Annona squamosa, mais conhecida como Fruta do Conde, é um arbusto ou pequena árvore de origem americana. A espécie é amplamente cultivada como árvore frutífera comercial tanto dentro de sua área nativa como em regiões tropicais ao redor do mundo, e embora menos comum que outras Annona spp., as áreas de produção estão aumentando. A espécie é listada como “escape de cultivo, naturalizada, erva daninha” no Compêndio Global de ervas daninhas; é conhecida por escapar do cultivo, muitas vezes naturalizando, e até se tornando invasiva em lugares como a Polinésia Francesa e Nauru no Pacífico, e Mayotte no Oceano Índico. A espécie é conhecida por ser uma erva daninha na Jamaica e no Camboja. É provável que se torne invasiva em outros países, e pode ser particularmente problemática em ilhas tropicais.

O gênero Annona consiste em cerca de 125 espécies com algumas espécies amplamente cultivadas para seus frutos comestíveis e frequentemente naturalizadas além de sua área nativa na América tropical e África. O nome do gênero Annona poderia ser derivado do latim ‘anon’, que significa ‘produto anual’, referindo-se aos “hábitos de produção de frutos das várias espécies deste gênero”, ou, segundo Britton e Wilson, de ‘Hanon’, “um nome indígena para a árvore na América tropical, provavelmente Santo Domingo”. A espécie Annona squamosa é comumente conhecida como ‘sugar apple’ ou ‘sweetsop’ em inglês, mas também é às vezes conhecida como ‘custard-apple’, especialmente no sul da Ásia, embora este nome comum geralmente se refira à Annona reticulata e, portanto, só pode causar confusão.

A. squamosa, uma pequena árvore decídua de cerca de 3-5(-6) m de altura, produz seus primeiros galhos perto da base do tronco. Os galhos estão se espalhando irregularmente e o crescimento jovem é densamente pubescente. As folhas são alternadas, ovado-oblongas ou elípticas-oblongas, finas, escassamente penugentas, verdes escuras acima, 8-15 cm de comprimento e 2-5 cm de largura. Quando jovens, as folhas são pubescentes e dão um cheiro peculiar quando esmagadas. O pecíolo tem cerca de 1,0-1,5 cm de comprimento. As flores pequenas e pendentes ocorrem isoladamente ou em pares nas axilas foliares dos brotos jovens ou em frente às folhas. O pedicelo tem de 1,5 a 2,5 cm de comprimento e é peludo. As três sépalas são curtas, decíduas, densas ou finamente pubescentes, e 0,2-0,3 cm de comprimento. As 6 pétalas são biseritanas. As três pétalas externas são lanceoladas, grossas, carnudas, trigonadas, finamente pubescentes, verde-amareladas por fora, branco-amareladas por dentro, 2,0-2,5 cm de comprimento e 0,5-1,0 cm de largura. As três pétalas internas se alternam com as externas e são minúsculas, às vezes ausentes, ovais e nunca mais que 0,1 cm de comprimento. Os estames são numerosos, brancos-amarelados em muitas filas no glabro, recipiente elevado (toro), 0,12-0,15 cm de comprimento e apinhados num espiral ao redor do gineceu. Os pistilos também são numerosos, violeta escura, finamente pubescentes, e são encontrados acima dos estames. Os estigmas são sésseis, colados entre si e decíduos. Os estames e os pistilos formam uma estrutura em forma de cone no centro da flor. O fruto é desenvolvido a partir da fusão de inúmeros ovários. Tem forma de coração irregular, com cerca de 5-20 cm de diâmetro. O exterior é marcado por tubérculos poligonais que correspondem aos carpelos fundidos a partir dos quais o fruto é formado. A fruta madura é verde-amarelado claro ou roxo e o exterior se separa facilmente ao longo das linhas entre os tubérculos. A polpa é branca, macia e suculenta, com um sabor suave e agradável. As numerosas sementes são ovóides ou elípticas, marrom escuro ou pretas, brilhantes, ligeiramente comprimidas, com 1,0-1,5 cm de comprimento e 0,5-0,8 cm de largura, e cada uma delas está encerrada na polpa comestível.

Foto: Reprodução

A fruta do conde é originária da América do Sul tropical e das Índias Ocidentais; no entanto, Pinto et al. afirmam que a fruta do conde originou-se em terras baixas da América Central, e de lá foi distribuída para o México e para toda a América tropical. Nesta ficha, adota-se a faixa nativa mais restritiva da América Central continental, pois é provável que tenha sido espalhada na pré-história. Nas terras baixas do México é encontrada em estado naturalizado ou selvagem, e é cultivada da América Central para o sul até o norte da América do Sul, estendendo-se até o nordeste do Brasil, onde é uma das frutas mais populares. É uma espécie comum nas Índias Ocidentais e está presente desde pelo menos 1689.

A distribuição nesta tabela de resumo é baseada em todas as informações disponíveis. Quando várias referências são citadas, elas podem dar informações conflitantes sobre o status. Mais detalhes podem estar disponíveis para referências individuais na seção Detalhes da Tabela de Distribuição, que pode ser selecionada através da opção Gerar Relatório.

A data de introdução de A. squamosa nas Índias Ocidentais é desconhecida, mas já estava presente na época da viagem de Sir Hans Sloane à Jamaica (UK Natural History Museum, 2015), durante a qual ele coletou espécimes agora presentes no British Museum (British Museum specimen BM000594147). A espécie também foi incluída nas obras de Macfadyen (1837) na Jamaica, e esteve presente em Porto Rico por volta de 1883, pois foi incluída nas obras de Bello (1883) na ilha. Também foi incluída na flora britânica (1918) das Bermudas e na obra de Britton e Millspaugh (1920) sobre as Bahamas.

A fruta do conde pode ter sido introduzida no Brasil via Bahia em 1626 pelo Conde de Miranda, o que explica o nome vernáculo da espécie no Brasil, “fruta do conde”. A espécie foi provavelmente trazida para os trópicos do Velho Mundo pelos espanhóis para as Filipinas e pelos portugueses para a Índia em 1590, e de lá o cultivo acabou se espalhando para a Indonésia, China, Austrália, Polinésia e Havaí. Na Índia há uma população muito grande e diversificada, e sua importância comercial é tão grande que alguns botânicos a consideram como sendo um fruto nativo daquele país. Alguns dos argumentos utilizados por aqueles que favorecem uma origem asiática incluem a ocorrência de nomes comuns para ela em sânscrito; a existência de grandes populações aparentemente selvagens em várias partes da Índia; e a presença de entalhes e pinturas nas paredes, talvez representando a fruta, nas ruínas de templos antigos. Entretanto, segundo Pinto et al., este é um centro secundário de diversidade, criado durante os últimos 500 anos.

Foto: Reprodução

A forma roxa originou-se na Índia e foi introduzida nas Filipinas a partir da Índia, em 1911. Tem um lugar de destaque nas Filipinas, Tailândia e Índia para a produção de frutas. Em Cuba, a maçã de açúcar tem a manga como uma das frutas favoritas e é comum em outras ilhas das Índias Ocidentais. Nos EUA, é plantada comercialmente na região subtropical da Flórida, mas nunca foi cultivada em tamanho de frutificação na Califórnia.

O risco de introdução para esta espécie é baixo, mas não insignificante. A espécie recebeu um risco baixo de -2 em uma avaliação de risco preparada para o Havaí, mas sabe-se que a espécie escapou do cultivo na Austrália e Costa Rica, e é conhecida por ser invasiva a habitats não nativos, incluindo a Polinésia Francesa, Nauru, e Mayotte. Como uma fruta comercial, é provável que seja mais introduzida.

A. squamosa é uma espécie tropical de terras baixas ou marginalmente subtropical e nativa dos lugares mais quentes e secos da América Central, crescendo entre as latitudes 23°N e S, mas também produz bem em regiões úmidas e é freqüentemente relatada em cultivo em climas semi-áridos, como o nordeste do Brasil. Na América do Norte a espécie é encontrada em “substratos secos, arenosos e redes secas” e em Porto Rico, “nas matas, nas bermas das estradas e nos vales, nos distritos do sul”; em Saint John, US Virgin Island, esta espécie é naturalizada e encontrada ao longo das bermas das estradas e florestas secundárias. Nas Bahamas, foi reportado que estava crescendo em matagais e similarmente, em regiões secas do norte de Queensland, Austrália, é encontrada selvagem em pastagens, florestas e ao longo de bermas de estradas. A espécie ocorre em florestas tropicais úmidas da Colômbia, e em regiões costeiras do Equador.

Na Índia, a A. squamosa selvagem habita predominantemente cômoros, solos cascalhentos e terras residuais. Pode ser comum em áreas secas em elevações mais baixas. A espécie pode ser a mais adaptável de todas as Annona spp., indo bem em solos pobres, arenosos ou calcários, desde que bem drenados; também tolera mais secura e vento do que outras Annona spp.

Foto: Reprodução

Quais são as utilizações da fruta do conde?

O fruto da A. squamosa é normalmente consumido fresco. Ela contém 50-61% de matéria comestível e é fonte de carboidratos, vitaminas e proteínas. A fruta é utilizada comercialmente como aromatizante para sorvetes e também pode ser transformada em sherbet. A polpa, após a retirada das sementes, pode ser passada por um coador ou homogeneizada para fazer uma bebida deliciosa e refrescante.

As folhas, casca, raízes, sementes e frutos da fruta do conde têm vários usos medicinais importantes. Os frutos e sementes verdes possuem propriedades vermicidas e inseticidas eficazes e são utilizados como adstringentes em diarreia e disenteria. As sementes contêm 45% de um óleo amarelo, não tingente, que é um veneno irritante para piolhos. As folhas trituradas são aplicadas como cura eficaz para úlceras e feridas malignas. Um emplastro de folhas frescas é usado para dispepsia e quando misturado com óleo é usado para doenças do couro cabeludo. As folhas frescas trituradas são aplicadas na área nasal em casos de desmaios. Uma decocção das raízes é usada como purgante drástico. A casca astringente, folhas, frutos não maduros e sementes podem ser utilizados como fonte do alcalóide anonaine.

A. squamosa é geralmente cultivada como árvore frutífera de quintal e como um componente de sistemas agroflorestais. Seus frutos são uma fonte de alimento e as flores são utilizadas para a apicultura. Em alguns casos, a fruta do conde é plantada em parques ou praças como uma árvore de sombra e ornamental devido à sua atraente cor dos frutos.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios da fruta do conde para a saúde?

A fruta do conde proporciona uma série de benefícios à saúde. A fruta do conde contém antioxidantes, como a vitamina C, que ajuda a combater os radicais livres no corpo. O alto teor de potássio e magnésio contido nesta fruta também pode protegê-lo de doenças cardíacas. Se você quer embelezar a pele naturalmente, consuma fruta do conde regularmente. Esta fruta contém vitamina A, que é benéfica para manter a pele, a saúde dos cabelos e melhorar o funcionamento dos olhos.

Além disso, a fruta é eficaz para controlar a pressão arterial e ajudar a normalizar a função digestiva, curar a constipação e tratar diarreia e disenteria. Por isso é importante incluir a fruta do conde em sua dieta diária. Esta fruta contém um alto teor de magnésio, capaz de equilibrar a água do corpo, ajudar a remover o ácido das articulações e reduzir os sintomas de reumatismo e artrite.

Se você sente fadiga excessiva com frequência, você pode comer fruta do conde. Portanto, o potássio nele contido pode ajudar a combater a fraqueza muscular. A fruta do conde também é benéfica para pessoas que sofrem de anemia, pois a fruta é rica em calorias. E se você quiser ganhar peso, não há nada de errado em consumir fruta do conde regularmente. A fruta do conde é famosa pelo seu teor natural de açúcar, pois é boa se a fruta for usada como petisco ou sobremesa para você.

Deixe uma resposta