A Arnica é um gênero de ervas perenes pertencentes à família do girassol (Asteraceae). Várias espécies de arnica, principalmente a Arnica montana, contêm um composto anti-inflamatório que se acredita aliviar a dor, as dores e as contusões quando aplicado topicamente. A arnica é nativa das regiões subalpinas da América do Norte ocidental, mas também pode ser encontrada em regiões árticas da Europa, Ásia e América do Norte.1

As plantas de arnica têm folhas longas e flores amarelas ou alaranjadas brilhantes, com flores entre 2 e 3 polegadas de largura. O mesmo ingrediente que dá à arnica seus efeitos anti-inflamatórios, chamado de helenalina, é extremamente tóxico quando consumido e irritante para a pele, a menos que diluído.

A arnica é mais comumente vendida como pomada tópica, gel ou creme, mas também está disponível como extrato, tintura, suplemento oral, pelota sublingual (sob a língua), pó, óleo de aromaterapia e erva “selvagem” seca.

Foto: Reprodução

Quais são os benefícios da arnica para a saúde?

A arnica é comumente usada na medicina alternativa para o tratamento de hematomas, dor, mialgia (dor muscular) e artralgia (dores articulares).

A arnica é comumente comercializada pelos fabricantes de medicamentos homeopáticos como um tratamento eficaz para a osteoartrite, neuralgia pós-parto, neuropatia diabética, dor pós-cirúrgica, cicatrização de feridas e até mesmo câncer, embora haja poucas evidências científicas que apóiem seu uso no tratamento de qualquer condição médica.2

Isto não quer dizer que a arnica esteja sem benefícios; é simplesmente que os estudos clínicos que investigam a arnica são quase sempre pequenos, mal desenhados e muitas vezes contraditórios em suas descobertas.

Osteoartrose

A osteoartrite, freqüentemente referida como artrite de “desgaste”, é geralmente tratada com antiinflamatórios não esteróides (AINEs). Os homeopatas sugerem há muito tempo que a arnica, com suas propriedades antiinflamatórias, oferece uma alternativa natural razoável e segura aos AINEs.

Em uma revisão abrangente dos estudos publicados no Banco de Dados Cochrane de Revisões Sistemáticas, pesquisadores da Austrália analisaram sete ensaios publicados anteriormente examinando os benefícios dos remédios fitoterápicos tópicos em pessoas com osteoartrose.

Dos remédios estudados, o gel de arnica parecia funcionar quase tão bem quanto o Advil (ibuprofeno) na redução da dor e na melhoria da função articular em pessoas com osteoartrose da mão. Entretanto, as pessoas que usaram gel de arnica tiveram uma maior incidência de efeitos colaterais em comparação com o Advil (13% contra 8%), e algumas até relataram um aumento na rigidez e dor articular.

Foto: Reprodução

Dor e hematoma pós-cirúrgicos

Os defensores da arnica acreditam que ela pode reduzir contusões e inchaços após a cirurgia quando aplicada topicamente ou tomada como um suplemento oral.

Uma revisão dos estudos de 2016 no American Journal of Therapeutics sugeriu que a A. montana era uma “alternativa válida aos antiinflamatórios não esteróides no tratamento da dor pós-operatória, edema (inchaço) e equimose (equimoses), mas acedeu que os resultados variavam substancialmente pela formulação, dose e estudo.

Em contraste, outra revisão publicada em Cirurgia Dermatológica encontrou provas insuficientes para apoiar o uso de arnica oral ou tópica no tratamento de edema ou equimose pós-cirúrgica.

Dores musculares

A mialgia (dor muscular) está associada a uma ampla gama de condições médicas, bem como ao simples uso excessivo de seus músculos. A maioria dos estudos que investigam a arnica tem se concentrado em seu uso no tratamento da mialgia pós-exercional. A arnica tem sido usada há muito tempo em suplementos esportivos justamente para tais fins, embora haja poucas evidências que apoiem tal uso.

Uma revisão altamente subjetiva dos estudos publicados no International Journal of Complementary and Alternative Medicine endossou fortemente o uso combinado de arnica oral e tópica no tratamento de lesões musculares, embora quatro dos estudos incluídos na revisão não tenham encontrado tais benefícios em comparação com um placebo.

Foto: Reprodução

Quais são os possíveis efeitos colaterais da arnica?

A arnica é conhecida por causar efeitos colaterais, mesmo quando usada em preparações tópicas altamente diluídas. Efeitos colaterais mais graves podem ocorrer quando tomados por via oral.

Utilização tópica

A arnica pode causar uma reação alérgica leve, principalmente em pessoas com uma alergia pré-existente a plantas da família Asteraceae, incluindo tasneira, calêndula, crisântemos e margaridas.7

A arnica também pode desencadear aumentos transitórios na pressão sanguínea e freqüência cardíaca, particularmente se usada excessivamente ou em pele quebrada. A pele quebrada permite uma maior absorção do ingrediente ativo e também pode causar picadas localizadas.

Foto: Reprodução

Uso oral

A maioria dos remédios homeopáticos para arnica são extremamente diluídos e considerados seguros. No entanto, algumas formas podem conter quantidades detectáveis de helenalina que podem representar riscos à saúde.

Quando consumida por via oral, a arnica pode causar:

  • Irritação na boca e garganta
  • Dor de estômago
  • Diarreia
  • Vômito
  • Falta de ar
  • Contusões e sangramentos fáceis
  • Rápido batimento cardíaco
  • Pressão arterial alta
Foto: Reprodução

Quais são as contraindicações e interações da arnica?

A arnica pode retardar a coagulação do sangue e deve ser descontinuada duas semanas antes da cirurgia para reduzir o risco de sangramento pós-operatório, minando seu suposto benefício na redução de dores e hematomas pós-cirúrgicos.

Devido a seus efeitos anti-coagulantes, a arnica deve ser evitada se você estiver tomando qualquer droga anticoagulante (diluição do sangue) como Coumadin (warfarina), Plavix (clopidogrel), heparina, e AINEs. Fazer isso pode aumentar o risco de sangramento e hematomas.

Pouco se sabe sobre a segurança da arnica durante a gravidez. Se você estiver grávida ou amamentando, consulte seu médico antes de usar a arnica de qualquer forma.

Foto: Reprodução

Seleção, preparação e armazenamento da arnica

Arnica montana é a espécie mais comumente usada para fins medicinais, embora chamissonis, A. longifolia e A. gracilis também sejam às vezes usadas.

A maioria das preparações de arnica de venda livre são repetidamente destiladas, resultando em géis, pomadas e extratos com pouca ou nenhuma helenalina. O mesmo se aplica aos pós de arnica, cápsulas e pellets sublingual que normalmente não contêm helenalina (questionando ainda mais seus benefícios anti-inflamatórios).

Ao comprar arnica, procure marcas que tenham sido testadas por um organismo de certificação independente como a U.S. Pharmacopeia (USP), ConsumerLab, ou NSF International. Desta forma, você pode ter certeza de que os ingredientes no rótulo do produto estão corretos e dizer se alguma helenalina está incluída na formulação.

Você também deve verificar se o nome latino da espécie arnica (como Arnica montana) está incluído no rótulo do produto, e desconfie de qualquer produto que afirma conter “arnica pura”.

A maioria das preparações de arnica pode ser armazenada à temperatura ambiente. Como regra geral, armazene-as em seus recipientes originais longe da luz solar direta e nunca use mais a dose listada no rótulo do produto. Descarte qualquer preparação que tenha ultrapassado sua data de validade.

Deixe uma resposta