Gato preto: Simbologias e significados

Gato, (Felis catus), também chamado gato doméstico, é um membro domesticado da família Felidae, da ordem Carnivora, e o menor membro dessa família. Como todos os felídeos, os gatos domésticos são caracterizados por corpos flexíveis e baixos, cabeças finamente moldadas, caudas longas que ajudam no equilíbrio, e dentes e garras especializadas que os adaptam admiravelmente a uma vida de caça ativa. Os gatos possuem outras características dos seus parentes selvagens em serem basicamente carnívoros, notavelmente ágeis e poderosos, e finamente coordenados em movimento.

É notável que os antepassados do outro animal doméstico comum, o cão, eram animais sociais que viviam juntos em matilhas nas quais havia subordinação a um líder, e o cão transferiu prontamente a sua lealdade de líder de matilha para o dono humano. O gato, entretanto, não cedeu tão prontamente à subjugação. Conseqüentemente, o gato doméstico é capaz de reverter à auto-suficiência completa mais rapidamente e com mais sucesso do que a maioria dos cães domesticados. Para um relato da relação da família dos gatos com outros carnívoros, veja carnívoro.

Foto: Reprodução

Embora a origem do gato domesticado esteja escondida na antiguidade, estudos envolvendo DNA mitocondrial (mtDNA) sugerem que houve duas linhagens de Felis catus. Uma linhagem (F. silvestris silvestris) apareceu na Ásia Menor possivelmente já há 6.400 anos e se dispersou em direção ao norte e oeste na Europa. A outra linhagem apareceu no Egito entre 6.400 e 1.000 anos atrás, antes de se espalhar por todo o Mediterrâneo (possivelmente através da introdução humana) ao longo de caminhos paralelos às rotas comerciais da região. Os gatos de ambas as linhagens continuaram a reproduzir-se com o gato selvagem africano (F. silvestris lybica) durante os seus respectivos dispersos.

A mais antiga associação conhecida entre gatos e humanos data possivelmente das origens da agricultura no Oriente Médio, cerca de 9.500 anos atrás. Um esqueleto de gato acompanhando o de um humano datado daquela época foi descoberto no sul do Chipre. Apesar de algumas fontes observarem que essa descoberta sugere que os gatos tinham sofrido algum grau de domesticação nesse local, outras fontes (citando evidências de que o genoma do gato não diferia muito do do gato selvagem africano durante esse período) argumentam que os gatos podem ter se domesticado escolhendo viver em paisagens alteradas pelo homem. Evidências fósseis encontradas na China datadas de aproximadamente 5.300 anos atrás revelaram que gatos de tamanho similar aos gatos domésticos modernos alimentados com pequenos animais comedores de grãos, como roedores, e painço em ambientes agrícolas. Embora pesquisas sugiram que esses gatos eram na verdade gatos leopardos (Prionailurus bengalensis), que foram substituídos por gatos domésticos modernos (F. catus) antes de 3000 a.C., essa descoberta sugere que os humanos permitiram que gatos caçassem ratos e outros roedores que ameaçavam o armazenamento de grãos e possivelmente alimentavam os gatos ou permitiam que eles consumissem restos de comida.

Foto: Reprodução

Embora o gato tenha sido proclamado um animal sagrado no Egito na 5ª e 6ª dinastias (c. 2465-c. 2150 a.C.), ele não tinha sido necessariamente domesticado naquela época. É provável que os antigos egípcios se tenham associado com o gato porque perceberam o seu valor na proteção dos espigueiros contra roedores. Seu afeto e respeito por esse predador levaram ao desenvolvimento de cultos religiosos de gatos e à adoração de gatos no templo. No entanto, não existem registros autênticos de domesticação anteriores a 1500 a.C.

Os gatos já são conhecidos há muito tempo por outras culturas. Azulejos de parede em Creta datados de 1600 a.C. retratam gatos de caça. Evidências da arte e literatura indicam que o gato estava presente na Grécia a partir do século V a.C., e azulejos com gatos apareceram na China a partir de 500 a.C. Na Índia os gatos foram mencionados em escritos sânscritos por volta de 100 a.C., enquanto os árabes e os japoneses só foram apresentados ao gato por volta de 600 a.C. O primeiro registro de gatos na Grã-Bretanha data de cerca de 936 a.C., quando Howel Dda, príncipe do centro-sul do País de Gales, promulgou leis para sua proteção.

Apesar de todos os gatos serem semelhantes na aparência, é difícil rastrear a ancestralidade das raças individuais. Como nos desenhos e múmias dos antigos gatos egípcios aparecem marcas semelhantes a tabby, os tabbies actuais podem ser descendentes dos gatos sagrados do Egito. O Abissínio também se assemelha a quadros e estátuas de gatos egípcios. O persa, cuja coloração é frequentemente a mesma que a das raças mistas (embora o comprimento do pelo e a conformação do corpo sejam distintos), foi provavelmente cruzado em vários momentos com outras raças. O gato Manx sem pelos, como o gato Sphynx sem pelos e o Devon Rex com pelos encaracolados, é uma mutação. A ancestralidade dos gatos persas e siameses pode muito bem ser distinta da de outras raças domésticas, representando uma domesticação de um gato selvagem asiático. Na verdade, nada se sabe sobre a ancestralidade dos tipos siameses, e não há espécies vivas de gatos asiáticos que poderiam ter servido como ancestrais.

Foto: Reprodução

Gato preto e suas simbologias

Por muitos anos o gato preto tem sido retratado como um símbolo do mal, das bruxas e do Halloween. Isto pode ser rastreado até aos primeiros colonos americanos e ao início da Inglaterra. No entanto, o gato preto visto como símbolo do mal nem sempre tem sido o caso. É também a coisa mais distante da verdade.

Os primeiros registros indicam a existência do gato preto no antigo Egito. O gato preto era reverenciado e frequentemente venerado no Egito. Matar um gato preto durante este tempo era considerado uma ofensa capital e muitas vezes resultava em morte. Quando o gato da família egípcia morria, muitas vezes ele era mumificado e enterrado dentro da tumba familiar. A família também levava tempo para lamentar a sua morte.

Foto: Reprodução

O amor dos egípcios pelos gatos pretos era devido a sua crença de que os gatos pretos estavam associados aos deuses. A deusa egípcia Bast era conhecida como a “deusa do gato” e muitas vezes tinha gatos pretos como símbolos para representá-la. Ela era frequentemente representada como sendo uma deusa com um corpo humano, mas com a cabeça de um gato.

Os primeiros egípcios também prezavam tanto os gatos pretos quanto os demais gatos devido à sua grande habilidade de eliminar roedores e outras criaturas insalubres. Os primeiros egípcios sabiam que isso ajudava a mantê-los saudáveis e também ajudava a manter seus suprimentos de comida, portanto eles mantinham gatos por perto para ajudar a tornar suas vidas um pouco mais fáceis.

Foto: Reprodução

Bastet, a deusa gata egípcia

Bastet é uma deusa egípcia que é a representante das coisas de maio, mas ela é mais comumente notada como sendo uma deusa dos gatos. Ela é frequentemente retratada como um gato preto sofisticado ou uma pessoa com o corpo de uma mulher e a cabeça de um gato.

Bastet era conhecida por proteger as casas contra incêndios, assim como por protegê-los de roedores e cobras, tudo isso tem a ver com a sua representação felina. Os antigos egípcios sabiam muito antes dos primeiros colonialistas que os gatos eram essenciais para manter as reservas alimentares e para se manterem saudáveis.

As mulheres no antigo Egito usavam frequentemente jóias que representavam os gatos para representar Bastet. O número de gatos retratados nas jóias da mulher indicava quantos filhos ela desejava. Bastet era considerada uma deusa da fertilidade, então usar amuletos de gatos e outras jóias em sua homenagem era considerado boa sorte para conceber crianças.

Durante a escavação no templo de Bastet em Per-Bast, mais de 300.000 gatos mumificados e enterrados foram descobertos pelos arqueólogos.

Foto: Reprodução

Gatos pretos, bruxas e adoração ao diabo

Os primeiros colonos americanos ajudaram a espalhar o medo e o mito que tem envolvido o gato preto. Esses primeiros colonos trouxeram consigo uma forte fé na Bíblia cristã, o que os levou a procurar e tentar eliminar qualquer coisa que percebessem como sendo maligna.

Muitos pagãos primitivos, especialmente as fêmeas mais velhas, eram conhecidas por terem um gato, especialmente um gato preto. Devido à crença pagã na terra e na magia, assim como a sua recusa em converter-se ao cristianismo, muitos dos primeiros cristãos os percebiam como sendo adoradores do diabo e seus gatos de estimação foram incluídos nessa mistura. Esses primeiros cristãos perceberam o gato preto como sendo o gato familiar da bruxa, que a ajudaria em seus atos malignos.

Devido aos mitos espalhados sobre os gatos pretos, qualquer pessoa durante este tempo apanhada com um gato preto seria frequentemente morta. Muitos gatos pretos durante a Idade Média foram mortos como uma maneira de “livrar o mundo” de demônios e do mal.

O que as pessoas durante a Idade Média não perceberam era que com matar fora de uma grande maioria de gatos, a população de rato aumentaria. Muitas doenças, incluindo a peste, foram todas atribuídas ao aumento da população de ratos. Alguns atribuíam isso às bruxas vingando-se daqueles que as matavam e seus familiares, mas qualquer pessoa com um entendimento básico da ciência o veria pelo que ela realmente era.

Foto: Reprodução

Símbolos associados aos gatos pretos

  • Morte
  • Bruxas
  • Halloween
  • Mal
  • Pagãos & Paganismo
  • Boa Sorte (Japão, Grã-Bretanha e Irlanda)
  • Má sorte (América)

Fatos aleatórios sobre o gato preto

  • Jogadores profissionais têm medo (ou tentam evitar) os gatos pretos porque se um gato preto cruza o caminho de um jogador, ele está condenado a falhar. Marinheiros e suas esposas muitas vezes mantêm gatos pretos por perto porque se acreditava que eles lhes trazem boa sorte enquanto estão no mar.
  • Em alguns lugares é considerado muito boa sorte se alguém lhe der um gato preto.
  • Prejudicar um gato preto, ferindo-o intencionalmente ou causando-lhe danos, é considerado muito má sorte.
  • Algumas pessoas acreditam que é símbolo de má sorte se um gato preto cruzar seu caminho, enquanto outras acreditam que é boa sorte ter um gato preto cruzando seu caminho.
  • Na Itália, acredita-se que se um gato preto se senta na cama de uma pessoa doente, a morte certamente virá.
  • Na Escócia, se um gato preto senta-se no alpendre de alguém, diz-se que lhe traz uma grande fortuna monetária.
  • Uma vez acreditou-se que bruxas poderiam transformar em um gato preto um total de 9 vezes. É provavelmente aqui que a lenda de gatos pretos com 9 vidas se originou.
Foto: Reprodução

Os gatos pretos nos dias de hoje

Hoje o gato preto ainda é considerado por alguns como um símbolo do mal, da superstição, do Halloween e das bruxas. Muitas agências de adoção de animais têm que limitar o número de gatos pretos adotados em torno do Halloween por medo de que esses gatos sejam usados como enfeites ou para fins ilícitos e, em seguida, serem abandonados quando as férias forem concluídas. Há também um número maior de casos de abusos e mortes de animais durante o Halloween, quase todos eles dirigidos a gatos pretos.

No entanto, o medo deles, uma vez espalhado pelos primeiros colonos, diminuiu um pouco. Muitas pessoas hoje, tanto pagãos como cristãos, possuem gatos pretos e os consideram como parte da família. Algumas bruxas e Wiccans usam gatos pretos como seus familiares, mas esta não é uma prática obrigatória entre os pagãos. No entanto, eles percebem os gatos pretos, como fazem praticamente todo e qualquer animal, como sendo de igual valor e os recebem em suas casas como parte da família.

Os gatos pretos tendem a ser um pouco mais nervosos que os outros gatos, levando as pessoas a acreditar que há algo de mal ou sinistro neles. No entanto, esta é simplesmente uma atitude natural deles e não tem nada a ver com práticas malévolas. É provavelmente devido à evolução e ao medo do que as pessoas infligiram a eles que faz com que os gatos pretos sejam um pouco mais descuidados pelos humanos. Apesar disso, os gatos pretos podem ser criaturas muito amorosas quando tratados com amor e gentileza.

Não há absolutamente nada de mal nestes adoráveis animais. Os únicos gatos pretos “maus” que você pode encontrar provavelmente foram maltratados e maltratados. Infelizmente, os gatos pretos são a coloração menos adotada dos gatos. Se você está interessado em possuir um gato preto, verifique a agência local de adoção de animais de estimação e tente conseguir um lá. Estes gatos precisam desesperadamente de um bom lar.

Foto: Reprodução

Deixe uma resposta