur D. Little publicou em 1921 “On the Making of Silk Purses from Sow’ Ears”, sua pesquisa provando que quando “a química veste o macacão e começa a fazer negócios … aparecem novos valores. Novos e melhores caminhos se abrem para alcançar os objetivos desejados”.

A reciclagem (ou “salvamento”, como era então normalmente conhecida) foi uma questão importante para os governos durante a Segunda Guerra Mundial. Restrições financeiras e escassez significativa de material devido aos esforços de guerra tornaram necessário que os países reutilizassem bens e reciclassem materiais. Essa escassez de recursos causada pelas guerras mundiais, e outras ocorrências que mudaram o mundo, encorajou muito a reciclagem. As lutas de guerra reclamaram grande parte dos recursos materiais disponíveis, deixando pouco para a população civil.

Foto: Reprodução

Tornou-se necessário que a maioria das casas reciclassem os seus resíduos, pois a reciclagem oferecia uma fonte extra de materiais permitindo às pessoas aproveitar ao máximo o que estava disponível para elas. Reciclar materiais domésticos significava mais recursos para os esforços de guerra e uma maior chance de vitória. Campanhas maciças de promoção do governo, como a Campanha Nacional de Salvação na Grã-Bretanha e a campanha Salvação pela Vitória nos Estados Unidos, foram realizadas na frente doméstica em todas as nações combativas, incitando os cidadãos a doar metal, papel, trapos e borracha como uma questão de patriotismo.

Um investimento considerável em reciclagem ocorreu nos anos 70, devido ao aumento dos custos de energia. A reciclagem do alumínio utiliza apenas 5% da energia requerida pela produção virgem; vidro, papel e outros metais têm economias de energia menos dramáticas, mas muito significativas quando se utiliza matéria-prima reciclada.

Embora a eletrônica de consumo, como a televisão, seja popular desde os anos 20, a sua reciclagem era quase inédita até o início de 1991. O primeiro esquema de reciclagem de lixo eletrônico foi implementado na Suíça, começando com a coleta de refrigeradores antigos, mas gradualmente expandindo-se para cobrir todos os aparelhos. Após a criação destes esquemas, muitos países não tinham capacidade para lidar com a enorme quantidade de lixo eletrônico que geravam ou com a sua natureza perigosa. Eles começaram a exportar o problema para os países em desenvolvimento sem a aplicação da legislação ambiental.

Foto: Reprodução

Isto é mais barato, pois a reciclagem de monitores de computador nos Estados Unidos custa 10 vezes mais do que na China. A demanda na Ásia por lixo eletrônico começou a crescer quando os pátios de sucata descobriram que podiam extrair substâncias valiosas como cobre, prata, ferro, silício, níquel e ouro, durante o processo de reciclagem. Nos anos 2000, houve um grande aumento tanto na venda de dispositivos eletrônicos quanto no seu crescimento como fluxo de resíduos: em 2002, o lixo eletrônico cresceu mais rapidamente do que qualquer outro tipo de resíduo na UE. Isto provocou um investimento em instalações modernas e automatizadas para fazer face ao afluxo de aparelhos redundantes, especialmente depois da implementação de leis rigorosas em 2003.

A partir de 2014, a União Europeia tinha cerca de 50% da quota mundial das indústrias de resíduos e reciclagem, com mais de 60.000 empresas a empregar 500.000 pessoas, com um volume de negócios de 24 mil milhões de euros. Os países têm de atingir taxas de reciclagem de pelo menos 50%, enquanto os países líderes rondavam os 65% e a média da UE era de 39% a partir de 2013. A média da UE tem vindo a aumentar de forma constante, para 45% em 2015.

Em 2018, as mudanças no mercado de reciclagem provocaram uma “crise” global na indústria. Em 31 de dezembro de 2017, a China anunciou sua política “National Sword”, estabelecendo novos padrões para a importação de material reciclável e proibindo materiais que eram considerados muito “sujos” ou “perigosos”. A nova política causou perturbações drásticas no mercado global de reciclagem e reduziu os preços da sucata plástica e do papel de baixa qualidade.

Foto: Reprodução

As exportações de materiais recicláveis dos países do G7 para a China caíram drasticamente, com muitas exportações se deslocando para países do sudeste asiático. A crise gerou uma preocupação significativa sobre as práticas e a sustentabilidade ambiental da indústria de reciclagem. A mudança abruta fez com que os países aceitassem mais materiais recicláveis do que poderiam processar, levantando questões fundamentais sobre o envio de resíduos recicláveis de países economicamente desenvolvidos para países com poucos regulamentos ambientais – uma prática que antecedeu a crise.

A qualidade dos reciclados é reconhecida como um dos principais desafios que precisam ser enfrentados para o sucesso de uma visão de longo prazo de uma economia verde e alcançar o desperdício zero. A qualidade dos reciclados refere-se geralmente à quantidade de matéria-prima composta pelo material alvo em comparação com a quantidade de material não alvo e outros materiais não recicláveis. Por exemplo, o aço e o metal são materiais com uma qualidade de reciclagem superior. Estima-se que dois terços de todo o aço novo fabricado vem de aço reciclado.

É provável que apenas o material alvo seja reciclado, portanto uma quantidade maior de material não alvo e não reciclável irá reduzir a quantidade de produto reciclado. Uma alta proporção de material não-alvo e não-reciclável pode tornar mais difícil para os reprocessadores alcançar uma reciclagem de “alta qualidade”. Se o reciclado for de baixa qualidade, é mais provável que acabe sofrendo “Downcycling” ou, em casos mais extremos, enviado para outras opções de recuperação ou aterrado. Por exemplo, para facilitar o re-manufaturamento de produtos de vidro transparente, há restrições apertadas para o vidro colorido que entra no processo de refusão. Outro exemplo é a reciclagem do plástico, em que produtos como embalagens plásticas de alimentos são muitas vezes reciclados em produtos de menor qualidade, e não são reciclados na mesma embalagem plástica de alimentos.

Foto: Reprodução

A qualidade do reciclado não só apoia a reciclagem de alta qualidade, como também pode proporcionar benefícios ambientais significativos ao reduzir, reutilizar e manter os produtos fora dos aterros sanitários. A reciclagem de alta qualidade pode ajudar a apoiar o crescimento da economia, maximizando o valor econômico do material residual coletado. Níveis de rendimento mais elevados com a venda de reciclados de qualidade podem devolver um valor que pode ser significativo para os governos locais, as famílias e as empresas. A busca da reciclagem de alta qualidade também pode proporcionar confiança aos consumidores e às empresas no setor de resíduos e gestão de recursos e pode incentivar o investimento nesse setor.

Há muitas ações ao longo da cadeia de fornecimento de reciclagem que podem influenciar e afetar a qualidade do material reciclado. Começa com os produtores de resíduos, que colocam resíduos não-alvo e não recicláveis na recolha de reciclagem. Isso pode afetar a qualidade dos fluxos finais de reciclagem ou exigir mais esforços para descartar esses materiais em etapas posteriores do processo de reciclagem. Os diferentes sistemas de coleta podem resultar em diferentes níveis de contaminação.

Dependendo de quais materiais são coletados juntos, é necessário um esforço extra para triar este material de volta em fluxos separados e pode reduzir significativamente a qualidade do produto final. O transporte e a compactação dos materiais podem tornar mais difícil a separação do material de volta em fluxos de resíduos separados. As instalações de triagem não são cem por cento eficazes na separação de materiais, apesar das melhorias na tecnologia e na qualidade de reciclagem, que podem ver uma perda na qualidade de reciclagem. O armazenamento de materiais no exterior, onde o produto pode ficar molhado, pode causar problemas para os reprocessadores. As instalações de reprocessamento podem requerer mais etapas de triagem para reduzir ainda mais a quantidade de material não-alvo e não reciclável. Cada ação ao longo do caminho de reciclagem tem um papel na qualidade do reciclado.

Deixe uma resposta