Candidíase: O que é? Quais suas causas e tratamentos

A candidíase é uma das doenças mais comuns do aparelho reprodutivo. Estima-se que 75% das mulheres são afetadas e, desta quota, quase metade terá um segundo ataque e cerca de 5% terá a doença mais do que uma vez por ano. O prurido genital, de intensidade variável e geralmente acentuado na fase pré-menstrual, acompanhado de alta, são os sintomas mais característicos desta doença.

A candidíase é causada por uma das espécies do fungo Candida, que se encontra em cerca de 20% da população feminina. No entanto, não há razão para temer a sua presença, pois Candida coexiste em harmonia com outros microrganismos da flora vaginal. Entretanto, a candidíase ocorre quando Candida albicans ou Glabrata se multiplicam demais em relação aos outros microrganismos presentes.

A Candida albicans pode ser classificada como um microrganismo comensal (permanece no corpo sem causar a doença), pois ocorre em aproximadamente 20% das mulheres saudáveis. De acordo com vários estudos, a atividade genética do sistema imunológico do trato genital parece desempenhar um papel fundamental nesta regulação. Assim, sugere-se que as mulheres afetadas por episódios recorrentes de candidíase têm uma deficiência na formação ou atividade dos elementos de defesa que regulam a proliferação do microrganismo na vagina.

Foto: Reprodução

É comum confundir a candidíase com uma DST. Na verdade, é um dos maiores mitos sobre a infecção. Mas mesmo que ocorra nos órgãos reprodutivos femininos, a Candida albicans é um fungo que ocorre naturalmente no corpo de uma mulher saudável. Assim, a doença só se torna candidíase se houver um desequilíbrio na flora vaginal ou se este fungo se reproduzir em excesso.

Assim, a infecção vaginal por Candida não é considerada uma doença venérea, pois normalmente está relacionada com a diminuição da imunidade do corpo e não está relacionada com as relações sexuais. No entanto, ela pode ser transmitida ao parceiro através do sexo. É melhor esperar até o final do tratamento para retomar a atividade sexual. Deve-se lembrar que o sexo também pode ferir a região já susceptível a infecções, o que causa mais desconforto para as pessoas afetadas.

Quais são as principais causas de candidíase?

Como explicado no tópico anterior, a candidíase vaginal é uma infecção da vagina e vulva causada pelo fungo do gênero Candida. De todas as espécies deste fundo, a Candida albicans é a mais comum, com até 90% dos casos.

No entanto, a candidíase vulvovaginal pode ser causada pela espécie Candida glabrata ou Candida parapsilosis, mas estes casos são incomuns e tendem a ter um quadro clínico mais ameno. A Candida é também um fungo presente no corpo, que normalmente é impedido pelo sistema imunológico de se reproduzir excessivamente. Isto só acontece quando o sistema imunitário é fraco e quando a flora germinal natural é perturbada. Nesses casos, as infecções podem ser causadas.

Foto: Reprodução

Quais são os sinais e sintomas mais importantes da candidíase?

Os principais sintomas da doença são:

  • Coceira vaginal
  • Fluxo branco e grosso
  • queima na área da vulva (a parte externa da vagina)
  • Ligeiro inchaço dos lábios vaginais (também conhecido como lábios grandes)

Além disso, a mulher afetada também pode ter alguns sintomas, tais como:

  • Sensação de ardor ao urinar
  • Pele rachada perto da vulva
  • Dor no ato sexual
Foto: Reprodução

Como o diagnóstico da candidíase é feito?

O método de diagnóstico mais comum é o exame clínico, que é realizado em consulta com um ginecologista. Com base nos sintomas do paciente, o médico é capaz de identificar o tipo de corrimento característico, que, em combinação com os sintomas existentes e possivelmente após exames adicionais, identifica a patologia. O fungo que causa a candidíase é encontrado no Papanicolau. Este procedimento envolve raspar o canal vaginal e o colo do útero para análise laboratorial. Entretanto, encontrar o fungo no relatório não significa que a paciente tenha candidíase.

Entretanto, a maioria das mulheres e até mesmo ginecologistas erroneamente assumem que qualquer coceira na área genital, especialmente quando acompanhada de corrimento vaginal, tem sua origem na candidíase. Mas aconselha-se cautela, pois metade das mulheres que são repetidamente diagnosticadas com a doença podem, na verdade, ter outras patologias. Estas incluem alergia, hipersensibilidade local ou vaginose citolítica.

Um diagnóstico correto é, portanto, a maior garantia de sucesso terapêutico. Deve-se até lembrar que um achado de Candida em um exame de rotina, como um Papanicolau, não significa necessariamente que a mulher tenha candidíase vaginal clínica. Se não houver sintomas e o exame ginecológico for normal (sem corrimento ou inflamação), a paciente não deve receber tratamento. Nesses casos, apenas é indicada uma consulta médica relativa a factores predisponentes. A bacterioscopia, um exame em que a secreção vaginal é analisada no laboratório, também pode ajudar no diagnóstico.

Foto: Reprodução

Homens podem sofrer de candidíase?

A candidíase nos homens não é tão comum como nas mulheres, mas pode ocorrer. Os fatores de risco são semelhantes aos da candidíase vaginal, como um sistema imunológico fraco ou o uso prolongado de antibióticos.

Nos homens, a candidíase também pode ser causada por má higiene peniana e pelo uso de fraldas geriátricas. Vermelhidão, inchaço e dor na glande são os sintomas mais comuns, mas também podem ocorrer placas brancas, semelhantes às da língua nos sapos. As lesões também podem causar prurido intenso e ardor durante ou após o sexo. Tal como a candidíase vaginal, a candidíase peniana também pode ser tratada com creme ou antimicótico oral.

Foto: Reprodução

Como o tratamento da candidíase é feito?

O tratamento consiste na remoção dos fatores de risco para prevenir a recorrência da candidíase. Desta forma, é necessário suspender as relações sexuais a fim de restaurar a pele e as membranas mucosas durante este período. Além disso, os antifúngicos são administrados por via oral e/ou cremes para tratamento local. O tempo de tratamento varia de acordo com a gravidade dos sintomas.

Para as infecções que se repetem várias vezes por ano e são consideradas menos frequentes, o médico pode decidir usar antimicóticos orais por um período de tempo mais longo. No entanto, tanto o diagnóstico como a determinação do melhor tratamento dependem da avaliação médica.

O tratamento pode ser dado não só via vagina, mas também oralmente. Os principais princípios ativos são o coagrimazol (ver abaixo), o butoconazol e o miconazol. Terconazol, nistatina e tioconazol também podem ser usados. A principal substância utilizada é o Fluconazol. Também se estima que uma forte recuperação já é visível após dois a três dias a partir do início do tratamento. Mas mesmo que haja uma melhoria, é importante que o tratamento seja concluído conforme medicamente indicado.

Foto: Reprodução

Fluconazol em cápsulas,150 mg em dose única, é um dos tratamentos mais utilizados para a candidíase vaginal. É indicado para o tratamento da candidíase vaginal aguda e recorrente e da balanite candida, e como profilaxia para reduzir a incidência de candidíase vaginal recorrente (três ou mais episódios por ano).

Fluconazol 150 mg é muito bem absorvido quando tomado por via oral e atinge os níveis sanguíneos dentro de meia hora a 6 horas. O tempo médio para iniciar o alívio dos sintomas após uma única dose oral de Fluconazol 150 mg para o tratamento da candidíase vaginal é de um dia. O tempo médio para o início do alívio dos sintomas é de 1 hora a 9 dias. Existem várias opções para o tratamento vaginal. Estas incluem o Clotrimazol, um creme para o tratamento de dermatomicoses, tais como micoses interdigitais, dobras cutâneas e de pele, pitiríase versicolor e eritrasma.

O medicamento também pode ser aplicado na genitália externa feminina ou masculina em infecções de candidíase. O creme deve ser aplicado na área afetada duas a três vezes ao dia. Por segurança, o tratamento deve ser continuado durante cerca de duas semanas após o desaparecimento dos sintomas, dependendo da indicação.

Foto: Reprodução

Como a prevenção da candidíase é feita?

  • Evite o uso de absorventes diários: estes produtos podem ser vilões na luta contra os fungos, pois são capazes de elevar a temperatura da área íntima e promover a sufocação localizada com aumento de umidade. A indicação é que os protetores diários só são utilizados durante a menstruação ou em determinadas situações.
  • Use sabonetes íntimos para a higiene local: Os sabonetes líquidos íntimos são recomendados, pois são cosméticos especificamente desenhados para a zona genital. Isto porque estes produtos têm um valor de pH muito natural e não contêm quaisquer fragrâncias ou corantes que sejam agressivos para a vulva.
  • Mude a sua roupa de banho regularmente: deve mesmo evitar ficar em biquínis ou roupas de banho molhados durante longos períodos de tempo.
  • Lave e seque a roupa interior: Evite pendurar roupa interior na casa de banho e secá-la, pois este é um ambiente pouco ventilado que pode manter a roupa úmida durante muito tempo. Desta forma, o ambiente torna-se vulnerável à propagação de fungos.
  • Evite roupas apertadas: idealmente evite usar calças ou meias muito apertadas com frequência. A preferência recai sobre a roupa de algodão.
Foto: Reprodução

Quais são os fatores de risco para a candidíase?

Há alguns fatores de risco para a ocorrência de candidíase. Estes incluem diabetes mellitus descontrolada, tomar antibióticos para tratar outra infecção e aumento dos níveis de estrogênio (uso combinado de pílulas anticoncepcionais e gravidez).

A candidíase também é mais comum em pacientes com alguma deficiência imunológica (baixa imunidade corporal), como a infecção pelo HIV ou o uso de drogas imunossupressoras.

Como o tratamento da candidíase durante a gravidez é feito?

Durante a gravidez, o corpo sofre várias transformações físicas e hormonais, tornando a mulher mais susceptível a fungos e bactérias e aumentando a possibilidade de infecções vaginais, como a candidíase.

No entanto, sabe-se que a candidíase é bastante comum durante a gravidez e não representa um risco para o bebê. A única ressalva é no caso de parto natural. Se a mãe tiver candidíase durante este período, é possível que o bebê tenha pequenas feridas brancas na boca durante os primeiros dias de vida. Mas muitas vezes o próprio sistema imunitário do bebê é reforçado e o processo de cura ocorre naturalmente. Para evitar a candidíase durante a gravidez, evite alimentos gordurosos e ácidos; e use calças justas apenas quando necessário e dê preferência à roupa de algodão.

Foto: Reprodução

Conclusão

Como este texto deixa claro, a candidíase é mais comum nas mulheres do que se possa pensar. As estimativas até mostram que 75% das mulheres são afetadas e quase metade deste contingente tem um segundo episódio e cerca de 5% têm a doença mais do que uma vez por ano.

As causas da candidíase podem ser muitas e variadas, devido ao reflexo da candidíase como baixa imunidade, ao uso de alguns medicamentos e à presença de doenças como a diabetes. No entanto, o tratamento é geralmente rápido (em média de um a nove dias, dependendo da gravidade).

Deixe uma resposta