O empreendedorismo social está gradualmente se tornando um elemento crucial na discussão mundial sobre voluntariado e compromisso cívico. Ele entrelaça a paixão de uma causa comum com a ética industrial e é notável e diferente dos outros modelos de empreendedorismo atuais, devido à sua busca de influência associada à missão. Os anos anteriores notaram um progresso impressionante e surpreendente no campo do empreendedorismo social e ampliaram a atenção em todos os diversos setores. A diferença crítica entre empreendedorismo social e empreendedorismo tradicional pode ser vista na missão fundadora do empreendimento e nas impressões do mercado. Os empreendedores sociais enfatizam as formas de aliviar ou erradicar as pressões da sociedade e produzir externalidades progressivas ou propriedades públicas. Este estudo enfoca principalmente o significado do empreendedorismo social para diferentes gêneros e onde ele se situa em relação a outras formas de empreendedorismo nos tempos atuais.

Há uma atenção crescente e significativa focada no tema empreendedorismo nos últimos anos, principalmente devido aos resultados e à percepção dos analistas econômicos de todo o mundo de que as pequenas empresas contribuem substancialmente para o maior desenvolvimento econômico e para a vitalidade de qualquer sociedade ou país em geral. Além disso, muitas pessoas optam por profissões e caminhos empreendedores, principalmente porque têm a percepção e a convicção de que isso proporcionará melhores recompensas comerciais e psicológicas do que as usuais rotas monótonas das grandes corporações. O empreendedorismo social está se tornando, aos poucos e pouco a pouco, um elemento vital, importante e muito crucial na discussão mundial sobre voluntariado e compromisso cívico.

O empreendedorismo social está se destacando dos diferentes tipos de rotas de empreendedorismo atuais, devido à sua proposta de valor e ao próprio fato de dar ao dinheiro um coração e uma nobre causa social. O empreendedorismo social tem o objetivo de impulsionar transformações sociais e tais empreendedores atuam simultaneamente para tratar de casos particulares de questões e problemas sociais e potencializar o progresso transformacional em todo o sistema. Também hoje, parece haver uma forte aspiração de combinar as diversas capacidades atuais das redes sociais de Tecnologia da Informação (TI) para construir redes através de todos os setores e fronteiras topográficas. As redes de TI podem ser retratadas como uma pequena abordagem de risco de envolver os indivíduos com interesses mútuos e essas redes podem auxiliar na identificação de colaboradores latentes e prováveis. O fator dominante para o crescimento do empreendedorismo social é a pressão da sociedade que está forçando o ser humano a fazer algo pela sociedade e seus negócios atuais em geral, mas ao mesmo tempo tendo um fator de ganho monetário para ela que pode fazê-los sobreviver também neste mundo. Nos tempos atuais, quando os problemas ambientais são uma das maiores preocupações globais que pairam sobre a terra, o empreendedorismo ambiental pode ser visto como uma subcategoria de empreendedorismo sustentável que, por sua vez, é uma subcategoria de empreendedorismo social.

Foto: Reprodução

O papel da comunidade empresarial no cumprimento dos requisitos técnicos e não técnicos da sociedade tem sido desafiado há muito tempo. Os modelos convencionais de negócios são todos voltados para a maximização da receita e dos lucros econômicos, o que, por sua vez, leva a empresa a enfatizar a melhoria da autoproficiência para ser mais engenhosa na adequação às exigências do mercado. No entanto, a capacidade e os recursos do mercado são limitados e a concorrência é cada vez maior! Isso impulsiona as empresas a se concentrarem no reconhecimento dos lucros e não obstante o desenvolvimento de longo prazo que deve à sociedade.

Com o aumento dos problemas sociais, novos desafios têm surgido para as empresas comerciais que seguem práticas comerciais tradicionais. Houve um aumento no número de empresas que começaram a pensar em responsabilidade social corporativa (RSC). Por outro lado, as organizações que têm como objetivo principal aliviar essas pressões sociais também têm aumentado progressivamente. No entanto, essas duas práticas acima têm suas restrições devido à ênfase crucial tanto na maximização do lucro quanto no valor social. Agora, a principal questão que se coloca é a de cumprir a missão social e reunir a sustentabilidade financeira simultaneamente, o que tem estimulado pesquisadores e empresários a explorar mais a fundo neste campo. Nos tempos deste caos cada vez mais prevalecente, o empreendedorismo social vem em socorro. Embora existam muitos exemplos de empreendimentos e indústrias de empreendedorismo social de sucesso nos últimos anos, esta noção ainda é uma nova. Em tempos em que muitos países estão enfrentando especificamente o dilema citado acima e estão buscando maneiras de lidar com os encargos tanto da economia quanto da sociedade, é significativo examinar por que este tipo de empreendimento empresarial está surgindo e se espalhando globalmente e como sua teoria e procedimento poderiam ser definidos e explicados.

Granovetter (1985) concluiu que as atividades econômicas ocorrem dentro de um contexto social e, conseqüentemente, as atividades econômicas de uma empresa são afetadas pelo contexto cultural no qual ela está enraizada. O empreendedorismo social pode ser mapeado ao empreendedorismo empresarial de uma forma, da qual a identificação de oportunidades é um dos principais componentes da descrição. Para registro, o reconhecimento de oportunidades também é o ponto de partida do empreendedorismo social, mas as pesquisas atuais normalmente se fixam em empreendedores sociais, mas não no processo de empreendedorismo social. Como resultado, muito poucas pesquisas identificaram a necessidade do reconhecimento de oportunidades e os fatores que as influenciam. O alerta empresarial torna possível fazer pleno uso das informações obtidas para que se possa identificar oportunidades que não foram encontradas por outros. O conhecimento prévio diferenciador de um indivíduo que forma um corredor de conhecimento é um aspecto substancial para o reconhecimento de oportunidades, pois esse conhecimento dos empreendedores, proveniente de suas experiências de trabalho e formação, afeta sua capacidade abrangente, capacidade de julgamento, capacidade analítica e lógica, capacidade de aplicação e assim por diante. Os pesquisadores em geral se ater à opinião de que os empreendedores poderiam obter informações significativas para as oportunidades com a ajuda de suas redes sociais, refinando assim a taxa de sucesso do reconhecimento de oportunidades. Quando o comportamento empreendedor está enraizado nas redes sociais, a conexão entre essas redes sociais e os empreendedores e a associação entre recursos e oportunidades pode encorajar ou restringir o comportamento empreendedor.

Foto: Reprodução

Jahanna e Ignasi (2006) tiveram como objetivo explorar os fundamentos do empreendedorismo social a fim de orientar futuras pesquisas. A ideia básica era que para que o empreendedorismo social se tornasse um campo estruturado de pesquisa, era preciso trabalhar para simplificar e descrever noções e paradigmas cruciais a respeito do mesmo. Para isso, olhamos para exemplos práticos de empreendedorismo social para categorizar e elaborar os módulos necessários. O empreendedorismo social pode ser visto como um procedimento de geração de valor através da integração de recursos de formas inovadoras. Estes arranjos de recursos são propostos principalmente para descobrir e explorar oportunidades de produzir valor social, motivando mudanças sociais ou atendendo necessidades sociais. O empreendedorismo social pode ser visto como um processo que envolve a contribuição de serviços e produtos, mas também pode denotar a criação de novas organizações. Os empreendedores sociais são categorizados por seus comportamentos muito distintos de habilidades especiais de gestão, um desejo de compreender sua visão e uma fibra ética duradoura. Não considerando a definição de lucro versus sem fins lucrativos, a principal variação entre empreendedorismo no setor empresarial e empreendedorismo social pode ser vista na importância comparativa dada à criação de riqueza social versus criação de riqueza econômica. Enquanto no empreendedorismo empresarial, a criação de riqueza social é considerada uma consequência do valor econômico criado, no empreendedorismo social a motivação chave está na criação de valor social. Isto, entretanto, não implica que as atividades de empreendedorismo social não devam colidir com uma estratégia de renda auferida. O conhecimento sobre empreendedorismo social só pode ser impulsionado pelo uso de uma diversidade de lentes teóricas e uma permutação de diferentes métodos de pesquisa. A avaliação do desempenho e influência social é um dos maiores desafios para especialistas e pesquisadores no campo do empreendedorismo social. O verdadeiro truque pode não ser a medida em si, mas sim como as ações podem ser utilizadas para calcular o desempenho e o impacto do empreendedorismo social. O empreendedorismo social pode se adequar a múltiplas formas, dependendo das circunstâncias sócio-econômicas e culturais. Dito de outra forma, os autores apontam o significado do conceito de embasamento para o estudo do empreendedorismo social.

Jeremy (2009) afirmou que, como um fluxo de pesquisa crescente, o empreendedorismo social sofre de questões que são comuns à gestão estratégica inicial e à pesquisa de empreendedorismo, como a falta de legitimidade de construção e conteúdo teórico indefinido. A pesquisa sobre empreendedorismo social está deixando de ter um foco principal nas preocupações com políticas públicas para passar a ser um tema mais central na literatura empresarial. Há uma considerável variação na mensuração do empreendedorismo social, tendo medidas que vão desde avaliações qualitativas como a natureza da inovação, o ajuste da oportunidade aos objetivos da comunidade e as estratégias de implementação até metas mais facilmente quantificáveis como a contribuição total e o tamanho da doação. A pesquisa em organizações sem fins lucrativos tem sido tradicionalmente preocupada em reduzir os males sociais, fornecer bens sociais que o mercado não irá fornecer adequadamente, e complementar as atividades governamentais através da ação dos cidadãos privados. Quando o empreendedorismo e a pesquisa pública/não-lucrativa colaboram, eles formam o empreendedorismo social ao incluir atividades que contribuem para a criação de novos valores sociais para atender a necessidades sociais não atendidas e/ou criar valores sociais. Também cria um processo inovador no qual as oportunidades são exploradas através da reunião de um pacote único de recursos no contexto de uma organização sem fins lucrativos ou do setor público.

Cai e Sun (2012) deram 4 preposições que complementavam a pesquisa que haviam realizado. Essas preposições que são, nomeadamente, conhecimento prévio, experiência anterior, redes sociais e alerta do empreendedor em sua totalidade, têm efeitos construtivos e estimulantes no reconhecimento de oportunidades no campo do empreendedorismo social. As organizações sem fins lucrativos que também ganham renda e lucro não são uma ocorrência nova.

Foto: Reprodução

Wolfgang (2012) tentou estabelecer que essa força pode ser exercida com diversos meios como regras, normas, sanções e mecanismos de credenciamento. O valor a que uma determinada área de atividade sem fins lucrativos é efetivada pelo empreendimento social e os resultados podem ser estudados com a ajuda da estruturação dos campos organizacionais. A estruturação é o processo pelo qual as áreas de uma atividade social são ordenadas. Em níveis muito mais elevados, este processo permite aumentar a interação e incorporação organizacional, desenvolvendo assim um consenso, embora nenhuma pesquisa metódica tenha sido realizada pelas abordagens especificadas. Mais um tema que não foi abordado foi até que ponto as organizações sem fins lucrativos dependem amplamente da renda obtida e são bem sucedidas em seus empreendimentos. Também precisamos identificar que a renda auferida pode governar as organizações sem fins lucrativos. Os desafios conceituais se desprendem do fato de que as melhores práticas não são costumeiras e a teoria da mudança não está alinhada. Além disso, os desafios operacionais consistem em situações em que os valores nem sempre podem ser medidos e a medição da qualidade não é sólida. Os desafios estruturais compreendem a questão de que existe uma diversidade importante dentro de cada campo não-lucrativo. Finalmente, os desafios práticos envolvem o fato de que os requisitos não são claros e precisos, as prioridades não são ordenadas e são inconsistentes e que a interação é restrita. Existe uma onda de tensão entre a visão sem fins lucrativos e o fenômeno do mercado. A deriva da missão é uma situação em que as atividades para atingir metas financeiras começam a dominar ou a mudar decretos sociais. Para identificar essa deriva, a administração precisa olhar de perto as mudanças no dia a dia das atividades.

Bala (2013) aprofunda a natureza dinâmica do empreendedorismo social e argumenta sobre as duas noções superpostas e possivelmente conflitantes. Em primeiro lugar, os resultados e impactos sociais são da maior importância, ou seja, as conseqüências da atividade social devem ser levadas em consideração e, em segundo lugar, o foco deve estar na geração de retornos e lucros e na criação de um valor de mercado junto com os resultados sociais. Eles propuseram com sucesso o Sistema Médio Híbrido que engloba as técnicas empresariais e comerciais, juntamente com abordagens gerenciais sem fins lucrativos e objetivos empresariais e sociais.

Doherty (2014) percebeu que, seguindo as tendências então atuais, era perceptível que as fronteiras entre as realizações sem fins lucrativos e as metas de lucro estavam diminuindo e se tornando mais fluidas. Este aspecto foi explorado por eles. Utilizaram uma busca exaustiva para selecionar literatura de pesquisa para capturar a diversidade no SE e apresentaram uma análise das metodologias. Essa análise os ajudou a estruturar a centralidade do conceito de hibridismo nos processos de gestão de empreendedorismo social. Suas pesquisas destacaram diversas preocupações com a promulgação de processos de gestão de empreendedorismo social.

Foto: Reprodução

O significado do empreendedorismo social para diferentes pessoas

No nível mais elementar, há algo intrinsecamente fascinante e apelativo sobre os empresários e as incríveis histórias de porquê e como eles fazem o que fazem. As pessoas são encantadas por empreendedores sociais como o Prêmio Nobel da Paz Muhammad Yunus (Grameen Bank) por muitas das mesmas razões que acham os empreendedores de negócios como Steve Jobs tão atraentes. Essas pessoas simples, mas extraordinárias, criaram idéias brilhantes e, contra todas as probabilidades, conseguiram criar novos produtos e serviços que melhoraram drasticamente a vida das pessoas ao seu redor.

O interesse pelo empreendedorismo social supera o fenômeno da popularidade e da maximização do lucro. O empreendedorismo social direciona a essência da mudança social e é esse potencial pagamento com seu benefício duradouro e transformador para a sociedade que coloca o campo e seus praticantes à parte.

A palavra empreendedorismo é uma benção mista. No lado positivo, implica uma capacidade especial e diferenciada de sentir e agir sobre as oportunidades, fundindo um pensamento “fora da caixa” com uma percepção única de determinação para criar ou trazer as mudanças necessárias no mundo. No lado negativo, o empreendedorismo é um evento ex post porque as atividades empreendedoras precisam de uma passagem de tempo antes que seu verdadeiro impacto se torne perceptível. Empreendedores sociais são líderes que precisam ou possuem dois tipos de habilidades, a saber, a capacidade de canalizar comunidades de partes interessadas variadas e habilidades adaptativas de longo prazo e responder a circunstâncias em mudança.

Foto: Reprodução

Bill Drayton, que iniciou a Ashoka no ano de 1980, surgiu com o conceito de empreendedorismo social, que visava incentivar o empreendedorismo social, fornecendo fundos para missões sociais em todo o mundo. Mais tarde, em 1997, Jed Emerson e Stephen Thake levaram esse conceito para o campo acadêmico. A idéia de empreendedorismo social reconheceu um reconhecimento mais amplo quando Muhammad Yunus ganhou o Prêmio Nobel da Paz 2006 por iniciar o Grameen Bank para criar desenvolvimento econômico e social através do microcrédito.

Um empreendedorismo social é um instituto que comercializa o ganho privado e também gera consequências sociais e ambientais positivas. Conforme expresso por Kerlin (2010), existem amplas definições de empreendedorismo social que também refletem diferentes diferenças regionais. Por exemplo, nos EUA, o empreendedorismo social aborda as abordagens de mercado para geração de renda e mudança social, enquanto na Europa, empreendedorismo social está localizado na tradição cooperativa da ação social coletiva. O Reino Unido deriva de ambas as origens, implicando que empreendedorismo social é principalmente uma estratégia empresarial com objetivos sociais cujos lucros podem ser reinvestidos para esse fim no negócio ou na comunidade, em vez de serem impulsionados pela necessidade de maximizar o lucro para acionistas e proprietários.

O empreendedorismo social pode implicar em conceitos diferentes para pessoas diferentes. Algumas pessoas o atribuem a empreendimentos sem fins lucrativos ou de renda ganha, outras o mencionam como empresários que incorporam a responsabilidade social em suas operações mas, eventualmente, qualquer definição de empreendedorismo social deve caracterizar a necessidade de um programa de mercado alternativo que funcione para os empresários empresariais. Implica iniciar um novo negócio ou crescer um empreendimento existente que simultaneamente agregue valor à capacidade da empresa, ao impacto da missão e ao boom financeiro.

Foto: Reprodução

A posição do empreendedorismo social do ponto de vista da sociedade moderna

Os empreendedores sociais são como os catalisadores da sociedade, da mesma forma que os empreendedores mudam a cara dos negócios. O empreendedorismo social consiste em improvisar sistemas, conceber novas abordagens, captar oportunidades que outros perdem e gerar soluções para mudar a sociedade para melhor. Diversos parâmetros diferenciam o empreendedorismo social das formas atuais de empreendimentos empresariais tradicionais.

1.Estratégia – No empreendedorismo social, a estratégia seguida é cooperativa e não competitiva devido à missão social dos empreendedores, ao capital de giro pobre e à orientação para o mercado.

2.Financiamento – O financiamento de empreendimentos empresariais é realizado através da emissão de ações – ações ou contração de dívidas de longo prazo – títulos ou dívidas de curto prazo – empréstimos. Essas fontes podem ser utilizadas por empreendimentos SE com fins lucrativos para a captação de recursos e os empreendimentos SE sem fins lucrativos também podem contrair empréstimos ou aceitar doações através da cobrança de admissão, venda ou aluguel. Assim, a diferença de financiamento entre organizações sociais com fins lucrativos e sem fins lucrativos reside na peculiaridade entre investidores e doadores.

3.Mercado – Os empreendedores empresariais funcionam em um ambiente de marketing onde a oferta e a demanda influenciam indiretamente o preço e a quantidade do produto vendido ou do serviço prestado. Por outro lado, um ambiente de marketing de empreendedor social geralmente implica que os custos não são totalmente cobertos pela receita.

4.Governança – O empreendedorismo empresarial é administrado por um Conselho de Administração responsável perante os proprietários e as partes interessadas. Os empreendimentos de empreendedorismo social sem fins lucrativos têm a possibilidade de uma estrutura de governança diferente. Eles podem formar uma organização subsidiária administrada por um conselho de empresa se quiserem administrar uma parte de seu empreendimento com fins lucrativos.

5.Falha do mercado – Uma teoria articulada por trás da existência de organizações de propósito social é que elas surgem quando há uma falha do mercado social, ou seja, as forças do mercado comercial não preenchem uma necessidade social, como no caso de bens públicos ou na falência de contratos. Isto pode ser devido à incapacidade de quem precisa dos serviços para pagá-los. Um problema para o empreendedor comercial é uma oportunidade para o empreendedor social.

6.Missão- O propósito essencial do empreendedorismo social é criar valor social para o maior bem público, enquanto o empreendedorismo comercial visa criar operações lucrativas resultando em ganhos privados. Este contraste é bastante exagerado. O empreendedorismo comercial beneficia a sociedade na forma de novos e valiosos bens, serviços e empregos e pode ter impactos sociais transformadores. No entanto, as diferenças básicas de propósito e recompensa ainda podem ser úteis para a análise comparativa.

7.Mobilização de recursos – A restrição não-distributiva aos excedentes gerados por organizações sem fins lucrativos e o propósito social embutido das formas híbridas ou com fins lucrativos de empreendimentos sociais confina os empreendedores sociais de entrar nos mesmos mercados de capitais que os empreendedores comerciais. Além disso, as finanças de um empreendimento social empreendedor muitas vezes tornam desafiador remunerar o pessoal de forma tão competitiva quanto nos mercados comerciais.

8.Medição de desempenho – O objetivo social do empreendedor social suporta maiores desafios para medir o desempenho do que o empreendedor tradicional, que pode contar com medidas de desempenho relativamente tangíveis e quantificáveis, tais como indicadores financeiros, participação de mercado, satisfação do cliente e qualidade. Além disso, os diversos stakeholders financeiros e não financeiros aos quais uma empresa de empreendedorismo social responde são em maior número e mais diversificados, causando assim maior complexidade na gestão dessas relações.

Foto: Reprodução

Modelando o empreendedorismo social

Modelos de negócio abrem um caminho útil e são ferramentas eficazes para que os tomadores de decisão corporativos possam capturar informações, analisar situações e tomar decisões, a fim de criar vantagens competitivas para as empresas. Entretanto, com mais concorrência e menos capacidade de mercado, as empresas tradicionais enfrentam muitos desafios. Há inúmeras opiniões sobre os motores da inovação dos modelos de negócios, como o impulso da tecnologia e da demanda do mercado, a pressão dos concorrentes e a influência dos decisores internos etc., mas um único motor não pode descrever inteiramente o fenômeno. Um modelo variável é a razão essencial para que uma indústria permaneça lucrativa em um ambiente dinâmico. As inovações do modelo de negócios podem se espalhar e alavancar os principais ativos, capacidades e relacionamentos. Há quatro tipos de inovações descritas: Linder e Cantrel.

  1. Modelo de Realização – As empresas utilizam o potencial de seu modelo de negócio atual e maximizam os retornos de sua lógica operacional predominante.
  2. Modelo de renovação – As empresas rejuvenescem suas plataformas de produtos e serviços, marcas, estruturas de custos, etc., estabelecendo assim novas posições na curva preço/valor.
  3. Modelo de extensão – As empresas multiplicam seus negócios para incluir novos mercados, funções da cadeia de valor e linhas de produtos e serviços.
  4. Modelo de viagem – As empresas mudam decisivamente para um novo modelo operacional e nunca mais retornam.

Em comparação com os tradicionais, os empreendimentos sociais funcionam de uma forma fundamentalmente diferente devido à primeira missão de valor social. Posteriormente, é uma Journey-Model-Innovation. Os motivos que os empreendedores sociais utilizam para selecionar um novo modelo de negócio dependem das exigências instintivas da sociedade. Como o eventual propósito da inovação do modelo de negócios do empreendedorismo social é buscar o equilíbrio entre o valor social e a manutenção do desenvolvimento sustentável. Se apenas visamos o valor social sem pensar na capacidade econômica, ele não pode sustentar o crescimento a longo prazo. Pelo contrário, destacar a maximização do lucro econômico, mas desconsiderar a missão social é a lógica tradicional. O sucesso só pode ser definido quando percebemos um equilíbrio entre a lógica social e gerencial que pode ser avaliado a partir de um determinado diagrama.

Foto: Reprodução

O processo de empreendedorismo social

Podemos identificar duas concepções coincidentes e possivelmente contraditórias de empreendedorismo social. O primeiro elemento enfatiza os resultados sociais, as mudanças sociais e o impacto social, o que coloca a importância nos resultados sociais da atividade. Outros elementos da literatura enfatizam a geração de receitas e excedentes e a demonstração de proezas empresariais na busca de resultados sociais. Os empreendedores sociais devem refletir o equilíbrio adequado entre o investimento na parte geradora de receita da empresa e o investimento na parte responsável pela obtenção de resultados sociais. Devemos agora voltar nossa atenção para o desafio de gerir um empreendimento social diante de tais aparentes contradições e complexidades. Precisamos de uma estrutura e caracterização para enquadrar o empreendedorismo social no lugar.

1.Estratégia de desenvolvimento – No processo de empreendedorismo social, a estratégia de desenvolvimento reside na produção de um patamar de igualdade para todos. Ao contrário do processo de desenvolvimento de negócios, onde o desenvolvimento de novos produtos é direcionado para recompensas financeiras, aqui ele se concentra nos benefícios sociais. A abordagem convencional de desenvolvimento de produtos que engloba uma avaliação frouxa da tecnologia e do mercado ou, em alguns casos, uma total falta de avaliação, ainda prospera na atual estratégia de desenvolvimento da SE. Somando-se a esta situação, os problemas básicos inerentes ao desenvolvimento de novos produtos no mundo dos negócios ainda são relevantes em SE.

2.Objetivos de desenvolvimento – A incorporação efetiva da estratégia de mercado e tecnologia está ausente na atual implantação de uma estrutura para a estratégia de desenvolvimento. O suporte ao cliente é uma vertente enfraquecedora no atual esforço de desenvolvimento do SE. Há total deficiência de incorporação do cliente no front end da estratégia. Normalmente os empreendedores apenas lançam produtos que eles acham que irão suprir a necessidade dos clientes sem envolvê-los. É importante saber qual é exatamente o problema e com que precisão este problema afeta as pessoas que serão nossos clientes potenciais.

3.Financiamento – Pode ser feito de duas maneiras. O Bootstrapping é um processo de financiamento de uma pequena empresa através da aquisição e utilização inovadora de recursos, sem levantar dinheiro de outras fontes tradicionais ou de um banco. Os capitalistas de risco (VC) são outra forma de financiamento. Atualmente, os capitalistas de risco raramente são capazes de financiar pequenas empresas iniciantes ou uma organização social, independentemente da qualidade do empreendimento, devido a critérios definidos de investimento, não estando integrados no processo de desenvolvimento e altos custos de diligência, negociação e monitoramento. Os VCs entram como doadores e filantropos e não conseguem ganhar dinheiro em empreendimentos sociais porque são organizados como instituições de caridade.

4.A equipe – Empresários são muito apaixonados por seus objetivos. Às vezes eles não são especialistas na área ou às vezes podem pertencer ao domínio, mas o desejo de mudança é algo que é muito comum a todos eles.

Foto: Reprodução

O verdadeiro canal de desenvolvimento nas práticas existentes implementadas pelos empreendedores sociais passa por diferentes passos e formas, mas mútuo a cada um deles é o fato de que as idéias fluem livremente e de forma descontrolada. Não há portais rigorosos durante a filtragem e o ajuste fino das idéias. Muitos empreendedores sociais contrataram o gargalo do funil de desenvolvimento para a triagem de idéias por intuição com base na situação que estão enfrentando naquele momento. Estes processos de desenvolvimento variam consideravelmente do processo de desenvolvimento do negócio e abstêm-se de utilizar o modelo de desenvolvimento do negócio. As fases/etapas de desenvolvimento dos atuais empreendimentos de empreendedorismo social incluem:

1.Revisar sua visão e missão – Cada organização tem uma missão e uma visão que é dirigida na direção de seu objetivo e propósitos de longo prazo. Portanto, neste contexto, o propósito é socialmente orientado.

2.Estabelecer a disposição de risco da organização – Algumas partes interessadas não favorecem os riscos enquanto outras se destacam em empreendimentos de risco. Este é o fato de que os empreendimentos sociais envolvem maiores investimentos de risco em relação aos empreendimentos empresariais, especificamente porque os retornos monetários não impulsionam os investimentos sociais.

3.Estabelecer o resultado da missão do negócio – Aqui, visamos os resultados preferenciais da missão e estabelecemos o escopo da missão. A comunidade de usuários também é integrada ao processo neste nível para melhor compreender e se adaptar às suas necessidades.

4.Geração de ideias e refinamento – Embora a geração de idéias comece junto com a revisão da missão, elas são modificadas e refinadas de acordo com a necessidade social percebida ou para atender a uma lacuna na sociedade.

5.Incubação – Uma vez refinada a ideia gerada, a implementação começa com um pequeno pedaço. Isto porque os capitalistas de risco não estão envolvidos neste ponto.

6.Plano de negócios – Quando as fases acima são aceitas com sucesso pelas partes interessadas, podemos agora desenvolver o plano de negócios. Neste nível, o empresário está se preparando para a implementação completa do mercado.

7.Implementação completa com prestação de contas – Aqui ocorre o “ramp-up/expansão” do projeto e sua posterior operação

Deixe uma resposta