O alho é uma erva que cresce ao redor do mundo. Está relacionado com a cebola e o alho-poró. Pensa-se que o alho é nativo da Sibéria, mas espalhou-se por outras partes do mundo há mais de 5000 anos.

O alho é mais comumente usado em condições relacionadas ao coração e ao sistema sanguíneo. Essas condições incluem pressão alta, altos níveis de colesterol ou outras gorduras (lipídios) no sangue (hiperlipidemia), e endurecimento das artérias (aterosclerose). Em alimentos e bebidas, alho fresco, alho em pó e óleo de alho são utilizados para adicionar sabor.

Doença de Coronavirus 2019 (COVID-19): Embora o alho possa ter algum benefício para prevenir o resfriado comum, não há boas evidências para apoiar o uso da COVID-19. Siga, ao invés disso, escolhas de estilo de vida saudável e métodos de prevenção comprovados.

Como o alho funciona?

O alho produz um produto químico chamado alicina. É o que parece fazer o alho funcionar para determinadas condições. A alicina também faz com que o alho cheire mal. Alguns produtos são feitos “inodoros” pelo envelhecimento do alho, mas este processo também pode tornar o alho menos eficaz. É uma boa ideia procurar suplementos que são revestidos (cobertura entérica) para que eles se dissolvam no intestino e não no estômago.

Foto: Reprodução

Usos e eficácia do alho

Possivelmente eficaz para:

  • Endurecimento das artérias (aterosclerose). Conforme as pessoas envelhecem, suas artérias tendem a perder sua capacidade de alongamento e flexão. O alho parece reduzir este efeito. Tomar um suplemento específico de alho em pó (Allicor, INAT-Farma) duas vezes ao dia durante 24 meses parece reduzir o grau de endurecimento das artérias. Doses mais altas deste produto parecem proporcionar mais benefícios para as mulheres do que para os homens quando tomado em um período de quatro anos. Pesquisas com outros produtos contendo alho junto com outros ingredientes (Kyolic, Total Heart Health, Formula 108, Wakunaga) também têm mostrado benefícios.
  • Diabetes. O alho parece reduzir modestamente os níveis de açúcar no sangue antes da refeição em pessoas com ou sem diabetes. Parece funcionar melhor em pessoas com diabetes, especialmente se for tomado por pelo menos 3 meses. Não está claro se o alho reduz os níveis de açúcar no sangue após a refeição ou os níveis de HbA1c.
  • Níveis altos de colesterol ou outras gorduras (lipídios) no sangue (hiperlipidemia). Embora nem todas as pesquisas concordem, as evidências mais confiáveis mostram que a ingestão de alho pode reduzir o colesterol total e lipoproteínas de baixa densidade (LDL, colesterol “ruim”) em pessoas com níveis altos de colesterol. O alho parece funcionar melhor se tomado diariamente por mais de 8 semanas. Mas qualquer benefício é provavelmente pequeno. E tomar alho não ajuda a aumentar a lipoproteína de alta densidade (HDL, colesterol “bom”) ou diminuir os níveis de outras gorduras no sangue chamadas triglicérides.
  • Pressão sanguínea alta. Tomar alho pela boca parece reduzir a pressão arterial sistólica (o número superior) em cerca de 7-9 mmHg e a pressão arterial diastólica (o número inferior) em cerca de 4-6 mmHg em pessoas com pressão arterial alta.
  • Câncer de próstata. Os homens na China que comem cerca de um dente de alho diariamente parecem ter um risco 50% menor de desenvolver câncer de próstata. Além disso, pesquisas populacionais mostram que comer alho pode estar associado a um risco reduzido de desenvolvimento de câncer de próstata. Mas outras pesquisas sugerem que comer alho não afeta o risco de desenvolvimento de câncer de próstata em homens do Irã. Pesquisas clínicas iniciais sugerem que tomar suplementos de extrato de alho pode reduzir o risco de câncer de próstata ou reduzir os sintomas associados ao câncer de próstata.
  • Prevenir picadas de carrapatos. Pessoas que consomem grandes quantidades de alho durante cerca de 8 semanas parecem ter um número reduzido de picadas de carrapatos. Mas não está claro como o alho se compara aos repelentes de carrapatos disponíveis comercialmente.
  • Anil (Tinea corporis). A aplicação de um gel contendo 0,6% de ajoeno, um químico no alho, duas vezes ao dia durante uma semana parece ser tão eficaz quanto a medicação antifúngica para o tratamento do verme de anel.
  • Comichão na virilha (Tinea cruris). A aplicação de um gel contendo 0,6% de ajoeno, um produto químico no alho, duas vezes ao dia por uma semana parece ser tão eficaz quanto o medicamento antifúngico para tratamento da coceira genital.
  • Pé de Atleta (Tinea pedis). A aplicação de um gel contendo 1% de ajoeno, um produto químico no alho, parece ser eficaz no tratamento do pé de atleta. Também, a aplicação de um gel de alho com 1% de ajoeno parece ser tão eficaz quanto o medicamento Lamisil no tratamento do pé de atleta.
  • Possivelmente Ineficaz para
  • Câncer de mama. O consumo de alho não parece reduzir o risco de desenvolver câncer de mama.
  • Fibrose cística. Pesquisas sugerem que a ingestão de óleo de alho macerado diariamente durante 8 semanas não melhora a função pulmonar, os sintomas ou a necessidade de antibióticos em crianças com fibrose cística e infecção pulmonar.
  • Tendência herdada para colesterol alto (hipercolesterolemia familiar). Em crianças com altos níveis de lipoproteínas de baixa densidade (LDL ou “mau” colesterol), a ingestão de extrato de alho em pó pela boca não parece melhorar os níveis de colesterol ou a pressão arterial.
  • Câncer de estômago. As pessoas que comem mais alho ou tomam suplementos de alho não parecem ter menor chance de desenvolver câncer de estômago.
  • Uma infecção do trato digestivo que pode levar a úlceras (Helicobacter pylori ou H. pylori). Tomar alho por boca para a infecção pelo H. pylori costumava parecer promissor devido à evidência laboratorial mostrando potencial atividade contra o H. pylori. Entretanto, quando dentes de alho, pó ou óleo são usados em humanos, não parece ajudar a tratar pessoas infectadas com o H. pylori.
  • Câncer de pulmão. A ingestão de alho pela boca não parece reduzir o risco de desenvolvimento de câncer de pulmão.
  • Repelente de mosquitos. A ingestão de alho por via oral não parece repelir mosquitos.
  • Estreitamento dos vasos sanguíneos que causam mau fluxo sanguíneo para os membros (doença arterial periférica). A ingestão de alho pela boca por 12 semanas não parece reduzir a dor nas pernas ao andar devido ao mau fluxo de sangue nas pernas.
  • Uma complicação da gravidez marcada por pressão alta e proteína na urina (pré-eclâmpsia). Evidências precoces sugerem que tomar um extrato de alho específico diariamente durante o terceiro trimestre de gravidez não reduz o risco de desenvolver pressão alta em mulheres que estão em alto risco ou grávidas pela primeira vez.
Foto: Reprodução

Insuficiente evidência para:

  • Queda de cabelo (alopecia areata). As primeiras evidências sugerem que a aplicação de um gel de alho a 5% junto com um esteroide tópico por 3 meses aumenta o crescimento de cabelos em pessoas com queda.
  • Dor no peito (angina). Pesquisas iniciais sugerem que a administração de alho intravenoso (por via intravenosa) por 10 dias reduz a dor torácica em comparação com a nitroglicerina intravenosa.
  • Desempenho atlético. Pesquisas precoces mostram que a ingestão de uma única dose de alho antes do exercício pode aumentar a resistência em atletas jovens.
  • Aumento da próstata (hiperplasia benigna da próstata ou BPH). Pesquisas precoces sugerem que tomar um extrato líquido de alho diariamente por um mês reduz a massa prostática e a frequência urinária. Mas a qualidade desta pesquisa é questionável.
  • Câncer de cólon, câncer retal. Algumas pesquisas têm descoberto que comer mais alho está ligado a um risco reduzido de câncer de cólon ou retal. Mas outras pesquisas não apoiam isso. É muito cedo para saber se o consumo de suplementos de alho pode ajudar a reduzir o risco de câncer de cólon ou retal.
  • Constipação comum. Pesquisas iniciais sugerem que o alho pode reduzir a freqüência e o número de constipações quando tomado para prevenção.
  • Calos. Pesquisas precoces sugerem que a aplicação de certos extratos de alho em calos nos pés duas vezes ao dia melhora os calos. Um extrato particular de alho que se dissolve na gordura parece funcionar após 10-20 dias de tratamento.
  • Doença cardíaca. Algumas pesquisas precoces sugerem que tomar um produto específico de alho por 12 meses reduz o risco de morte súbita e ataque cardíaco em pessoas em risco de desenvolver artérias entupidas. Outras pesquisas iniciais sugerem que a ingestão de um suplemento contendo alho envelhecido pode evitar que as artérias entupidas se agravem.
  • Câncer do esôfago. Pesquisas precoces sobre o uso do alho na prevenção do câncer no esôfago são inconsistentes. Algumas evidências sugerem que o consumo de alho cru não previne o desenvolvimento de câncer no esôfago. No entanto, outras pesquisas populacionais sugerem que o consumo semanal de alho diminui o risco de desenvolvimento de câncer no esôfago.
  • Dores musculares causadas pelo exercício. Evidências precoces sugerem que tomar alicina, um químico do alho, diariamente por 14 dias pode reduzir a dor muscular após o exercício em atletas.
  • Falta de ar em pessoas com doença hepática (síndrome hepatopulmonar). As primeiras pesquisas sugerem que a ingestão de óleo de alho por 9-18 meses pode melhorar os níveis de oxigênio em pessoas com síndrome hepatopulmonar.
  • Envenenamento por chumbo. Pesquisas iniciais sugerem que a ingestão de alho três vezes ao dia durante 4 semanas pode reduzir a concentração de chumbo no sangue em pessoas com envenenamento por chumbo. Mas não parece ser mais eficaz do que a D-penicilamina.
  • Um agrupamento de sintomas que aumentam o risco de diabetes, doença cardíaca e acidente vascular cerebral (síndrome metabólica). Pesquisas iniciais mostram que a ingestão de alho cru, esmagado duas vezes ao dia durante 4 semanas pode reduzir a circunferência da cintura, pressão arterial e níveis de açúcar no sangue em pessoas com síndrome metabólica. Também parece melhorar os níveis de lipoproteínas de alta densidade (HDL, “bom” colesterol).
  • Câncer de células brancas do sangue chamado plasmócitos (mieloma múltiplo). Pesquisas iniciais sugerem que a ingestão de alho pode estar ligada a um menor risco de desenvolvimento de câncer de células plasmáticas na medula óssea.
  • Inchaço (inflamação) e feridas no interior da boca (mucosite oral). Pesquisas iniciais sugerem que o uso de um colutório de alho três vezes ao dia durante 4 semanas melhora a vermelhidão em pessoas com feridas na boca. As pessoas parecem estar mais satisfeitas com o alho do que com a droga nistatina, mas ela é menos eficaz.
  • Sapinho. Pesquisas iniciais sugerem que a aplicação de pasta de alho em áreas afetadas na boca pode aumentar a taxa de cura em pessoas com aftas.
  • Osteoartrose. Pesquisas precoces mostram que tomar comprimidos de alho duas vezes ao dia por 12 semanas pode reduzir a dor em mulheres com sobrepeso e osteoartrose no joelho.
  • Endurecimento da pele e do tecido conjuntivo (esclerodermia). Pesquisas sugerem que tomar alho diariamente por 7 dias não beneficia as pessoas com esclerodermia.
  • Infecções por leveduras vaginais. Algumas pesquisas iniciais sugerem que a aplicação de um creme vaginal contendo alho e tomilho durante 7 noites é tão eficaz quanto o creme vaginal de coágulo para tratar infecções por leveduras. Mas outras pesquisas iniciais sugerem que a ingestão de alho (Garlicin, Nature’s Way) duas vezes ao dia por 14 dias não melhora os sintomas.
  • Verrugas. Evidências precoces sugerem que a aplicação de um extrato específico de alho solúvel em gordura nas mãos duas vezes ao dia remove as verrugas dentro de 1-2 semanas. Além disso, um extrato de alho solúvel em água parece proporcionar uma melhora modesta, mas somente após 30-40 dias de tratamento.
  • Um tipo de doença benigna (não cancerígena) da mama (doença fibrocística da mama).
  • Inchaço (inflamação) do estômago (gastrite).
  • Inchaço (inflamação) do fígado (hepatite).
  • Obesidade.
  • Outras condições.

Mais evidências são necessárias para classificar o alho para estes usos.

Foto: Reprodução

Efeitos colaterais e segurança

Quando ingerido: O alho é seguro para a maioria das pessoas quando levado pela boca de forma apropriada. O alho tem sido usado com segurança em pesquisas por até 7 anos. Quando levado pela boca, o alho pode causar mau hálito, sensação de queimação na boca ou estômago, azia, gases, náuseas, vômitos, odor corporal e diarreia. Estes efeitos colaterais são muitas vezes piores com o alho cru. O alho também pode aumentar o risco de sangramento. Tem havido relatos de sangramento após a cirurgia em pessoas que tomaram alho. A asma tem sido relatada em pessoas que trabalham com alho, e outras reações alérgicas são possíveis.

Quando aplicado na pele: Os produtos com alho são possivelmente seguros quando aplicados na pele. Géis, pastas e enxaguante bucais contendo alho têm sido utilizados por até 3 meses. Entretanto, quando aplicado na pele, o alho pode causar danos na pele que se assemelham a uma queimadura.

O alho cru não é indicado para ser aplicado sobre a pele. O alho cru pode causar irritação severa na pele quando aplicado na pele.

Precauções especiais e avisos

Gravidez e amamentação: O alho é seguro para usar durante a gravidez quando ingerido nas quantidades normalmente encontradas nos alimentos. O alho não é indicado ser usado em quantidades medicinais durante a gravidez e durante a amamentação. Não há informações confiáveis suficientes sobre a segurança da aplicação do alho na pele se você estiver grávida ou amamentando. Fique do lado seguro e evite o uso.
Crianças: O alho é possivelmente seguro quando tomado por crianças como medicamento a curto prazo. Entretanto, o alho não é indicado ser tomado por via oral em grandes doses. Algumas fontes sugerem que altas doses de alho podem ser perigosas ou mesmo fatais para as crianças. A razão para esta advertência não é conhecida. Não há relatos de casos de eventos adversos significativos ou mortalidade em crianças associados à ingestão de alho por via oral. Quando aplicado na pele, o alho pode causar danos à pele que são semelhantes a uma queimadura.
Distúrbio hemorrágico: O alho, especialmente o alho fresco, pode aumentar o risco de sangramento.
Diabetes: O alho pode baixar o açúcar no sangue. Em teoria, a ingestão de alho pode tornar o açúcar no sangue muito baixo em pessoas com diabetes.
Problemas de estômago ou de digestão: O alho pode irritar o trato gastrointestinal (GI). Use com cuidado se você tiver problemas de estômago ou digestão.
Pressão sanguínea baixa: O alho pode baixar a pressão sanguínea. Em teoria, tomar alho pode fazer com que a pressão arterial se torne muito baixa em pessoas com pressão baixa.
Cirurgia: O alho pode prolongar o sangramento e interferir com a pressão sanguínea. O alho também pode baixar os níveis de açúcar no sangue. Pare de tomar o alho pelo menos duas semanas antes de uma cirurgia programada.

Foto: Reprodução

Interações do alho

Interação Principal

Não aceite esta combinação:

Isoniazid (Nydrazid, INH) interage com alho

O alho pode reduzir a quantidade de isoniazida (Nydrazid, INH) que o corpo absorve. Isto pode diminuir a quantidade de isoniazida (Nydrazid, INH) que o corpo absorve. Não tome alho se você tomar isoniazida (Nydrazid, INH).

Medicamentos utilizados para HIV/AIDS (Inibidores de Transcriptase Reversa Não-Nucleosídeos (NNRTIs)) interagem com o alho

O corpo decompõe os medicamentos usados para o HIV/aids para se livrar deles. O alho pode aumentar a rapidez com que o organismo decompõe alguns medicamentos para o HIV/aids. O uso do alho junto com alguns medicamentos utilizados para o HIV/aids pode diminuir a eficácia de alguns medicamentos utilizados para o HIV/aids.
Alguns desses medicamentos utilizados para o HIV/aids incluem nevirapina (Viramune), delavirdina (Rescriptor) e efavirenz (Sustiva).

Saquinavir (Fortovase, Invirase) interage com o alho

O corpo quebra o saquinavir (Fortovase, Invirase) para se livrar dele. O alho pode aumentar a rapidez com que o corpo quebra o saquinavir. O alho junto com a saquinavir (Fortovase, Invirase) pode diminuir a eficácia da saquinavir (Fortovase, Invirase).

Foto: Reprodução

Interação moderada

Seja cauteloso com esta combinação:

As pílulas anticoncepcionais interagem com alho

Algumas pílulas anticoncepcionais contêm estrogênio. O corpo decompõe o estrogênio nas pílulas anticoncepcionais para se livrar dele. O alho pode aumentar a decomposição do estrogênio. Tomar alho junto com as pílulas anticoncepcionais pode diminuir a eficácia das pílulas anticoncepcionais. Se você tomar pílulas anticoncepcionais junto com o alho, use uma forma adicional de controle de natalidade, como um preservativo. Algumas pílulas anticoncepcionais incluem etinil estradiol e levonorgestrel (Triphasil), etinil estradiol e norethindrone (Ortho-Novum 1/35, Ortho-Novum 7/7/7), e outras.

Cyclosporine (Neoral, Sandimmune) interage com alho

O corpo quebra a ciclosporina (Neoral, Sandimmune) para se livrar dela. O alho pode aumentar a rapidez com que o corpo quebra a ciclosporina (Neoral, Sandimmune). O alho junto com a ciclosporina (Neoral, Sandimune) pode diminuir a eficácia da ciclosporina (Neoral, Sandimune). Não tomar alho se estiver tomando ciclosporina (Neoral, Sandimmune).

Medicamentos alterados pelo fígado (Cytochrome P450 2E1 (CYP2E1) substratos) interagem com alho

Alguns medicamentos são trocados e quebrados pelo fígado.
O óleo de alho pode diminuir a rapidez com que o fígado quebra alguns medicamentos. Tomar óleo de alho junto com alguns medicamentos que são trocados pelo fígado pode aumentar os efeitos e efeitos colaterais de sua medicação. Antes de tomar o óleo de alho fale com seu médico se você tomar algum medicamento que seja alterado pelo fígado.
Alguns medicamentos que são alterados pelo fígado incluem acetaminofen, clorzoxazona (Parafon Forte), etanol, teofilina, e medicamentos usados para anestesia durante cirurgias como enflurano (Ethrane), halotano (Fluothane), isoflurano (Forane), e metoxiflurano (Penthrane).

Foto: Reprodução

Medicamentos alterados pelo fígado (Citocromo P450 3A4 (CYP3A4) substratos) interagem com alho

Alguns medicamentos são alterados e quebrados pelo fígado. O alho pode aumentar a rapidez com que o fígado quebra alguns medicamentos. Tomar alho junto com alguns medicamentos que são quebrados pelo fígado pode diminuir a eficácia de alguns medicamentos. Antes de tomar o alho fale com seu médico se você estiver tomando algum medicamento que tenha sido alterado pelo fígado. Alguns medicamentos alterados por este fígado incluem lovastatina (Mevacor), cetoconazol (Nizoral), itraconazol (Sporanox), fexofenadina (Allegra), triazolam (Halcion), e muitos outros.

Medicamentos que retardam a coagulação do sangue (Anticoagulante / Antiplaquetários) interagem com o alho

O alho pode retardar a coagulação do sangue. A ingestão de alho junto com medicamentos que também retardam a coagulação pode aumentar as chances de hematomas e sangramentos. <Alguns medicamentos que retardam a coagulação do sangue incluem aspirina, clopidogrel (Plavix), diclofenaco (Voltaren, Cataflam, outros), ibuprofeno (Advil, Motrin, outros), naproxen (Anaprox, Naprosyn, outros), dalteparina (Fragmin), enoxaparina (Lovenox), heparina, warfarin (Coumadin), e outros.

A varfarina (Coumadin) interage com o alho

A varfarina (Coumadin) é usada para retardar a coagulação do sangue. O alho pode aumentar a eficácia da varfarina (Coumadin). A ingestão de alho junto com a varfarina (Coumadin) pode aumentar as chances de hematomas e sangramentos. Certifique-se de ter seu sangue verificado regularmente. A dose de sua varfarina (Coumadin) pode precisar ser alterada.

Deixe uma resposta