Castanha do Pará, (Bertholletia excelsa), também chamada de castanha-do-brasil, é uma semente comestível de uma grande árvore sul-americana (família Lecythidaceae) encontrada nas florestas amazônicas do Brasil, Peru, Colômbia e Equador. A castanha-do-pará é particularmente conhecida no estado brasileiro do Pará, onde é chamada castanha-do-pará e é cultivada como uma das principais castanhas comercialmente comercializadas no mundo. A castanha-do-pará é comumente consumida crua ou branqueada e é rica em proteínas, fibra dietética, tiamina, selênio, cobre e magnésio. O óleo é freqüentemente usado em xampus, sabonetes, condicionadores de cabelo e produtos para o cuidado da pele.

A castanheira cresce selvagem em barracas na bacia do rio Amazonas. Muitas vezes se eleva sobre seus vizinhos, atingindo alturas de 49 metros (160 pés) ou mais, com sua copa espalhada por mais de 30 metros (100 pés) de diâmetro. O tronco de tronco de contração geralmente tem menos de 2 metros de diâmetro, mas já foram observados exemplares de 3 metros de diâmetro. As árvores têm folhas ovais com margens lisas e produzem flores de cor branca a creme incomum, com simetria bilateral.

Os frutos de casca dura são vagens esféricas, de 8-18 cm (3-7 polegadas) de diâmetro, que se assemelham a grandes cocos pendurados nas extremidades dos galhos grossos da árvore. Uma vagem típica de 15 cm (6 polegadas) pode pesar até 2,3 kg (5 libras) e contém 12-24 nozes, ou sementes, que são dispostas como as seções de uma laranja. Uma árvore madura produzirá mais de 300 vagens, que amadurecem e caem no chão de janeiro a junho. As vagens são colhidas do chão da floresta, e as sementes são retiradas, secas ao sol, e depois lavadas e exportadas enquanto ainda em suas conchas. A concha marrom é muito dura e tem três lados.

A castanha do Pará é um dos produtos não-madeireiros mais valiosos da Amazônia, mas é extremamente sensível ao desmatamento, por causa de suas complexas exigências ecológicas. As árvores produzem frutos somente em habitats não perturbados e não podem ser cultivadas em povoamentos puros. Elas requerem grandes abelhas nativas para a polinização de suas flores semi-encerradas e dependem apenas de cutias (roedores de médio porte) para a dispersão de suas sementes. As castanhas-do-pará são colhidas principalmente na natureza pela população local. Muitas comunidades de base florestal dependem da coleta e venda da castanha-do-pará como uma fonte vital e sustentável de renda, e a castanha-do-pará fornece proteínas e calorias para brasileiros tribais, rurais e até mesmo urbanos. Os nativos da Amazônia usam as vagens vazias como recipientes e fabricam a casca para tratar as doenças do fígado.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios da castanha do Pará para a saúde?

A castanha do Pará é uma árvore nativa da floresta tropical amazônica no Brasil, Bolívia e Peru. Sua textura suave e amanteigada e seu sabor de nozes são tipicamente apreciados crus ou branqueados. Estas nozes são densas em energia, altamente nutritivas e uma das fontes dietéticas mais concentradas do selênio mineral.

Comer castanhas-do-pará pode beneficiar sua saúde de diversas maneiras, incluindo a regulação da glândula tireoide, reduzindo a inflamação e apoiando seu coração, cérebro e sistema imunológico.

Aqui estão 7 benefícios comprovados à saúde e nutrição da castanha-do-pará:

Repleta de nutrientes

As castanhas-do-pará são muito nutritivas e densas em energia. Uma porção de 28 gramas de castanha-do-pará contém os seguintes nutrientes:

  • Calorias: 187
  • Proteína: 4,1 gramas
  • Gordura: 19 gramas
  • Carboidratos: 3,3 gramas
  • Fibra: 2,1 gramas
  • Selênio: 988% da Ingestão Diária de Referência (IDR)
  • Cobre: 55% da IDR
  • Magnésio: 33% do
  • Fósforo: 30% da IDR
  • Manganês: 17% da IDR
  • Zinco: 10,5% da IDR
  • Tiamina: 16% da IDR
  • Vitamina E: 11% da IDR

As castanhas do Brasil são ricas em selênio, com apenas uma castanha contendo 96 mcg, ou 175% da IDR. A maioria das outras castanhas fornecem menos de 1 mcg, em média. Além disso, elas têm concentrações mais altas de magnésio, cobre e zinco do que a maioria das outras castanhas, embora as quantidades exatas desses nutrientes possam variar de acordo com o clima e o solo.

Finalmente, as castanhas do Brasil são uma excelente fonte de gorduras saudáveis. De fato, 36% das gorduras da castanha do Brasil são 37% de ácidos graxos polinsaturados, um tipo de gordura que comprovadamente beneficia a saúde do coração.

Foto: Reprodução

Rica em selênio

As castanhas-do-pará são uma rica fonte de selênio. Na verdade, elas contêm mais deste mineral do que qualquer outra castanha com uma média de 96 mcg por castanha. Entretanto, algumas chegam a conter até 400 mcg por castanha.

A IDR para selênio é de 55 mcg por dia para adultos. Assim, a média da castanha-do-pará contém 175% da quantidade necessária deste mineral. O selênio é um elemento traço que é vital para o bom funcionamento de seu corpo. Ele é essencial para sua tireoide e influencia seu sistema imunológico e crescimento celular.

De fato, níveis mais altos de selênio têm sido ligados ao aumento da função imunológica e melhores resultados para câncer, infecções, infertilidade, gravidez, doenças cardíacas e distúrbios do humor.

Embora a deficiência de selênio seja rara, muitas pessoas em todo o mundo têm uma ingestão insuficiente de selênio para um funcionamento ideal. Por exemplo, o status de selênio subótimo foi encontrado em pessoas em toda a Europa, no Reino Unido e no Oriente Médio.

As castanhas do Brasil são uma forma altamente eficaz de manter ou aumentar sua ingestão de selênio. De fato, um estudo em 60 pessoas descobriu que comer duas castanhas-do-pará por dia era tão eficaz quanto tomar um suplemento de selênio para elevar os níveis de selênio.

Foto: Reprodução

Suporta a função tireoidiana

Sua tireoide é uma glândula pequena, em forma de borboleta, que fica na sua garganta. Ela segrega vários hormônios essenciais para o crescimento, metabolismo e regulação da temperatura corporal.

O tecido tireóide tem a maior concentração de selênio, pois é necessário para a produção do hormônio tiroidiano T3, assim como proteínas que protegem sua tireóide de danos.

A baixa ingestão de selênio pode levar a danos celulares, redução da atividade da tireoide e distúrbios auto-imunes como a tireoidite de Hashimoto e a doença de Graves. Também pode aumentar seu risco de câncer de tireoide.

Um grande estudo na China mostrou que pessoas com baixos níveis de selênio tinham uma prevalência significativamente maior de doenças da tireóide, tais como hipotiroidismo, tireoidite e uma tireóide aumentada, em comparação com aquelas com níveis normais.

Isto destaca a importância de se obter uma ingestão adequada de selênio. Apenas uma castanha-do-pará por dia deve fornecer selênio suficiente para manter a função tireoidiana adequada.

Foto: Reprodução

Pode ajudar as pessoas com problemas de tireoide

Além de assegurar o funcionamento adequado da tireoide, o selênio pode melhorar os sintomas em pessoas que têm distúrbios da tireoide. A tireoidite de Hashimoto é um distúrbio auto-imune no qual o tecido da tireoide é gradualmente destruído, levando ao hipotiroidismo e a uma série de sintomas como fadiga, ganho de peso e sensação de frio.

Várias revisões descobriram que a complementação com selênio pode melhorar a função imunológica e o humor das pessoas com tireoidite de Hashimoto. Entretanto, duas outras revisões concluíram que não há evidências suficientes para determinar o papel do selênio no tratamento da doença. Portanto, são necessárias mais pesquisas.

Enquanto isso, a doença de Graves é um distúrbio da tireoide em que se produz muito hormônio da tireoide, levando a sintomas como perda de peso, fraqueza, problemas de sono e olhos abaulados. Estudos demonstraram que a suplementação com selênio pode melhorar a função tireoidiana e retardar a progressão de alguns sintomas em pessoas com esta doença. Entretanto, são necessárias mais pesquisas.

Nenhum estudo investigou o uso da castanha-do-pará como fonte de selênio, especificamente em pessoas com tireoidite ou doença de Graves. Entretanto, incluí-las em sua dieta pode ser uma boa maneira de garantir que seu status de selênio seja adequado.

Foto: Reprodução

Pode reduzir a inflamação

As castanhas-do-pará são ricas em antioxidantes, que são substâncias que ajudam a manter suas células saudáveis. Elas o fazem combatendo os danos causados pelas moléculas reativas chamadas radicais livres. A castanha-do-pará contém vários antioxidantes, incluindo selênio, vitamina E e fenóis como ácido gálico e ácido elágico

O selênio aumenta os níveis de uma enzima conhecida como glutationa peroxidase (GPx), que ajuda a reduzir a inflamação e proteger seu corpo do estresse oxidativo – um desequilíbrio entre antioxidantes e radicais livres que pode levar a danos celulares. Os efeitos anti-inflamatórios das castanhas-do-pará podem ser alcançados a partir de doses únicas, grandes e pequenas doses durante um período mais longo.

Um estudo em 10 pessoas observou que uma única porção de 20 ou 50 gramas (4 ou 10 nozes, respectivamente) reduziu significativamente um número de marcadores inflamatórios, incluindo interleucina-6 (IL-6) e fator de necrose tumoral alfa (TNF-alfa). Outro estudo de três meses deu às pessoas em tratamento de insuficiência renal uma castanha do Brasil por dia. Descobriu que seus níveis de selênio e GPx haviam aumentado, enquanto seus níveis de marcadores inflamatórios e colesterol haviam diminuído significativamente.

Entretanto, estudos de acompanhamento observaram que uma vez que as pessoas pararam de comer castanha-do-pará, estas medidas voltaram aos seus níveis originais. Isto demonstra que mudanças dietéticas de longo prazo são necessárias para colher os benefícios da castanha-do-pará.

Foto: Reprodução

Boa para o seu coração

As castanhas do Brasil contêm ácidos graxos saudáveis, como as gorduras polinsaturadas, e são ricas em antioxidantes, minerais e fibras, tudo isso pode ajudar a diminuir o risco de doenças cardíacas. Um estudo realizado em 10 adultos saudáveis investigou os efeitos da ingestão de castanhas-do-pará sobre os níveis de colesterol. O estudo deu a eles 5, 20 ou 50 gramas de castanha-do-pará ou um placebo.

Após 9 horas, o grupo que recebeu uma porção de 20 ou 50 gramas tinha níveis mais baixos de colesterol LDL (mau) e níveis mais altos de colesterol HDL (bom), em comparação aos grupos que receberam doses mais baixas. Outro estudo analisou os efeitos da ingestão de castanhas-do-pará em pessoas obesas com deficiência de selênio que estavam em tratamento para doenças renais.

Descobriu que comer castanhas-do-pará contendo 290 mcg de selênio diariamente durante 8 semanas aumentou significativamente os níveis de colesterol HDL. Melhorar seus níveis de colesterol HDL pode diminuir o risco de doenças cardíacas.

Além disso, um estudo de 16 semanas em adolescentes obesos observou que comer 15-25 gramas de castanhas-do-pará por dia melhorou o funcionamento dos vasos sanguíneos e reduziu os níveis de colesterol LDL e triglicérides. Os efeitos da castanha-do-pará na saúde do coração são promissores. No entanto, são necessárias mais pesquisas para determinar a dose ideal e quais populações podem colher os maiores benefícios.

Foto: Reprodução

Pode ser boa para seu cérebro

As castanhas-do-pará contêm ácido elágico e selênio, o que pode beneficiar seu cérebro. O ácido elágico é um tipo de polifenol nas castanhas-do-pará. Ele tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias que podem ter efeitos protetores e antidepressivos em seu cérebro. O selênio também pode desempenhar um papel na saúde do cérebro, atuando como antioxidante.

Em um estudo, adultos mais velhos com deficiência mental comeram uma castanha-do-pará por dia durante seis meses. Além de experimentar um aumento dos níveis de selênio, eles mostraram uma melhora na fluência verbal e na função mental.

Baixos níveis de selênio estão associados a doenças neurodegenerativas como Alzheimer e Parkinson, portanto é importante garantir uma ingestão adequada.

Além disso, algumas pesquisas sugerem que a suplementação com selênio pode ajudar a mediar uma má disposição, que está significativamente associada a uma ingestão inadequada de selênio. Entretanto, os resultados são conflitantes, e mais pesquisas são necessárias.

Imagem: Reprodução

Quais são os riscos à saúde ao comer castanha-do-pará?

A castanha-do-pará oferece alguns benefícios impressionantes à saúde, mas comer demais pode ser prejudicial.

Na verdade, uma ingestão de 5.000 mcg de selênio, que é a quantidade em aproximadamente 50 castanhas-do-pará de tamanho médio, pode levar à toxicidade. Esta condição perigosa é conhecida como selenose e pode causar problemas respiratórios, infarto do miocárdio e insuficiência renal. Além disso, o excesso de selênio, particularmente dos suplementos, tem sido associado a um risco maior de diabetes e câncer de próstata.

Entretanto, comunidades na Amazônia com dietas tradicionais que são naturalmente altas em selênio não mostraram nenhum efeito negativo ou sinais de toxicidade do selênio. No entanto, é importante limitar sua ingestão diária de castanhas-do-pará.

O nível superior de consumo de selênio para adultos é de 400 mcg por dia. Por esta razão, é importante não comer muitas castanhas-do-pará e verificar os rótulos nutricionais quanto ao teor de selênio.

Limitar sua ingestão a uma a três castanhas-do-pará por dia é uma maneira inteligente de evitar o consumo excessivo de selênio. Além disso, as pessoas com alergia a castanhas-do-pará podem ser alérgicas a castanhas-do-pará e precisam evitá-las.

As castanhas-do-pará são potências nutricionais, fornecendo gorduras saudáveis, antioxidantes, vitaminas e minerais. Elas são particularmente altas em selênio, um mineral com potentes propriedades antioxidantes.

Comer castanhas-do-pará pode reduzir a inflamação, apoiar a função cerebral e melhorar a função tireoidiana e a saúde do coração. Para evitar o consumo excessivo de selênio, limite sua ingestão a uma a três castanhas-do-pará por dia.

Foto: Reprodução

Fonte: www.britannica.com

www.healthline.com

Deixe uma resposta