Seu impacto ambiental e social não se detém em você gastar dinheiro e usar o produto. Há todo um processo que leva um produto desde a fase da matéria-prima até ser exposto nas prateleiras, sem contar o que acontece com ele depois que chega ao fim de sua vida útil. Além do preço e da qualidade, os consumidores estão cada vez mais preocupados com o impacto social dos produtos que compram, desde a produção até o descarte.

Imagine suas viagens até a mercearia. Quando você percorre os corredores de comida e bebida aparentemente infinitos, você considera o impacto de cada item que você adiciona ao seu carrinho de compras? Alguns consumidores vão se fazer perguntas como: De onde vem este peito de frango? Como este frango foi criado? Que tipo de impacto a avicultura tem sobre as mudanças climáticas? Outros consumidores podem se concentrar se um item está ou não à venda.

Alguns podem até se perguntar sobre o impacto social de um produto e as melhores vendas – essas perguntas não são mutuamente exclusivas! Que tipo de perguntas você está fazendo a si mesmo quando vai às compras?

A ascensão do consumo consciente

A esta altura você provavelmente tem uma boa ideia do que é o consumismo consciente, mas para eliminar qualquer dúvida, aqui vai uma definição rápida: O consumismo consciente é impulsionado pelas decisões de compra que têm um impacto social, econômico, ambiental e político positivo. Em outras palavras, é um movimento pelo qual os consumidores votam com seu dólar, comprando produtos éticos ou boicotando empresas pouco éticas. O consumismo consciente (também conhecido como consumismo ético ou consumismo verde) é uma tendência que se populariza cada vez mais. Mas onde ele começou?

Imagem: Reprodução

Uma breve história do consciente consumismo

Com uma rápida busca de “consumismo consciente” e “consumidor consciente”, você encontrará estudos acadêmicos que remontam aos anos 70. Os primeiros inícios do moderno conceito de “voto em dólar” podem ser traçados ainda mais desde 1954, quando o economista James Buchanan afirmou que a participação individual na economia é uma forma de pura democracia na Escolha Individual na Votação e no Mercado.

Não surpreendentemente, movimentos formais de consumo que defendiam os direitos do consumidor foram desenvolvidos durante o final do século XIX e início do século XX em países industrializados, como o Reino Unido e os EUA. Esses movimentos surgiram para combater práticas trabalhistas desleais, garantir a segurança dos produtos, incentivar a concorrência saudável no mercado e implementar regulamentação financeira (por exemplo, acesso mais barato ao crédito e educação dos mutuários sobre empréstimos).

A defesa dos direitos do consumidor continua sendo um aspecto importante da participação no mercado hoje, mas os consumidores transformaram o que significa ser consumidor, colocando um grande foco na tomada de decisões de compra responsáveis.

Como o movimento do consumo consciente chegou à notoriedade

À medida que os consumidores se tornam mais conscientes das duras realidades ligadas a questões como as mudanças climáticas e a poluição, bem como os trabalhadores com salários muito baixos em más condições de trabalho, mais atenciosos se tornam com suas compras.

Por exemplo, problemas de saúde como asma e febre tifoide têm sido ligados à deterioração da qualidade do ar e da água e, em casos extremos, à diminuição da função cerebral e até mesmo à morte. Para colocar isso em perspectiva, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 12,6 milhões de pessoas morrem a cada ano por riscos ambientais à saúde. Esse número é suficiente para que qualquer um levante a sobrancelha.

Entrelaçada em nossas decisões de compra está a tecnologia. Ao clicar em um botão, podemos pesquisar um produto e solicitar a opinião de estranhos online sobre quais produtos e empresas são éticos ou não. Os métodos e a velocidade com que compartilhamos informações mudaram drasticamente (pombos-correio não mais!), o que, por sua vez, transformou a forma como compramos online e offline.

Foto: Reprodução

Como o consumismo consciente vem mudando o mundo?

Aqui está uma estatística encorajadora: 73% dos consumidores globais dizem que definitivamente ou provavelmente mudariam seus hábitos de consumo para reduzir seu impacto sobre o meio ambiente.

À medida que os consumidores se tornam cada vez mais conscientes dos efeitos dos bens de consumo em seu corpo e no mundo ao seu redor, eles também estão interessados em comprar – e às vezes pagando mais – por produtos que ajudam o meio ambiente (milênios são mais propensos a gastar mais em produtos sustentáveis). Na verdade, 41% dos consumidores de todo o mundo dizem estar altamente dispostos a pagar mais por produtos que contenham ingredientes totalmente naturais ou orgânicos. Somente nos EUA, espera-se que os consumidores gastem US$ 150 bilhões em produtos sustentáveis até 2021.

Mas os consumidores são apenas uma peça do quebra-cabeça. Uma vez que essa peça esteja no lugar, outras começam a cair em posição de acordo. Por exemplo, antes de 2013, apenas 20% das empresas do S&P 500 optaram por divulgar suas informações ambientais, sociais e de governança (ESG). Em 2015, 85% das empresas do S&P 500 informaram sobre seu status de ESG.

Quais são os benefícios do consumo consciente?

Como indivíduo, pode ser difícil ver os benefícios de ser um consumidor consciente. O que faz a longo prazo a compra de sabonetes orgânicos ou o boicote a uma empresa conhecida pelo uso de sweatshops? Mas somar as ações de cada pessoa equivale a grandes mudanças no grande esquema das coisas. A mesma lógica se aplica a comportamentos nocivos, como o lixo. Uma pessoa pode ficar bem em jogar uma embalagem de doce na calçada, mas imagine se cada pessoa tivesse essa atitude. Muitas partes do mundo já têm que lidar com mais lixo do que sabem o que fazer com ele. Além disso, lembra-se das estatísticas da ESG que acabamos de mencionar? A opinião do consumidor e a ação individual provocam uma mudança exponencial!

Quando você compra produtos éticos ou de comércio justo, você está apoiando empresas e produtores que:

  • paguem um salário vivo aos seus trabalhadores
  • proporcionam aos trabalhadores um ambiente de trabalho saudável
  • contratam trabalhadores com idade legal
  • engajar-se em práticas amigas do meio ambiente

Tomemos a agricultura orgânica nos EUA como um exemplo de como o consumismo consciente pode afetar a mudança: a 20 anos atrás, a agricultura orgânica era um nicho de mercado com US$ 3,6 bilhões em vendas em 1997. Mas à medida que mais consumidores começaram a apreciar a ideia de uma agricultura livre de agrotóxicos sintéticos tóxicos que poluem o ar e a água e degradam o solo, eles começaram a mudar suas compras, começando com os alimentos. Até 2016, as vendas de alimentos orgânicos haviam disparado para US$ 43,3 bilhões.

Mais boas notícias: O impacto do consumidor está tendo outros efeitos mundiais e de mudança no mercado. A escolha das energias renováveis é mais do que uma tendência da moda. Graças à crescente demanda, à medida que mais e mais pessoas estão instalando painéis solares, comprando créditos de energia renovável e usando energia verde para uma variedade de fins, as fontes de energia renovável se tornaram ainda mais baratas do que o carvão e o gás natural.

Foto: Reprodução

Críticas ao movimento do consumo consciente

Por todos os elogios que o consumismo consciente e os consumidores conscientes recebem, há uma crítica contínua à acessibilidade. O fato é que muitos produtos sustentáveis são mais caros do que os seus equivalentes. Em certos casos, eles são até considerados itens de luxo. Escusado será dizer que os itens de luxo de alta qualidade estão fora do alcance de muitas pessoas. Dito isto, quando olhamos para produtos sustentáveis que são minimamente ou moderadamente mais caros, os consumidores conscientes têm que considerar o custo total a longo prazo. A indústria da moda é um excelente exemplo disso. O vestuário de moda sustentável – feito de materiais orgânicos e reutilizáveis – pode durar anos, enquanto a moda rápida da H&M e Forever 21 (que recentemente entrou em falência) pode ficar rasgada ou rasgada depois de alguns passeios. No entanto, temos que dar elogios à H&M por se comprometer a usar materiais recicláveis até 2030.

Quanto mais os consumidores exigirem produtos éticos, orgânicos e de comércio justo, mais comuns eles serão e mais baratos se tornarão, o que os torna mais acessíveis a todos. A realidade é que, muitas vezes, o que as pessoas dizem que querem fazer não se alinha com o que realmente fazem. Os consumidores querem fazer escolhas mais éticas com suas compras, mas, sem surpresa, o preço e a conveniência continuam a ser poderosos fatores impulsionadores. Em certos casos, esses são os fatores determinantes para a escolha do produto e é por isso que esses consumidores muitas vezes optam pelo produto mais barato, independentemente das implicações éticas subjacentes. O gigantesco sucesso da Amazônia é um exemplo disso mesmo.

Os críticos também encontram falhas com os compradores que compram produtos verdes para ficarem bonitos e reprimir sua culpa, ao invés de fazê-lo por um genuíno desejo de ajudar o planeta e as pessoas que nele vivem. O fato é que nem todos serão movidos pelas mesmas coisas para ajudar os outros e o planeta – e tudo bem! Os resultados do consumismo consciente são os mesmos, independentemente das motivações por trás dele.

Como qualquer movimento que visa combater o status quo, é um esforço contínuo que precisa crescer e ser cultivado. A boa notícia é que há sinais de progresso, como já destacamos acima. Quanto mais os consumidores exigirem que as empresas se comportem eticamente, maior a probabilidade de serem conscientes em suas decisões empresariais, considerando todos os seus stakeholders.

Foto: Reprodução

8 maneiras de ser um consumidor consciente

Independentemente das críticas, há muitas maneiras de você ser um consumidor consciente e fazer a sua parte para tornar o mundo um lugar melhor:

  • Consumir produtos e serviços do comércio justo, como cafeteria, artesanato, varejões e muito mais.
  • Comprar produtos que são feitos com ingredientes e materiais naturais, por exemplo, lençóis de algodão orgânico
  • Comprar produtos sem crueldade, como produtos de higiene pessoal e cosméticos
  • Limitar as viagens aéreas e locomover-se utilizando o rideshare, o ciclismo, o trem e o transporte público e, se possível, dirigir veículos elétricos.
  • Comer menos carne vermelha
  • Eliminar o uso de plásticos de uso único e use copos reutilizáveis, utensílios, sacolas e recipientes em seu lugar.
  • Reutilizar os itens e comprar de segunda mão sempre que puder: frequente brechós, peça emprestado a amigos e familiares, compre em mercados online e tente consertar produtos quebrados ao invés de comprar novos
  • Sempre reciclar papel e plástico
  • Incorporar o minimalismo em sua vida o máximo possível

Como você pode determinar quais empresas são éticas?

As empresas entendem que ser ético está em voga, por isso, suas mensagens de marketing são sobre sustentabilidade e práticas éticas. Embora isso possa ser um sinal do consumidor consciente predominante, é sempre bom olhar um pouco mais fundo para ter certeza de que as empresas estão realmente agindo de forma consistente com o que estão promovendo.

Pode ser difícil saber o que procurar ao determinar se uma empresa é ética ou não. Mas a Internet torna isso bastante fácil de se descobrir – tudo que você tem que fazer é passar alguns minutos fazendo a pesquisa. Negócios conscientes ou éticos são aqueles que utilizam itens e materiais ecológicos, se envolvem em processos de produção sustentáveis e tratamento justo de seus funcionários, doam tempo e dinheiro para ONGs e instituições de caridade, utilizam energia verde, e muito mais.

Certificar como uma Empresa B vai além da certificação em nível de produto ou serviço. A Certificação de Empresa B é a única certificação que mede todo o desempenho social e ambiental de uma empresa. A Avaliação de Impacto B avalia como as operações e o modelo de negócios de sua empresa impactam seus trabalhadores, comunidade, meio ambiente e clientes. Desde sua cadeia de suprimentos e materiais de entrada até sua doação beneficente e benefícios aos funcionários, a Certificação de Empresa B prova que sua empresa está atendendo aos mais altos padrões de desempenho verificado.

Foto: Reprodução

Então, o consumo consciente é realmente uma boa coisa?

Seria ingênuo dizer que comprar coisas vai salvar o planeta; não vai. Entretanto, seria igualmente ingênuo resignarmo-nos a não agir. A menos que você viva fora da rede, cultive sua própria comida, construa seu próprio abrigo, etc. – mais poder para indivíduos auto-sustentáveis!- comprar coisas é um fato inevitável de sua existência.

Se temos que ser consumidores, por que não comprar de empresas que genuinamente se preocupam em fazer do mundo um lugar melhor? Por que não boicotar as empresas que se envolvem em práticas antiéticas? Quando você olha para isso como se estivesse lutando contra uma besta insuperável, parece um empreendimento fútil e insuperável, mas o fato é que cada bit conta. Assumir essa perspectiva é fundamental para ser um indivíduo consciente, não apenas um consumidor consciente.

Para inspiração de movimentos nacionais, você pode olhar para países como Gâmbia, Marrocos, Costa Rica e Índia, que estão dando grandes passos para alcançar as metas de combate às mudanças climáticas. Muito pode ser feito: Podemos tomar ações institucionais como apoiar nossos governos no investimento em energia renovável; ações em grupo doando tempo e dinheiro para organizações que lutam pelos direitos de grupos marginalizados; ações comunitárias incentivando nossos amigos, família e colegas a se tornarem verdes; e, como você sabe, ações individuais, inclusive usando nosso dólar como consumidores conscientes. É fácil? Não. Vale a pena? Claro que sim.

Deixe uma resposta